Audi Q3 2.0 TDI – Ensaio

By on 26 Junho, 2017

Audi Q3 2.0 TDI 150 cv Design

Texto: João Botelho

Como já o referimos por algumas vezes, o segmento dos SUV cresce e cresce, não havendo nenhum construtor que se possa dar ao luxo de negligenciar a oferta de um modelo com estas características. Ora, como é natural, as marcas premium incluem-se nesse lote e o Audi Q3 representa a marca dos quatro anéis no segmento compacto, tendo o BMW X1 e o Mercedes-Benz GLA como os seus principais rivais.

Não sendo propriamente um êxito de vendas, o Q3 precisava de refrescar um pouco a sua imagem e foi isso que a Audi conseguiu para 2015. As alterações são mais técnicas do que visuais, passando pela oferta, de série, dos faróis de xénon – sendo os de LED uma opção – pela nova chapeleira, que deixa de ser fixa para passar a recolher, ou, mais importante do que tudo, pela actualização da gama de motores, com destaque para a versão aqui em ensaio, com o bloco 2.0 TDI que ganhou 7 cv, chegando agora aos 150 cv, ao mesmo tempo que está mais frugral, e suspensão com nova configuração de amortecimento.

Na prática, as alterações operadas no Audi Q3 deixam-no mais prático, já que a nova chapeleira é evidente progresso e com um recheio de equipamento de série um tudo ou nada melhor, continuando a faltar uns quantos elementos mundanos. Já as alterações operadas no motor 2.0 TDI resultam num maior refinamento, fruto da maior contenção das vibrações e maior linearidade na entrega de potência. Não sendo especialmente rápido, o bloco Diesel permite prestações mais do que satisfatórias e, acima de tudo, tem disponibilidade desde os regimes mais baixos, só sentido perda de fulgor nas duas últimas relações de caixa, de tão longas que são. A verdade é que este escalonamento da caixa é que permite consumos medidos comedidos para um automóvel com estas características, cotando-se como um dos melhores da classe.

Refinado é também o amortecimento, beneficiando de uma suspensão com um excelente binómio conforto/comportamento, capaz de isolar todas as irregularidades do asfalto, ao mesmo tempo que controla de forma bastante eficaz os movimentos da carroçaria. Claro que, aqui, muito deste resultado advém do facto da versão ensaiada contar com jantes de apenas 17”, perfeitas para elevar os níveis de conforto. Uma escolha acertada, sem qualquer dúvida.
Não sendo o pináculo da diversão ao volante o Q3, consegue manter ritmos vivos, mesmo em estradas sinuosas, cativando pela confiança incutida e facilidade de perceber as suas reações.

É no habitáculo que o Audi Q3 revela as suas maiores limitações. O desenho está bastante datado face aos modelos mais modernos, apresentando diversas soluções antiquadas e vistas em modelos que já não se produzem, como a segunda geração do A3, como é o caso do painel de instrumentos ou comandos da climatização. Isto resulta num ambiente pouco premium, até porque a qualidade também está bastante longe do actual A3, por exemplo. Ao mesmo tempo, há soluções de ergonomia pouco aceitáveis num automóvel deste segmento de preço, como o caso da colocação do controlo do sistema multimédia, ou dos comandos de climatização. A versão ensaiada, Design, ainda mais acentua o ambiente pouco premium, recorrendo a uns bancos sem qualquer apoio lateral, com um padrão muito anos 90, e um volante de quatro braços de desenho muito pouco interessante. Para enquadrar o caro leitor, o Audi Q3 coloca-se como o SUV da gama A3, mas, no fundo, o interior é o do A1, com um desenho menos interessante. Pouco, muito pouco, para um automóvel com um PVP acima dos 42.000 euros.

O Audi Q3 está melhor, mais prático, mais eficiente, faz tudo bem, mas precisa de uma reformulação profunda do seu habitáculo para ser realmente premium.

FICHA TÉCNICA

Motor

Tipo – 4 cilindros em linha, long., inj. common-rail, turbo, Diesel

Cilindrada (cm3) – 1968

Diâmetro x curso (mm) – 81,0 x 95,5

Taxa de compressão – 15,8:1

Potência máxima (cv/rpm) – 150

Binário máximo (Nm/rpm) – 380/1750-2800

Transmissão e direcção – Tracção dianteira, caixa manual de 6 velocidades, direcção com assistência eléctrica, pinhão e cremalheira

Suspensão (fr/tr) – Tipo McPherson/paralelogramo deformável

Prestações e consumos

Aceleração 0-100 km/h (s) – 9,6

Velocidade máxima (km/h) – 204

Consumos Extra-urb./urbano/misto (l/100 km) – 4,2/5,4/4,6

Emissões de CO2 (g/km) – 121

Dimensões e pesos 

Comp./largura/altura (mm) – 4388/1831/1590

Distância entre eixos (mm) – 2603

Largura de vias (fr/tr) (mm) – 1575/1571

Travões (fr/tr) – Discos ventilados/discos

Peso (kg) – 1485

Capacidade da bagageira (l) – 460-1365

Depósito de combustível (l) – 64

Pneus – 230/55 R17