Museo Storico Alfa Romeo: visitámos o renovado santuário de Arese

By on 16 Agosto, 2019

O convite feito para conhecer os segredos da plataforma Giorgio, que serve de base ao Alfa Romeo Giulia e ao Alfa Romeo Stelvio, deu-me a oportunidade de regressar ao Museu da Alfa Romeo. Um regresso muitos anos depois ao santuário de Arese, totalmente renovado, mas mantido nas antigas instalações da casa do Biscione.

O Museo Storico Alfa Romeo abriu portas no dia 18 de dezembro de 1976, num edifício frente à sede da marca, no meio do complexo industrial de Arese, sendo a visita condicionada a marcação prévia. O desmantelamento da área de produção e o deslocamento da sede da marca para Turim, levou ao fecho do museu em 2009.

Reabriu recentemente num espaço maior e, para um “alfista” – como eu me confesso! –  maior e mais fascinante. Um verdadeiro santuário que merece uma visita para quem estiver nos arredores de Milão. Veja a enorme galeria de fotos de todos os modelos exibidos no Museo Storico Alfa Romeo e leia aqui uma história, resumida, da marca italiana.

1895/1915

Giuseppe Merosi

A empresa italiana de automóveis Darraq foi fundada em 1906. A sua primeira sede foi em Nápoles, mas rapidamente se mudou para Milão, no distrito de Portello, na época ainda periférico. O entusiasmo e as grandes ambições iniciais são travadas em 1909, com a chegada de uma profunda crise econômica a Italia.

Ugo Stella, administrador delegado, promove o estabelecimento de uma nova empresa que tenta reviver os objetivos iniciais da companhia original. Em 24 de junho de 1910, nasce uma nova marca com o nome A.L.F.A., ou seja, Anonima Lombarda Fabbrica Automobili. Nessa altura, Giuseppe Merosi já estava a preparar o projeto daquele que viria a ser o primeiro carro histórico da marca: o 24 HP.

Apesar do sucesso experimentado com os primeiros automóveis ALFA, a verdade é que a marca não conseguia singrar do ponto de vista financeiro. Falhar um contrato de fornecimento ao Estado Italiano, no início da Primeira Guerra Mundial, foi uma sentença de morte que levou à dissolução da ALFA, sendo o restante entregue ao Banco Italiano de Descontos (BIS).

Nicola Romeo

Entretanto, um jovem empresário napolitano chamado Nicola Romeo, contando com a ajuda do BIS, tinha fundado empresa “Ing. Nicola Romeo & C” que construiu uma pequena fábrica, na vizinhança de Portello. Fábrica essa que em 1915 recebeu uma importante encomenda para a produção de balas. A oficina de Nicola Romeu, porém, não tem capacidade para satisfazer a encomenda feita e quando este soube que as instalações e a estrutura da ALFA, localizadas perto das oficinas de Romeo, estava em liquidação. Com a ajuda do BIS, que adquiriu a ALFA e todo o seu espólio, Nicola Romeo ficou com o controlo da Anonima Lombarda Fabbrica Automobili.

O crescimento torna-se, impressionante e em fevereiro de 1918, os investidores decidiram tornar aberta ao capital público. A companhia muda de nome e passa a chamar-se Società Anonima Italiana Nicola Romeo & C., ou, simplesmente, Alfa Romeo.

Durante a guerra, a produção automóvel nem sequer foi levada em consideração por Nicola Romeo e o próprio Giuseppe Merosi foi transferido para as oficinas ferroviárias de Nápoles. Somente no final de 1919, no final da guerra, a produção de automóveis foi retomada, primeiro com a montagem de peças disponíveis em stock, depois com a produção de novos modelos. Começava uma nova era.

Entre as duas guerras

Alfa Romeo RL

No início dos anos 20, a Alfa Romeo apresentou o RL, a obra-prima de Giuseppe Merosi. Além disso, em 1923, Ugo Sivocci conduziu o primeiro carro com o símbolo do trevo de quatro folhas – em italiano, Quadrifoglio – a uma importante vitória na Targa Florio. Depois deste triunfo na competição e do sucesso com Merosi, iniciava-se uma era de enorme sucesso com Vittorio Jano, o cérebro por detrás do Tipo P2 que conquistou o primeiro Campeonato do Mundo, que introduziu nova alteração no símbolo da marca que passou a contar com a famosa coroa de luros a rodear o Biscione.

A partir daqui a Alfa Romeo passou por um período de grande popularidade, com modelos de prestígio internacional, verdadeiros ícones, e um sucesso desportivo que parecia imparável. E como a felicidade nunca vem só, a produção de motores para a aviação e para veículos industriais, transformou-se num sucesso.

Mas, tal como já tinha acontecido no início da história da marca, uma forte crise internacional, pressionava a débil económica italiana e a Alfa Romeo regressa á casa de partida.

É verdade que a imagem que a Alfa Romeo exibia era de uma empresa sólida, produtora dos melhores carros italianos, elogiada com admiração por homens como Henry Ford. Porém, a realidade era muito diferente e vergada pelo peso das dívidas, a Alfa Romeo foi comprada pelo Instituto de Reconstrução Industrial (IRI), instrumento estatal para a reconstrução industrial, sendo eleito um novo administrador geral, no caso, Ugo Gobbato.

Este, com o respaldo do Estado Italiano, conseguiu ter sucesso na transformação da Alfa Romeo num gigante industrial, organizado e eficiente, capaz de produzir automóveis, motores de aviação e veículos pesados.

Em 1935, a empresa foi militarizada e em 1939 foi lançada a primeira pedra para a construção de uma nova fábrica, localizada em Pomigliano d’Arco, perto de Nápoles, dedicada à produção de motores para aviões.

O departamento de competição é confiado à Scuderia Ferrari, de Enzo Ferrari, abrindo a caixa de pandora para o nascimento de automóveis lendários como o 6C 2300, o 6C 2500, o 8C 2300 e o 8C 2900 B. Infelizmente, esta era dourada esboroou-se com a chegada dos anos da Segunda Guerra Mundial, com a descentralização e a destruição provocada pelos bombardeamentos aliados. Porém, estes foram anos decisivos para forjar o futuro pós-guerra da Alfa Romeo.

Dos anos 50 aos dias de hoje

Alfa Romeo Montreal

Com o assassinato de Ugo Gobbato em 1945, a tarefa de desmilitarizar a Alfa Romeo foi confiada a Pasquale Gallo, enquanto que a área de projeto da empresa passou para as mãos de Orazio Satta Puliga e a sua equipa. Rapidamente Satta Puliga consegue recomeçar a produção automóvel, imprimindo uma cadência forte que acaba por esbarrar na mudança que a segunda grande guerra trouxe para as sociedades: a Alfa Romeo tinha de despir a farpela elitista e a forma artesanal de produzir automóveis, por uma maior industrialização.

Entretanto, os Alfetta 158 e 159 dominam a recém-nascida Fórmula 1, conquistando os dois primeiros Campeonatos do Mundo de Fórmula 1, enquanto o 1900 estreia-se no mercado italiano, sendo o primeiro carro de produção sem chassis separado da carroçaria e com produção numa linha de montagem em série.

Neste início dos anos 50 do século passado, chega ao topo da gestão da Alfa Romeo, Giuseppe Luraghi, onde se manteve até 1974, um longo reinado marcado por um enorme desenvolvimento da marca. O lançamento do Giulietta e do Giulia, aceleram o crescimento da Alfa Romeo para proporções inesperadas, oferecendo uma imagem que fica acima de todas as expectativas. O crescimento é tal que no início dos anos 60, começa a construção da nova fábrica de Arese e nasce a pista de ensaios de Balocco. O projeto Alfasud é lançado ao mesmo tempo que o Alfa Nord dá origem ao ultra moderno Alfetta e aos seus derivados.

Chegavam á marca do Biscione, carros modernos, rápidos, tecnologicamente avançados e que enchiam as medidas aos consumidores, trnando a Alfa Romeo num caso de sucesso.

Infelizmente, uma vez mais, um período de fulgor é amputado por fatores externos. Desta feita, foi uma crise energética que deu origem, um pouco por todo o lado, a uma situação social, sindical, política e administrativa muito difícil. E, uma vez mais, a Alfa Romeo muda de mãos.

A crise foi-se agudizando e em 1986 a queda da Alfa Romeo tornou-se irreversível e a Finmeccanica é obrigada a vender a casa de Arese ao poderoso Grupo Fiat da família Agnelli.

A situação na Alfa Romeo tornou-se uma verdadeira montanha russa com período de grande fulgor comercial e desportivo a alternarem tempos difíceis que quase levaram a marca á dissolução. Estes foram os anos em que nasceram carros como o 164 e o 155, onde as coisas vacilaram, até á chegada de automóveis como o 156, o 147, o 8C Competizione, o Mito e o Giulietta. O 4C veio lembrar que a Alfa Romeo ainda sabia fazer desportivos, mas a verdade é que os períodos de depressão foram sendo cada vez mais face aos períodos de euforia. E por isso, a marca passou por um período de agonia que Sergio Marchionne anulou, quando deu luz verde para mais um projeto de recuperação que passou pela plataforma Giorgio que se revelou uma das melhores do mercado. Mas isso vou-lhe contar tudo num texto à parte que poderá ler nas próximas horas.

Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)
Fichas Auto+: consulte as informações técnicas de todos os modelos à venda em Portugal (Clique AQUI)
Pesquisa: procure todos os modelos que pretende através do motor de Pesquisa Auto+ (Clique AQUI)