Primeiro ensaio VW Golf 1.5 eTSI: apesar de tudo, continua o melhor!

By on 13 Dezembro, 2019

O sucesso da Volkswagen anda de mãos dadas com o Golf e após oito gerações, a casa de Wolfsburg voltou a elevar a fasquia no segmento.

Tudo começou em 1974 quando a necessidade de substituir o velhinho Carocha empurrou a Volkswagen para uma mudança radical: o motor refrigerado a ar deu lugar a um bloco convencional refrigerado por líquido, a tração passou a ser feita às rodas da frente. Mantiveram-se as duas portas, mas rapidamente ganhou uma variante de cinco portas. Ou seja, tudo começou com um carro simples, desenhado por Giugiaro, que, muito provavelmente, ninguém acreditava que chegasse a esta oitava geração. Porém, mais de 35 milhões de unidades depois o Golf é o carro mais vendido da Volkswagen e está entre os três carros mais vendidos de sempre.

Esta é a razão para a Volkswagen encarar, seriamente, cada geração do Golf com uma abordagem mais sensata e, sobretudo, preservando o que fazia do carro um sucesso, melhorando a cada passo aquilo que envelhecia, perdia atualidade ou deixava de fazer sentido. Só assim é que a Volkswagen conseguiu manter o Golf acima da espuma de um segmento muito agitado e concorrencial sem nunca ter tido a necessidade de alterar o carro de forma radical, como todos os seus concorrentes fizeram ao longo destes quarenta e cinco anos.

Uma atualização sem revolução

Não espanta, assim, que a oitava geração do Golf seja mais uma atualização do que um carro novo. A base e a mesma, ou seja, a plataforma é a MQB da oitava geração, melhorada no que toca à rigidez e sem mais nenhuma alteração seja ela estrutural ou outra. As dimensões desta oitava geração são ligeiramente diferentes face à anterior: 29 mm mais no comprimento, 10 mm mais largo e 4 mm mais alto. A distância entre eixos, claro, ficou na mesma, mas a eficiência aerodinâmica melhorou (coeficiente de arrasto de 0.27 contra 0,30 do anterior). A oitava geração do Golf deixa de oferecer a versão de três portas. Uma medida economicista como muitas outras que são percetíveis, por exemplo, no capô motor que deixou de ter amortecedores e está pintado de preto ao invés de ser da cor da carroçaria, alguns plásticos escondidos em zonas pouco acessíveis e mais uma ou outra coisa que deixa claro que os tempos são de apertar o cinto de forma vigorosa. E a necessidade de apostar, tudo, na melhoria tecnológica e na digitalização forçou esta situação.

No que toca ao estilo, uma vez mais, a evolução é palavra de ordem. Mas o carro ganhou personalidade, nomeadamente, com a frente baixa e onde estão os faróis LED com um desenho que foge aos cânones da Volkswagen e do Golf, sendo, na minha opinião, a parte menos consensual do carro. A minha opinião? O carro fica com uma assinatura própria, não sendo, claro, uma solução que vá ganhar prémios de beleza. Mas, pelo menos, é diferente e o resto do carro acaba por perder protagonismo, nomeadamente, a linha de cintura que corre dos faróis aos farolins, dando maior músculo ao aspeto geral do carro.

Para os que gostam de coisas mais tecnológicas, a VW propõe o pacote opcional IQ Light. Este pacote de luzes inclui o controlo automático dos máximos, farolins LED que desenham um grafismo e os indicadores de mudança de direção ativos.

Para não chocar de frente com a gama ID elétrica, o Golf não terá uma versão puramente elétrica. Não podendo fugir à eletrificação do Golf, mas emparedada pelo ID.3, a Volkswagen deitou mão à hibridização suave com tecnologia de 48 volts, deixando para mais tarde a versão Plug In, que não será nova, mas totalmente revista e terá dois níveis de potência.

As unidades “mild hybrid” têm como base o bloco 1.0 litros com três cilindros e 90 CV e o motor 1.5 litros com 130 ou 150 CV. Todos, diz a VW, são capazes de economizar 10’% de combustível face aos motores convencionais.

Afinal, o que vale esta oitava geração do Golf?

Primeiro tenho de lhe dizer que se no exterior e por baixo do manto, as coisas ficaram praticamente na mesma, no interior há uma enorme revolução. Chama-se Innovision o novo interior que abraça numa só peça o ecrã digital que faz de painel de instrumentos (com 10,3 polegadas) e o ecrã que funciona como base do sistema de info entretenimento e não só que pode ter 8,25 ou 10 polegadas, consoante a versão. Se olhar para as fotos, verá que a Volkswagen rompeu com os relativamente clássicos e sombrios interiores das anteriores gerações do modelo. Mas esta é uma mudança mais radical que tem um objetivo claro: os clientes mais jovens. Na frente do condutor está um novo volante multifunções e tudo isto, mais o desenho do tabliê, tornam o ambiente interior do Golf muito diferente do que tinha sido norma.

A consola central é mais larga, os poucos comandos com botões estão mais perto do condutor e nos carros com caixa DSG o comando da caixa deixou de ser uma alavanca proeminente, para albergar um pequeno comando integrado com o botão de arranque e o botão do travão de mão elétrico. E como disse acima, há poucos botões físicos, substituídos por pequenos painéis sensíveis ao toque, tal como num smartphone. São controlados assim a climatização, controlo do volume de som do sistema áudio e o controlo por voz, ainda em inglês, que se liga dizendo “Hello Volkswagen”. Tudo muito bonito, mas o controlo por voz exige um inglês quase perfeito e os comandos sensíveis ao toque não funcionam lá muito bem.

Algo que também não mudou é a qualidade percecionada e real, muito elevada. É verdade que há muito plástico duro e, como já disse acima, há alguns plásticos de menor valia escondidos, mas a verdade é que o carro está muito bem construído, de forma sólida, ficando a resposta sobre a qualidade dos materiais daqui a alguns anos. E a moldura central que alberga os dois ecrãs causa impacto e ofusca toda e qualquer falha que possa saltar à vista. O Golf oferece, pela primeira vez, um “head up display”, devo dizer, de excelente qualidade.

Tecnologia e digitalização a rodos

O novo Golf está equipado com a terceira geração do sistema de info entretinimento da VW, o MIB, que está ligado à internet de forma permanente graças a um cartão eSIM, autorizando, assim, sistema de navegação com informação de trânsito em tempo real e músicas em “streaming”, entre outras funções possíveis de serem feitas online. Outra novidade é o Travel Assist. Um sistema que combina o cruise control adaptativo e o sistema de manutenção do carro na faixa de rodagem, para permitir a função de “condução sem mãos assistida” até 210 km/h.

A tecnologia embarcada no Golf não deixa de impressionar. Outro exemplo é a disponibilidade da tecnologia Car2X (carro para, virtualmente, qualquer coisa) que está baseada na norma da União Europeia e que usa informação gerada por outros veículos e pelas infraestruturas rodoviárias. Assim, eviram-se os acidentes nos finais das filas de trânsito e outras situações potenciadoras de acidentes.

E como é na estrada o novo Golf?

Das poucas coisas que não mudou no interior do Golf foi a sensação atrás do volante: continuamos a estar muito bem sentados em bancos que possuem, como sempre, bom apoio lateral e a relação entre volante, pedais e banco é excelente. Claro, tudo com amplos ajustes, seja no volante, seja no banco.

Como sempre, o Golf apresenta-se refinado, com um pisar seguro e suave, equilibrado e preciso, com uma direção mais direta com o carro a mostrar-se mais ágil e direto. E o que é curioso é que a VW “vendeu-nos” a ideia que tudo por baixo é novo, quando na realidade não é essa e os modelos de entrada na gama continuam a ter um eixo traseiro de torção, enquanto os mais potentes, como o 1.5 eTSI, exibe um eixo traseiro multibraços. Todos utilizam molas e amortecedores passivos, mas a VW oferece o DCC (Dynamic Chassis Control) que inclui amortecedores com variação contínua do amortecimento, quer depois se encaixam nos quatro modos de condução: Eco, Comfort, Sport e Individual. A direção pode ter assistência variável ou fixa, sendo que a primeira se mostra com o peso correto, precisão fantástica que mantém a trajetória escolhida pelo condutor.

O Golf é um regalo para conduzir, devagar ou depressa. Ajudado pela direção e pelo chassis, o carro consegue mudar de direção com agilidade, controla bem os movimentos da carroçaria sejam verticais ou laterais. E posso garantir que nas estradas em redor do Douro, desafiamos o melhor do Golf!

Esta nova geração do Golf é um nadinha mais firme que a anterior geração, particularmente no modo Sport. Apesar disso, o carro nunca se mostra demasiado agressivo ou desconfortável. Impressionou-me a capacidade do Golf a curvar e em várias foram as vezes em que acertei em pequenas lombas e o carro nunca se desconchavou e a pancada é bem absorvida. Em autoestrada, o Golf é imperial, mostrando-se como um belo devorador de quilómetros.

Com o motor 1.5 eTSI – o modelo que experimentei na ausência do 1.0 TSI – o Golf consegue ser deveras interessante. Não é, nem poderia ser com 150 CV, um carro desportivo, mas o bloco com tecnologia 48 volts, destaca-se por ser absolutamente suave, silencioso e com facilidade em subir de rotação. No modo Sport, até podemos ser iludidos, mas o Golf sente-se melhor no modo normal, utilizando o excelente binário disponível. Como a caixa manual está bem escalonada e o binário a meio regime é excelente, andar com o Golf é um gosto.

Veredicto

Como disse no início, a oitava geração do Golf volta a subir a fasquia do segmento, mesmo que a vantagem face aos adversários tenha encolhido de forma sensível. Sem dificuldade é melhor que a anterior geração, com a VW a investir bastante na tecnologia e na digitalização, não deixando de manter a sensação familiar de várias gerações do modelo. A qualidade do trabalho do departamento de engenharia da VW deve ser elogiada, pois produziu um carro fácil de explorar, com excelente comportamento e muito agradável de conduzir. Está mais económico, mais eficiente e com o novo interior tecnologicamente avançado, a VW deu um novo passo em frente. Veremos se a VW não exagerou e não foi demasiado longe neste particular, pois o tradicional foi uma força ao longo dos anos.

Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)
Fichas Auto+: consulte as informações técnicas de todos os modelos à venda em Portugal (Clique AQUI)
Pesquisa: procure todos os modelos que pretende através do motor de Pesquisa Auto+ (Clique AQUI)