Recorda-se de todos os carros do James Bond, ou há alguns que não se lembra ou lhe escaparam durante o filme?

By on 8 Agosto, 2019

Claro que se lembra dos Aston Martin, dos BMW, do Lostus Esprit que se transforma em submarino… mas, e os outros? Os filmes do 007 são sempre uma opção das televisões – a par com a Música no Coração e o Sozinho em Casa – para as noites de Natal e fim de ano. Portanto, aqui ficam, na ressaca das azevias, sonhos, fatias paridas e outras iguarias e doces, uma recordação de alguns carros que foram vedetas nos filmes de James Bond, mas que a maioria não se lembra.

 

Bentley Park Ward Drophead (Ordem para Matar – 1963)

O automóvel que Ian Fleming escolheu para James Bond, nos seus livros, era um Bentley 4.5 Convertible, mas nunca apareceu nenhum nos filmes. O que mais próximo desse modelo apareceu foi no filme “From Russia With Love”, um 3.5 litros Drophead. Vedeta das primeiras cenas do enredo, desapareceu para nunca mais voltar.

 

Lincoln Continental (O Homem da Pistola Dourada – 1964)

A Ford adorava participar nos filmes do 007 e por isso forneceu modelos como os Lincoln Continental e Country Square, o Ranchero e o Thunderbird. Recordam-se do Oddjob, o mordomo coreano que era um fanático capanga de Auric Goldfinger? E lembram quando OddJob assassinou Mr. Solo, um “gangster” americano? Pois, o gigante Continental foi perseguido pelo Ford Thunderbird antes de ser palco para o assassinato, sendo depois levado para a sucata onde acabou prensado com a vítima lá dentro, terminando os seus dias como um cubo de metal amachucado. Uma presença rápida com um final horrível.

 

Toyota 2000 GT Convertible (Só se vive duas vezes – 1967)

Foi usado no filme, mas é um carro muito peculiar. O 2000 GT não tinha versão descapotável, mas como Sean Connery não cabia dentro do carro, a Toyota retirou o tejadilho a duas unidades e enviou-as para a produção do filme. Nasceram, assim, os únicos modelos descapotáveis do Toyota 2000GT.

 

Mercury Cougar XR-7 (Ao Serviço de Sua Majestade – 1969)

Este filme tem ligação a Portugal, pois foi nas praias da costa do Estoril que George Lazanby (o canastrão que fez, apenas, um filme como James Bond no lugar de Sean Connery) foi ultrapassado pelo Mercury Cougar conduzido por uma mulher que tentou suicidar-se no mar português. O heróis britânico salva-a, mas acaba a lutar com dois desconhecidos e perde de vista a beldade dizendo, voltando-se para a câmara, “isto nunca aconteceu ao outro tipo”, referindo-se a Sean Connery. Um filme fraquinho onde o Mercury volta a aparecer com a Condessa Teresa “Tracy” di Vincenzo ao volante uma tentativa de ajudar 007 a escapar, acabando o carro numa corrida em piso de neve com a Condessa a atirar toda a gente para fora de pista.

 

Triumph Stag (Os diamantes são Eternos – 1971)

Disfarçado de contrabandista para investigar o tráfego de diamantes da África do Sul, Sean Connery, perdão, James Bond rouba a identidade a um bandido chamado Peter Franks e depois de mais uma cena que promete deixar Miss Moneypenny à beira de um colapso, o agente secreto mais famoso do mundo segue para as docas de Dover ao volante de um Triumph Stag cujo papel se fica por essa cena.

 

Mercedes 450 SEL (Missão Ultrasecreta – 1981)

Será, provavelmente, o melhor filme protagonizado por Roger Moore. “For Ypur Eyes Only” tinha uma banda sonoro fabulosa e um enredo credível, depois da produção ter-se desviado e passado um mau bocado com maus resultados de bilheteira. Foi uma espécie de regresso ás origens, depois do filme anterior “Mooraker” ter sido altamente criticado pelo exagero de fantasia. É neste filme que aparece o famoso Lotus Esprit Turboque se transforma em submarino (quem não se lembra da miniatura da Corgi Toys que apresentava as duas versões?) e que acaba destruído e substituído por um 2CV. O arqui rival do 007, Emile Locque por morrer quando James Bonde empurra o seu Mercedes 450 SEL com um pontapé, enviando-o penhasco abaixo na Albânia. A vingança do agente secreto pela morte, encomendada por Locque, de Luigi Ferrara. E foi assim que o Mercedes participou na saga 007.

 

BMW 518i (Operação Tentáculo – 1983)

Todos se recordam do filme “Octopussy” de ver James Bond ao volante de um belo Alfa Romeo GTV6. E da cena de perseguição da policia alemã ao agente secreto britânico. Lembra quais os carros que o perseguiam? Hummm… isso, os BMW 518i. A perseguição está cheia de manobras vistosas, impossíveis para o pacato 518i. Coisa de filmes, claro está, sendo que desta feita os alemães não roubaram o papel principal ao italiano, numa perseguição que acaba com o belo GTV6 se despenha contra uma caravana. Mas é bonito ver como um BMW 518i conseguia acompanhar um V6…

 

Renault Fuego (Alvo em Movimento – 1985)

Este foi o filme que deu a conhecer Remy Juliene e as suas acrobacias, recordando todos a metade do Renault 11 que Roger Moore, a fazer o seu último papel como James Bond, conduziu em plena Paris. Ou as perseguições a alta velocidade com descida de escadas, enfim, tudo o que se possa imaginar. Mas houve outro Renault neste filme, no caso o coupé Fuego, conduzido pelas vilãs femininas que conspiraram para levar á morte Sir Godrey Tibbet, assassinado no banco traseiro do Rolls Royce Silver Cloud de 1962 usado por James Bond para se infiltrar na organização de Max Zorin. O carro era uma réplica do carro pessoal de Albert Brocolli, o produtor da saga 007, e acabou mergulhado num lago com Godrey Tibbet dentro dele.

 

Audi 200 Quattro (Risco Imediato – 1987)

Foi vedeta fugaz no filme “Living Daylights”, servindo de instrumento de fuga para o General Kostov abandonar a Áustria. Foram apenas uns segundos de glória, mas lá estava o imponente 200 quattro com as suas jantes de 16 polegadas e dimensões generosas, na versão “Exclusive”. Não ajudou a Audi a vender nem um carro e a maioria nem se lembra desta fuga e da a aparição do carro. A versão carrinha também apareceu neste filme, com uma placa de matrícula marroquina, pertencendo aos serviços de espionagem britânicos.

 

Rover 800 (Risco Imediato – 1987)

Se o Audi 200 quattro apareceu de forma fugaz, o Rover 800 não fez muito mais. Pertença do Governo britânco, aparece na imagem à porta da casa segura, ficcionada, do MI6 (Blayden Safe House) e, depis, brevemente, no comboio de carros de emergência apºos o ataque de Necros à base segura do MI6

 

Maserati Biturbo (Licença para Matar – 1989)

Foi o carro escolhido por um barão da droga para se deslocar. Chamava-se Franz Sanchez e usou o banco traseiro do carro para tentar atingir James Bond, numa perseguição cheia de explosões e manobras acrobáticas que acaba com o Maserati Biturbo dentro de água. Foi uma pena, pois o Maserati com o motor V6 Biturbo e p seu estilo assético daria um belo perseguidor para os carros do 007. Provavelmente, avariavam ainda antes de acabarem as cenas e por isso… brincadeirinha…

 

Ford Scorpio (O Amanhã nunca morre – 1997)

A vedeta eram os modelos da BMW, entre eles o 750iL controlado remotamente pelo telemóvel Ericsson, uma maravilha tecnológica do século passado, dentro de um parque de estacionamento de onde salta para o vazio. Lembram qual eram os carros que perseguiam o poderoso BMW equipado com lança fumos, mísseis e correias com picos para furar pneus? Não? Uns belíssimos Ford Scorpio que poderiam ser do modelo Cosworth e assim terem um V6 um nadinha mais forte. Porque para perseguir um 750iL, um quatro cilindros Pinto bem dava para sair do sítio. Mas como estamos no faz de conta, os Scorpio deram boa conta do recado. Pelo menos enquanto durou a perseguição e os pneus de um deles não se desfizeram e o Bnd acabou com a festa e destruiu o outro com um míssil.

 

Jeep Cherokee (O Amanhã nunca morre – 1997)

Mais um modelo de passagem efémera pelos filmes de James Bond. Apareceu estacionado feente ao esconderijo de Wai Lin, a primeira “Bond Girl” asiática da saga 007. Já em 1985, um Cherokee XJ tinha aparecido, fugazmente, com Stacey Sutton (papel a cargo de Tanya Roberts) a “Bond Girl”, ao volante a caminho de casa.

 

Opel Senator (O Amanhã Nunca Morre – 1997)

Nasceu para sofrer no filme “Tomorrow Never Dies” pois aparece em cena segundos antes de ser destruído por um míssil lançado do BMW 750iL de James Bond, durante a perseguição feita dentro de um silo de estacionamento.

 

Alfa Romeo 159 (Quantum of Solace 2008)

O belo modelo da casa do Biscione surge em dose dupla neste filme, numa perseguição ao Aston Martin DBS conduzido por James Bond. Imediatamente depois de capturar Mr. White, James Bond é perseguido pelos dois Alfa Romeo 159 nas margens do Lago Garda, em Siena, Itália. A perseguição deixa marcas evidentes no Aston Martin, mas acaba 007 por escapar quando os dois Alf Romeo ficam totalmente destruídos. O Alfa Romeo 159 volta a aparecer no filme Spectre, desta feita um carro civil de um romeno que é destruído por James Bond.

 

Rolls Royce Silver Wraith (Spectre – 2015)

Faz uma breve aparição no filme Spectre quando Blofeld, o arqui-rival de James Bond, os acompanha rumo ao edifício do vilão para os prender. Daniel Craig diz ara a Dra Madeleine Swann “aquele é um Rolls Royce Silver Wraith de 1948” e a cena termina. Claro que tudo acabou por ir pelos ares, desconhecendo-se o que sucedeu ao enorme Rolls.

Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)
Fichas Auto+: consulte as informações técnicas de todos os modelos à venda em Portugal (Clique AQUI)
Pesquisa: procure todos os modelos que pretende através do motor de Pesquisa Auto+ (Clique AQUI)

Deixe um comentário

Please Login to comment