Abarth 595C Monster Energy Yamaha – Ensaio Teste

By on 25 Dezembro, 2020

Abarth 595C Monster Energy Yamaha – Ensaio Teste

Texto: Guilherme André

Brinquedo à italiana com um toque de MotoGP

O Abarth 595 já provou que pode assumir várias personalidades. Tal como o “irmão” mais contido, 500, é um carro bastante personalizável e com uma grande panóplia de edições especiais. Uma das mais recentes é a Monster Energy Yamaha que, tal como o nome indica, tem influências na Yamaha conduzida por Valentino Rossi e Maverick Viñales no mundial de MotoGP em 2020. Tendo em conta estes argumentos, a Abarth decidiu limitar a produção desta edição especial a apenas 2000 unidades para toda a Europa.


Mais:

Comportamento, motor, personalização 

Menos:

Posição de condução algo elevada, consumos, preço

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Exterior (8/10) O Abarth 595 é muito mais do que uma alternativa para quem quer um Fiat 500 mais “espigado”. Apesar de ter grande parte dos traços gerais do utilitário italiano, tem ambições completamente diferentes. O exterior ganha novos argumentos como é o caso da grelha dianteira com o logo “Abarth” e a substituição dos simbolos Fiat pelos da Abarth. Neste ensaio testámos a versão Cabrio (595C) que recebe todos os argumentos distintos da edição especial Monster Energy Yamaha. A pintura bicolor Preto Scorpione e Azul Podio (opcional de 1200€) apresenta-se com o mítico logo da Monster Energy no capot. Para além disso, inclui ainda o logo desta edição na lateral, atrás da porta do condutor. De série, a edição especial está ainda equipada com os “barulhentos” escapes Record Monza com válvula ativa e as jantes especiais de 17 polegadas. Em suma, esta edição dá nas vistas por onde passa, não só pela imagem, mas também pelo som proveniente dos escapes.

Interior

Interior (7/10) No habitáculo, a personalização especial continua com a inclusão de bancos desportivos com o logo da Monster Energy na cabeceira. Apesar do espaço ser algo reduzido, tal como as dimensões do Abarth 595 indicam, os dois passageiros dianteiros conseguem viajar com conforto, porém, a posição algo elevada pode dificultar a tarefa a pessoas com mais de 1,80 cm. O volante em pele Abarth com comandos multimédia tem uma boa pega, dado esse também sentido na caixa manual de cinco velocidades. Do lado esquerdo do painel de instrumentos, o condutor tem ainda um mostrador com a pressão do turbo que, na nossa opinião, podia estar numa zona superior que o tornava mais visível.

Sendo um modelo com alguns anos no mercado, não é de estranhar que o sistema de infotainment UConnect, que se apresenta no ecrã central de sete polegadas, apresente um visual algo antiquado. Ainda assim, tem a possibilidade de serviços de conectividade como Apple CarPlay ou Android Auto.

Equipamento

Equipamento (8/10) Esta edição Monster Energy Yamaha do Abarth 595C apresenta de série equipamentos como travões de disco perfurados, escape Record Monza com válvula ativa, faróis de nevoeiro, kit estético especial Monster Energy, ecrã central de sete polegadas com o sistema de infotainment UConnect, suspensão traseira Koni com válvula FSD, volante regulável em altura revestido a pele e bancos desportivos com revestimento especial. A unidade em ensaio conta ainda com ar condicionado automático (2800€), faróis bi-xénon (850€), sensores de luz e de chuva (150€) e sistema de som Audio Beats (600€). 

Consumos

Consumos (6/10) No que diz respeito a consumos, a Abarth anuncia um consumo combinado de 7,6 l/100 km. Sendo um carro de cariz desportivo, os valores mais elevados são normais e aqui no AutoMais conseguimos uma média de 8,3 l/100 km. Contudo, com algum exagero no acelerador e com o modo Sport ligado, o valor sobe com relativa facilidade para valores superiores aos 10 l/100 km.

Ao volante

Ao Volante (9/10) É exatamente quando se dá à chave e começa a fazer os primeiros quilómetros que percebemos onde estão os pontos fortes do Abarth 595. Pequeno, leve, ágil, e uma suspensão firme são atributos que tornam a condução bastante agradável e emotiva. Facilmente nos deixamos levar para velocidades superiores às permitidas, principalmente quando a estrada é mais sinuosa. Tudo isto é acompanhado pelo belo som proveniente dos Record Monza que, a cada percorrer de rotação, parecem “gritar” por mais. A direção é precisa e rápida, principalmente no modo Sport e, nesse mesmo modo, o ESP fica menos interventivo.

Ainda assim, não é um carro “demasiado desportivo” para o dia-a-dia. Ao desligar o modo Sport, os escapes ficam mais sociáveis e a condução mais tranquila. Apesar das irregularidades da estrada serem sentidas pelos passageiros, é um carro que nos dá garantias numa utilização quotidiana. Para além disso, tem as dimensões certas para estacionar em qualquer “buraco” na cidade. Basicamente, o Abarth 595C Monster Energy Yamaha é um “brinquedo” dinâmico, sem que isso tire qualidades numa utilização diária.

Concorrentes

Ford Fiesta ST  – Motor: 1.5 EcoBoost; Potência:  200 cavalos; Performance: 6,5 segundos dos 0 aos 100 km/h e 232 km/h de velocidade máxima; preço base: 31 021€

 

Motor

Motor (8/10) Abarth 595 é sinónimo do motor 1.4 T-Jet. O quatro cilindros é um dos motores mais antigos da marca e, neste caso, debita 165 cavalos e 230 Nm de binário. Quando vemos estes valores perguntamos como é possível ser um carro desportivo, mas depois lembramo-nos que a potência não é tudo. De facto, com pouco mais de 1000 kg, a relação peso/potência é bastante boa, o que permite acelerar dos 0 aos 100 km/h em 7,3 segundos e atingir uma velocidade máxima de 218 km/h.

Balanço final

Balanço Final (8/10) O Abarth 595C Monster Energy Yamaha é um verdadeiro “brinquedo” para quem gosta de conduzir. Nesta edição especial ganha uma personalização para quem gosta de dar nas vistas, com o acompanhamento de uma “banda sonora” grave e apelativa. Contudo, tudo isto tem um preço e, apesar das pequenas dimensões, esta edição começa nos 29 984 € na versão cabrio. A Abarth tem ainda um desconto total de 1500€. 

Ficha técnica

Motor
Tipo: quatro cilindros em linha, turbocompressor e intercooler
Cilindrada (cm3): 1368
Diâmetro x curso (mm): 72 x 84
Taxa compressão: 10,8 : 1
Potência máxima (cv/rpm): 165/5500
Binário máximo (Nm/rpm): 230/3000
Transmissão: Manual de cinco velocidades
Direcção: pinhão e cremalheira, com assistência eléctrica
Suspensão (fr/tr): Independente, do tipo McPherson; Independente, com eixo de torção
Travões (fr/tr): Discos perfurados e ventilados/Discos ventilados

Prestações e consumos 
Aceleração: 0-100 km/h (s): 7,3
Velocidade máxima (km/h): 218
Consumos misto (l/100 km): 7,6
Emissões de CO2 (g/km): 170

Dimensões e pesos
Comprimento/Largura/Altura (mm): 3660/1627/1480
Distância entre eixos (mm): 2300
Largura das vias (fr/tr) (mm): 1415/1408
Peso (kg): 1165
Capacidade da bagageira (l): 185
Depósito de combustível (l): 35
Pneus (fr/tr): 205/40 R17 / 205/40 R17

Preço da versão ensaiada (Euros): 35348€
Preço da versão base (Euros): 29984€