BMW 320e – Ensaio Teste

By on 11 Julho, 2021

BMW 320e – Ensaio Teste

Texto: Guilherme André

O híbrido plug-in mais acessível do Série 3

Com o acelerar de procura por motorizações eletrificadas, todos os fabricantes começam a investir neste tipo de soluções. No caso da BMW, são cada vez mais as propostas híbridas plug-in, sendo o BMW 320e uma delas. Esta que é a versão eletrificada mais acessível do Série 3, situando-se num patamar inferior ao 330e, pode também ser visto como uma espécie de solução mais “ecológica” ao famoso e muito procurado 320d, graças a um preço semelhante. Com 204 cv e mais de 50 km de autonomia elétrica, pode ser visto como uma alternativa ao Diesel?


Mais:

Autonomia elétrica; dinâmica de condução; refinamento

Menos:

Volume da bagageira; capacidade do depósito de combustível

Exterior

8/10

Exterior (8/10) No exterior, o novo BMW 320e é em tudo semelhante às restantes versões, com exceção da entrada de carregamento na lateral dianteira esquerda. Tirando isso, a unidade em ensaio, revestida pela cor Branco Alpine e acompanhada pela especificação de cariz mais desportivo M, oferece uma imagem apelativa. As jantes opcionais de 19 polegadas são a “cereja no topo do bolo” garantindo ao BMW 320e uma presença forte e cheia de carácter.

Interior

8/10

Interior (8/10) Passando para o interior, o BMW 320e mantém o design das demais versões do Série 3, o que não deixa de ser um ponto positivo. Tal como a marca bávara nos tem habituado, a qualidade de materiais e de montagem são quase irrepreensíveis, salvo algumas exceções em que encontramos plásticos menos nobres na zona inferior da consola central. Graças ao opcional “Pack M Plus” que equipa esta unidade, temos bancos dianteiros desportivos com apoio lombar. Estes mostraram ser confortáveis em todo o tipo de utilizações e, graças a uma boa amplitude de movimentos, é fácil encontrar a posição de condução ideal.

O tablier apresenta um desenho simples, mas eficaz, onde se destacam o painel de instrumentos digital e um ecrã tátil central onde são transmitidas todas as informações do sistema de infotainment. Este mostrou-se bastante intuitivo e fácil de utilizar. Uma novidade em relação às versões a combustão pura é a inclusão de um menu específico para a tecnologia híbrida onde podemos ver, por exemplo, um gráfico com o fluxo de energia do 320e em tempo real. Algo que também merece destaque é a manutenção de botões físicos para comandar as principais funções do sistema, bem como, da climatização, algo que facilita a sua utilização durante a condução.

Relativamente a habitabilidade, os passageiros do banco traseiro vão encontrar um bom espaço para pernas e para cabeça. No lugar do meio o túnel central é algo intrusivo e, apesar de prejudicar o conforto, é possível levar uma terceira pessoa. Quanto à bagageira, o BMW 320e garante uma volumetria de 375 litros, um valor substancialmente inferior aos 480 litros das variantes a combustão, uma perda que é justificada pela inclusão da bateria que alimenta o motor elétrico.

Equipamento

8/10

Equipamento (8/10) No que diz respeito a equipamento, o BMW 320e segue a filosofia da marca. Ou seja, apesar de ter um bom recheio de série, há uma longa lista de opcionais para que cada cliente possa personalizar o seu veículo a gosto. No caso da unidade em ensaio encontramos somente dois opcionais. Falamos das jantes de 19 polegadas (626€) e o já mencionado Pack M Plus (6211€). Tal como o preço pode indicar, este segundo é acompanhado por uma grande panóplia de melhorias como é o caso de pneus runflat, transmissão automática Steptronic, suspensão adaptativa, direção variável, sistema de acesso Comfort, vidros com proteção solar, bancos dianteiros desportivos, apoio lombar dianteiro, ajuste de largura do banco do condutor, luz ambiente interior, luz de nevoeiro LED, assistente de luz máximos, assistente de estacionamento, carregamento wireless para smartphone, BMW Live Cockpit Professional, volante desportivo M e versão desportiva M.

Consumos

9/10

Consumos (9/10) Durante o nosso ensaio percebemos que esta versão 320e é ligeiramente mais contida do que o 330e e, com uma utilização correta do sistema híbrido plug-in, é possível realizar médias melhores do que o 320d. Com a BMW a anunciar uma autonomia elétrica balizada entre os 52 e os 61 km (WLTP), durante o nosso contacto foi relativamente fácil ultrapassar os 50 km numa utilização urbana. Já em trajeto misto ficámos pelos 47 km. Ao iniciarmos a marcha com a bateria em 100%, conseguimos uma média de 2,3 l/ passados os primeiros 100 km, um valor não muito distante do anunciado pela marca bávara. Já quando acaba a bateria, podemos esperar consumos a rodar os 6 l/100 km.

Ao Volante

8/10

Ao volante (8/10) Desde os primeiros quilómetros que percebemos que o BMW 320e é um carro dinâmico, uma característica bem vincada em todas as versões do Série 3, mas acompanhado pelo silêncio e suavidade tão característicos das variantes híbridas plug-in. Em cidade, com recurso ao modo de condução Electric, é possível realizar o típico “para-arranca” com tranquilidade graças ao “adormecer” do motor a combustão. Neste ponto somos ainda brindados com um bom trabalho de insonorização que ajuda a melhorar a experiência.

A suspensão adaptativa varia consoante o modo de condução, contudo, apresenta-se sempre com uma afinação firme. Ainda assim, de ressalvar que o conforto não sai prejudicado por esta dureza superior que apenas é sentida em trajetos mais degradados. Quando selecionado o modo Sport e percorrendo uma estrada mais sinuosa, rapidamente percebemos o porquê do BMW Série 3 ser uma das referências do segmento ao nível da dinâmica. Com uma direção rápida e precisa, acompanhado por um pisar robusto e movimentos de carroçaria controlados, o condutor consegue ter uma condução divertida neste tipo de trajeto, mesmo só contando com 204 cv nesta versão 320e. A tão característica tração traseira da BMW permite ainda, mediante o desligar do controlo de tração, uma traseira “atrevida”, mas que desliza sempre com sensação de segurança.

Motor

8/10

Motor (8/10) Debaixo do capot, o BMW 320e apresenta o quatro cilindros a gasolina de 2.0 litros, o mesmo utilizado no 330e, mas com um valor de potência inferior, uma vez que deriva da configuração com 163 cv. Este é acompanhado por um motor elétrico que garantem uma potência combinada de 204 cv e 350 Nm de binário. Com estes números é possível acelerar dos 0 aos 100 km/h em 7,6 segundos, enquanto a velocidade máxima é de 225 km/h. Durante o ensaio sentimos que esta variante tem potência mais do que suficiente para todo o tipo de utilização. A transição entre motores é sempre suave, em alguns casos quase impercetível, graças ao bom refinamento do bloco quatro cilindros.

Balanço Final

8/10

Balanço final (8/10) De um modo geral o BMW 320e é uma excelente adição à gama do Série 3. Para além de um preço base a rondar os 50 mil euros, semelhante ao pedido pela variante a gasóleo, 320d, apresenta-se com uma motorização “da moda”. Os mais de 50 km de autonomia elétrica permitem a várias famílias portuguesas realizarem os percursos diários sem utilizar a cada vez mais cara gasolina. Tudo isto acompanhado pelos vários benefícios fiscais dados a este tipo de motorização. Ainda assim, se o motivo de compra do veículo passar por percorrer vários quilómetros em autoestrada, então o 320d continua a ser a melhor proposta, não só pelos consumos inferiores nesse tipo de utilização, mas também por um depósito de combustível de maiores dimensões.

Concorrentes

Quando pesquisámos alguns concorrentes para o BMW 320e percebemos que, neste momento, o mercado premium não tem nenhum rival para esta versão. Isto porque, neste momento a Mercedes encontra-se a lançar no mercado a nova geração do Classe C e, nesta primeira fase, será comercializado sem qualquer versão híbrida plug-in. Ainda assim, sabemos que a variante híbrida plug-in do Classe C vai debitar 313 cv e 550 Nm de binário, enquanto a autonomia vai ser referência ao permitir percorrer cerca de 100 km com um carregamento. Já a Volvo tem apenas o S60 T8 cujo o preço e potência é bastante desnivelado face ao 320e.

Ficha Técnica

Motor                                                                            

Tipo: 4 cilindros em linha, injeção direta, turbo, gasolina + sistema híbrido plug-in (1 motor elétrico)

Cilindrada (cm3): 1998

Diâmetro x Curso (mm): 82 x 94,6

Taxa de Compressão: n.d.

Bateria (kWh): 12

Potência máxima (CV/rpm): 204/n.d.

Binário máximo (Nm/rpm): 350/n.d.

Tração: traseira

Transmissão: Automática de 8 velocidades

Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente

Suspensão (ft/tr): independente tipo McPherson / independente multibraços

Travões (fr/tr): discos ventilados / discos ventilados

Prestações e consumos 

Aceleração 0-100 km/h (s): 7,6

Velocidade máxima (km/h): 225

Consumos misto (l/100 km): 1,3-1,8

Autonomia elétrica: 52-61 km (WLTP)

Emissões CO2 (gr/km): 29-41 g/km 

Dimensões e pesos 

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4709/1827/1442

Distância entre eixos (mm): 2851

Largura de vias (fr/tr mm): 1589/1604

Peso (kg): 1815

Capacidade da bagageira (l): 375

Deposito de combustível (l): 40

Pneus (fr/tr): 255/35 R19

 Preço da versão ensaiada: 60 056€

Preço da versão base: 50 360€

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Exterior (8/10) No exterior, o novo BMW 320e é em tudo semelhante às restantes versões, com exceção da entrada de carregamento na lateral dianteira esquerda. Tirando isso, a unidade em ensaio, revestida pela cor Branco Alpine e acompanhada pela especificação de cariz mais desportivo M, oferece uma imagem apelativa. As jantes opcionais de 19 polegadas são a “cereja no topo do bolo” garantindo ao BMW 320e uma presença forte e cheia de carácter.

Interior

Interior (8/10) Passando para o interior, o BMW 320e mantém o design das demais versões do Série 3, o que não deixa de ser um ponto positivo. Tal como a marca bávara nos tem habituado, a qualidade de materiais e de montagem são quase irrepreensíveis, salvo algumas exceções em que encontramos plásticos menos nobres na zona inferior da consola central. Graças ao opcional “Pack M Plus” que equipa esta unidade, temos bancos dianteiros desportivos com apoio lombar. Estes mostraram ser confortáveis em todo o tipo de utilizações e, graças a uma boa amplitude de movimentos, é fácil encontrar a posição de condução ideal.

O tablier apresenta um desenho simples, mas eficaz, onde se destacam o painel de instrumentos digital e um ecrã tátil central onde são transmitidas todas as informações do sistema de infotainment. Este mostrou-se bastante intuitivo e fácil de utilizar. Uma novidade em relação às versões a combustão pura é a inclusão de um menu específico para a tecnologia híbrida onde podemos ver, por exemplo, um gráfico com o fluxo de energia do 320e em tempo real. Algo que também merece destaque é a manutenção de botões físicos para comandar as principais funções do sistema, bem como, da climatização, algo que facilita a sua utilização durante a condução.

Relativamente a habitabilidade, os passageiros do banco traseiro vão encontrar um bom espaço para pernas e para cabeça. No lugar do meio o túnel central é algo intrusivo e, apesar de prejudicar o conforto, é possível levar uma terceira pessoa. Quanto à bagageira, o BMW 320e garante uma volumetria de 375 litros, um valor substancialmente inferior aos 480 litros das variantes a combustão, uma perda que é justificada pela inclusão da bateria que alimenta o motor elétrico.

Equipamento

Equipamento (8/10) No que diz respeito a equipamento, o BMW 320e segue a filosofia da marca. Ou seja, apesar de ter um bom recheio de série, há uma longa lista de opcionais para que cada cliente possa personalizar o seu veículo a gosto. No caso da unidade em ensaio encontramos somente dois opcionais. Falamos das jantes de 19 polegadas (626€) e o já mencionado Pack M Plus (6211€). Tal como o preço pode indicar, este segundo é acompanhado por uma grande panóplia de melhorias como é o caso de pneus runflat, transmissão automática Steptronic, suspensão adaptativa, direção variável, sistema de acesso Comfort, vidros com proteção solar, bancos dianteiros desportivos, apoio lombar dianteiro, ajuste de largura do banco do condutor, luz ambiente interior, luz de nevoeiro LED, assistente de luz máximos, assistente de estacionamento, carregamento wireless para smartphone, BMW Live Cockpit Professional, volante desportivo M e versão desportiva M.

Consumos

Consumos (9/10) Durante o nosso ensaio percebemos que esta versão 320e é ligeiramente mais contida do que o 330e e, com uma utilização correta do sistema híbrido plug-in, é possível realizar médias melhores do que o 320d. Com a BMW a anunciar uma autonomia elétrica balizada entre os 52 e os 61 km (WLTP), durante o nosso contacto foi relativamente fácil ultrapassar os 50 km numa utilização urbana. Já em trajeto misto ficámos pelos 47 km. Ao iniciarmos a marcha com a bateria em 100%, conseguimos uma média de 2,3 l/ passados os primeiros 100 km, um valor não muito distante do anunciado pela marca bávara. Já quando acaba a bateria, podemos esperar consumos a rodar os 6 l/100 km.

Ao volante

Ao volante (8/10) Desde os primeiros quilómetros que percebemos que o BMW 320e é um carro dinâmico, uma característica bem vincada em todas as versões do Série 3, mas acompanhado pelo silêncio e suavidade tão característicos das variantes híbridas plug-in. Em cidade, com recurso ao modo de condução Electric, é possível realizar o típico “para-arranca” com tranquilidade graças ao “adormecer” do motor a combustão. Neste ponto somos ainda brindados com um bom trabalho de insonorização que ajuda a melhorar a experiência.

A suspensão adaptativa varia consoante o modo de condução, contudo, apresenta-se sempre com uma afinação firme. Ainda assim, de ressalvar que o conforto não sai prejudicado por esta dureza superior que apenas é sentida em trajetos mais degradados. Quando selecionado o modo Sport e percorrendo uma estrada mais sinuosa, rapidamente percebemos o porquê do BMW Série 3 ser uma das referências do segmento ao nível da dinâmica. Com uma direção rápida e precisa, acompanhado por um pisar robusto e movimentos de carroçaria controlados, o condutor consegue ter uma condução divertida neste tipo de trajeto, mesmo só contando com 204 cv nesta versão 320e. A tão característica tração traseira da BMW permite ainda, mediante o desligar do controlo de tração, uma traseira “atrevida”, mas que desliza sempre com sensação de segurança.

Concorrentes

Quando pesquisámos alguns concorrentes para o BMW 320e percebemos que, neste momento, o mercado premium não tem nenhum rival para esta versão. Isto porque, neste momento a Mercedes encontra-se a lançar no mercado a nova geração do Classe C e, nesta primeira fase, será comercializado sem qualquer versão híbrida plug-in. Ainda assim, sabemos que a variante híbrida plug-in do Classe C vai debitar 313 cv e 550 Nm de binário, enquanto a autonomia vai ser referência ao permitir percorrer cerca de 100 km com um carregamento. Já a Volvo tem apenas o S60 T8 cujo o preço e potência é bastante desnivelado face ao 320e.

Motor

Motor (8/10) Debaixo do capot, o BMW 320e apresenta o quatro cilindros a gasolina de 2.0 litros, o mesmo utilizado no 330e, mas com um valor de potência inferior, uma vez que deriva da configuração com 163 cv. Este é acompanhado por um motor elétrico que garantem uma potência combinada de 204 cv e 350 Nm de binário. Com estes números é possível acelerar dos 0 aos 100 km/h em 7,6 segundos, enquanto a velocidade máxima é de 225 km/h. Durante o ensaio sentimos que esta variante tem potência mais do que suficiente para todo o tipo de utilização. A transição entre motores é sempre suave, em alguns casos quase impercetível, graças ao bom refinamento do bloco quatro cilindros.

Balanço final

Balanço final (8/10) De um modo geral o BMW 320e é uma excelente adição à gama do Série 3. Para além de um preço base a rondar os 50 mil euros, semelhante ao pedido pela variante a gasóleo, 320d, apresenta-se com uma motorização “da moda”. Os mais de 50 km de autonomia elétrica permitem a várias famílias portuguesas realizarem os percursos diários sem utilizar a cada vez mais cara gasolina. Tudo isto acompanhado pelos vários benefícios fiscais dados a este tipo de motorização. Ainda assim, se o motivo de compra do veículo passar por percorrer vários quilómetros em autoestrada, então o 320d continua a ser a melhor proposta, não só pelos consumos inferiores nesse tipo de utilização, mas também por um depósito de combustível de maiores dimensões.

Ficha técnica

Motor                                                                            

Tipo: 4 cilindros em linha, injeção direta, turbo, gasolina + sistema híbrido plug-in (1 motor elétrico)

Cilindrada (cm3): 1998

Diâmetro x Curso (mm): 82 x 94,6

Taxa de Compressão: n.d.

Bateria (kWh): 12

Potência máxima (CV/rpm): 204/n.d.

Binário máximo (Nm/rpm): 350/n.d.

Tração: traseira

Transmissão: Automática de 8 velocidades

Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente

Suspensão (ft/tr): independente tipo McPherson / independente multibraços

Travões (fr/tr): discos ventilados / discos ventilados

Prestações e consumos 

Aceleração 0-100 km/h (s): 7,6

Velocidade máxima (km/h): 225

Consumos misto (l/100 km): 1,3-1,8

Autonomia elétrica: 52-61 km (WLTP)

Emissões CO2 (gr/km): 29-41 g/km 

Dimensões e pesos 

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4709/1827/1442

Distância entre eixos (mm): 2851

Largura de vias (fr/tr mm): 1589/1604

Peso (kg): 1815

Capacidade da bagageira (l): 375

Deposito de combustível (l): 40

Pneus (fr/tr): 255/35 R19

 Preço da versão ensaiada: 60 056€

Preço da versão base: 50 360€

Preço da versão ensaiada (Euros): 60056€
Preço da versão base (Euros): 50360€