BMW 525d Touring – Ensaio

By on 21 Dezembro, 2017

BMW 525d Touring

Texto: Francisco Cruz

Impossível não gostar…

Acossada pela Mercedes e pela nova Classe E, a BMW respondeu à altura com a nova Série 5 Touring, recolocando-a entre as principais referências do segmento – excelente na qualidade, convincente na habitabilidade e capacidade de carga, majestosa em estrada. Argumentos que, basicamente, fazem desta uma proposta quase impossível de não gostar; mesmo contabilizando os 30 mil euros em opcionais!

Proposta que é também a carrinha por excelência na oferta da marca de Munique, a BMW Série 5 está já disponível em Portugal, naquela que é a sua sétima geração. Proposta não apenas com uma ampla escolha em termos de motores, mas, principalmente, com argumentos que constituem um verdadeiro salto evolucional. A começar num novo método de construção e em novos materiais, destinados a garantir uma substancial redução de peso (perdeu cerca de 100 kg), mas também uma maior rigidez torcional. Resultados suportados igualmente numa nova plataforma, denominada CLAR (Cluster Architecture), sem esquecer as evoluções promovidas nas ligações ao solo e até nos travões, também como forma de fazer evoluir a dinâmica.

Em suma e resumindo, tudo novo, de cima a baixo, para voltar a fazer desta carrinha a referência do segmento!

Exterior

Com mais 36 mm no comprimento (4,935 m), 8 mm na largura (1,868 m), 10 mm na altura (1,498 m) e 7 mm na distância entre eixos (2,975 m) que a antecessora, a nova Série 5 não apenas cresceu em todos os sentidos, em benefício de ocupantes e carga, como também ganhou uma estética exterior mais imponente. Graças e desde logo, à tradicional grelha frontal tipo duplo rim, agora mais larga e cujas lamelas passam a abrir e fechar automaticamente, em prol da aerodinâmica; às ópticas com luzes diurnas em LED (iluminação adaptativa e em LED é opcional, por 1.260€), agora mais rasgadas; além de a um pára-choques dianteiro com entradas de ar mais generosas e de aspecto mais desportivo.

Já nas laterais, vincos mais pronunciados, a par de cavas das rodas igualmente bem marcadas e salientes. No caso da unidade por nós testada, a emoldurar jantes de 20 polegadas (1.934,96€) com pneus Pirelli PZero 245/35 à frente e 275/30 atrás, resultado da opção pelo pack desportivo “M” (3.869,92€). O qual também inclui travões e suspensão desportivos, além de pack aerodinâmico e até mesmo barras de tejadilho em preto. Estas últimas a combinar na perfeição com a cor Champagne Quartz metalizada (1.934,96€), terminando junto de uma traseira da qual sobressaem não apenas farolins maiores, mas também duas ponteiras de escape quadradas, colocadas nas extremidades da carroçaria.

Interior

De resto e continuando, precisamente, na traseira, impossível não notar, uma vez accionado electricamente o enorme portão da mala (que, aliás, mantém a abertura do óculo traseiro, este de forma manual), a excelente capacidade de carga de um espaço que anuncia, logo à partida, 570 litros – mais 10 litros que na antecessora. Isto, com excelentes revestimentos, espaços de arrumação (não muito fundos) por baixo do piso falso (com esticador), uma chapeleira extensível que sobe com o portão e três pontos de luz. Um dos quais, no próprio portão.

Falta, sente-se dos ganchos porta-sacos, até pelas dimensões do espaço, que pode mesmo chegar aos 1.700 litros, mediante o rebatimento fácil e prático (40/20/40) dos bancos traseiros. Accionável através de botões, tanto no topo das costas, como nas laterais da mala. A qual, acrescente-se, viu também aumentada, graças à introdução de suspensão pneumática na retaguarda, a capacidade de carga para os 730 kg.

No entanto, se a bagageira deslumbra, o espaço destinado aos ocupantes, arrasa! Com a qualidade de construção e de materiais oferecida pela nova Série 5 a deixar-nos, mesmo com o desconto que é preciso fazer de 30 mil euros (!) só em opcionais, simplesmente rendidos – pela ergonomia das linhas que não deixam de transparecer o correcto posicionamento da generalidade dos comandos e dos vários espaços de arrumação (a grande maioria fechados), pelo conforto proporcionado por um habitáculo todo ele revestido a pele Merino (2.804,88€), pela habitabilidade de um interior que, além do acesso fácil, proporciona ainda espaço mais do que suficiente para cinco adultos. Mesmo se com o lugar do meio a não se mostrar tão receptivo e acolhedor quanto os restantes.

Já no que concerne aos lugares dianteiros e, mais precisamente, à posição de condução, excelente a forma como o volante (excelente pega) e banco (com regulação eléctrica, função de massagens e laterais que contrariam as forças laterais, tudo por 837,40€), ambos ajustáveis tanto em altura como em profundidade, acomodam o condutor, proporcionando uma integração no cockpit quase perfeita. Graças também à facilidade de acesso a todos os comandos, necessários ao acto de “pilotagem”, mas não só – correcto é até mesmo o acesso ao ecrã do sistema iDrive, de dimensões mais generosas, multifuncional (333,33€) e com controlo por gestos (211,38€), além de com o tradicional botão rotativo que permite aceder também ao opcional sistema de som surround Harman/Kardon (918,70€) ou à navegação Profissional (634,15€).

E se a presença do completo Head-Up Display (1.000,00€) não deixa de ser igualmente uma vantagem, já a visibilidade traseira, difícil, agradece toda e qualquer ajuda do sistema de câmaras 360 graus, mesmo se a pedir um curto período de adaptação, devido à complexidade da informação recolhida. Sendo igualmente bem-vinda a funcionalidade que, apenas com a chave na mão e aproveitando o pequeno ecrã que esta possui, permite estacionar a viatura, já com o condutor fora desta (estacionamento remoto, por 422,76€). Isto, saliente-se, desde que o movimento, para à frente ou para trás, seja em linha recta, já que o mesmo não permite rodar o volante. Tal como não permite continuar, em caso de detecção de qualquer obstáculo no caminho.

Motores

Mas se, em termos de equipamento, a nova carrinha Série 5 mantém o princípio há muito conhecido da subordinação ao primado da personalização, com o nível de luxo e até ostentação a depender sempre daquilo que o cliente estiver disposto a investir a mais em opcionais, nos motores, as hipóteses de escolha também são variadas.  Indo desde os “pequenos” quatro cilindros 2,0 litros turbo a gasolina de 184 cv (520i) e quatro cilindros 2,0 litros turbodiesel de 190 cv (520d), até aos portentosos seis cilindros em linha 3,0 litros – de 335 cv e um só turbo (540i xDrive), no caso da oferta a gasolina, e de 400 cv, com quatro (!) turbos (M550d xDrive), se a diesel.

No caso da unidade por nós ensaiada, um bem mais “modesto” 525d a debitar 231 cv de potência e 500 Nm de binário, versão mais potente do já muito conhecido quatro cilindros 2,0 litros turbodiesel, que, acoplado a uma transmissão automática desportiva Steptronic com (óptimas) patilhas no volante, oferece não apenas uma capacidade de aceleração e disponibilidade dignas de registo (graças também à tecnologia Twin Power Turbo), como também consumos que, face à potência e peso do conjunto (quase 1.800 kg), não deixam de poder ser considerados positivos – 8,2 l/100 km foi a média obtida em utilização real e do dia-a-dia, aproveitando também os benefícios do modo de funcionamento Eco Pro, disponível através do botão Experiência de Condução. E que, além de beneficiar de um sistema de recuperação de energia na travagem, permite configurar o layout do painel de instrumentos (totalmente digital), a eficácia no funcionamento do sistema de ar condicionado automático, a iluminação e a direcção. Além de permitir disfrutar do assistente de rota eficiente, assim como da função “velejar”.

Basicamente, uma excelente opção para esta estatutária carrinha, não só pelas prestações oferecidas, mas também pela abrangência de utilizações que permite. Graças, no entanto e também, à competência, agradabilidade e conforto proporcionados pela fantástica caixa automática de 8 velocidades…

Ao volante

Com tantos e tão bons atributos, e ainda para mais conhecendo aquele que é o ADN da marca de Munique, a verdade é que seria quase impossível não sentirmos convencidos e agradados, neste aspecto em concreto. Mesmo se e como foi o caso, com a carrinha BMW 525d a mostrar-se, mais do que uma proposta para momentos de condução radicais, um familiar para disfrutar em conforto, estabilidade e segurança. Independentemente de tal ser feito a mais ou menos velocidade, ainda que preferencialmente em estrada aberta, onde as velocidades de cruzeiro possam ser fixadas (bem) acima do legalmente permitido!

De resto e apesar de contar com uma faceta mais desportiva (modos Sport e Sport+), momentos em que, ainda assim, a carrinha alemã não consegue esconder completamente os quase cinco metros de comprimento e o peso considerável, a verdade é que foi mais pelo trato refinado, pela quase sumptuosidade que evidencia, que esta nova Série 5 mais nos deslumbrou. Mesmo se não deixando de juntar a tais predicados um equilíbrio entre conforto e dinâmica verdadeiramente referencial, uma direcção precisa e ligeiramente pesada, além de um pisar que, embora muito dificilmente desconfortável, nunca deixa de ser informativo. Até porque, conforme o próprio posto de comando deixa transparecer e as várias tecnologias de ajuda à condução para isso contribuem, este é um verdadeiro familiar também concebido para que o condutor nunca se canse ou farte de estar ao volante!

Resumindo…

Tal como afirmamos ainda no título deste ensaio, era quase impossível não ficarmos rendidos à nova carrinha BMW! Com uma estética arrebatadora, um habitáculo luxuoso, uma habitabilidade e capacidade de carga elevadas e um comportamento em estrada quase majestático, graças também a um motor e transmissão competentes nas respectivas funções, de lamentar, nesta carrinha, só mesmo o facto de ser necessário empregar mais 30 mil euros, além do preço já elevado do modelo despido de luxos, para conseguir um automóvel deste quilate. Facto que, infelizmente, a torna acessível apenas a alguns, mesmo se não a impedindo de continuar a ser um verdadeiro objecto de desejo para muitos mais…

FICHA TÉCNICA

Motor

Tipo: quatro cilindros em linha, injecção directa, turbocompressor de geometria variável e intercooler

Cilindrada (cm3): 1.995

Diâmetro x curso (mm): 84×90

Taxa compressão: 16,5:1

Potência máxima (cv/rpm): 231/4.000

Binário máximo (Nm/rpm): 500/2.000

Transmissão, direcção, suspensão e travões

Transmissão e direcção: Traseira, com caixa automática de oito velocidades; direção de pinhão e cremalheira, com assistência eléctrica

Suspensão (fr/tr): Duplos triângulos com molas helicoidais; Duplos triângulos com molas helicoidais

Travões (fr/tr): Discos ventilados/Discos ventilados

Prestações e consumos 

Aceleração: 0-100 km/h (s): 6,8

Velocidade máxima (km/h): 245

Consumos urbano/extra-urb./misto (l/100 km): 5,6/4,5/4,9

Emissões de CO2 (g/km): 129

Dimensões e pesos

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4,942/1,868/1,498

Distância entre eixos (mm): 2,975

Largura das vias (fr/tr) (mm): 1.605/1.630

Peso (kg): 1.780

Capacidade da bagageira (l): 570/1.700

Depósito de combustível (l): 66

Pneus (fr/tr): 245/45 R18 / 245/45 R18

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!