BMW X5 M50d – Ensaio Teste

By on 28 Fevereiro, 2019

BMW X5 M50d

Texto: José Manuel Costa

Parece, mas não é um desportivo

Tudo no X5 M50d parece um exagero, até o preço de 125.999,99 euros. A utilização do poderoso motor de seis cilindros com quatro turbos, chancela uma imagem desportiva que é sublinha com a utilização da mágica letra M, mas a verdade é que há muita tecnologia, muito músculo e eficácia germânica no X5 M50d, mas não é um SUV desportivo que consiga nos deixar boquiaberto em termos de performance. E não é nada contra o motor diesel, um bloco quase eterno que já apareceu em tudo o que é carro de competição fora de estrada. Mas, lá está, parece um desportivo, exibe números de desportivo, mas não, na realidade, um SUV desportivo. Porém, como SUV e como cruzador muito à vontade em auto estrada, é, claramente, dos melhores. E a nova farpela oferecida pela renovação imposta há pouco tempo, fica muito bem no grande X5.

Conheça todas as versões e motorizações AQUI.


Mais:

Motor / Transmissão / Consumos

 

 

Menos:

Preço / Peso / Comparação com o X5M

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Pontuação 8/10

O X5 é um carro grande – tem quase 4,92 metros de comprimento, 2 metros de largura e 1,75 metros de altura – e largo. Aliás, é mesmo mais largo que o topo de gama X7! Com os destaques das cavas das rodas, as saias laterais e os para choques redesenhados, o carro parece ainda maior. O destaque vai para a grelha de duplo rim cujas dimensões cresceram de forma impressionante. Porém, no enorme X5 até que ficam… bem. Aliás, as mudanças que Adrian van Hoydonk, o patrão do estilo da BMW, introduziu no X5, resultaram em pleno. A traseira está muito mais esbelta e sendo impossível “esconder” o gabarito do X5, as linhas angulares que foram espalhadas com rigor pelo carro, dão-lhe um aspeto musculado, mas do mais belo efeito.

Interior

Pontuação 8/10

Sentados ao volante percebemos que o carro é mesmo largo, pois a minha esposa ficava longe e quando foi a vez da min há filha se sentar no banco da frente… ficava quase inalcançável. A posição de condução é típica de um SUV: elevada e dominante. Quer-me parecer que mais que anteriormente. Porém, com tanta coisa semelhante a outros BMW, não fosse a largura e diria que poderia estar dentro de um Série 5. O novo X5 está atualizado com toda a tecnologia atual e oferece um equipamento muito completo. Qualidade é enorme, o estilo igual a qualquer outro BMW e o painel de instrumentos virtual muito completo. Com tanto tamanho, há muito espaço interior e como o tejadilho é de um SUV e não de um SUV Coupé, há espaço para a cabeça sem problemas. Tudo é regulado de forma elétrica e o conforto é simplesmente fantástico.

Equipamento

Pontuação 5/10  

Para que não fique a pensar que o X5 M50d está carregadinho de equipamento, digo-lhe já que a unidade que a BMW nos emprestou para este ensaio, tinha nada menos que 19.967 euros de extras! Sim, leu bem, 19.967 euros! E como se gasta este dinheiro num carro?

Se forrar o interior a pele Merino da BMW Individual, larga 1.056 euros, a pintura branca metalizada fica por 845 euros e as jantes de 22 polegadas (com pneus 275/35 R22 à frente e 315/30 R22 atrás) custam 845 euros. Para ter a direção ativa integral são mais 1.056 euros, a suspensão pneumática no segundo eixo fica por 1.056 euros, o sistema de acesso Comfort, obriga ao pagamento de 967 euros e a chave BMW com ecrã e controlo de funções à distância, fica por 244 euros. Mas há mais!

O teto de abrir elétrico panorâmico custa 1.601 euros, os bancos dianteiros Comfort dianteiros custam 1.089 euros, o assistente de condução profissional tem o valor de 2.186 euros, os faróis BMW Laserlight custam 1.682 euros e o assistente de estacionamento Plus, vai-lhe custar 1.016 euros.

Da lista de opcionais presentes neste BMW X5 M50d, é completada pela rede de separação na bagageira (162 euros), cortinas manuais para vidros laterais traseiros (260 euros), vidros com proteção solar (382 euros), suporte de copos (211 euros), ventilação ativa dos bancos dianteiros (715 euros), sistema Travel&Confort (170 euros), bancos dianteiros e traseiros aquecidos (674 euros), tabliê forrado a pele (837 euros), frisos interiores em castanho alto brilho (170 euros), ar condicionado automático com controlo de 4 zonas (398 euros), Head Up Display (1.170 euros), sistema de som Harmann Kardon (422 euros) e conectividade de aparelhos móveis, Bluetooth, USB e carregamento sem fios (414 euros).

A BMW oferece, de série, para lá daquilo que é habitual como os vidros elétricos, ar condicionado automático e mais algumas coisas, o BMW Service de 5 anos ou 100 mil quilómetros, controlo por gestões BMW do sistema de info entretenimento, assistente de luzes máximos, barras no tejadilho cromadas e o “hotspot” wifi.

Consumos

Pontuação 4/10

Se está á espera que um motorzaço destes consuma 4,5 l/100 km, tire dai o cavalinho da chuva! A BMW reclama que em ciclo misto o X5 M50d gasta 7,2 l/100 km. Ora bem, em auto estrada e com alguma tranquilidade, é possível rolar com valores de 7,4 a 7,5 litros por cada centena de quilómetros. Utilizando o modo Eco, ainda é possível baixar um pouquinho. Mas assim que saltamos para o modo Sport e metemos o capacete, o computador de bordo não deixa de ser honesto: mais de 12 l/100 km é absolutamente normal. Contas feitas ao ensaio, o valor final do consumo ficou nos 10,1 l/100 km. Agora, se gastou 150 mil euros num X5 M50d, está preocupado com os consumos?!

Ao volante

Pontuação 8/10

O BMW X5 M50d tem como único rival o Audi SQ7, que tem um V8 a gasóleo. E o carro dos rivais tem melhor som que o seis cilindros, pois a BMW decidiu oferecer um som artificial que não rima lá muito bem. Depois. O motor do X5 tem as zonas de entrega de potência e binário muito bem delineadas e se é capaz de chegar às 4500 rpm, a partir das 4 mil não há lá nada. Se usar o modo manual da caixa ou os outros modos Comfort e Eco, o sistema passa de caixa cedo e com parcimónia. Se escolher o modo Sport, parece que quem o desenhou quis mostrar que o motor chega às 4500 rpm e, por isso, se não usarmos as patilhas e o modo manual, o propulsor começa a gritar e nada acontece. Ou seja, quem desenhou o modo Sport, entendeu que o motor tem sempre de ir ao limitador. Use o modo manual e troque de caixa às 4 mil rotações e verá que tudo corre às mil maravilhas.

Já no que toca ao comportamento, o M50d é o único X5 que tem suspensões adaptativas com molas e amortecedores e não esferas pneumáticas, pois para ter as barras estabilizadoras ativas e a direção ás quatro rodas, não pode escolher a suspensão pneumática. Ou seja, a escolha é sua.

Assente em jantes de 22 polegadas, o X5 M50d não deixa de ser um nadinha desconfortável nas lombas e nas bandas sonoras, sendo um carro muito mais simpático em pisos lisos e sem grandes irregularidades. O modo Sport torna o carro muito duro e desconfortável, sendo melhor optar pelo modo que permite escolher como afinar os vários parâmetros.

Em curva, o X5 M50d é um automóvel competente, embora quando a estrada começa a enrolar muito, perde alguma da compostura e se estiver no modo mais duro (Sport) pode mesmo começar a saltar e a deixar de ser tão linear como sucede numa estrada plana e com curvas largas de apoio. A direção responde de forma correta, mas há sempre a necessidade de incrementar o esforço a meio da curva para a direção enviar a frente para onde desejamos. Claro está que o peso e a movimentação da muita massa, causam alguns problemas que, ainda assim, a suspensão do X5 M50d resolve com alguma tranquilidade. Seja como for, não dando um prazer de condução capaz de nos deixar um sorriso de orelha a orelha, é eficaz e seguro, mesmo muito depressa.

Concorrentes

Audi SQ7

3956 c.c. turbo diesel; 435 CV; 900 Nm; 0-100 km/h em 4,8 seg,; 250 km/h; 7,2 l/100 km, 189 gr/km de CO2; nd

(Conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

Motor

Pontuação 8/10

O motor do M50d é o conhecido bloco de seis cilindros em linha com injeção direta de gasóleo, mas com a nuance de ter quatro turbos a respirarem para dentro das condutas de admissão até ás câmaras de combustão. Com muita tecnologia, o motor com 3.0 litros de cilindrada debita 400 CV e massivos 760 Nm. Estranha-se que a BMW continue a apostar num motor destes quando os rivais estão a abandonar a tecnologia diesel em favor da gasolina. Poderia a casa bávara olhar para uma unidade híbrida, mas a verdade é que a BMW entende que a sua tecnologia híbrida ainda não esta madura para estas andanças, sabe que ainda a moda atual pode, um dia destes dar a volta e a Audi, sua eterna rival, ainda apostar no gasóleo. E depois, estes valores de potência e binário não são comuns e dariam muito jeito, por exemplo, a um carro de competição de todo o terreno. Mesmo sem nenhuma alteração! Ainda por cima, o motor é suave quando o utilizamos sem que a cavalaria entre em ação, mostrando-se um demónio quando apelamos ao modo Sport e pisamos a fundo no acelerador. Brutal, oferece um verdadeiro pontapé nas costas que impressiona. Este motor no Série 5 pede meças a qualquer desportivo. No X5 tem de puxar por mais de 2,3 toneladas e tudo fica menos fluído. Mas é uma obra de arte tecnológica e aquilo que podemos chamar… um motorzaço!

 

Balanço final

Pontuação 7/10

Todos gostamos de carros potentes e velozes e haverá lugar no mundo do automóvel para este BMW X5 M50d. E os 126 mil euros da versão base que se transformam em 151 mil com alguma escolha na longuíssima lista de opcionais, não são fator que afaste um endinheirado amante dos motores diesel e que goste de SUV desportivos. Curva bem, mas sem grande emoção, tem espaço e é imponente. Mas não é um carro divertido e por este dinheiro há um modelo italiano com um trevo de quatro folhas, a gasolina, que é muito mais agradável, como SUV desportivo, claro. Chama-se Alfa Romeo Stelvio, custa 126 mil euros, mas é bem mais entretido que este BMW X5 M50d.

Ficha técnica

Motor

Tipo: 6 cil em linha com injeção direta diesel e quatro turbos, intercooler

Cilindrada (cm3): 2993

Diâmetro x Curso (mm): 84 x 90

Taxa de Compressão: 16,0

Potência máxima (CV/rpm): 400/4400

Binário máximo (Nm/rpm): 760/2000 – 3000

Transmissão: tração integral com caixa de 8 velocidades automática

Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente

Suspensão (ft/tr): Duplo triângulo sobreposto

Travões (fr/tr): Discos ventilados

Prestações e consumos

Aceleração 0-100 km/h (s): 5,2

Velocidade máxima (km/h): 250

Consumos extra-urb./urbano/misto (l/100 km): 6,7/8,1/7,2

Emissões CO2 (gr/km): 190

Dimensões e pesos

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4922/2004/1745

Distância entre eixos (mm): 2975

Largura de vias (fr/tr mm): 1680/1687

Peso (kg): 2350

Capacidade da bagageira (l): 645/1860

Deposito de combustível (l): 80

Pneus (fr/tr): 275/40 ZR22 / 315/35 ZR22

Preço da versão ensaiada (Euros): 150559€
Preço da versão base (Euros): 125999€