Dacia Jogger SL Extreme TCe 110 7 lug. – Ensaio Teste

By on 14 Outubro, 2022

Jogada de mestre

Ao colocar o Jogger no mercado, a Dacia revelou que está em constante busca daquilo que os consumidores mais desejam. O formato pode ser estranho e não será o automóvel mais apaixonante de sempre, mas é garantidamente aquele que uma enorme percentagem das famílias portuguesas precisa para o seu dia-a-dia. Com o nível de equipamento de topo, o SL Extreme, e com a opção de ter sete lugares a bordo, tudo por um preço que nem sequer parece real, o Dacia Jogger é a resposta perfeita para as necessidades de um enorme conjunto de consumidores, sendo que também representa um acréscimo de qualidade para a marca.

Texto: André Mendes
[email protected]


Mais:

– Preço;
– Equipamento;
– Espaço a bordo;

Menos:

– Alguns materiais;
– Direção muito desmultiplicada;
– Embraiagem;

Exterior

6/10

A primeira impressão visual com o Jogger não deixa de ser estranha. Com uma frente praticamente “roubada” do Sandero, mas com uma secção traseira inspirada no Lodgy, ainda que convertida num SUV e com uma pitada de carrinha e monovolume, o Jogger é uma autêntica mescla de ideias e conceitos que, neste tom castanho terracota, ou laranja, como os nossos olhos nos informam, funciona perfeitamente bem.

O visual robusto proporcionado pelas aplicações plásticas em torno das cavas das rodas e pelos pára-choques ao jeito de um SUV, em conjunto com uma altura ao solo que chega aos 20 centímetros, confirmam a sua vertente mais aventureira. E depois, as enormes portas laterais traseiras também nos mostram o acesso ao amplo espaço traseiro está mesmo a convidar-nos a meter a família toda lá dentro e arrancar estrada fora. Além disso, para ainda dar uma ajuda neste ponto, as barras de tejadilho longitudinais podem-se retirar e voltar a instalar numa posição transversal, ficando o Jogger pronto para um porta-bagagens de tejadilho, uma prancha de surf ou uma bicicleta.

Interior

7/10

Um dos maiores trunfos do Jogger, nesta versão, são mesmo os sete lugares a bordo. Até porque, surpresa das surpresas, estes não estão apenas reservados a crianças que não se importem de viajar com os joelhos junto ao queixo. Na terceira fila de assentos do Jogger cabem mesmo dois adultos, com espaço em altura e um nível de conforto razoável, não faltando alguns espaços de arrumação, suporte para copos e um acesso que não exige um curso avançado de Yoga. Na fila de assentos central, e com um bom compromisso de posição a pensar em que viaja ainda mais atrás, o espaço disponível é também bastante amplo, com uma enorme medida em altura e um bom espaço para as pernas, não faltando sequer os tabuleiros nas costas dos assentos dianteiros, com um suporte para copos integrado.

Ainda mais à frente, no lugar do condutor e do passageiro da frente é claro que vão existir alguns materiais mais rígidos e menos agradáveis ao toque, pois de outra forma, o preço do Dacia não seria o mesmo. No entanto, com o Jogger estes são em menos quantidade e até há agora acabamentos e revestimentos que tomara alguns modelos de valor mais elevado. E depois, também aqui há bastante espaço disponível e uma posição de condução que também representa uma melhoria face a diversos outros modelos da marca.

Regressando novamente ao outro extremo do habitáculo, é claro que num habitáculo deste género, com sete lugares a bordo, a bagageira tinha de sofrer um pouco. E nos momentos em que estes estão a ser utilizados, ficam disponíveis apenas 160 litros de capacidade. No entanto, é claro que a Dacia também pensou nisto e uma vez que os sete lugares não estão sempre a ser utilizados, estes assentos não só podem ser rebatidos como retirados no habitáculo, transformando uns singelos 160 litros em quase 600. E nos dias em que tiver de ir buscar uma daquelas embalagens de mobiliário à tal loja sueca, saiba que ainda pode rebater a segunda fila de assentos, ampliando uma simples bagageira para uma verdadeira assoalhada.

Equipamento

7/10

Com a versão SL Extreme, o Dacia Jogger tem (mesmo) tudo aquilo que precisa. E no caso da unidade ensaiada, todos os opcionais que estão disponíveis para este modelo, que são quatro, também estavam presentes. Além da pintura metalizada (425 euros), este Jogger contava ainda com o pneu sobressalente (150 euros), com o Pack Confort II (600 euros), que inclui alguns sistemas de ajuda ao estacionamento, o apoio de braços e os tais tabuleiros nas costas dos assentos, mas também o Media NAV (500 euros) com o monitor tátil de oito polegadas, sistema de navegação, Bluetooth e os sistemas Apple CarPlay e Android Auto para podermos espelhar o conteúdo do nosso smartphone, sem fios. E nem sequer falta um apoio para o telefone, caso o queiramos carregar na tomada USB que está, engenhosamente, mesmo por baixo deste suporte.

Além de tudo isto, e com o equipamento fornecido de série, o Jogger SL Extreme já permite que nos aproximemos dele com o cartão que substitui a chave no bolso das calças, deixando que se destranque automaticamente. E depois, resta entrar, premir o botão que aciona o motor e arrancar. Até o travão de estacionamento é automático. Tal como o ar condicionado. Tudo, além dos já habituais vidros elétricos nas quatro portas, sensores de chuva e luminosidade, computador de bordo, sensores de estacionamento, camara traseira, enfim, tal como referimos antes, o Dacia Jogger SL Extreme tem (mesmo) tudo aquilo que realmente precisa.

Consumos

5/10

Com esta motorização, a Dacia declara serem necessários 5,7 litros de gasolina para cada 100 quilómetros percorridos, mas nós precisámos de um pouco mais. Mais 2,3 para sermos precisos. Mas também temos de confessar que nestes dias, a utilização do Jogger que andou connosco foi mesmo a atirar para o “real”. Ou seja, deixar os miúdos na escola já em cima da hora, transportar os sacos da natação, mais brinquedos, casacos, mochilas e foi mesmo por pouco que também não se juntou um cão de 50 quilos a esta rotina. No final, o computador de bordo ficou nos oito litros, mas todos eles muito bem aproveitados. Num modo mais tranquilo, o TCe de 110 cavalos faria menos certamente, mas obrigava a sair da cama mais cedo.

Ao Volante

6/10

Tal como é apanágio da marca e obrigatório para alguns dos mercados em que a Dacia está presente, as suspensões do Jogger são também bastante reforçadas, o que, em conjunto com pneus de perfil 60, instalados em jantes de 16 polegadas, faz com que a maioria das irregularidades do piso não tenha grande vontade de chegar ao habitáculo. E em ruas mais degradadas ou de empedrado, o Dacia desliza serenamente, sem grandes oscilações a bordo. Nas manobras de estacionamento, a direção demasiado desmultiplicada requer alguma habituação, pois são mais de três voltas de topo-a-topo, mas para compensar, temos um sistema de direção assistida, inúmeros sensores e até uma camara para nos dar uma ajuda. Menos agradável é o tato do pedal da embraiagem mais esponjoso e que, na unidade ensaiada, tinha o seu “ponto” cá mesmo em cima, o que nos deixa a pensar que uma caixa automática no Jogger já seria muito bem-vinda, mesmo com alguns euros extra no valor final.

Motor

5/10

O pequeno bloco de três cilindros com apenas um litro de capacidade é mais que conhecido e surge aqui numa das versões mais equilibradas com 110 cavalos de potência e 200Nm de binário, associado a uma caixa de velocidades manual de seis relações. É claro que não foi pensado para prestações incríveis, mas não lida mal com os quase 1300 quilos de peso do conjunto, mesmo quando abusamos da lotação e tentamos investir em alguns quilómetros e autoestrada num daqueles dias em que simplesmente não é possível dispensar o funcionamento do ar condicionado.

Balanço Final

6/10

Se pensarmos em tudo aquilo que o Dacia Jogger tem para oferecer pelo preço a que é proposto, nem sequer conseguimos encontrar rivais que lhe façam mesmo frente. Por menos de 23 mil euros, temos acesso à versão com mais lugares e com todos os opcionais propostos pela marca já adicionados, pelo que o Dacia Jogger se afirma como uma proposta incrível para qualquer família de quatro ou cinco pessoas e que, por vezes, tenha de contar com mais um ou dois passageiros para uma pequena viagem.

E para quem já estava a pensar um pouco em apostar na nova era eletrificada, basta esperar apenas uns meses, uma vez que a marca já tem prevista uma versão híbrida deste modelo, com 140 cavalos de potência e a possibilidade de ir circulando com o motor térmico desligado, além de uma caixa automática que dispensa o pedal da embraiagem.

Concorrentes

Dacia Duster SL Extreme TCe 90:
Motor: três cilindros, 1.0 litros, turbo; potência: 90 cavalos; consumo médio: 6,2 l/100km; preço base: 20.350 €

Dacia Jogger SL Extreme TCe 110 (5 lugares):
Motor: três cilindros, 1.0 litros, turbo; potência: 110 cavalos; consumo médio: 5,6 l/100km; preço base: 20.300 €

Ficha Técnica

Motor
Tipo: 3 cilindros em linha, turbo, a gasolina
Cilindrada (cm3): 999
Potência máxima (CV/rpm): 110/n.d.
Binário máximo (Nm/rpm): 200/2.900
Tração: Dianteira
Transmissão: Manual de seis velocidades
Direção: Assistida eletricamente
Suspensão (ft/tr): Independente, tipo McPherson / Eixo de torção
Travões (fr/tr): discos ventilados / tambores

Prestações e consumos
Aceleração 0-100 km/h (s): 11,2
Velocidade máxima (km/h): 180
Consumos misto (l/100 km): 5,7
Emissões CO2 (g/km): 129

Dimensões e pesos
Comprimento/Largura/Altura (mm): 4.547/1.784/1.632
Distância entre eixos (mm): 2.897
Largura de vias (fr/tr mm): 1.520/1.509
Peso (kg): 1.280
Capacidade da bagageira (l): 160/565
Depósito (l): 50
Pneus (fr/tr): 205/60 R16

Preço da versão ensaiada (Euros): 22.875 €
Preço da versão base (Euros): 21.200 €

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

A primeira impressão visual com o Jogger não deixa de ser estranha. Com uma frente praticamente “roubada” do Sandero, mas com uma secção traseira inspirada no Lodgy, ainda que convertida num SUV e com uma pitada de carrinha e monovolume, o Jogger é uma autêntica mescla de ideias e conceitos que, neste tom castanho terracota, ou laranja, como os nossos olhos nos informam, funciona perfeitamente bem.

O visual robusto proporcionado pelas aplicações plásticas em torno das cavas das rodas e pelos pára-choques ao jeito de um SUV, em conjunto com uma altura ao solo que chega aos 20 centímetros, confirmam a sua vertente mais aventureira. E depois, as enormes portas laterais traseiras também nos mostram o acesso ao amplo espaço traseiro está mesmo a convidar-nos a meter a família toda lá dentro e arrancar estrada fora. Além disso, para ainda dar uma ajuda neste ponto, as barras de tejadilho longitudinais podem-se retirar e voltar a instalar numa posição transversal, ficando o Jogger pronto para um porta-bagagens de tejadilho, uma prancha de surf ou uma bicicleta.

Interior

Um dos maiores trunfos do Jogger, nesta versão, são mesmo os sete lugares a bordo. Até porque, surpresa das surpresas, estes não estão apenas reservados a crianças que não se importem de viajar com os joelhos junto ao queixo. Na terceira fila de assentos do Jogger cabem mesmo dois adultos, com espaço em altura e um nível de conforto razoável, não faltando alguns espaços de arrumação, suporte para copos e um acesso que não exige um curso avançado de Yoga. Na fila de assentos central, e com um bom compromisso de posição a pensar em que viaja ainda mais atrás, o espaço disponível é também bastante amplo, com uma enorme medida em altura e um bom espaço para as pernas, não faltando sequer os tabuleiros nas costas dos assentos dianteiros, com um suporte para copos integrado.

Ainda mais à frente, no lugar do condutor e do passageiro da frente é claro que vão existir alguns materiais mais rígidos e menos agradáveis ao toque, pois de outra forma, o preço do Dacia não seria o mesmo. No entanto, com o Jogger estes são em menos quantidade e até há agora acabamentos e revestimentos que tomara alguns modelos de valor mais elevado. E depois, também aqui há bastante espaço disponível e uma posição de condução que também representa uma melhoria face a diversos outros modelos da marca.

Regressando novamente ao outro extremo do habitáculo, é claro que num habitáculo deste género, com sete lugares a bordo, a bagageira tinha de sofrer um pouco. E nos momentos em que estes estão a ser utilizados, ficam disponíveis apenas 160 litros de capacidade. No entanto, é claro que a Dacia também pensou nisto e uma vez que os sete lugares não estão sempre a ser utilizados, estes assentos não só podem ser rebatidos como retirados no habitáculo, transformando uns singelos 160 litros em quase 600. E nos dias em que tiver de ir buscar uma daquelas embalagens de mobiliário à tal loja sueca, saiba que ainda pode rebater a segunda fila de assentos, ampliando uma simples bagageira para uma verdadeira assoalhada.

Equipamento

Com a versão SL Extreme, o Dacia Jogger tem (mesmo) tudo aquilo que precisa. E no caso da unidade ensaiada, todos os opcionais que estão disponíveis para este modelo, que são quatro, também estavam presentes. Além da pintura metalizada (425 euros), este Jogger contava ainda com o pneu sobressalente (150 euros), com o Pack Confort II (600 euros), que inclui alguns sistemas de ajuda ao estacionamento, o apoio de braços e os tais tabuleiros nas costas dos assentos, mas também o Media NAV (500 euros) com o monitor tátil de oito polegadas, sistema de navegação, Bluetooth e os sistemas Apple CarPlay e Android Auto para podermos espelhar o conteúdo do nosso smartphone, sem fios. E nem sequer falta um apoio para o telefone, caso o queiramos carregar na tomada USB que está, engenhosamente, mesmo por baixo deste suporte.

Além de tudo isto, e com o equipamento fornecido de série, o Jogger SL Extreme já permite que nos aproximemos dele com o cartão que substitui a chave no bolso das calças, deixando que se destranque automaticamente. E depois, resta entrar, premir o botão que aciona o motor e arrancar. Até o travão de estacionamento é automático. Tal como o ar condicionado. Tudo, além dos já habituais vidros elétricos nas quatro portas, sensores de chuva e luminosidade, computador de bordo, sensores de estacionamento, camara traseira, enfim, tal como referimos antes, o Dacia Jogger SL Extreme tem (mesmo) tudo aquilo que realmente precisa.

Consumos

Com esta motorização, a Dacia declara serem necessários 5,7 litros de gasolina para cada 100 quilómetros percorridos, mas nós precisámos de um pouco mais. Mais 2,3 para sermos precisos. Mas também temos de confessar que nestes dias, a utilização do Jogger que andou connosco foi mesmo a atirar para o “real”. Ou seja, deixar os miúdos na escola já em cima da hora, transportar os sacos da natação, mais brinquedos, casacos, mochilas e foi mesmo por pouco que também não se juntou um cão de 50 quilos a esta rotina. No final, o computador de bordo ficou nos oito litros, mas todos eles muito bem aproveitados. Num modo mais tranquilo, o TCe de 110 cavalos faria menos certamente, mas obrigava a sair da cama mais cedo.

Ao volante

Tal como é apanágio da marca e obrigatório para alguns dos mercados em que a Dacia está presente, as suspensões do Jogger são também bastante reforçadas, o que, em conjunto com pneus de perfil 60, instalados em jantes de 16 polegadas, faz com que a maioria das irregularidades do piso não tenha grande vontade de chegar ao habitáculo. E em ruas mais degradadas ou de empedrado, o Dacia desliza serenamente, sem grandes oscilações a bordo. Nas manobras de estacionamento, a direção demasiado desmultiplicada requer alguma habituação, pois são mais de três voltas de topo-a-topo, mas para compensar, temos um sistema de direção assistida, inúmeros sensores e até uma camara para nos dar uma ajuda. Menos agradável é o tato do pedal da embraiagem mais esponjoso e que, na unidade ensaiada, tinha o seu “ponto” cá mesmo em cima, o que nos deixa a pensar que uma caixa automática no Jogger já seria muito bem-vinda, mesmo com alguns euros extra no valor final.

Concorrentes

Dacia Duster SL Extreme TCe 90:
Motor: três cilindros, 1.0 litros, turbo; potência: 90 cavalos; consumo médio: 6,2 l/100km; preço base: 20.350 €

Dacia Jogger SL Extreme TCe 110 (5 lugares):
Motor: três cilindros, 1.0 litros, turbo; potência: 110 cavalos; consumo médio: 5,6 l/100km; preço base: 20.300 €

Motor

O pequeno bloco de três cilindros com apenas um litro de capacidade é mais que conhecido e surge aqui numa das versões mais equilibradas com 110 cavalos de potência e 200Nm de binário, associado a uma caixa de velocidades manual de seis relações. É claro que não foi pensado para prestações incríveis, mas não lida mal com os quase 1300 quilos de peso do conjunto, mesmo quando abusamos da lotação e tentamos investir em alguns quilómetros e autoestrada num daqueles dias em que simplesmente não é possível dispensar o funcionamento do ar condicionado.

Balanço final

Se pensarmos em tudo aquilo que o Dacia Jogger tem para oferecer pelo preço a que é proposto, nem sequer conseguimos encontrar rivais que lhe façam mesmo frente. Por menos de 23 mil euros, temos acesso à versão com mais lugares e com todos os opcionais propostos pela marca já adicionados, pelo que o Dacia Jogger se afirma como uma proposta incrível para qualquer família de quatro ou cinco pessoas e que, por vezes, tenha de contar com mais um ou dois passageiros para uma pequena viagem.

E para quem já estava a pensar um pouco em apostar na nova era eletrificada, basta esperar apenas uns meses, uma vez que a marca já tem prevista uma versão híbrida deste modelo, com 140 cavalos de potência e a possibilidade de ir circulando com o motor térmico desligado, além de uma caixa automática que dispensa o pedal da embraiagem.

Ficha técnica

Motor
Tipo: 3 cilindros em linha, turbo, a gasolina
Cilindrada (cm3): 999
Potência máxima (CV/rpm): 110/n.d.
Binário máximo (Nm/rpm): 200/2.900
Tração: Dianteira
Transmissão: Manual de seis velocidades
Direção: Assistida eletricamente
Suspensão (ft/tr): Independente, tipo McPherson / Eixo de torção
Travões (fr/tr): discos ventilados / tambores

Prestações e consumos
Aceleração 0-100 km/h (s): 11,2
Velocidade máxima (km/h): 180
Consumos misto (l/100 km): 5,7
Emissões CO2 (g/km): 129

Dimensões e pesos
Comprimento/Largura/Altura (mm): 4.547/1.784/1.632
Distância entre eixos (mm): 2.897
Largura de vias (fr/tr mm): 1.520/1.509
Peso (kg): 1.280
Capacidade da bagageira (l): 160/565
Depósito (l): 50
Pneus (fr/tr): 205/60 R16

Preço da versão ensaiada (Euros): 22.875 €
Preço da versão base (Euros): 21.200 €

Preço da versão ensaiada (Euros): 22875€
Preço da versão base (Euros): 21200€