Audi e-tron 55 quattro – Ensaio Teste

By on 1 Novembro, 2022

Primeiro passo

Já num formato de SUV capaz de agradar à maioria das famílias, o Audi e-tron foi o primeiro passo da marca dos anéis no mundo dos automóveis 100% elétricos de grande produção. Depois de testes que até me deram a oportunidade de conduzir um Audi R8 alimentado em exclusivo por eletricidade, esta foi a primeira abordagem de produção em série e que até conheci antes do seu lançamento num estúdio fotográfico secreto. Mas agora, uns bons anos depois de tudo isso, o Audi e-tron está a assumir o papel de clássico moderno, passando o testemunho aos outros SUV da marca dos anéis que começam a incluir sistemas elétricos mais evoluídos e um visual mais atualizado, deixando o primeiro dos SUV 100% elétricos da marca com um toque de nostalgia, mas não menos interessante.

Texto: André Mendes
[email protected]


Mais:

– Conforto;
– Equipamento;
– Estética;
– Sistema elétrico;

Menos:

– Consumo;
– Disponibilidade;

Exterior

8/10

Seis anos depois do seu lançamento no mercado, o Audi e-tron continua a ser um modelo perfeitamente atual e muito elegante, mesmo com a presença das jantes de 19 polegadas que faziam parte da unidade ensaiada e que são as disponibilizadas com o equipamento de série, parecendo muito mais pequenas do que são na realidade neste conjunto com quase cinco metros de comprimento e dois de largura. O desenho da carroçaria do e-tron foi também o primeiro de soluções como o sistema de iluminação mais sofisticado com a enorme barra horizontal na secção traseira e com diversos detalhes que a marca criou especificamente para a família de versões totalmente elétricas.

Um dos principais destaques vai para as camaras laterais que substituem os espelhos retrovisores e que estão disponíveis apenas como opção (não incluídos na unidade ensaiada), mas também na possibilidade de aceder à tomada de carregamento do sistema elétrico, através de uma tampa de abertura e fecho elétrico junto das rodas dianteiras e de ambos os lados da carroçaria. Na zona inferior da moldura da grelha dianteira (quase totalmente fechada) a assinatura e-tron identifica a presença de um modelo totalmente elétrico.

Equipamento

6/10

A bordo, a imagem geral está muito próxima do patamar que também encontramos num Audi A6 ou mesmo num Audi A8, com a presença de três monitores, o da instrumentação e os dois da consola central, sendo que estes dois últimos incluem um comando tátil com feedback háptico, para que seja mais simples a sua utilização. O inferior, está reservado para os controlos da climatização e para algumas funções de acesso direto, enquanto o da parte de cima, mesmo no meio do tablier é o do sistema multimédia que integra a maioria dos comandos e das configurações do Audi e-tron.

Ao volante, a posição de condução é excelente, além de muito confortável. E em todo o habitáculo há espaço suficiente para cinco pessoas, ainda que a maior dose de conforto seja registada nos momentos em que há apenas quatro elementos a bordo. E atrás de tudo isto, há ainda uma bagageira com uma capacidade próxima dos 600 litros, que fica de acordo com as necessidades de qualquer agregado familiar.

Consumos

5/10

A autonomia anunciada para o e-tron 55 quattro quando equipado com as jantes de 19 polegadas e com o modo de condução mais ecológico selecionado chega quase aos 390 quilómetros, simulando uma utilização de 50% em cidade, 35% em estrada e apenas 15% em autoestrada. Mas em situações ideais de consumo otimizado, a Audi declara um valor máximo de 440 para esta versão. São valores perfeitamente adequados para uma rotina diária e até para diversas deslocações ao fim-de-semana, mas que, num catálogo, acabam por destoar um pouco do que já é anunciado por outros construtores com rivais diretos do Audi e-tron.

No capítulo dos consumos, o valor anunciado para este modelo anda entre os 22,3 e os 24,9 kWh/100km segundo a norma WLTP, o que não difere muito dos 24,6 kWh indicados pelo computador de bordo no final do nosso ensaio.

Ao Volante

7/10

Seja no meio da cidade ou numa estrada de montanha, o peso e as dimensões do Audi e-tron fazem-se sentir, ainda que a nota de conforto muito elevada, a precisão da condução e a disponibilidade de potência do sistema elétrico nos façam esquecer esses pontos na maior parte do tempo. As jantes de 19 polegadas e os pneus de atrito mais reduzido retiram alguma da precisão aos movimentos mais bruscos da carroçaria, mas adicionam um nível de conforto digno de um topo de gama, mesmo quando os pisos por que passamos estejam longe de ser os melhores em termos de conservação e qualidade.

Motor

7/10

Não um, mais dois motores compõem o sistema elétrico do Audi e-tron, ou seja, um em cada eixo, fazendo com que ambos passem tração para as rodas. A assinatura quattro fica assim justificada não pela presença de um sistema de tração integral, uma vez que não existe um veio a ligar os eixos dianteiro e traseiro, mas sim pelo facto de continuarem a existir quatro rodas motrizes e com acesso a uma potência máxima acima dos 400 cavalos. Mesmo com um peso em torno das 2,5 toneladas, o Audi e-tron não desilude em termos de ritmo, mas é neste preciso momento que percebemos o facto de estar a precisar de uma atualização. Afinal, este sistema já conta com uns anos no ativo e à velocidade em que o mundo automóvel está a evoluir atualmente, autonomias abaixo dos 500 quilómetros e consumos acima dos 20 kWh já estão longe de ser as melhores metas a alcançar.

Balanço Final

7/10

Os cerca de seis anos de presença no mercado fazem com que a primeira experiência da Audi no mundo dos SUV totalmente elétricos já esteja de saída, mas a qualidade geral muito elevada e o desenho moderno de todo o conjunto, no exterior e no interior, fazem com que isso aconteça num momento em que este e-tron ainda esteja perfeitamente atual e até competitivo, faltando apenas uma atualização da bateria do seu sistema elétrico e de algumas configurações que conseguissem reduzir o peso e deixar os consumos no patamar mais eficiente.

Concorrentes

BMW iX xDrive 40
Motor: Elétrico; 326 cavalos; Tração às quatro rodas; Autonomia: 436 km; Aceleração 0-100 km/h: 6,1 seg.; Consumo combinado: 19,4 kWh/100 km; Preço 89.150 €

Mercedes-EQ EQE SUV 500 4Matic
Motor: Elétrico; 408 cavalos; Tração às quatro rodas; Autonomia: 547 km; Aceleração 0-100 km/h: n.d.; Consumo combinado: 19,0 kWh/100 km; Preço n.d.

Ficha Técnica

Motor
Tipo: Elétrico
Potência máxima (CV/rpm): 408/n.d.
Binário máximo (Nm/rpm): 664/n.d.
Tração: Quatro rodas motrizes
Transmissão: Automática de relação única
Direção: Assistida eletricamente
Suspensão (ft/tr): Multibraços / Multibraços
Travões (fr/tr): discos ventilados / discos ventilados

Prestações e consumos
Aceleração 0-100 km/h (s): 6,6
Velocidade máxima (km/h): 200
Consumos misto (kWh/100 km): 22,2
Autonomia máxima – WLTP (km): 440

Dimensões e pesos
Comprimento/Largura/Altura (mm): 4.901/1.935/1.629
Distância entre eixos (mm): 2.927
Largura de vias (fr/tr mm): 1.655/1.655
Peso (kg): 2.520
Capacidade da bagageira (l): 596
Pneus (fr/tr): 255/55 R19

Preço da versão ensaiada (Euros): n.d.
Preço da versão base (Euros): n.d.

Exterior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Seis anos depois do seu lançamento no mercado, o Audi e-tron continua a ser um modelo perfeitamente atual e muito elegante, mesmo com a presença das jantes de 19 polegadas que faziam parte da unidade ensaiada e que são as disponibilizadas com o equipamento de série, parecendo muito mais pequenas do que são na realidade neste conjunto com quase cinco metros de comprimento e dois de largura. O desenho da carroçaria do e-tron foi também o primeiro de soluções como o sistema de iluminação mais sofisticado com a enorme barra horizontal na secção traseira e com diversos detalhes que a marca criou especificamente para a família de versões totalmente elétricas.

Um dos principais destaques vai para as camaras laterais que substituem os espelhos retrovisores e que estão disponíveis apenas como opção (não incluídos na unidade ensaiada), mas também na possibilidade de aceder à tomada de carregamento do sistema elétrico, através de uma tampa de abertura e fecho elétrico junto das rodas dianteiras e de ambos os lados da carroçaria. Na zona inferior da moldura da grelha dianteira (quase totalmente fechada) a assinatura e-tron identifica a presença de um modelo totalmente elétrico.

Equipamento

A bordo, a imagem geral está muito próxima do patamar que também encontramos num Audi A6 ou mesmo num Audi A8, com a presença de três monitores, o da instrumentação e os dois da consola central, sendo que estes dois últimos incluem um comando tátil com feedback háptico, para que seja mais simples a sua utilização. O inferior, está reservado para os controlos da climatização e para algumas funções de acesso direto, enquanto o da parte de cima, mesmo no meio do tablier é o do sistema multimédia que integra a maioria dos comandos e das configurações do Audi e-tron.

Ao volante, a posição de condução é excelente, além de muito confortável. E em todo o habitáculo há espaço suficiente para cinco pessoas, ainda que a maior dose de conforto seja registada nos momentos em que há apenas quatro elementos a bordo. E atrás de tudo isto, há ainda uma bagageira com uma capacidade próxima dos 600 litros, que fica de acordo com as necessidades de qualquer agregado familiar.

Consumos

A autonomia anunciada para o e-tron 55 quattro quando equipado com as jantes de 19 polegadas e com o modo de condução mais ecológico selecionado chega quase aos 390 quilómetros, simulando uma utilização de 50% em cidade, 35% em estrada e apenas 15% em autoestrada. Mas em situações ideais de consumo otimizado, a Audi declara um valor máximo de 440 para esta versão. São valores perfeitamente adequados para uma rotina diária e até para diversas deslocações ao fim-de-semana, mas que, num catálogo, acabam por destoar um pouco do que já é anunciado por outros construtores com rivais diretos do Audi e-tron.

No capítulo dos consumos, o valor anunciado para este modelo anda entre os 22,3 e os 24,9 kWh/100km segundo a norma WLTP, o que não difere muito dos 24,6 kWh indicados pelo computador de bordo no final do nosso ensaio.

Ao volante

Seja no meio da cidade ou numa estrada de montanha, o peso e as dimensões do Audi e-tron fazem-se sentir, ainda que a nota de conforto muito elevada, a precisão da condução e a disponibilidade de potência do sistema elétrico nos façam esquecer esses pontos na maior parte do tempo. As jantes de 19 polegadas e os pneus de atrito mais reduzido retiram alguma da precisão aos movimentos mais bruscos da carroçaria, mas adicionam um nível de conforto digno de um topo de gama, mesmo quando os pisos por que passamos estejam longe de ser os melhores em termos de conservação e qualidade.

Concorrentes

BMW iX xDrive 40
Motor: Elétrico; 326 cavalos; Tração às quatro rodas; Autonomia: 436 km; Aceleração 0-100 km/h: 6,1 seg.; Consumo combinado: 19,4 kWh/100 km; Preço 89.150 €

Mercedes-EQ EQE SUV 500 4Matic
Motor: Elétrico; 408 cavalos; Tração às quatro rodas; Autonomia: 547 km; Aceleração 0-100 km/h: n.d.; Consumo combinado: 19,0 kWh/100 km; Preço n.d.

Motor

Não um, mais dois motores compõem o sistema elétrico do Audi e-tron, ou seja, um em cada eixo, fazendo com que ambos passem tração para as rodas. A assinatura quattro fica assim justificada não pela presença de um sistema de tração integral, uma vez que não existe um veio a ligar os eixos dianteiro e traseiro, mas sim pelo facto de continuarem a existir quatro rodas motrizes e com acesso a uma potência máxima acima dos 400 cavalos. Mesmo com um peso em torno das 2,5 toneladas, o Audi e-tron não desilude em termos de ritmo, mas é neste preciso momento que percebemos o facto de estar a precisar de uma atualização. Afinal, este sistema já conta com uns anos no ativo e à velocidade em que o mundo automóvel está a evoluir atualmente, autonomias abaixo dos 500 quilómetros e consumos acima dos 20 kWh já estão longe de ser as melhores metas a alcançar.

Balanço final

Os cerca de seis anos de presença no mercado fazem com que a primeira experiência da Audi no mundo dos SUV totalmente elétricos já esteja de saída, mas a qualidade geral muito elevada e o desenho moderno de todo o conjunto, no exterior e no interior, fazem com que isso aconteça num momento em que este e-tron ainda esteja perfeitamente atual e até competitivo, faltando apenas uma atualização da bateria do seu sistema elétrico e de algumas configurações que conseguissem reduzir o peso e deixar os consumos no patamar mais eficiente.

Ficha técnica

Motor
Tipo: Elétrico
Potência máxima (CV/rpm): 408/n.d.
Binário máximo (Nm/rpm): 664/n.d.
Tração: Quatro rodas motrizes
Transmissão: Automática de relação única
Direção: Assistida eletricamente
Suspensão (ft/tr): Multibraços / Multibraços
Travões (fr/tr): discos ventilados / discos ventilados

Prestações e consumos
Aceleração 0-100 km/h (s): 6,6
Velocidade máxima (km/h): 200
Consumos misto (kWh/100 km): 22,2
Autonomia máxima – WLTP (km): 440

Dimensões e pesos
Comprimento/Largura/Altura (mm): 4.901/1.935/1.629
Distância entre eixos (mm): 2.927
Largura de vias (fr/tr mm): 1.655/1.655
Peso (kg): 2.520
Capacidade da bagageira (l): 596
Pneus (fr/tr): 255/55 R19

Preço da versão ensaiada (Euros): n.d.
Preço da versão base (Euros): n.d.