Audi e-Tron Sportback 55 quattro – Ensaio Teste

By on 18 Agosto, 2020

Audi e-Tron Sportback 55 quattro

Texto: José Manuel Costa ([email protected])

Vislumbre do futuro

Não vale a pena continuar a vociferar contra os carros elétricos, eles vieram para ficar e este e-Tron Sportback é um vislumbre do futuro que, a mim, me agradou sobremaneira! Sabem, ando nesta jornada há demasiados anos para ficar embasbacado com alguma coisa e durante algum tempo fui um claro cético sobre esta coisa da mobilidade elétrica, especialmente porque os primeiros passos não foram seguros ou convincentes, e como nestas coisas os olhos também comem, a orientação estilística era desastrosa.  Pois bem, tudo está bem diferente e depois de ter experimentado vários modelos elétricos, caiu-me no colo este Audi e-Tron Sportback. Sim, confesso, deixou-me embasbacado!


Mais:

Estilo, motorização, habitáculo, Travagem

 

 

Menos:

Preço

Exterior

7/10

Pontuação 7/10

O e-Tron Sportback em um aspeto muito mais atraente que o e-Tron, que mais parece a versão elétrica do Q8. Se a frente é semelhante, a partir do pilar B tudo é diferente e a verdade é que o equilíbrio de formas seduz, a imponente frente com uma grelha gigantesca (mas com, manifestamente, mais bom gosto que o duplo rim da BMW) e cavas das rodas enormes, sublinhadas por arcos em plástico que pode ser da mesma cor da carroçaria, bem preenchidas com rodas de generosas dimensões. Olhando assim, alguém diz ser este um carro elétrico? Parece mais uma variante desportiva do Q8 que outra coisa. Porém, com 4901 mm de comprimento, 1935 mm de largura e 1616 mm de altura, o e-Tron Sportback é mais curto (85 mm), mas estreito (60) e consideravelmente mais baixo (89 mm) que aquele SUV da Audi. Mas, por acaso, este 55 quattro é, mesmo, a versão desportiva, mas do e-Tron. Dizer que a plataforma é, naturalmente, a MLB Evo dedicada a modelos elétricos e que as baterias de 95 kWh é feita pela LG Chem.

Interior

9/10

Pontuação 9/10

Não há grandes diferenças no habitáculo do e-Tron face a outras realizações da Audi. O que é uma boa noticia porque os interiores da casa alemã são sempre bem desenhados, muito práticos, com enorme qualidade, real e percecionada e uma ergonomia de qualidade. Os ecrãs com sensibilidade ao toque são o detalhe futurista suficiente, juntando-se aos espelhos virtuais que equipavam este e-Tron.

Sim, o carro tinha uns curtos “pod” na porta onde na ponta estavam duas câmaras de elevadíssima resolução, que transmitiam as imagens para dois monitores colocados na porta, imediatamente por baixo do vidro e encostado á ponta do tabliê.

É fácil? Não, não é. Primeiro porque passei os dias a olhar para a câmara e depois “irra, tenho de olhar para baixo!!”. Depois, os ecrãs não têm proteção antirreflexo e há situações em que ficamos quase completamente cegos. Finalmente, temos de nos habituar a ver as coisas atrás de nos de uma forma muito diferente do habitual.

Quanto ao espaço interior, é enorme com um único compromisso: a forma descendente do tejadilho rouba 20 mm no espaço para a cabeça no banco traseiro. Igualmente a bagageira perde espaço, desta feita, devido á forma do portão traseiro, muito inclinado. São menos 45 litros, o que quer dizer que o e-Tron Sportback oferece uma bagageira com 615 litros! Quero lá saber dos 45 litros… até porque mesmo assim, são mais 58 litros que o Jaguar E-Pace.

Equipamento

5/10

Pontuação 5/10  

Como habitualmente, o demónio está nos detalhes e no que toca ao equipamento, que no valor final de 95.091 euros tem um peso de 13 mil euros! Neste valor está o pacote Premium Plus que custa 6.249 euros, as jantes de liga leve de 19 polegadas de raios cruzados ficam por 2.200 euros e a suspensão de sistema de amortecimento seletivo, que custa 1.250 euros. Depois temos os bancos AMG High End que têm uma etiqueta de 4.149 euros, a pintura metalizada Preto Cosmos (750 euros) e o pacote aerodinâmico AMG (1.500 euros). Tudo o resto é oferecido de série, tal como os ecrãs de maiores dimensões, os vidros elétricos, airbags, espelhos retrovisores de comando elétrico, sensores de chuva e luz, enfim, tudo o que se pode esperar de um carro que custa quase mais de 80 mil euros… sem extras.

Consumos

/10

Pontuação 5/10

A utilização quotidiana do e-Tron é satisfatória e ninguém pensa que está a usar um carro elétrico. Somente os avisos de necessidade de recarregar nos fazem recordar que o e-Tron anuncia mais de 440 km de autonomia, mas na realidade, não vai além dos 380 km. Eu, pelo menos, não consegui melhor!

Ao Volante

7/10

Pontuação 7/10

Em linha reta, no modo D não é impressionante, nem nos arranques, mas isso percebe-se pela menor potência disponível e pelos 2480 kgs que o carro pesa! Não imaginam a energia necessária para colocar em movimento o e-Tron! Mas assim que ele ganha velocidade, a aceleração pode ser mais bem controlada e tudo é mais simples, não sendo necessário pedir muito à mecânica para adotar ritmos mais que suficientes em estrada e autoestrada.

Claro que acionando o modo S, a performance ilumina-se, literalmente, e os 5,7 segundos dos 0-100 km/h são perfeitamente possíveis (parece-me que o Audi faça mesmo melhor que isso), embora a autonomia se apague mais depressa que um fósforo. E a rapidez esperada na correria até aos 200 km/h, a velocidade máxima limitada eletronicamente, impressiona.

Depois, temos o avançado sistema de regeneração de energia que tem três níveis de intensidade de regeneração, mais o modo automático incluído no sistema de navegação e que utiliza a leitura do terreno para regenerar automaticamente energia da desaceleração e da travagem.

E devo dizer que este sistema automático é excelente sendo que os outros modos requerem alguma sensibilidade do condutor para conseguir alongar a autonomia. Por isso, deixe no modo automático que verá a autonomia crescer um pouco.

Finalmente, dizer que o e-Tron Sportback é um carro muito refinado, silencioso, claro, confortável e isolado do mundo lá fora. Pede meças a outros modelos da Audi, o que não é surpresa, pois, a casa de Ingolstadt é perita neste tipo de definições. O comportamento é aceitável, face a um carro tão pesado e com uma direção que necessitava de ter uma pouco mais de sensibilidade. Nunca me senti desconfortável em atirar o e-Tron para as curvas, mas reconheço que este é um carro para viajar e desfrutar e não para aventuras ao volante. Ah! e a travagem é das melhores que conheço em carros elétricos, com uma excelente sensação e capacidade de modelação, o que não é nada habitual.

Motor

7/10

Pontuação 7/10

O Audi e-Tron Sportback 55 quattro utiliza dois motores elétricos assíncronos, um colocado no eixo dianteiro (cuja potência máxima é de 183 CV e o binário de 246,7 Nm) e outro no eixo traseiro com 224 CV e 314,5 Nm de binário. Contas feitas, são 408 CV e 664 Nm de binário, embora toda esta potência só esteja disponível por curtos momentos de oito segundos, um “Boost” que é acionado na alavanca da caixa, selecionando o modo S. No modo D, o Audi e-Tron Sportback 55 quattro disponibiliza, apenas, 360 CV e 561 Nm. A tração é feita às quatro rodas através de duas caixas de velocidade única, acopladas a cada motor e ligadas em rede através de uma central de comando, tendo, ainda, um mecanismo que desliga a conexão entre os dois eixos. Isto permite que numa utilização quotidiana o carro funcione, apenas, com tração atrás, oferecendo, assim, mais 11 km de autonomia à cifra total de 445 km. O outro motor só é chamado à ação quando fazemos “kickdown” ou quando ligamos o modo S.

Balanço Final

8/10

Pontuação 8/10

Claro que o e-Tron Sportback não é a versão desportiva do e-Tron, é a versão com aspeto mais desportivo, isso sim, capaz de ser um nadinha mais divertido que o e-Tron devido a umas suspensões menos brandas. Este e-Tron é uma dor de cabeça para o Jaguar E-Pace e sendo um vislumbre do futuro… venha ele que adoro que o futuro seja parecido com o e-Tron!

Concorrentes

Jaguar i-Pace

Dois motores elétricos; 400 CV; 696 Nm; aceleração 0-100 km/h em 4,8 seg; 200 km/h; consumo de 22 a 24,8 kWh/100 km; 95.548 euros

(Veja o ensaio AQUI)

 

Tesla Model X

Um motor elétrico; 333 CV; 535 Nm; aceleração 0-100 km/h em 5,2 seg; 209 km/h; consumo nd; 90.995 euros

(Conheça todas as versões e motorizações AQUI)

Ficha Técnica

Motor

Tipo: elétrico assíncrono x2

Cilindrada (cm3): na

Diâmetro x Curso (mm): na

Taxa de Compressão: na

Potência máxima (CV): 408

Binário máximo (Nm): 664

Transmissão: traseira ou integral com duas caixas de velocidade única em cada eixo

Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente

Suspensão (ft/tr): independente eixo multibraços

Travões (fr/tr): discos ventilados

Prestações e consumos

Aceleração 0-100 km/h (s): 5,7

Velocidade máxima (km/h): 200 (limitada)

Consumos misto (kWh/100 km): 20,6 – 22,7

Emissões CO2 (gr/km): 0

Dimensões e pesos

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4901/1935/1616

Distância entre eixos (mm): 2928

Largura de vias (fr/tr mm): nd

Peso (kg): 2480

Capacidade da bagageira (l): 615/1655

Capacidade da bateria (kWh): 95

Pneus (fr/tr): 255/55 R19

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Pontuação 7/10

O e-Tron Sportback em um aspeto muito mais atraente que o e-Tron, que mais parece a versão elétrica do Q8. Se a frente é semelhante, a partir do pilar B tudo é diferente e a verdade é que o equilíbrio de formas seduz, a imponente frente com uma grelha gigantesca (mas com, manifestamente, mais bom gosto que o duplo rim da BMW) e cavas das rodas enormes, sublinhadas por arcos em plástico que pode ser da mesma cor da carroçaria, bem preenchidas com rodas de generosas dimensões. Olhando assim, alguém diz ser este um carro elétrico? Parece mais uma variante desportiva do Q8 que outra coisa. Porém, com 4901 mm de comprimento, 1935 mm de largura e 1616 mm de altura, o e-Tron Sportback é mais curto (85 mm), mas estreito (60) e consideravelmente mais baixo (89 mm) que aquele SUV da Audi. Mas, por acaso, este 55 quattro é, mesmo, a versão desportiva, mas do e-Tron. Dizer que a plataforma é, naturalmente, a MLB Evo dedicada a modelos elétricos e que as baterias de 95 kWh é feita pela LG Chem.

Interior

Pontuação 9/10

Não há grandes diferenças no habitáculo do e-Tron face a outras realizações da Audi. O que é uma boa noticia porque os interiores da casa alemã são sempre bem desenhados, muito práticos, com enorme qualidade, real e percecionada e uma ergonomia de qualidade. Os ecrãs com sensibilidade ao toque são o detalhe futurista suficiente, juntando-se aos espelhos virtuais que equipavam este e-Tron.

Sim, o carro tinha uns curtos “pod” na porta onde na ponta estavam duas câmaras de elevadíssima resolução, que transmitiam as imagens para dois monitores colocados na porta, imediatamente por baixo do vidro e encostado á ponta do tabliê.

É fácil? Não, não é. Primeiro porque passei os dias a olhar para a câmara e depois “irra, tenho de olhar para baixo!!”. Depois, os ecrãs não têm proteção antirreflexo e há situações em que ficamos quase completamente cegos. Finalmente, temos de nos habituar a ver as coisas atrás de nos de uma forma muito diferente do habitual.

Quanto ao espaço interior, é enorme com um único compromisso: a forma descendente do tejadilho rouba 20 mm no espaço para a cabeça no banco traseiro. Igualmente a bagageira perde espaço, desta feita, devido á forma do portão traseiro, muito inclinado. São menos 45 litros, o que quer dizer que o e-Tron Sportback oferece uma bagageira com 615 litros! Quero lá saber dos 45 litros… até porque mesmo assim, são mais 58 litros que o Jaguar E-Pace.

Equipamento

Pontuação 5/10  

Como habitualmente, o demónio está nos detalhes e no que toca ao equipamento, que no valor final de 95.091 euros tem um peso de 13 mil euros! Neste valor está o pacote Premium Plus que custa 6.249 euros, as jantes de liga leve de 19 polegadas de raios cruzados ficam por 2.200 euros e a suspensão de sistema de amortecimento seletivo, que custa 1.250 euros. Depois temos os bancos AMG High End que têm uma etiqueta de 4.149 euros, a pintura metalizada Preto Cosmos (750 euros) e o pacote aerodinâmico AMG (1.500 euros). Tudo o resto é oferecido de série, tal como os ecrãs de maiores dimensões, os vidros elétricos, airbags, espelhos retrovisores de comando elétrico, sensores de chuva e luz, enfim, tudo o que se pode esperar de um carro que custa quase mais de 80 mil euros… sem extras.

Consumos

Pontuação 5/10

A utilização quotidiana do e-Tron é satisfatória e ninguém pensa que está a usar um carro elétrico. Somente os avisos de necessidade de recarregar nos fazem recordar que o e-Tron anuncia mais de 440 km de autonomia, mas na realidade, não vai além dos 380 km. Eu, pelo menos, não consegui melhor!

Ao volante

Pontuação 7/10

Em linha reta, no modo D não é impressionante, nem nos arranques, mas isso percebe-se pela menor potência disponível e pelos 2480 kgs que o carro pesa! Não imaginam a energia necessária para colocar em movimento o e-Tron! Mas assim que ele ganha velocidade, a aceleração pode ser mais bem controlada e tudo é mais simples, não sendo necessário pedir muito à mecânica para adotar ritmos mais que suficientes em estrada e autoestrada.

Claro que acionando o modo S, a performance ilumina-se, literalmente, e os 5,7 segundos dos 0-100 km/h são perfeitamente possíveis (parece-me que o Audi faça mesmo melhor que isso), embora a autonomia se apague mais depressa que um fósforo. E a rapidez esperada na correria até aos 200 km/h, a velocidade máxima limitada eletronicamente, impressiona.

Depois, temos o avançado sistema de regeneração de energia que tem três níveis de intensidade de regeneração, mais o modo automático incluído no sistema de navegação e que utiliza a leitura do terreno para regenerar automaticamente energia da desaceleração e da travagem.

E devo dizer que este sistema automático é excelente sendo que os outros modos requerem alguma sensibilidade do condutor para conseguir alongar a autonomia. Por isso, deixe no modo automático que verá a autonomia crescer um pouco.

Finalmente, dizer que o e-Tron Sportback é um carro muito refinado, silencioso, claro, confortável e isolado do mundo lá fora. Pede meças a outros modelos da Audi, o que não é surpresa, pois, a casa de Ingolstadt é perita neste tipo de definições. O comportamento é aceitável, face a um carro tão pesado e com uma direção que necessitava de ter uma pouco mais de sensibilidade. Nunca me senti desconfortável em atirar o e-Tron para as curvas, mas reconheço que este é um carro para viajar e desfrutar e não para aventuras ao volante. Ah! e a travagem é das melhores que conheço em carros elétricos, com uma excelente sensação e capacidade de modelação, o que não é nada habitual.

Concorrentes

Jaguar i-Pace

Dois motores elétricos; 400 CV; 696 Nm; aceleração 0-100 km/h em 4,8 seg; 200 km/h; consumo de 22 a 24,8 kWh/100 km; 95.548 euros

(Veja o ensaio AQUI)

 

Tesla Model X

Um motor elétrico; 333 CV; 535 Nm; aceleração 0-100 km/h em 5,2 seg; 209 km/h; consumo nd; 90.995 euros

(Conheça todas as versões e motorizações AQUI)

Motor

Pontuação 7/10

O Audi e-Tron Sportback 55 quattro utiliza dois motores elétricos assíncronos, um colocado no eixo dianteiro (cuja potência máxima é de 183 CV e o binário de 246,7 Nm) e outro no eixo traseiro com 224 CV e 314,5 Nm de binário. Contas feitas, são 408 CV e 664 Nm de binário, embora toda esta potência só esteja disponível por curtos momentos de oito segundos, um “Boost” que é acionado na alavanca da caixa, selecionando o modo S. No modo D, o Audi e-Tron Sportback 55 quattro disponibiliza, apenas, 360 CV e 561 Nm. A tração é feita às quatro rodas através de duas caixas de velocidade única, acopladas a cada motor e ligadas em rede através de uma central de comando, tendo, ainda, um mecanismo que desliga a conexão entre os dois eixos. Isto permite que numa utilização quotidiana o carro funcione, apenas, com tração atrás, oferecendo, assim, mais 11 km de autonomia à cifra total de 445 km. O outro motor só é chamado à ação quando fazemos “kickdown” ou quando ligamos o modo S.

Balanço final

Pontuação 8/10

Claro que o e-Tron Sportback não é a versão desportiva do e-Tron, é a versão com aspeto mais desportivo, isso sim, capaz de ser um nadinha mais divertido que o e-Tron devido a umas suspensões menos brandas. Este e-Tron é uma dor de cabeça para o Jaguar E-Pace e sendo um vislumbre do futuro… venha ele que adoro que o futuro seja parecido com o e-Tron!

Ficha técnica

Motor

Tipo: elétrico assíncrono x2

Cilindrada (cm3): na

Diâmetro x Curso (mm): na

Taxa de Compressão: na

Potência máxima (CV): 408

Binário máximo (Nm): 664

Transmissão: traseira ou integral com duas caixas de velocidade única em cada eixo

Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente

Suspensão (ft/tr): independente eixo multibraços

Travões (fr/tr): discos ventilados

Prestações e consumos

Aceleração 0-100 km/h (s): 5,7

Velocidade máxima (km/h): 200 (limitada)

Consumos misto (kWh/100 km): 20,6 – 22,7

Emissões CO2 (gr/km): 0

Dimensões e pesos

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4901/1935/1616

Distância entre eixos (mm): 2928

Largura de vias (fr/tr mm): nd

Peso (kg): 2480

Capacidade da bagageira (l): 615/1655

Capacidade da bateria (kWh): 95

Pneus (fr/tr): 255/55 R19

Preço da versão ensaiada (Euros): 89945€
Preço da versão base (Euros): 89945€