BMW iX xDrive 50 – Ensaio Teste

By on 17 Maio, 2022

Dar um salto ao futuro

A família de modelos totalmente elétricos da BMW, identificados com a letra “i”, entrou no mercado com algo totalmente novo, já há uns anos. O BMW i3 foi um grande salto na altura do seu lançamento, tal como o novo iX está a ser agora face a um maior número de rivais e soluções. Destinado a representar a marca neste novo mundo eletrificado, o novo BMW iX inclui os traços mais radicais dos seus novos modelos, mas também uma imagem digna de um topo de gama. E no caso desta versão xDrive 50, dois motores elétricos que lhe permitem uma potência de 523 cavalos e uma autonomia anunciada acima dos 600 quilómetros.

Texto: André Mendes


Mais:

– Conforto
– Espaço a bordo
– Condução

Menos:

– Preço
– Equipamento opcional

Exterior

8/10

As linhas do novo BMW iX incluem muitas das ideias apresentadas com alguns dos modelos mais recentes da marca, aquelas que nos deixam a questionar “onde é que eles estavam com a cabeça quando desenharam isto?”, mas que rapidamente nos fazem passar para o “isto afinal faz todo o sentido” à medida que vamos partilhando o nosso dia-a-dia com este modelo. Os mais apaixonados por tecnologia e design vão adorar cada detalhe do BMW iX, desde o momento em que abrimos as portas premindo apenas um comando no interior do puxador até às janelas sem molduras, passando pelos detalhes estilísticos dos grupos óticos, pelo padrão decorativo dos “rins” dianteiros – que agora já não são uma grelha e sim um painel destinado a esconder diversos sensores e radares de distância – ou mesmo pelo teto panorâmico em vidro que se torna opaco com um simples toque num botão.

Interior

9/10

A bordo do BMW iX há um misto de minimalismo e luxo, acompanhado de um tom tecnológico, mas com muito bom gosto e que resulta num ambiente bastante sofisticado. A questão dos tons utilizados é meramente uma questão de gosto pessoal, mas o enorme painel em frente ao condutor que parece estar a flutuar e que dispensa um enorme conjunto de comandos e sistemas que normalmente preenchem a consola central é muito bem-vindo. E depois, entre os assentos, está apenas uma pequena consola com alguns comandos táteis, o comando rotativo do iDrive e o da caixa de velocidades, que é apenas um pequeno seletor no novo iX e um de muitos produzidos em vidro no caso da unidade ensaiada.

Uma vez sentados ao volante, o desenho hexagonal deste componente em vez da tradicional forma redonda dá ainda mais enfase à imagem sofisticada, mas também contamos com uma posição de condução excelente e um nível de conforto muito elevado. A distância entre eixos de três metros faz com que o espaço a bordo seja mais do que suficiente, especialmente nos lugares traseiros, e o desenho das folhas que marca presença num dos cantos do tablier, mesmo em frente ao lugar do passageiro, relembra a presença de materiais reciclados ou de origem sustentável, que fazem parte da nova economia circular da BMW.

Equipamento

7/10

A versão xDrive 50 é a mais completa desta gama. Pelo menos, até recebermos no mercado nacional o iX M60. E isso faz com que seja também a mais completa em termos de equipamento. No entanto, e seguindo a mesma política que a marca também tem nos seus modelos mais convencionais, os maiores “mimos” em termos de equipamento estão apenas disponíveis na lista de opcionais, o que pode transformar o preço final de cada modelo de uma forma astronómica. De qualquer forma, não podemos deixar de destacar opções como o Vermelho Aventurine da BMW Individual escolhido para a carroçaria, em conjunto com a linha exterior, também da BMW Individual em Titanium Bronze, uma vez que é um conjunto que só nos faz lembrar o fato do Iron Man e que é uma combinação perfeita para o BMW iX. Além disso, há também o sistema de som da Bowers & Wilkins, o sistema de iluminação Laserlight, o pacote estético mais desportivo e a função de fecho suave das portas, que devia ser obrigatória em todos os automóveis a partir de um determinado segmento.

Consumos

6/10

Mais de 520 cavalos disponíveis de uma forma quase imediata debaixo do pé direito e um peso acima das 2,5 toneladas não anunciavam um resultado muito agradável em termos de médias de consumo. E rapidamente percebemos que não iriamos conseguir chegar perto dos 630 quilómetros de autonomia máxima, a menos que adotássemos um modo de condução bastante diferente desde o início da condução, com a bateria totalmente carregada e ao longo de toda a sua duração. No final do teste, o computador de bordo tinha registado um valor de 24,7 kWh, que nos fez abrir um pouco mais os olhos. Mas pouco depois disso, descobrimos que a média declarada pela marca anda entre os 19,8 e os 23 kWh, pelo que já não ficámos assim tão surpresos.

Ao Volante

7/10

Uma das primeiras impressões também está relacionada com o minimalismo do tablier que, por ter uma posição mais baixa, incluindo a instrumentação, faz com que a visibilidade dianteira seja bastante melhor e mais ampla. As jantes de 22 polegadas e a suspensão pneumática com uma afinação um pouco mais firme não prejudicam o conforto, mas contribuem para uma eficácia dinâmica bem mais apurada. E apesar de se tratar de um formato mais volumoso, os movimentos da carroçaria são bem controlados e divertidos de explorar nos traçados mais sinuosos. Num modo de condução mais tranquilo, mesmo as ruas mais complicadas de qualquer ambiente urbano são simples de superar, até porque o sistema de quatro rodas direcionais (opcional) não nos deixa perceber que o iX tem quase cinco metros de comprimento.

Motor

7/10

A quinta geração do sistema eDrive da BMW inclui duas motorizações elétricas, uma em cada eixo, alimentadas por uma bateria de 111,5 kWh nesta versão xDrive 50. O valor combinado é de 523 cavalos, suficientes para que as 2,5 toneladas de peso do conjunto nem sequer pareçam um valor tão elevado. Segundo os valores declarados pela marca, a aceleração dos 0 aos 100 km/h desta versão, demora apenas 4,6 segundos e a velocidade máxima, limitada pela eletrónica, é de 200 km/h.

Balanço Final

7/10

A imagem do BMW iX faz-nos andar um pouco mais no futuro do mundo automóvel, pois há aqui diversas ideias e conceitos que ainda associamos a estudos de design e não ao automóvel que estamos a conduzir no meio de tantos outros. O sistema elétrico é competente, mas algo gastador, uma vez que o peso do conjunto é elevado, apesar da presença de uma estrutura com uma boa percentagem de carbono, assim produzida com o objetivo de reduzir o seu peso total. A imagem criada com os BMW i avança mais um pouco na viagem rumo ao futuro, com um estilo bastante sofisticado e uma condução que não se distancia das origens da marca.

Concorrentes

Audi e-tron S quattro
Motor: Elétrico; 503 cavalos; Autonomia: 372 km; Consumo combinado: 26,2 kWh/100 km; Preço: 99.930 €

Mercedes-Benz EQS SUV 580 4Matic
Motor: Elétrico; 544 cavalos; Autonomia: 613 km; Consumo combinado: 20,0 kWh/100 km; Preço: n.d.

Ficha Técnica

Motor
Tipo: Elétrico
Cilindrada (cm3): n.d.
Potência máxima (CV/rpm): 523/n.d.
Binário máximo (Nm/rpm): 765/n.d.
Tração: Nas quatro rodas
Transmissão: Automática de relação única
Direção: Assistida eletricamente
Suspensão (ft/tr): Triângulos sobrepostos / Multibraços
Travões (fr/tr): discos ventilados / discos ventilados

Prestações e consumos
Aceleração 0-100 km/h (s): 4,6
Velocidade máxima (km/h): 200
Consumos misto (kWh/100 km): 19,8
Autonomia máxima – WLTP (km): 631

Dimensões e pesos
Comprimento/Largura/Altura (mm): 4.953/1.967/1.696
Distância entre eixos (mm): 3.000
Largura de vias (fr/tr mm): 1.659/1.688
Peso (kg): 2.585
Capacidade da bagageira (l): 500
Pneus (fr/tr): 275/40 R22

Preço da versão ensaiada (Euros): 146.503 €
Preço da versão base (Euros): 112.783 €

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

As linhas do novo BMW iX incluem muitas das ideias apresentadas com alguns dos modelos mais recentes da marca, aquelas que nos deixam a questionar “onde é que eles estavam com a cabeça quando desenharam isto?”, mas que rapidamente nos fazem passar para o “isto afinal faz todo o sentido” à medida que vamos partilhando o nosso dia-a-dia com este modelo. Os mais apaixonados por tecnologia e design vão adorar cada detalhe do BMW iX, desde o momento em que abrimos as portas premindo apenas um comando no interior do puxador até às janelas sem molduras, passando pelos detalhes estilísticos dos grupos óticos, pelo padrão decorativo dos “rins” dianteiros – que agora já não são uma grelha e sim um painel destinado a esconder diversos sensores e radares de distância – ou mesmo pelo teto panorâmico em vidro que se torna opaco com um simples toque num botão.

Interior

A bordo do BMW iX há um misto de minimalismo e luxo, acompanhado de um tom tecnológico, mas com muito bom gosto e que resulta num ambiente bastante sofisticado. A questão dos tons utilizados é meramente uma questão de gosto pessoal, mas o enorme painel em frente ao condutor que parece estar a flutuar e que dispensa um enorme conjunto de comandos e sistemas que normalmente preenchem a consola central é muito bem-vindo. E depois, entre os assentos, está apenas uma pequena consola com alguns comandos táteis, o comando rotativo do iDrive e o da caixa de velocidades, que é apenas um pequeno seletor no novo iX e um de muitos produzidos em vidro no caso da unidade ensaiada.

Uma vez sentados ao volante, o desenho hexagonal deste componente em vez da tradicional forma redonda dá ainda mais enfase à imagem sofisticada, mas também contamos com uma posição de condução excelente e um nível de conforto muito elevado. A distância entre eixos de três metros faz com que o espaço a bordo seja mais do que suficiente, especialmente nos lugares traseiros, e o desenho das folhas que marca presença num dos cantos do tablier, mesmo em frente ao lugar do passageiro, relembra a presença de materiais reciclados ou de origem sustentável, que fazem parte da nova economia circular da BMW.

Equipamento

A versão xDrive 50 é a mais completa desta gama. Pelo menos, até recebermos no mercado nacional o iX M60. E isso faz com que seja também a mais completa em termos de equipamento. No entanto, e seguindo a mesma política que a marca também tem nos seus modelos mais convencionais, os maiores “mimos” em termos de equipamento estão apenas disponíveis na lista de opcionais, o que pode transformar o preço final de cada modelo de uma forma astronómica. De qualquer forma, não podemos deixar de destacar opções como o Vermelho Aventurine da BMW Individual escolhido para a carroçaria, em conjunto com a linha exterior, também da BMW Individual em Titanium Bronze, uma vez que é um conjunto que só nos faz lembrar o fato do Iron Man e que é uma combinação perfeita para o BMW iX. Além disso, há também o sistema de som da Bowers & Wilkins, o sistema de iluminação Laserlight, o pacote estético mais desportivo e a função de fecho suave das portas, que devia ser obrigatória em todos os automóveis a partir de um determinado segmento.

Consumos

Mais de 520 cavalos disponíveis de uma forma quase imediata debaixo do pé direito e um peso acima das 2,5 toneladas não anunciavam um resultado muito agradável em termos de médias de consumo. E rapidamente percebemos que não iriamos conseguir chegar perto dos 630 quilómetros de autonomia máxima, a menos que adotássemos um modo de condução bastante diferente desde o início da condução, com a bateria totalmente carregada e ao longo de toda a sua duração. No final do teste, o computador de bordo tinha registado um valor de 24,7 kWh, que nos fez abrir um pouco mais os olhos. Mas pouco depois disso, descobrimos que a média declarada pela marca anda entre os 19,8 e os 23 kWh, pelo que já não ficámos assim tão surpresos.

Ao volante

Uma das primeiras impressões também está relacionada com o minimalismo do tablier que, por ter uma posição mais baixa, incluindo a instrumentação, faz com que a visibilidade dianteira seja bastante melhor e mais ampla. As jantes de 22 polegadas e a suspensão pneumática com uma afinação um pouco mais firme não prejudicam o conforto, mas contribuem para uma eficácia dinâmica bem mais apurada. E apesar de se tratar de um formato mais volumoso, os movimentos da carroçaria são bem controlados e divertidos de explorar nos traçados mais sinuosos. Num modo de condução mais tranquilo, mesmo as ruas mais complicadas de qualquer ambiente urbano são simples de superar, até porque o sistema de quatro rodas direcionais (opcional) não nos deixa perceber que o iX tem quase cinco metros de comprimento.

Concorrentes

Audi e-tron S quattro
Motor: Elétrico; 503 cavalos; Autonomia: 372 km; Consumo combinado: 26,2 kWh/100 km; Preço: 99.930 €

Mercedes-Benz EQS SUV 580 4Matic
Motor: Elétrico; 544 cavalos; Autonomia: 613 km; Consumo combinado: 20,0 kWh/100 km; Preço: n.d.

Motor

A quinta geração do sistema eDrive da BMW inclui duas motorizações elétricas, uma em cada eixo, alimentadas por uma bateria de 111,5 kWh nesta versão xDrive 50. O valor combinado é de 523 cavalos, suficientes para que as 2,5 toneladas de peso do conjunto nem sequer pareçam um valor tão elevado. Segundo os valores declarados pela marca, a aceleração dos 0 aos 100 km/h desta versão, demora apenas 4,6 segundos e a velocidade máxima, limitada pela eletrónica, é de 200 km/h.

Balanço final

A imagem do BMW iX faz-nos andar um pouco mais no futuro do mundo automóvel, pois há aqui diversas ideias e conceitos que ainda associamos a estudos de design e não ao automóvel que estamos a conduzir no meio de tantos outros. O sistema elétrico é competente, mas algo gastador, uma vez que o peso do conjunto é elevado, apesar da presença de uma estrutura com uma boa percentagem de carbono, assim produzida com o objetivo de reduzir o seu peso total. A imagem criada com os BMW i avança mais um pouco na viagem rumo ao futuro, com um estilo bastante sofisticado e uma condução que não se distancia das origens da marca.

Ficha técnica

Motor
Tipo: Elétrico
Cilindrada (cm3): n.d.
Potência máxima (CV/rpm): 523/n.d.
Binário máximo (Nm/rpm): 765/n.d.
Tração: Nas quatro rodas
Transmissão: Automática de relação única
Direção: Assistida eletricamente
Suspensão (ft/tr): Triângulos sobrepostos / Multibraços
Travões (fr/tr): discos ventilados / discos ventilados

Prestações e consumos
Aceleração 0-100 km/h (s): 4,6
Velocidade máxima (km/h): 200
Consumos misto (kWh/100 km): 19,8
Autonomia máxima – WLTP (km): 631

Dimensões e pesos
Comprimento/Largura/Altura (mm): 4.953/1.967/1.696
Distância entre eixos (mm): 3.000
Largura de vias (fr/tr mm): 1.659/1.688
Peso (kg): 2.585
Capacidade da bagageira (l): 500
Pneus (fr/tr): 275/40 R22

Preço da versão ensaiada (Euros): 146.503 €
Preço da versão base (Euros): 112.783 €

Preço da versão ensaiada (Euros): 146.503€
Preço da versão base (Euros): 112.783€