DS 3 Crossback E-Tense – Ensaio Teste

By on 7 Setembro, 2020

DS 3 Crossback E-Tense

Texto: João Isaac

Estilo, muito estilo em modo elétrico

Apesar das suas dimensões compactas e, no caso da unidade em ensaio, da sua cor relativamente discreta, o DS 3 Crossback não é um automóvel que passe despercebido. A culpa é do seu design, suficientemente elaborado e distinto para que este crossover urbano não se confunda com nenhum outro, mas sem recorrer para isso a soluções que choquem aos olhos dos mais conservadores. Igualmente disponível com motorizações térmicas, colocámos o mais pequeno dos modelos da DS à prova na sua versão puramente elétrica.

Conheça todas as versões e motorizações AQUI.


Mais:

Imagem; conforto; consumo.

Menos:

Habitabilidade traseira.

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Exterior (9/10) Como referido anteriormente, a DS conseguiu, aos nossos olhos, um design final muito harmonioso para este seu crossover mais pequeno. Combina elementos e soluções muito originais, com a dose certa de arrojo e requinte para que o 3 Crossback se destaque sem querer ser o mais irreverente “lá da rua”. São disso exemplo a iluminação dianteira e traseira, os puxadores embutidos na carroçaria, bem como um segundo pilar de formato pouco convencional. A pouca superfície vidrada e as jantes de 18 polegadas completam o look exterior e em muito contribuem para a avaliação final muito positiva.

Interior

Interior (8/10) Depois de acedermos ao habitáculo abrindo a porta pelos elegantes puxadores embutidos nas portas, somos recebidos num ambiente tipicamente DS, com uma seleção de materiais agradáveis à vista e ao toque, principalmente na metade superior dos forros das portas e tablier. O painel de instrumentos é totalmente digital e ao centro está colocado o ecrã tátil do infotainment que, para além das funções habituais de navegação e multimédia, inclui igualmente os controlos da climatização, uma solução que pode não agradar a todos os condutores. Os bancos possuem um desenho muito original e são muito confortáveis, proporcionando, no caso do condutor, todas as condições para que uma longa viagem seja feita com o menor esforço possível. A posição de condução, embora estejamos na presença de um crossover, não é exageradamente alta, uma solução que agradará certamente aos condutores que preferem um pouco mais de envolvência na condução. Atrás, o nível de conforto oferecido não é, obviamente, o mesmo que encontramos na frente. Quer para as pernas, quer para a cabeça, o espaço livre não compromete mas é aconselhável para passageiros com altura inferior a 1,8 metros. Também as janelas são pequenas, pois o design foi a prioridade no 3 Crossback. A mala tem 350 litros de capacidade e apenas se lamenta a ausência de um fundo amovível que permitiria criar um plano de carga horizontal ao rebater os bancos traseiros.

Equipamento

Equipamento (8/10) O DS 3 Crossback E-Tense está disponível em três níveis de equipamento sendo este “nosso” um dos mais recheados, o Grand Chic. Para além das já mencionadas jantes de 18 polegadas, este exemplar inclui também elementos como o carregador sem fios para smartphones, o head-up display, o acesso e arranque mãos-livres, a iluminação traseira em LED e os faróis DS Matrix Led Vision. O assistente de manutenção na faixa de rodagem e a câmara de apoio ao estacionamento estão também presentes.

Consumos

Consumos (9/10) Ficámos longe dos valores declarados pela DS. Mas longe, no bom sentido, bem abaixo dos mais de 17 kWh/100 km declarados pela marca e aferidos já segundo as normas WLTP. Recorremos ao modo Eco disponível através do botão “Drive Mode” na consola e percorremos 50 quilómetros, com alguma condução em autoestrada pelo meio, ambiente menos favorável às motorizações totalmente elétricas, chegando ao fim com o computador de bordo a mostrar um valor médio de consumo de 12,7 kWh/100 km. Assim, mantendo-se a média em valores baixos, deverá ser possível atingir ou até mesmo superar a autonomia declarada de cerca de 320 quilómetros.

Ao volante

Ao volante (7/10) Um dos pontos que mais nos agradou neste DS 3 Crossback elétrico foi a posição de condução que, sem ser exageradamente alta, favorece aqueles que gostam de se sentir mais inseridos na experiência da condução. Ao rolar, o amortecimento do DS 3 Crossback mostra imediatamente que está orientado para o conforto, ainda que a dinâmica seja sempre segura, sem reacções inesperadas quando provocado. É também preciso relembrar que, relativamente às versões com motor térmico, a suspensão tem agora de lidar com um peso que é cerca de 300 kg superior, tendo sido, para isso, modificada. O pedal do travão, como é hábito em propostas elétricas com capacidade regenerativa de energia aquando das travagens, não dá muita confiança, parecendo sempre que não o estamos a pressionar com a força suficiente. Ainda assim, a capacidade de travagem está lá, é apenas necessário treinar o nosso cérebro para essa pouca comunicação entre homem e máquina.

Concorrentes

Hyundai Kauai EV, elétrico, 204 cv, 395 Nm; 0-100 km/h em 7,6 seg,; 167 km/h; autonomia: 449 km; 15.4 kWh/100 km; 39 105 euros  

Motor

Motor (7/10) O motor tem 136 cavalos de potência e um binário máximo e instantâneo de 260 Nm. Com estes argumentos técnicos, o E-Tense cumpre o clássico 0 a 100 km/h em 8,7 segundos. Já a velocidade máxima fica-se pelos 150 km/h, um valor que, relembramos, chega e sobra. Estão disponíveis três modos de condução: Eco, Normal e Sport. Se no último o motor elétrico mostra toda a sua potência, no mais “verde” as performances ficam claramente limitadas, com uma entrega de potência bastante limitada. Assim, será o Normal aquele que aconselhamos para, obviamente, uma condução normal, com um bom compromisso entre disponibilidade e eficiência.

Balanço final

Balanço final (8/10) Comparativamente ao Hyundai Kauai EV, este DS 3 Crossback E-Tense não pretende cativar pela potência. Com 136 cavalos “elétricos”, o E-Tense é menos potente mas está muito bem servido nesse aspeto. O seu maior argumento é o design, as linhas distintas da sua carroçaria e habitáculo, apelando àqueles que procuram um moderno crossover urbano, puramente elétrico, mas mais distinto, mais chique, apontando, de certa forma, a um segmento premium. Nesse particular, a DS acertou em cheio.

Ficha técnica

Motor Tipo: elétrico Capacidade da bateria (kWh): 50 Potência máxima (CV/rpm): 136/nd Binário máximo (Nm/rpm): 260/nd Transmissão: automática de 1 velocidade Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente Suspensão (ft/tr): independente tipo McPherson/barra de torção Travões (fr/tr): discos ventilados/discos Prestações e consumos Aceleração 0-100 km/h (s): 8,7 Velocidade máxima (km/h): 150 Consumos misto (kWh/100 km): 17,8 Emissões CO2 (gr/km): na Dimensões e pesos Comprimento/Largura/Altura (mm): 4118/1791/1534 Distância entre eixos (mm): 2558 Peso (kg): 1600 Capacidade da bagageira (l): 350 Pneus (fr/tr): 215/55 R18 Preço da versão base (Euros): 41.300 Preço da versão Ensaiada (Euros): 46.200

Preço da versão ensaiada (Euros): 46200€
Preço da versão base (Euros): 41300€