Volvo XC40 Recharge – Ensaio Teste

By on 3 Janeiro, 2023

Quando menos é mais

Com apenas uma motorização elétrica no eixo dianteiro, o XC40 Recharge representa a entrada na gama Recharge da Volvo, com uma configuração simples, que não custa uma fortuna e tem bastante para oferecer em troca do preço que custa. Além disso, o Volvo XC40 Recharge com apenas um motor elétrico inclui uma potência máxima de 231 cavalos no eixo dianteiro e uma autonomia máxima que se consegue aproximar dos 500 quilómetros com algum cuidado e trajetos urbanos à mistura. Sem números de potência incríveis e apenas um motor elétrico, este XC40 Recharge mostra mesmo que menos é mais.

Texto: André Mendes
[email protected]


Mais:

– Comportamento;
– Sistema elétrico;
– Bagageira dianteira;

Menos:

– Acesso a alguns menus;
– Ambiente mais escuro a bordo;
– Algum equipamento em falta;

Exterior

7/10

Apesar de representar a entrada na gama dos SUV da Volvo, este XC40 é tudo menos pequeno. Afinal, com quase 4,5 metros de comprimento e 1,65 metros de altura, o mais pequeno dos SUV nórdicos já conta com uma certa presença. Na frente estão presentes os icónicos grupos óticos com o formato de ‘T’ inspirado no martelo de Thor e lá atrás, por se tratar da gama com o número 40, o seu desenho é mais original, mas tipicamente Volvo. Na lateral, as jantes de liga leve são as disponibilizadas no equipamento de série deste modelo e têm um diâmetro de 19 polegadas.

Uma vez que se trata da versão 100% elétrica deste modelo, a maior diferença exterior está mesmo na frente. O local onde normalmente está uma grelha frontal é agora um painel pintado na mesma cor da carroçaria. E debaixo do capot, em vez de um enorme motor, está um espaço de arrumação destinado a coisas menos volumosas, como os cabos destinados ao carregamento do sistema elétrico, por exemplo.

Interior

6/10

A bordo, não como nos enganarmos. Até de olhos fechados conseguiríamos descobrir que trata de um Volvo. Além da excelente posição de condução e do comando da caixa de velocidades compacto, o volante também está colocado no sítio correto e os assentos são bastante confortáveis. Em termos de materiais, o visual não é tão elaborado como o da versão híbrida plug-in T4 Recharge que conduzimos há umas semanas, que incluía o patamar de topo em termos de equipamento. Nesta versão, os tons são mais escuros, especialmente nos lugares traseiros, e há uma maior noção de materiais plásticos. Ainda assim, a grande maioria são agradáveis ao toque e tanto na consola central como nos painéis das portas (dianteiras e traseiras), há zonas alcatifadas e que contribuem para o visual mais premium, contrário à impressão “plástica” inicial.

Equipamento

6/10

Com a versão Recharge 100% elétrica, o XC40 já inclui a instrumentação com o desenho mais recente e o monitor central na vertical onde marcam presença os serviços do Google. Com a versão de equipamento intermédia com o Pack Plus (+2480 euros), como a que tivemos oportunidade de ensaiar, já estão incluídos equipamentos como o portão da bagageira automático e com abertura e fecho elétrico, o sistema Pilot Assist, que mede a distância para o carro da frente e até tem a capacidade de ir levando o XC40 atrás do carro da frente numa fila de trânsito, e também o sistema IntelliSafe Surround (BLIS), que consegue “ler” tudo o que se passa em torno do XC40 para os dias em que podemos estar um pouco mais distraídos. Em falta fica a possibilidade de personalizar a instrumentação mais ao nosso gosto e a ligação aos sistemas Apple CarPlay e Android Auto sem a necessidade de ter um cabo ligado.

Consumos

7/10

O valor anunciado pela marca para um percurso misto anda entre os 18,5 e os 19,7 kWh, o que nos deixou com a sensação de que é precisamente isso que este XC40 Recharge consegue fazer. No nosso ensaio, o valor final indicado pelo computador de bordo foi um número certo de 20 kWh necessários para cada 100 quilómetros, mas num curto percurso citadino que efetuámos, com mais hipóteses de regeneração, registámos um valor de 18,4 kWh/100 km. Face a alguns dos seus rivais, ainda são valores que nos parecem um pouco acima do desejado, mas que, de facto, já estão num patamar de eficiência que nos leva a estar constantemente a testar até onde conseguimos estender a autonomia deste modelo.

Ao Volante

7/10

Apesar de contar apenas com um motor elétrico e 231 cavalos, em vez do sistema Twin com mais de 400, a verdade é que esta opção parece ser mesmo a mais indicada para este modelo. Sente-se perfeitamente à-vontade com os ambientes mais urbanos e não se importa muito de enfrentar uns quilómetros de autoestrada com um bom nível de conforto, tal como os seus irmãos de maiores dimensões. Em estradas mais sinuosas, os 231 cavalos desafiam-nos a ir explorando as boas capacidades dinâmicas do XC40, mas, neste caso, já se começam a notar as mais de duas toneladas de peso deste conjunto.

Motor

7/10

Quando, na designação que encontramos na tampa da bagageira, está presente apenas a palavra “Recharge”, significa que este é um sistema de apenas um motor elétrico, instalado no eixo dianteiro. Na opção de dois motores, um em cada eixo, a designação passa para “Recharge Twin”. Neste caso, é apenas um, instalado no eixo dianteiro e que passa a potência para as rodas deste mesmo eixo. Conta com uma potência máxima de 231 cavalos e um binário de 330Nm, sendo alimentado por uma bateria de 78 kWh, que ajuda a conseguir uma autonomia máxima em torno dos 425 quilómetros.

Balanço Final

7/10

Uma dinâmica apurada, um habitáculo confortável e com espaço suficiente e claro, o patamar de segurança a que a Volvo já nos habituou (ainda que este XC40 não tivesse incluído o controlo individual do trinco das portas traseiras que costuma ser necessário para controlar a curiosidade dos mais novos), são os ingredientes certos para um excelente ponto de partida. No entanto, neste XC40 Recharge, a novidade é o facto de estar presente apenas um motor elétrico, permitindo à Volvo a entrada de uma nova versão de acesso na sua gama de modelos 100% elétricos, sendo que ao fim de uns dias, nem sequer chegámos a pensar que gostaríamos mais da versão com o motor extra. Este XC40 Recharge “Single Motor” chega perfeitamente.

Concorrentes

Audi Q4 40 e-tron
Motor: Elétrico; 204 cavalos; Tração traseira; Autonomia máxima: 520 km; Aceleração 0-100 km/h: 8,5 seg.; Consumo combinado: 16,9 kWh/100 km; Preço: 58.160 €

Kia Niro EV
Motor: Elétrico; 204 cavalos; Tração dianteira; Autonomia máxima: 455 km; Aceleração 0-100 km/h: 7,8 seg.; Consumo combinado: 16,2 kWh/100 km; Preço: 48.500 €

Lexus UX 300e
Motor: Elétrico; 204 cavalos; Tração dianteira; Autonomia máxima: 315 km; Aceleração 0-100 km/h: 7,5 seg.; Consumo combinado: 16,8 kWh/100 km; Preço 54.570 €

Renault Mégane E-Tech Electric
Motor: Elétrico; 220 cavalos; Tração dianteira; Autonomia máxima: 454 km; Aceleração 0-100 km/h: 7,4 seg.; Consumo combinado: 16,1 kWh/100 km; Preço 44.750 €

Volkswagen ID.4 Pro Performance
Motor: Elétrico; 204 cavalos; Tração traseira; Autonomia máxima: 528 km; Aceleração 0-100 km/h: 8,5 seg.; Consumo combinado: 16,6 kWh/100 km; Preço 50.640 €

Volvo C40 Recharge
Motor: Elétrico; 231 cavalos; Tração dianteira; Autonomia máxima: 482 km; Aceleração 0-100 km/h: 7,4 seg.; Consumo combinado: 16,3 kWh/100 km; Preço 51.849 €

Ficha Técnica

Motor
Tipo: Elétrico
Potência máxima (CV/rpm): 231/n.d.
Binário máximo (Nm/rpm): 330/n.d.
Tração: Tração dianteira
Transmissão: Automática de relação única
Direção: Assistida eletricamente
Suspensão (ft/tr): McPherson / Multibraços
Travões (fr/tr): discos ventilados / discos

Prestações e consumos
Aceleração 0-100 km/h (s): 7,4
Velocidade máxima (km/h): 160
Consumos misto (kWh/100 km): 18,5
Autonomia máxima – WLTP (km): 425

Dimensões e pesos
Comprimento/Largura/Altura (mm): 4.440/1.863/1.647
Distância entre eixos (mm): 2.702
Largura de vias (fr/tr mm): 1.601/1.1615
Peso (kg): 2.030
Capacidade da bagageira (l): 419
Pneus (fr/tr): 235/50 R20 – 255/45 R19

Preço da versão ensaiada (Euros): 54.878
Preço da versão base (Euros): 49.535

Mais/Menos


Mais

– Comportamento;
– Sistema elétrico;
– Bagageira dianteira;

Menos

– Acesso a alguns menus;
– Ambiente mais escuro a bordo;
– Algum equipamento em falta;

Preços


Preço da versão ensaiada (Euros): 54878€

Preço da versão base (Euros): 49535€

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Apesar de representar a entrada na gama dos SUV da Volvo, este XC40 é tudo menos pequeno. Afinal, com quase 4,5 metros de comprimento e 1,65 metros de altura, o mais pequeno dos SUV nórdicos já conta com uma certa presença. Na frente estão presentes os icónicos grupos óticos com o formato de ‘T’ inspirado no martelo de Thor e lá atrás, por se tratar da gama com o número 40, o seu desenho é mais original, mas tipicamente Volvo. Na lateral, as jantes de liga leve são as disponibilizadas no equipamento de série deste modelo e têm um diâmetro de 19 polegadas.

Uma vez que se trata da versão 100% elétrica deste modelo, a maior diferença exterior está mesmo na frente. O local onde normalmente está uma grelha frontal é agora um painel pintado na mesma cor da carroçaria. E debaixo do capot, em vez de um enorme motor, está um espaço de arrumação destinado a coisas menos volumosas, como os cabos destinados ao carregamento do sistema elétrico, por exemplo.

Interior

A bordo, não como nos enganarmos. Até de olhos fechados conseguiríamos descobrir que trata de um Volvo. Além da excelente posição de condução e do comando da caixa de velocidades compacto, o volante também está colocado no sítio correto e os assentos são bastante confortáveis. Em termos de materiais, o visual não é tão elaborado como o da versão híbrida plug-in T4 Recharge que conduzimos há umas semanas, que incluía o patamar de topo em termos de equipamento. Nesta versão, os tons são mais escuros, especialmente nos lugares traseiros, e há uma maior noção de materiais plásticos. Ainda assim, a grande maioria são agradáveis ao toque e tanto na consola central como nos painéis das portas (dianteiras e traseiras), há zonas alcatifadas e que contribuem para o visual mais premium, contrário à impressão “plástica” inicial.

Equipamento

Com a versão Recharge 100% elétrica, o XC40 já inclui a instrumentação com o desenho mais recente e o monitor central na vertical onde marcam presença os serviços do Google. Com a versão de equipamento intermédia com o Pack Plus (+2480 euros), como a que tivemos oportunidade de ensaiar, já estão incluídos equipamentos como o portão da bagageira automático e com abertura e fecho elétrico, o sistema Pilot Assist, que mede a distância para o carro da frente e até tem a capacidade de ir levando o XC40 atrás do carro da frente numa fila de trânsito, e também o sistema IntelliSafe Surround (BLIS), que consegue “ler” tudo o que se passa em torno do XC40 para os dias em que podemos estar um pouco mais distraídos. Em falta fica a possibilidade de personalizar a instrumentação mais ao nosso gosto e a ligação aos sistemas Apple CarPlay e Android Auto sem a necessidade de ter um cabo ligado.

Consumos

O valor anunciado pela marca para um percurso misto anda entre os 18,5 e os 19,7 kWh, o que nos deixou com a sensação de que é precisamente isso que este XC40 Recharge consegue fazer. No nosso ensaio, o valor final indicado pelo computador de bordo foi um número certo de 20 kWh necessários para cada 100 quilómetros, mas num curto percurso citadino que efetuámos, com mais hipóteses de regeneração, registámos um valor de 18,4 kWh/100 km. Face a alguns dos seus rivais, ainda são valores que nos parecem um pouco acima do desejado, mas que, de facto, já estão num patamar de eficiência que nos leva a estar constantemente a testar até onde conseguimos estender a autonomia deste modelo.

Ao volante

Apesar de contar apenas com um motor elétrico e 231 cavalos, em vez do sistema Twin com mais de 400, a verdade é que esta opção parece ser mesmo a mais indicada para este modelo. Sente-se perfeitamente à-vontade com os ambientes mais urbanos e não se importa muito de enfrentar uns quilómetros de autoestrada com um bom nível de conforto, tal como os seus irmãos de maiores dimensões. Em estradas mais sinuosas, os 231 cavalos desafiam-nos a ir explorando as boas capacidades dinâmicas do XC40, mas, neste caso, já se começam a notar as mais de duas toneladas de peso deste conjunto.

Concorrentes

Audi Q4 40 e-tron
Motor: Elétrico; 204 cavalos; Tração traseira; Autonomia máxima: 520 km; Aceleração 0-100 km/h: 8,5 seg.; Consumo combinado: 16,9 kWh/100 km; Preço: 58.160 €

Kia Niro EV
Motor: Elétrico; 204 cavalos; Tração dianteira; Autonomia máxima: 455 km; Aceleração 0-100 km/h: 7,8 seg.; Consumo combinado: 16,2 kWh/100 km; Preço: 48.500 €

Lexus UX 300e
Motor: Elétrico; 204 cavalos; Tração dianteira; Autonomia máxima: 315 km; Aceleração 0-100 km/h: 7,5 seg.; Consumo combinado: 16,8 kWh/100 km; Preço 54.570 €

Renault Mégane E-Tech Electric
Motor: Elétrico; 220 cavalos; Tração dianteira; Autonomia máxima: 454 km; Aceleração 0-100 km/h: 7,4 seg.; Consumo combinado: 16,1 kWh/100 km; Preço 44.750 €

Volkswagen ID.4 Pro Performance
Motor: Elétrico; 204 cavalos; Tração traseira; Autonomia máxima: 528 km; Aceleração 0-100 km/h: 8,5 seg.; Consumo combinado: 16,6 kWh/100 km; Preço 50.640 €

Volvo C40 Recharge
Motor: Elétrico; 231 cavalos; Tração dianteira; Autonomia máxima: 482 km; Aceleração 0-100 km/h: 7,4 seg.; Consumo combinado: 16,3 kWh/100 km; Preço 51.849 €

Motor

Quando, na designação que encontramos na tampa da bagageira, está presente apenas a palavra “Recharge”, significa que este é um sistema de apenas um motor elétrico, instalado no eixo dianteiro. Na opção de dois motores, um em cada eixo, a designação passa para “Recharge Twin”. Neste caso, é apenas um, instalado no eixo dianteiro e que passa a potência para as rodas deste mesmo eixo. Conta com uma potência máxima de 231 cavalos e um binário de 330Nm, sendo alimentado por uma bateria de 78 kWh, que ajuda a conseguir uma autonomia máxima em torno dos 425 quilómetros.

Balanço final

Uma dinâmica apurada, um habitáculo confortável e com espaço suficiente e claro, o patamar de segurança a que a Volvo já nos habituou (ainda que este XC40 não tivesse incluído o controlo individual do trinco das portas traseiras que costuma ser necessário para controlar a curiosidade dos mais novos), são os ingredientes certos para um excelente ponto de partida. No entanto, neste XC40 Recharge, a novidade é o facto de estar presente apenas um motor elétrico, permitindo à Volvo a entrada de uma nova versão de acesso na sua gama de modelos 100% elétricos, sendo que ao fim de uns dias, nem sequer chegámos a pensar que gostaríamos mais da versão com o motor extra. Este XC40 Recharge “Single Motor” chega perfeitamente.

Mais

– Comportamento;
– Sistema elétrico;
– Bagageira dianteira;

Menos

– Acesso a alguns menus;
– Ambiente mais escuro a bordo;
– Algum equipamento em falta;

Ficha técnica

Motor
Tipo: Elétrico
Potência máxima (CV/rpm): 231/n.d.
Binário máximo (Nm/rpm): 330/n.d.
Tração: Tração dianteira
Transmissão: Automática de relação única
Direção: Assistida eletricamente
Suspensão (ft/tr): McPherson / Multibraços
Travões (fr/tr): discos ventilados / discos

Prestações e consumos
Aceleração 0-100 km/h (s): 7,4
Velocidade máxima (km/h): 160
Consumos misto (kWh/100 km): 18,5
Autonomia máxima – WLTP (km): 425

Dimensões e pesos
Comprimento/Largura/Altura (mm): 4.440/1.863/1.647
Distância entre eixos (mm): 2.702
Largura de vias (fr/tr mm): 1.601/1.1615
Peso (kg): 2.030
Capacidade da bagageira (l): 419
Pneus (fr/tr): 235/50 R20 – 255/45 R19

Preço da versão ensaiada (Euros): 54.878
Preço da versão base (Euros): 49.535

Preço da versão ensaiada (Euros): 54878€
Preço da versão base (Euros): 49535€