ENSAIO: BMW x5 xDrive40e

By on 26 Maio, 2016

Com o X5 xDrive40e passeamos estatuto, deslocamos imponência e corremos contra os elevados consumos

New_P90187955_highRes

A versão DriveX40e apresenta-nos um mundo de mais por menos. Se até aqui um veículo com a voluptuosidade do X5 não deixava de impressionar, este também nos fazia pensar no possível número de idas à bomba de gasolina. É facto que alguém que dê 79.500 € por um carros destes, decerto não tem nos consumos o centro das preocupações da sua vida. Mas, independentemente disso, se pudermos gastar menos, não é melhor? Penso que ninguém discordará.

O LADO ‘B’
A nota distintiva deste BMW é precisamente o motor híbrido que nos dá uma potência combinada de 313 cv – gerada pelo motor a gasolina TwinPower Turbo de 245 cv e pelo elétrico eDrive de 113 cv, com os 313 cv conseguidos na sua taxa de utilização. Há assim um mundo por descobrir escondido no capot deste que é o primeiro SUV da marca alemã com o sistema plug-in híbrido.

Através do botão eDrive, pode-se facilmente definir a gestão do motor híbrido: AUTO eDrive – gestão automática dos motores de gasolina e elétrico; MAX eDrive – apenas motor elétrico; e SAVE Battery – apenas motor de gasolina. Totalmente carregada, a bateria de lítio dá-nos 31 km de autonomia. Em andamento pode ser recarregada nas travagens e quando o carro está ‘embalado’. Além dos postos de carregamento, podemos facilmente recarregá-la numa qualquer tomada doméstica. É sim um prazer olhar para o painel de instrumentos e constatarmos que podemos estar a gastar… 0 l/100 km, devido ao motor elétrico. Conseguem-se assim consumos ao nível de modelos de gamas inferiores em situações em se ‘deveria’ gastar mais, como percursos citadinos.

New_P90188032_highRes

Com o motor a gasolina é fácil andarmos na casa dos 11 l/100 km com o Driving Experience Control selecionado no modo Eco Pro. Não nos podemos esquecer que estamos a deslocar 2305 kg! Da nossa parte, conseguimos médias na casa dos 8,8 l/100 km com o AUTO eDrive selecionado. Em marcha tem-se noção do peso, mas este é devidamente suavizado pelas suspensões, sobretudo no Comfort.

No modo Sport, impressiona a resposta pronta de um veículo de 4886 mm por 1938 mm de envergadura e sente-se, na perfeição, a tração integral permanente a corresponder às solicitações do acelerador, ‘colando-nos’ ao chão e fazendo-nos perder momentaneamente a noção de grandeza deste X5 que faz 0 aos 100 km/h em 6,8s. Por dentro, os interiores em pele apetecem ser usados, sentidos… Tudo pensado com gosto e requinte. O habitáculo cria um ambiente tão acolhedor que faz esquecer o desagrado que são as filas de trânsito, ajudado por um bom sistema de som e de insonorização. O interior é tão reconfortante que parece que deslocamos um palácio para qualquer lugar.

colocarsff(3)

Preço 79.500 €

Motor: 4 cil., gasolina, TwinPower Turbo, inj. direta e sistema de regulação de válvulas variável, 1997 cm3 e motor elétrico síncrono
Potência combinada: 313 cv
Binário: 450 N.m.
Transmissão: Integral permanente, cx. Aut. 8 vel.
Suspensão: braços duplos à frente e multilink atrás
Travagem: DV/DV
Peso: 2305 kg
Mala: 500-1720 l
Depósito: 85 l
Velocidade máxima: 210 km/h
Aceleração 0 a 100 km/h: 6,8s
Consumo médio 3,3 l/100 km
Consumo médio AutoSport 8,8 l/100 km
Emissões CO2: 77 g/km

1
Deixe um comentário

Please Login to comment
recente antigo mais votado
trackback

[…] ENSAIO: BMW x5 xDrive40e […]