Ensaio smart fortwo Cabrio Brabus

By on 26 Abril, 2017

Explorando um novo conceito de “desportivo urbano”, fortwo Cabrio Brabus é a versão mais especial da smart. Irreverente na imagem e na dinâmica… e no preço!

“E agora? Quem me vai parar?” É isto que lhe vai passar pela cabeça quando se se sentar no smart fortwo Cabrio Brabus! Tenha 20, 40 ou 60 anos! (com 80, acreditamos que o melhor mesmo será começar a ficar a “curtir” o sofá!)! E não é por acaso. A imagem da smart está ligada à jovialidade, à independência e à sensação de liberdade, valores largamente potenciados quando o fortwo se transforma em Cabrio e recebe a assinatura “Brabus”. Mas deixemo-nos de “paninhos quentes”! Este smart é uma máquina emocional poderosa: lança charme por onde quer que passe, resgata olhares de inveja de que o ousar desafiar, e, como se não bastasse, pode transformar-se num ciclone capaz de “varrer” uma cidade! Ainda está desconfiado? O olhar atento pelos 2740 mm do microcarro da Daimler AG, vai tirar-lhe as dúvidas e, muito provavelmente, arrancar-lhe o primeiro de muitos suspiros! Com linguagem corporal muito mais expressiva do que o fortwo convencional, o Brabus destaca-se pelo logo identificativo na grelha e na tampa da mala, pelas jantes de liga leve e raiadas Monoblock IX de de 16´´ à frente e 17´´ atrás com o símbolo central “Brabus”, e pelas as duas ponteiras de escape cromadas incluídas no painel difusor cinza mate. Mas se o exterior já põe o coração a bater mais depressa, não conte com o habitáculo para diminuir o ritmo cardíaco! Os dois bancos desportivos em pele perfurada com pespontos brancos são o primeiro convite à luxuria, mas são as inscrições “Brabus” no travão de mão, manete da caixa de velocidades e conta-rotações negro que dão aquele toque especial. É verdade que alguns destes itens (como os bancos, que são também aquecidos, e conta-rotações) fazem parte da linha de equipamento “Brabus Xclusive”, cujo o custo acrescido de 3100 € faz com que facilmente o preço final seja pouco friendly e, que com mais alguns extras, ultrapasse facilmente a barreira psicológica dos 25.000 €. Sem tantas extravagâncias, terá, ainda assim, sempre que contar com 20.970 € a saírem da sua conta bancária: 7.65 € por cada centímetro de emoção!

Mas esta é apenas uma maneira de enfrentar a realidade. A outra, seguramente, mais animadora é saber que debaixo do pedal do acelerador estão 109 espevitados cavalos (em vez dos 71 Cv da versão “normal”), extraídos do motor turbo de apenas 900 cc (otimizado ao nível pressão de injeção, admissão de ar e sistema de escape) e que esse é o primeiro carimbo no passaporte da diversão. Nem as acelerações – 9.5s dos 0-100 km/h-, nem a velocidade máxima – limitada a 165 km/h – são brutais, mais são mais do que suficientes para que o “Brabus” possa impressionar numa “corrida urbana de semáforos”, se tivermos em conta os seus 1040 kg.

O seu maior trunfo é, contudo, a agilidade e a facilidade com que se desenvencilha de qualquer obstáculo, tirando partido do seu reduzido tamanho. A suspensão desportiva Brabus Performance, 20% mais rígida que a convencional, e a montagem da barra estabilizadora dianteira, reduzindo a tendência para o adornamento em 9%, são aliados perfeitos para uma condução dinâmica e divertida e só a impossibilidade de desconexão (por questões de segurança) do ESP (contudo, especialmente afinado para esta versão) trava o máximo de diversão, num veículo que até tem tração traseira. Para “ajudar à festa”, está sempre pronta a caixa de seis velocidades automática de dupla embraiagem Twinamic (com patilhas no volante e relações mais curtas), bastante otimizada em relação às primeiras caixas providenciadas pela smart (com aquele irritante “fosso” entras as passagens, lembram-se?) e capaz de oferecer a função “Race Start” que estabelece automaticamente a rotação ideal do motor e o ponto de embraiagem para a máxima aceleração e eficácia no arranque.

Já perfeição é algo que não existe no pisar do fortwo “vitaminado” uma vez que para conseguirem um comportamento dinâmico interessante, os técnicos prejudicaram demasiado o conforto e é bom não esquecer que sendo Cabrio, provavelmente o Brabus passará uma boa parte do tempo da sua vida útil em passeio e não em corrida! E por falar em “céu aberto”, é preciso dizer que se é fácil abrir e fechar o teto de lona elétrico (apenas 12 segundos) e escolher o grau de abertura que se quer, o mesmo já não se pode dizer do nível de insonorização com a capota aberta, outro aspeto a rever na próxima geração do smart fortwo Cabrio Brabus. Consumos aceitáveis (6,5 l/100 km reais), travões à altura das velocidades alcançadas e boa adaptação às novas tecnologias (com monitor tátil e colorido, de 7´´com sistema de navegação e diversas funções de entretenimento, AUX/USB, streaming de música, ajuda a condução ecológica, etc) são referências que também não merecem ser esquecidas neste smart que respira adrenalina!

Filipe Mesquita

Ficha Técnica
Motor 3 Cil., Inj. Eletrónica e Turbo, Gasolina, 898 cm3 Potência 109 cv/5750 RPM; Binário 170 Nm/2000 Transmissão Traseira, Cx. Automática 6 Vel. Suspensão Independente McPherson à Frente e Eixo de Torção Atrás; Travagem DV/Tambores; Peso 1040 Kg; Mala 190 Litros; Depósito 35 Litros; Vel. Máx. 165 Km/H