Ensaio: Toyota Prius

By on 18 Novembro, 2016

Construtor pioneiro nos automóveis híbridos, a Toyota decidiu renovar um ícone deste segmento, o Prius. Um automóvel que não deixa ninguém indiferente, sendo amado por uns e odiado por outros

Os veículos híbridos são ainda olhados com alguma desconfiança por parte das pessoas, mas aos poucos estão a ganhar o seu espaço no mercado. Devido ao facto de a Toyota ter sido a primeira marca a apostar neste tipo de solução, as suas propostas neste campo surgem sempre à cabeça como uma escolha de referência. É isso que o construtor nipónico pretende com a quarta geração do Toyota Prius, que estreia a nova Plataforma Global da Toyota. Inovação que reduz em 20% o centro de gravidade e faz com que o automóvel concentre em si materiais mais leves, o que faz reduzir o seu peso e, no caso do Prius, melhorar a sua eficiência energética.

Apesar de ainda ter um aspecto que à primeira vista pode parecer o de uma ‘nave especial’, a verdade é que a Toyota pretende dar um toque um pouco mais desportivo ao Prius. Isto apesar do conceito desportivo regra geral não estar de mãos dadas com o conceito ecológico. Ao nível da posição da condução esta surge no novo Prius mais baixa, o que remete novamente para o tal conceito mais desportivo, mas sem comprometer a qualidade ao nível do conforto.

O interior é confortável e espaçoso, cortesia dos diversos locais de arrumação. O único senão está no excesso de plásticos no interior, ainda que sejam emborrachados de modo a conferir um aspecto mais premium, e para o facto do branco ter sido escolhido como cor da consola central, apesar de existir a opção com pele negra. A consola central vem equipada com o sistema Toyota Touch 2 de fácil leitura, funcional, e que incorpora o habitual sistema de navegação, USB, Bluetooth, câmara de estacionamento traseiro e o’monitor de energia’, onde é possível observar os consumos que estão a ser feitos. Ainda referente ao interior, destaque para a introdução do travão de estacionamento por pedal, que é característico dos ‘velhinhos’ Mercedes. Um sistema que acaba por ser um retrocesso no Prius e que se desalinha dos atuais travões de estacionamento eletrónicos.

A bagageira tem 502 litros de capacidade e espaço não falta no banco traseiro. No que diz respeito à motorização, o novo Prius vem equipado com o propulsor a gasolina de 1.8 litros HSD com 98 cv e que tem a companhia de um motor elétrico com 53 kw de potência máxima. Esta situação permite a que em determinado momento a potência máxima conjunta atinja os 122 cv, o que sem ser nada de outro mundo é o suficiente para este citadino, mas com habitabilidade de um familiar. Com uma boa insonorização sempre presente é precisamente no ambiente citadino que o Prius dá cartas. Através do modo EV a baixas velocidades e com a ajuda da linear caixa de velocidades automática CVT é possível circular mais tempo só em modo eléctrico, situação que se aplica também em manobras de estacionamento ou nas famosas situações de ‘para-arranca’. Aqui é que estão os ganhos e a essência deste automóvel, pois o consumo de combustível neste modo é zero. Para ajudar a uma melhor gestão estão também disponíveis mais três modos de condução: Eco, Normal e Power. Do mais ecológico ao que garante maior potência, a atitude natural de quem conduz um Prius é de poupar e controlar os consumos, que podem disparar em caso de ‘pé pesado’, e ir acumulando energia pelo método de regeneração nas desacelerações e travagens. Em suma, a nova geração do Prius adapta-se com facilidade a qualquer tipo de condução, onde o propulsor elétrico está sempre disposto a colaborar. Quanto a preços, o novo Toyota Prius está balizado nas suas quatro versões disponíveis no mercado entre os 32 355 € e os 36 530 €, sendo que as duas versões mais caras, ‘Luxury + Pele’ e ‘Luxury + Pele + Pack Techno’ estão com um desconto promocional de 1600 € no seu preço.

Ficha Técnica

Motor: 1.8 litros gasolina,
Cilindrada: 1798cc;
Número de cilindros: 4 em linha
Mecanismo de válvulas 16 válvulas DOHC, VVT-i
Sistema de injeção Injeção Eletrónica de Combustível (EFI)
Potência máxima 136 cv
Binário máximo 142 Nm/4000 rpm
Motor elétrico – Tipo Motor síncrono de magneto permanente
Motor elétrico – Voltagem máxima 650
Motor elétrico – Potência máxima 60 Kw
Motor elétrico – Binário máximo 207 Nm
Bateria híbrida – Tipo Iões de lítio
Binário: 142 Nm/3600;
Transmissão: CVT;
Suspensão: Tipo MacPherson à frente e Triângulos Duplos Sobrepostos Atrás;
Travagem: DV/DS;
Peso: 1475 kg;
Mala: 502 l;
Depósito: 43 l;
Vel. Máx: 180 km/h
Vel. 0-100 km : 10,6s
Consumo médio: 3.3 l/100 km
Consumo AutoSport: 4.5 l/100 km
Emissão CO2: 70 g/km

QUER SABER MAIS SOBRE ESTE AUTOMÓVEL?
Clique AQUI e aceda à mais completa informação que a marca tem sobre este modelo