Ford Fiesta Active+ 1.0 EcoBoost – Ensaio Teste

By on 18 Outubro, 2018

Ford Fiesta Active+ 1.0 EcoBoost

Texto: Francisco Cruz

Tudo para dar certo!

Numa época em que tudo o que se assemelha a SUV, vende mais, a Ford não quis perder a oportunidade e vestiu (também) o pequeno Fiesta, de acordo com a nova moda. E a verdade é que, com nome e imagem a condizer, este Ford Fiesta Active parece ter tudo para dar certo!…

Conheça todas as versões e motorizações AQUI.

 


Mais:

Comportamento / Prestações / Equipamento

 

 

Menos:

Consumos / Aptidões TT / Habitabilidade traseira

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Porque a Moda é Imagem, impossível seria que o Novo Fiesta mantivesse, nesta versão (supostamente) mais aventureira, a mesma estética exterior dos restantes “irmãos”. Motivo pelo qual, além de uma distância ao solo aumentada em 18 mm e de uma largura entre rodas com mais 10 mm, o Fiesta Active distingue-se ainda por uma grelha escurecida com malha exclusiva e contornos mais escuros, pára-choques dianteiro redesenhado com faróis de nevoeiros inseridos em molduras igualmente escuras, rebordos em plástico negro com pormenores metalizados em redor de toda a carroçaria, jantes exclusivas em liga leve de 17″ com dois tipos distintos de acabamento, e pára-choques traseiro igualmente redesenhado. Tal como o dianteiro, a fazer antever uma proteção real da parte inferior do carro… que não tem.

Finalmente e ainda no domínio da decoração da carroçaria, a possibilidade de optar não somente por uma cor vibrante (Lux Yellow, Ruby Red e Blue Wave são apenas alguns dos exemplos), como também por uma pintura bicolor, graças à possibilidade de apresentar o tejadilho e capas dos retrovisores exteriores numa tonalidade contrastante – preto ou vermelho.

Em resumo, um visual exterior, sem dúvida, cativante, com muitos dos predicados que facilmente remetem para o mundo do todo-o-terreno e da aventura, e que, também por isso, nos faz acreditar que este Fiesta Active tem, mesmo com a concorrência interna do EcoSport, que concorre no mesmo segmento, tudo para vingar.

Ainda para mais, com a campanha de preços que a Ford Lusitana mantém, até ao final do presente ano, para este Fiesta Active: 2.410 euros de desconto, 800 euros de oferta em equipamento, mais 1.200 euros no apoio à retoma.

É como dizíamos: parece ter tudo para vencer…

Pontuação – 9/10

Interior

Praticamente com as mesmas dimensões exteriores do Fiesta standard, o Ford Fiesta Active mantém, igualmente, muitas das características do “irmão”. A começar por um acesso razoavelmente fácil, ainda que obrigando a baixar a cabeça, no caso das portas traseiras.

Já no interior do habitáculo, uma boa solidez na construção, em conjunto com um certo cuidado com grande parte dos revestimentos (o que não significa o fim dos plásticos rijos e pouco convincentes…), contribuem para um bom ambiente a bordo. Onde não falta sequer uma óptima ergonomia e acessibilidade à generalidade dos comandos, assim como aos vários espaços de arrumação.

Igualmente convincente, o generoso ecrã táctil a cores, destacado do tablier e parte do intuitivo sistema de infotainment. Embora, nesta versão de 8″, disponível apenas com a versão mais equipada Active+, tal como, aliás, acontece com os bancos parcialmente em couro, ou o sistema de som Bang & Olufsen Play.

De resto e já que falamos de bancos, diferente é também a posição de condução, um pouco mais alta, ainda que com possibilidade de regulação em altura e profundidade, tanto do banco, com bom apoio lateral, como do volante, de óptima pega. Com o condutor a beneficiar ainda de um bom acesso à generalidade dos comandos, bem melhor, aliás, que o apoio de pé esquerdo, curto, ou até mesmo a visibilidade traseira – limitação que, ainda assim, pode ser atenuada com a inclusão da câmara de visão traseira, opcional com um custo de 457€…

Quanto aos lugares traseiros, dispostos mais alto que os da frente, padecem de uma visível falta de espaço para as pernas dos passageiros. Situação que, embora com um túnel de transmissão quase inexistente, não deixa de recomendar uma lotação limitada a apenas dois ocupantes, de forma a que seja possível viajar com um pouco mais de conforto.

De resto, até mesmo na bagageira, as limitações em termos de capacidade são fáceis de perceber e constatar. Com os 311 litros anunciados à partida, a dificilmente conseguirem, mesmo com um acesso fácil e a presença de algumas soluções funcionais (é o caso, por exemplo, dos ganchos porta-sacos…), acomodar bagagens para cinco pessoas.

Como tal, o melhor será mesmo aceitar a realidade…

Pontuação – 8/10

Equipamento

Não somente por se tratar de uma versão específica do utilitário americano (Active), como também por ser a variante mais equipada (Active+), o Ford Fiesta Active+ que tivemos oportunidade de ensaiar surgia, sem dúvida alguma, muito bem recheado em termos de equipamento!

A confirmar esta impressão, o facto de, pagos à parte, apenas a pintura metalizada “Moondust Silver” (432€), o já referido tejadilho em preto (254€), os vidros escurecidos (122€) e elétricos atrás (127€), o sistema de chave inteligente (254€), o sistema de detecção de ângulo morto (407€) e a também já referida câmara de visão traseira (457€).

Pelo contrário, sem qualquer custo, surgem as luzes dianteiras em LED, faróis de nevoeiro, faróis e limpa pára-brisas automáticos, faróis de máximos automáticos, jantes em liga leve de 17″, kit de carroçaria exterior e Ford Easy Fuel.

Já no interior, assegurados estão o ar condicionado automático, o sistema de áudio com ecrã táctil a cores de 8″ e Ford SYNC 3, consola central premium com apoio de braços, sistema de som premium B&O Play, estofos parcialmente em couro, Controlo Automático de Velocidade, volante e punho da alavanca de mudanças forrados a pele, e Ford KeyFree.

Finalmente e no que a dispositivos de segurança e assistência à condução diz respeito, o ABS com Distribuição Eletrónica da Força de Travagem (EBD), o Controlo Eletrónico de Estabilidade (ESP) e Assistência à Travagem de Emergência (EBA), Assistente ao Arranque em Subidas, Aviso da Saída de Estrada com Manutenção na Faixa de Rodagem, Direcção Assistida Electrónica, airbags frontais, laterais (à frente) e de cortina, e Reconhecimento de Sinais de Trânsito.

Muito bom…

Pontuação – 9/10

Consumos

Equipado, no caso da unidade por nós ensaiada, com o mais acessível 1.0 EcoBoost de 100 cv, acompanhado de uma caixa manual de seis velocidades, o Ford Fiesta Active+ repete aquilo que já conhecíamos do Fiesta original, com este mesmo tricilíndrico de 998 cc. Ou seja, que o segredo está na condução!

Assim e embora os 5 l/100 km anunciados pela marca da oval azul sejam, em qualquer situação, um valor quase impossível de atingir, a verdade é que não deixa de ser possível fazer médias cerca de 2 litros acima, a rondar os 7 l/100 km, embora com alguma contenção no pedal do acelerador.

No entanto, caso se esteja na disposição de aproveitar toda a energia proporcionada pelos 100 cv de potência do bloco, o melhor mesmo é pôr-lhe mais 2 litros em cima!…

 Pontuação – 7/10

Ao volante

Conhecido, já na anterior geração, também pela eficácia da sua base rolante, que apesar dos anos já cumpridos continuava a mostrar-se em forma e pronta para fazer frente à concorrência, o novo Ford Fiesta optou por não abdicar desse valor seguro. Transmitindo, inlcusivamente, esse predicado a todas as novas versões com que passou a contar; como é o caso da Active!

A juntar a este (importante) argumento, no caso do Fiesta mais “aventureiro”, não apenas um esforço de optimização do desempenho dos amortecedores dianteiros, como também a adopção de uma geometria exclusiva para as juntas da suspensão, assim como de configurações específicas nas molas da suspensão. Tudo com o objectivo de, especialmente quando por terrenos mais irregulares, garantir uma maior atenuação dos possíveis impactos ou solavancos.

De resto, transpostas para a realidade, estas soluções acabam conseguindo alcançar o objectivo a que se propõem, oferecendo um óptimo nível de conforto, sem que isso signifique a perda do já conhecido pisar mais firme e informativo. Especialmente valorizado quando em bons pisos, a ritmos mais elevados, e com uma condução mais abnegada ou sinuosa. Sendo que, mesmo naquelas a alturas em que decidimos experimentar um estradão de terra – e não aconselhamos mais… -, o conjunto não deixa de cumprir a sua obrigação.

E se não aconselhamos mais do que um ou outro estradão de terra, isso fica a dever-se ao facto do Fiesta Active pouco mais ter que o aspecto e protecções exteriores, para enfrentar as agruras do terreno. Pois, com apenas mais 2 cm de altura que a versão base, e embora também com um sistema de modos de condução cuja opção mais “offroad” não vai além da opção “Escorregadio” – tem mais dois, Normal, para uma condução no quotidiano, e Eco, destinado a ajudar a poupar nos consumos -, os argumentos à disposição para fazer todo-o-terreno são pouco mais que… inexistentes.

Assim, o recomendável será mesmo mantermo-nos no alcatrão e aproveitar as boas sensações de condução que o Fiesta Active oferece, sustentadas não apenas num excelente desempenho das suspensões, a contribuírem para a elevada agilidade do conjunto, mas também numa competente direcção, sinónimo de bom feedback, peso e precisão. E, porque não, a aproveitar as faculdades do já referido modo de condução “Escorregadio”, a ajudar a manter o controlo em curva ou na mudança de faixa, quando com o piso escorregadio – as situações para as quais foi, aliás, verdadeiramente concebido!…

Pontuação – 8/10

Concorrentes

Peugeot 2008 1.2 PuretTech Crossway, 130 cv, – segundos 0-100 km/h, 199 km/h, 5,2 l/100 km, 120 g/km, 21.355€

(Veja o ensaio AQUI e conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

Toyota C-HR 1.2 Turbo Comfort + Pack Style, 116 cv, 10,9s 0-100 km/h, 190 km/h, 6,1 l/100 km, 138 g/km, 29.185€

(Veja o ensaio AQUI e conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

Nissan Juke 1.2 DIG-T Tekna Premium, 115 cv, 10,8s 0-100 km/h, 178 km/h, 5,8l/100 km, 128 g/km, 20.120€

(Veja o ensaio AQUI e conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

Renault Captur TCe Exclusive, 90 cv, 13,05s 0-100 km/h, 171 km/h, 5,1l/100 km, 113 g/km, 20.200€

(Veja o ensaio AQUI e conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

SEAT Arona 1.0 TSI FR, 115 cv, – segundos 0-100 km/h, 182 km/h, 4,9 l/100 km, 113 g/km, 23.126€

(Veja o ensaio AQUI e conheça todas as versões e motorizações AQUI)

Motor

Tal como já foi referido, o Ford Fiesta Active que nos calhou em sorte, para este primeiro ensaio, surgia equipado com aquela que a marca americana acredita poder vir a ser, no mercado português, a motorização por excelência deste pequeno crossover – o já bem conhecido 1.0 EcoBoost, na variante de 100 cv.

Embora disponível também com versões mais e menos potentes deste mesmo tricilíndrico, assim como como um turbodiesel 1.5 TDCI, a verdade é que o bloco escolhido como ponta-de-lança, equipado com turbocompressor, injecção directa de alta pressão, dupla distribuição variável independente (Ti-VCT) e um design inovador da cambota descentrada, acaba por mostrar-se uma óptima opção, graças uma disponibilidade e desenvoltura muito meritória, capaz de garantir a este utilitário transfigurado, a agilidade que há muito se lhe reconhece.

Restam assim os consumos como aspecto menos positivo, algo que nem mesmo a óptima caixa manual de seis velocidades, bem escalonada e agradável no operar, ou o sistema Start & Stop, discreto e suave na forma como intervém, conseguem atenuar…

 Pontuação – 8/10

Balanço final

Numa época em que tudo o que é SUV ou crossover tem, pelo menos, mais hipóteses de vir a ser um sucesso de vendas, a Ford junta ao EcoSport, no segmento B-SUV, o Fiesta Active: um utilitário crossover que, de SUV, pouco mais tem que o nome e a imagem! No entanto e tendo em conta aquilo que é o actual mercado deste tipo de veículos, assim como as campanhas que a marca da oval criou mantém para o modelo, não temos dúvidas: este Ford Fiesta Active+ 1.0 EcoBoost arrisca-se a ser a um sucesso!…

Ficha técnica

Motor

Tipo: três cilindros em linha, com injecção directa de alta pressão e turbocompressor de baixa inércia

Cilindrada (cm3): 998

Diâmetro x curso (mm): 71.9×82.0

Taxa compressão: 10.5:1

Potência máxima (cv/rpm): 100/4.500-6.500

Binário máximo (Nm/rpm): 170/1.500-4.000

Transmissão e direcção: Dianteira, com caixa manual de seis velocidades; direção de pinhão e cremalheira, com Direcção Assistida Electrónica (EPAS)

Suspensão (fr/tr): Independente do tipo McPherson; Barra de torsão

Travões (fr/tr): Discos ventilados/Tambores

Prestações e consumos 

Aceleração: 0-100 km/h (s): 11,0

Velocidade máxima (km/h): 181

Consumos Extra-urb./urbano/misto (l/100 km): 4,4/5,9/5,0

Emissões de CO2 (g/km): 114

Dimensões e pesos

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4,068/1,783/1,498

Distância entre eixos (mm): 2,493

Largura das vias (fr/tr) (mm): 1.513/1.476

Peso máximo (kg): 1.241

Capacidade da bagageira (l): 311/1.093

Depósito de combustível (l): 42

Pneus (fr/tr): 205/45 R17/205/45 R17

Preço com campanha de desconto (Euros): 17.167,00€ (preço sem despesas; campanha em vigor até 31 de Dezembro de 2018)

Preço da versão ensaiada (Euros): 20577€

Deixe um comentário

Please Login to comment