Ford Ranger Wildtrak Thunder – Ensaio Teste

By on 28 Dezembro, 2021

Ford Ranger Wildtrak Thunder – Ensaio Teste

Texto: Guilherme André

Muito mais do que um simples carro de trabalho

Se outrora as pick-up eram comerciais dedicados ao trabalho, hoje a realidade é bastante diferente. Um desses casos é a Ford Ranger Wildtrak Thunder, uma versão que marca pelo equipamento e um design não tão robusto como outras soluções, por exemplo a Ranger Raptor. Neste ensaio testámos a pick-up norte-americana na configuração de Cabina Dupla com motor Diesel de 2.0 litros TDCi, biturbo, que debita 213 cv e tração integral, uma das versões disponíveis antes da chegada da nova geração da pick-up. Uma solução aos SUV?


Mais:

design, conforto, equipamento

Menos:

consumos

Exterior

8/10

Exterior (8/10) A Ford Ranger é um caso de sucesso na Europa e isso tem feito com que a marca norte-americana tenha apostado forte no modelo. É caso disso o lançamento de várias versões especiais, onde se encontra esta Ranger Wildtrak Thunder, uma edição limitada a 4500 unidades. Esta diferencia-se pela cor exterior “Sea Grey”, jantes de 18 polegadas e apontamentos em vermelho, por exemplo, na designação da versão. Atrás, a caixa aberta é acompanhada por uma cobertura Black Mountain de cor escura. O funcionamento é manual, mas relativamente simples de fazer. De um modo geral, esta versão não é tão robusta e preparada para off-road como a Ranger Raptor, porém, mostra que uma pick-up também pode ser utilizada como um veículo diário.

Interior

8/10

Interior (8/10) Também no interior encontramos uma preocupação em melhorar o conforto dos passageiros. Na configuração de cabina dupla, somos brindados com bancos em pele com o logo “Thunder” bordado em vermelho. Com um visual sóbrio, destaca-se pela inclusão de materiais rijos ao toque, mas com uma qualidade de construção muito interessante e, diga-se, em linha com alguns SUV do mercado.

No capítulo da tecnologia, a Ford Ranger Wildtrak Thunder apresenta um painel de instrumentos com dois ecrãs digitais nos extremos e o velocímetro analógico ao centro. Incorporado no tablier surge um ecrã central de oito polegadas onde são transmitidas as informações do sistema de infotainment SYNC3. Longe de ser um mero veículo de trabalho, a pick-up conta com “mordomias” muito interessantes como ar condicionado bizona, bancos aquecidos, navegação ou bancos dianteiros com regulação elétrica.

Equipamento

9/10

Equipamento (9/10) A Ford Ranger Wildtrak Thunder conta com um recheio de equipamento muito interessante. Na lista de série encontramos as jantes de 18 polegadas, faróis Xenon com luzes dirunas em LED, grelha específica, proteção da caixa de carga, pack off-road, sensor de chuva, vidros escurecidos, ar condicionado bizona, sistema keyless, bancos dianteiros elétricos e aquecidos, sistema de infotainment SYNC3, roda suplente de 18 polegadas, tapetes específicos da versão, volante forrado em pele, câmara de visão traseira, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, entre outros. A unidade em ensaio conta ainda com alguns opcionais: pintura metalizada (508€), pack drive plus + estacionamento assistido (559€) e pack Wildtrak Thunder (2379€).

Consumos

6/10

Consumos (6/10) Apesar de contarmos com os préstimos de um motor Diesel, a verdade é que o mesmo é sobrealimentado por dois turbos. Perante isto, não é de estranhar que o consumo anunciado seja de 8,9 l/100 km, porém, percebemos durante o nosso ensaio que a média em trajeto misto ronda os 9,6 l/100 km. Caso passe muito tempo em cidade, os consumos sobem com relativa facilidade para valores superiores a 10 l/100 km.

Ao Volante

7/10

Ao volante (7/10) Como seria de esperar, o principal ponto forte da Ford Ranger Wildtrak Thunder é a condução fora de estrada. Recorrendo ao comando rotativo na consola central, onde podemos selecionar entre tração traseira, tração integral ou redutoras, podemos escolher qual o ideal perante a situação que pretendemos enfrentar. Para superar trajetos mais complicados, contamos ainda com outros apoios como bloqueio de diferencial ou assistência de velocidade em descida. A direção leve e pouco direta favorece passeios fora de alcatrão, enquanto a boa altura ao solo, 28,3 centímetros, permite atacar percursos que grande parte dos SUV não conseguiriam passar.

Por outro lado, esta versão provou que a pick-up também tem argumentos para andar em alcatrão. A transmissão automática de 10 velocidades torna as viagens um pouco mais confortáveis, embora em cidade a mudança de velocidade seja constante, principalmente no para-arranca. Apesar de contar com uma suspensão firme, existe algum adornar de carroçaria em trajetos mais sinuosos.

Motor

8/10

Motor (8/10) Debaixo do capot, a Ford Ranger Wildtrak Thunder conta com o motor 2.0 litros biturbo, Diesel, com 213 cv e 500 Nm de binário. A potência está disponível desde baixa rotação e as relações de caixa curtas ajudam a manter o ímpeto com relativa facilidade. De um modo geral é a motorização certa para impulsionar um veículo com quase 2,4 toneladas de peso.

Balanço Final

8/10

Balanço Final (8/10) Em suma, a Ford Ranger Wildtrak Thunder é a prova de que uma pick-up também pode ser utilizada como um veículo diário. Com um muito bom recheio de equipamento, os passageiros beneficiam de “mordomias” semelhantes às encontradas nos SUV. Ainda assim, o motor Diesel apresenta valores de consumo bastante elevados. Caso procure um veículo para simplesmente andar fora de estrada, a Wildtrak Thunder tem tudo o que precisa.

Concorrentes

Mitsubishi L200 cabine dupla – Motor: Quatro cilindros, turbo, Diesel; potência: 150 cv e 400 Nm de binário; tração: integral

Toyota Hilux cabine dupla – Quatro cilindros, turbo, Diesel; potência: 204 cv e 500 Nm de binário; tração: integral

Nissan Navara cabine dupla – Quatro cilindros, turbo, Diesel; potência: 190 cv e 450 Nm de binário; tração: integral

Ficha Técnica

Motor                                                                            

Tipo: 4 cilindros em linha, biturbo, Diesel

Cilindrada (cm3): 1995

Diâmetro x Curso (mm): 84 x 90

Taxa de Compressão: 15,7 a 1

Potência máxima (CV/rpm): 213/3750

Binário máximo (Nm/rpm): 500/1500-2500

Tração: integral não permanente

Transmissão: automática de 10 velocidades

Direção: Pinhão e cremalheira, assistida eletricamente

Prestações e consumos 

Aceleração 0-100 km/h (s): 10,5

Velocidade máxima (km/h): 170

Consumos misto (l/100 km): 8,9

Emissões CO2 (gr/km): 242

Dimensões e pesos 

Comprimento/Largura/Altura (mm): 5359/1977/1848

Distância entre eixos (mm): 3220

Largura de vias (fr/tr mm): 1560/1560

Peso (kg): 2309

Carga útil (kg): 891

Deposito de combustível (l): 80

Pneus (fr/tr): 265/60 R18

Preço da versão ensaiada (Euros): 54 972€
Preço da versão base (Euros): 46 999€

 

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Exterior (8/10) A Ford Ranger é um caso de sucesso na Europa e isso tem feito com que a marca norte-americana tenha apostado forte no modelo. É caso disso o lançamento de várias versões especiais, onde se encontra esta Ranger Wildtrak Thunder, uma edição limitada a 4500 unidades. Esta diferencia-se pela cor exterior “Sea Grey”, jantes de 18 polegadas e apontamentos em vermelho, por exemplo, na designação da versão. Atrás, a caixa aberta é acompanhada por uma cobertura Black Mountain de cor escura. O funcionamento é manual, mas relativamente simples de fazer. De um modo geral, esta versão não é tão robusta e preparada para off-road como a Ranger Raptor, porém, mostra que uma pick-up também pode ser utilizada como um veículo diário.

Interior

Interior (8/10) Também no interior encontramos uma preocupação em melhorar o conforto dos passageiros. Na configuração de cabina dupla, somos brindados com bancos em pele com o logo “Thunder” bordado em vermelho. Com um visual sóbrio, destaca-se pela inclusão de materiais rijos ao toque, mas com uma qualidade de construção muito interessante e, diga-se, em linha com alguns SUV do mercado.

No capítulo da tecnologia, a Ford Ranger Wildtrak Thunder apresenta um painel de instrumentos com dois ecrãs digitais nos extremos e o velocímetro analógico ao centro. Incorporado no tablier surge um ecrã central de oito polegadas onde são transmitidas as informações do sistema de infotainment SYNC3. Longe de ser um mero veículo de trabalho, a pick-up conta com “mordomias” muito interessantes como ar condicionado bizona, bancos aquecidos, navegação ou bancos dianteiros com regulação elétrica.

Equipamento

Equipamento (9/10) A Ford Ranger Wildtrak Thunder conta com um recheio de equipamento muito interessante. Na lista de série encontramos as jantes de 18 polegadas, faróis Xenon com luzes dirunas em LED, grelha específica, proteção da caixa de carga, pack off-road, sensor de chuva, vidros escurecidos, ar condicionado bizona, sistema keyless, bancos dianteiros elétricos e aquecidos, sistema de infotainment SYNC3, roda suplente de 18 polegadas, tapetes específicos da versão, volante forrado em pele, câmara de visão traseira, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, entre outros. A unidade em ensaio conta ainda com alguns opcionais: pintura metalizada (508€), pack drive plus + estacionamento assistido (559€) e pack Wildtrak Thunder (2379€).

Consumos

Consumos (6/10) Apesar de contarmos com os préstimos de um motor Diesel, a verdade é que o mesmo é sobrealimentado por dois turbos. Perante isto, não é de estranhar que o consumo anunciado seja de 8,9 l/100 km, porém, percebemos durante o nosso ensaio que a média em trajeto misto ronda os 9,6 l/100 km. Caso passe muito tempo em cidade, os consumos sobem com relativa facilidade para valores superiores a 10 l/100 km.

Ao volante

Ao volante (7/10) Como seria de esperar, o principal ponto forte da Ford Ranger Wildtrak Thunder é a condução fora de estrada. Recorrendo ao comando rotativo na consola central, onde podemos selecionar entre tração traseira, tração integral ou redutoras, podemos escolher qual o ideal perante a situação que pretendemos enfrentar. Para superar trajetos mais complicados, contamos ainda com outros apoios como bloqueio de diferencial ou assistência de velocidade em descida. A direção leve e pouco direta favorece passeios fora de alcatrão, enquanto a boa altura ao solo, 28,3 centímetros, permite atacar percursos que grande parte dos SUV não conseguiriam passar.

Por outro lado, esta versão provou que a pick-up também tem argumentos para andar em alcatrão. A transmissão automática de 10 velocidades torna as viagens um pouco mais confortáveis, embora em cidade a mudança de velocidade seja constante, principalmente no para-arranca. Apesar de contar com uma suspensão firme, existe algum adornar de carroçaria em trajetos mais sinuosos.

Concorrentes

Mitsubishi L200 cabine dupla – Motor: Quatro cilindros, turbo, Diesel; potência: 150 cv e 400 Nm de binário; tração: integral

Toyota Hilux cabine dupla – Quatro cilindros, turbo, Diesel; potência: 204 cv e 500 Nm de binário; tração: integral

Nissan Navara cabine dupla – Quatro cilindros, turbo, Diesel; potência: 190 cv e 450 Nm de binário; tração: integral

Motor

Motor (8/10) Debaixo do capot, a Ford Ranger Wildtrak Thunder conta com o motor 2.0 litros biturbo, Diesel, com 213 cv e 500 Nm de binário. A potência está disponível desde baixa rotação e as relações de caixa curtas ajudam a manter o ímpeto com relativa facilidade. De um modo geral é a motorização certa para impulsionar um veículo com quase 2,4 toneladas de peso.

Balanço final

Balanço Final (8/10) Em suma, a Ford Ranger Wildtrak Thunder é a prova de que uma pick-up também pode ser utilizada como um veículo diário. Com um muito bom recheio de equipamento, os passageiros beneficiam de “mordomias” semelhantes às encontradas nos SUV. Ainda assim, o motor Diesel apresenta valores de consumo bastante elevados. Caso procure um veículo para simplesmente andar fora de estrada, a Wildtrak Thunder tem tudo o que precisa.

Ficha técnica

Motor                                                                            

Tipo: 4 cilindros em linha, biturbo, Diesel

Cilindrada (cm3): 1995

Diâmetro x Curso (mm): 84 x 90

Taxa de Compressão: 15,7 a 1

Potência máxima (CV/rpm): 213/3750

Binário máximo (Nm/rpm): 500/1500-2500

Tração: integral não permanente

Transmissão: automática de 10 velocidades

Direção: Pinhão e cremalheira, assistida eletricamente

Prestações e consumos 

Aceleração 0-100 km/h (s): 10,5

Velocidade máxima (km/h): 170

Consumos misto (l/100 km): 8,9

Emissões CO2 (gr/km): 242

Dimensões e pesos 

Comprimento/Largura/Altura (mm): 5359/1977/1848

Distância entre eixos (mm): 3220

Largura de vias (fr/tr mm): 1560/1560

Peso (kg): 2309

Carga útil (kg): 891

Deposito de combustível (l): 80

Pneus (fr/tr): 265/60 R18

Preço da versão ensaiada (Euros): 54 972€
Preço da versão base (Euros): 46 999€