Jeep Wrangler Freedom 2.2 CRD – Ensaio teste

By on 21 Dezembro, 2020

Jeep Wrangler Freedom 2.2 CRD – Ensaio teste

Para quem gosta de aventura longe do alcatrão

Texto: Guilherme André

O Jeep Wrangler continua a ser uma solução para quem quer um jipe na verdadeira acepção da palavra. Visual robusto, pneus cardados, boa altura ao solo, tração integral e, claro, vários anos de aperfeiçoamento de uma fórmula que hoje é reconhecida por onde quer que passa. Neste ensaio tivemos a oportunidade de conduzir a série especial Freedom, que é inspirada no mundo militar norte-americano, com o motor 2.2 CRD com 200 cavalos, associado a uma transmissão automática de oito velocidades.


Mais:

Aptidões todo-o-terreno, visual robusto

Menos:

Consumos, utilização em ambiente urbano

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Exterior (8/10) Começando pelo exterior, são vários os detalhes que servem de homenagem ao passado, como por exemplo, a grelha com sete aberturas e os dois faróis redondos, uma imagem de marca no modelo que a Jeep faz questão de manter, e que é um dos detalhes que dá identidade ao Wrangler. Para além disso, esta edição especial Freedom inclui o logo “Oscar Mike”, que significa “em movimento” na linguagem militar, uma estrela a preto no capot, que também pode ser vista na lateral direita, capota rígida em preto, jantes em alumínio de 17 polegadas e a bandeira dos Estados Unidos da América. Ou seja, pode não ser o visual mais moderno da atualidade, mas é autêntico e facilmente reconhecível.

Interior

Interior (8/10) No interior, encontramos bancos a preto com o logo “Oscar Mike” novamente presente nas costas. O tablier adota um visual sóbrio, mas com uma construção robusta, contudo, é nos detalhes que o Wrangler faz a diferença. Rapidamente reparamos na silhueta do Jeep Willys no topo da manete de velocidades ou no canto inferior direito do para-brisas. No que diz respeito a espaço, tanto na primeira como segunda fila os passageiros viajam com conforto e, para além disso, os passageiros dianteiros podem usufruir de bancos aquecidos. Há ainda uma bagageira com dimensões interessantes, 548 litros, e suficientes para as malas de uma família. O acesso ao habitáculo não é tão fácil como num SUV, embora esteja equipado com um puxador no pilar A para ajudar a ultrapassar a elevada altura ao solo.  

No capítulo da tecnologia, o Jeep Wrangler Freedom tem, ao centro do tablier, um ecrã tátil de 7 polegadas com os menus “bem arrumados” e conectividade Apple CarPlay e Android Auto. Ainda assim, sentimos a falta de algumas informações relacionadas com o todo-o-terreno, como por exemplo, o nível de inclinação. Um dos equipamentos que mais se destaca, não pelo avanço tecnológico ou pelas dimensões, mas sim pela potência com que se impõe, é o sistema de som premium Alpine com 9 altifalantes, de série nesta versão.

Equipamento

Equipamento (7/10) Relativamente a equipamento, esta versão Freedom tem como base o Unlimited Sport. Sendo uma edição especial, recebe um equipamento de série vasto com destaque para sistema de som premium da Alpine, ecrã central de sete polegadas com o infotainment Uconnect, ar condicionado automático bi-zona, bancos dianteiros aquecidos, volante aquecido, jantes em alumínio de 17 polegadas, hard-top desmontável, barras tubulares laterais, hill descendent control, diferencial autoblocante, eixo traseiro com relação 3.70, sensores e câmara de estacionamento traseiro e pneus cardados. 

Consumos

Consumos (6/10) O consumo de combustível é talvez o ponto menos positivo do Jeep Wrangler. A marca norte-americana anuncia 9,4 l/100km, enquanto no ensaio AutoMais estivemos perto, nos 9,7 l/100km. Este valor sobe com relativa facildiade para valores superiores a 10 l/100 km, ou até mesmo 11 l/100km caso o condutor decida fazer um passeio de fim de semana por caminhos desconhecidos. 

Ao volante

Ao volante (8/10) O Jeep Wrangler Freedom em ensaio está equipado com o motor 2.2 CRD de 200 cavalos associado à caixa automática de oito velocidades. Esta solução, a única disponível nesta variante, é “amiga” do condutor numa utilização urbana ao tornar as coisas ligeiramente mais fáceis por não ser necessário estar constantemente a pisar o pedal da embraiagem. Ainda assim, sente-se um pouco como “peixe fora de água” em ambientes mais congestionados ou ruas apertadas, principalmente pelos quase cinco metros de comprimento e 1,89 m de largura. Apesar do chassis de longarinas e travessas, dois eixos rígidos e pneus cardados, revelou-se relativamente confortável em asfalto. No entanto, a diversão e os principais argumentos do Jeep Wrangler Freedom começam exatamente quando o alcatrão acaba.

De facto, o Jeep Wrangler mostra, não só pela imagem, mas também pelas características, que foi feito para andar fora de estrada e isso é ainda mais acentuado nesta versão Freedom. Quando começa a terra ou lama, o Wrangler não se nega a nada, mesmo quando os caminhos estão em mau estado. Pode não ter a agilidade do “irmão” Wrangler Rubicon com distância entre eixos mais curta, mas isso não o impede de brilhar em caminhos mais apertados. Em suma, o Wrangler pode não ser um carro para fugir ao trânsito ao cair do semáforo, andar em ruas estreitas ou percorrer estradas sinuosas, mas é uma excelente opção para quem gosta de aventura todo-o-terreno e, diga-se, está cada vez mais sozinho num nicho de mercado que está a cair no “esquecimento” graças à loucura SUV.

Concorrentes

Land Rover Defender 110 D200 AWD Automatic – motor: seis cilindros de 3.0 litros MHEV, Diesel; potência: 200 cavalos; transmissão : automática; preço base: 82 910€

Toyota Land Cruiser 2.8 D-4D – motor: quatro cilindros em linha de 2.8 litros, Diesel; potência: 177 cavalos; transmissão: automática; preço base: 129 815€

Motor

Motor (8/10) O Jeep Wrangler Freedom tem debaixo do capot o motor 2.2 litros de 200 cavalos e 450 Nm de binário. Tal como os números indicam, este bloco é um verdadeiro poço de força, principalmente quando o condutor recorre à tração integral. Apesar da insonorização do habitáculo do Wrangler ser fraca, o barulho do motor é, na grande maioria dos casos, suave e só “engrossa a voz” quando exploramos rotações mais elevadas. Este 2.2 litros associado à caixa automática de oito velocidades é uma excelente solução para quem procura um pouco mais de conforto na condução. 

Balanço final

Balanço Final (8/10) De forma muito resumida, o Jeep Wrangler Freedom é uma proposta pensada para um tipo de consumidor mais emotivo. Não só pelos inúmeros detalhes relacionados com a história do modelo, mas também pelas ótimas aptidões todo-o-terreno que apresenta. Ainda assim, tudo isto tem um preço: 66 600€. A versão ensaiada tem ainda pintura metalizada “cinzento billet” (1100€), safety pack (1000€) e os tapetes off-road Mopar (100€) o que, associado a despesas de legalização e transporte, ajuda a “saltar” para os 70 012€. Se dinheiro não for problema e o objetivo é adquirir um carro para aventuras off-road ou uma utilização maioritariamente longe do alcatrão, então o Jeep Wrangler é uma das melhores opções do mercado.

Ficha técnica

Motor
Tipo: 4 cilindros em linha, injeção direta, turbo e intercooler, Diesel
Cilindrada (cm3): 2184 
Diâmetro x Curso (mm): 83,9 x 99 
Taxa de Compressão: 15,5
Potência máxima (CV/rpm): 200/3500
Binário máximo (Nm/rpm): 450/2000
Transmissão: automática de 8 velocidades
Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente
Suspensão (ft/tr): Eixo rígido com barra estabilizadora / eixo rígido com barra estabilizadora
Travões (fr/tr): discos ventilados/discos ventilados

Prestações e consumos 
Aceleração 0-100 km/h (s): 9,6
Velocidade máxima (km/h): 180 
Consumos misto (l/100 km): 9,4  
Emissões CO2 (gr/km): 250 

Dimensões e pesos 
Comprimento/Largura/Altura (mm): 4882/1894/1881 
Distância entre eixos (mm): 3008 
Largura de vias (fr/tr mm): n.d.
Peso (kg): 2158
Capacidade da bagageira (l): 548 litros
Deposito de combustível (l): 81 litros 
Pneus (fr/tr): Todo-o-terreno de 17 polegadas

Preço da versão ensaiada (Euros): 70012€
Preço da versão base (Euros): 66600€