Kia Sportage 1.7 CRDi ISG GT Line 7DCT – Ensaio

By on 4 Agosto, 2017

Kia Sportage 1.7 CRDi ISG GT Line 7DCT

Texto: André Duarte (andre.duarte@autosport.pt)

Pragmatismo e eficiência

O Kia Sportage 1.7 CRDi é um modelo marcado pelo equilíbrio. Das linhas exteriores ao habitáculo, passando pelo bloco diesel escondido sob capot, todo o seu contexto é proporcional. Uma agradável proposta que vive a sua quarta geração, apresentada no Salão de Frankfurt de 2015 e que chegou ao mercado no final do primeiro trimestre de 2016, numa altura em que já era o modelo da marca sul coreana mais vendido na Europa. Um ano volvido, o Sportage continua a fazer passear frescura e bem estar no segmento dos SUV compactos e a apresentar argumentos que deixam saudade “na hora da despedida”…

Carroçaria

4,48 metros de comprimento, 1,62 metros de largura e 1,65 metros de altura definem a proporção do Sportage. O exterior apresenta uma interessante imagem com linhas que transmitem leveza, mas ao mesmo tempo uma robustez que o faz sobressair no quotidiano. Na frente destacam-se os grupos óticos, com luzes diurnas LED, de dimensões generosas e os faróis de nevoeiro “Ice Cube” em LED, específicos da versão GT Line, na zona inferior do pára-choques, assim como a grelha com acabamento em preto lacado brilhante.

O seu porte ganha maior ênfase aquando na lateral, com uma silhueta de linhas fluídas e agradáveis ao olhar, sensação para o que contribuem as barras de tejadilho longitudinais. A traseira segue igual tom, destacando-se pelos apelativos grupos óticos com luzes LED e difusor.

A compor o conjunto há ainda diversos pormenores, como a inserção GT Line que surge, discreta, na tampa da bagageira, os espelhos retrovisores exteriores elétricos aquecidos e retráteis com piscas incorporados, as jantes de liga leve de 19″ (245/45 R19), os frisos e manípulos das portas acetinados, o pára choques na cor da carroçaria e o spoiler traseiro.

Interior 

 A boa impressão exterior ganha maior destaque no interior. Ao abrir de porta o impacto visual é de um imediato agrado. Aproveitando a boa acessibilidade, facilmente nos instalamos e começamos a apreciar com maior rigor os vários detalhes que se nos oferecem. O que mais se destaca são os frisos cromados que contornam as saídas de ar condicionado, consola central e seletor, assim como os puxadores que reluzem em igual material. Também o preto acetinado, tanto no apoio de braços nas portas como no tablier, é um elemento que atribuiu charme ao interior, que é revestido com interessantes materiais, agradáveis ao tato. Os estofos, que nesta versão surgem em pele, são também um pormenor que acrescenta valor ao conjunto.

Ao centro do tablier contamos com um ecrã de 7”, a que podemos aceder a várias funcionalidades de conectividade: sistema de navegação; rádio; multimédia e informações sobre o veículo. Podemos ainda encontrar na consola central uma ligação USB e uma tomada de 12 V, existindo outra destinada aos lugares traseiros. Já o som ambiente é garantido por 4 colunas, dianteiras e traseiras. O modelo conta também com ar condicionado automático Dual Zone e Bluetooth hands free.

No global, o habitáculo é espaçoso para todos os ocupantes. Nos lugares dianteiros, tanto nas portas, como junto do seletor e sob o apoio de braços, há vários espaços de arrumação para a colocação de objetos, como carteira ou chaves, lugar para a colocação de copos, e, no tejadilho, um compartimento para os óculos. Nos traseiros, a sensação de espaço é ainda maior e para isso muito contribui o teto de abrir panorâmico (opcional de 950€), que se revela um belo aliado para a noção de bem estar interior, podendo-se circular com este aberto (até meio) sem que tal interfira com ruídos para o habitáculo. Quanto aos bancos traseiros, podem ser rebatidos na proporção 60:40.

A bagageira é bastante generosa, com os seus de 491 litros a darem-nos amplitude mesmo para acondimentar carga para viagens de maiores estadias. A cobertura desta, que conta com duas posições para colocação, pode ser facilmente retirada.

Já sob o fundo bagageira podemos encontrar um ‘verdadeiro’ pneu sobresselente.

Sistemas de Assistência à Condução e Segurança

Entre a gama de sistemas de assistência à condução e segurança, podemos contar com um interessante leque de ofertas: Cruise Control; Limitador de Velocidade; Sistema Assistência Manutenção Faixa Rodagem; Espelho retrovisor electrocrómico; Detetor de Ângulo Morto; Sensores dianteiros e traseiros; Câmara traseira; ABS – Anti lock Break System; Air bag cortina; Air bag duplo (passageiro desactivável); Air bag lateral; Cintos de segurança dianteiros com pre-tensores; TSA – Trailer Stability Assist; Encostos de cabeça ajustáveis em altura; ESC – Electronic Stability Control; HAC – Hill Assist Control; DBC – Downhill brake control; TPMS – Tire Pressume Monitoring Sistem; Faróis de nevoeiro tipo “Ice Cube” em LED; Fecho de segurança para crianças; Imobilizador; Sensor de chuva e High Beam Assist. A grande vantagem é que tudo vem incluído nesta versão GT Line.

Ao volante

Depois de minuciosamente o observarmos, é chegada a “hora da verdade.” Ajustados no lugar do condutor, encontramos uma boa posição de condução e uma visibilidade conforme. No tablier os botões têm um tamanho que facilita a sua leitura e utilização, enquanto o painel de instrumentos supervision com ecrã a cores de 4,2” fornece a informação essencial ao dia a dia (como consumos, tempo de viagem, rádio ou regular o cruise control ou limitador de velocidade) sem que nos percamos por funcionalidades em excesso. Depois temos detalhes que certamente agradam a todos, como o volante em formato D de três raios com inserção GT Line ou os pedais em alumínio, ambos de laivo desportivo e específicos desta versão.

Comodamente de corpo instalado, premimos o botão Star & Stop e depressa estamos em sintonia com o veículo e respetiva estrada. Ao volante o modelo é suave e agradável desde o primeiro momento, movendo-se sempre com calma e descontração. Os seus 141 cv oriundos de um bloco 1.7 a diesel deslocam os 1545 kg sem problemas, mas sempre em continua progressão, nunca existindo momentos ‘explosivos’.

O binómio potência/arquitetura do veículo revela-se convidativo a que se desfrute da viagem, sem pressas, porque muitas vezes está no percurso o melhor dos destinos. A noção de equilíbrio é assim uma nota dominante.

O trabalho da suspensão é um dos maiores destaques do conjunto, permitindo superar com toda a facilidade as mais pequenas perturbações e enfrentar sem medos buracos mais prenunciados, enquanto o corpo segue “leve, levemente”, sem qualquer mácula. Um sentimento que nos faz rodar com grande à vontade, encarar traçados sinuosos com confiança e, se necessário, ir às bermas, numa situação de maior aperto, para nos desviaremos de um animal, por exemplo, situações com que podemos lidar sem temermos represálias. Em curva o conjunto não tende a adornar e o chassis lida bem com o movimento de massas.

A caixa automática de 7 velocidades é também uma ótima aliada neste particular, proporcionando o aconchego necessário à condução. As trocas de relações podem ser feitas de forma manual unicamente através do seletor, já que o modelo não tem patilhas de volante, e estas sucedem-se sem que tal se note. No entanto, o mais natural é esquecermos facilmente a troca de caixa de forma manual, dado não termos patilhas e o automatismo ser a opção que está em maior sintonia com toda a aura do veículo.

Consumos

A relação peso potência é sempre algo a ser tomado em linha de conta em matéria de consumos. Neste caso, são 141 cv e 1545 kg que nos permitem realizar médias em percurso misto de 6,5 litros, mais 1,6 litros que os 4,9 litros anunciados. Talvez a única nota menos e um “preço a pagar” por um conjunto que deixa uma boa impressão geral. Já em percurso urbano, um consumo na casa dos 7 a 7,3 litros é também o mais normal.

Motorizações e versões disponíveis

O Kia Sportage surge com quatro motorizações, duas a gasolina e duas diesel. No primeiro caso temos as propostas 1.6 CVVT GDi de 132 cv e 1.6 Turbo T-GDi de 177 cv. No caso do diesel, há que contar com o 1.7 CRDi ISG com potências que variam entre os 115 cv e 141 cv, assim como o bloco 2.0 CRDi de 136 cv. Os níveis de equipamento dividem-se entre Nav Line, TX e GT Line. O preço começa nos 29.140€ para a versão 1.6 GDi ISG Nav Line, sendo o teto máximo estabelecido pela versão 2.0 CRDi GT Line (ISG), que custa 39.280€. No entanto, com a atual campanha em vigor, todos os modelos encontram-se com um desconto de 5.500€.

Equipamento Opcional

Uma das grandes vantagens do modelo é que tudo vem incluído, sobrando ‘pouco’ em termos de equipamento opcional, o mesmo que dizer, dinheiro a mais a ter de investir. Aqui contam-se o Smart Power Tailgate (600€), Teto de Abrir Panorâmico (950€), Pintura Metalizada (450€) e Smart Park Assist System (600€).

Concorrentes

Entre os concorrentes deste Kia Sportage 1.7 CRDi ISG GT Line 7DCT, talvez o maior rival seja o Peugeot 3008, que foi considerado o carro do ano a nível nacional e europeu. O modelo da marca do leão, na sua versão GT Line com motor 1.6 BlueHDI de 120 cv e caixa EAT6, custa 38.990€. No fundo, um preço equiparado ao atual Sportage, 38.649€, não fosse a atual campanha que o coloca com um preço de mercado de 33.149€. No fundo, 5.500€ que fazem muita diferença e dão que pensar.

Num patamar diferente, pode-se olhar ainda para o Mitsubishi ASX Intense DI-D 1.6l de 114 cv, com um custo de 27.900€ (25.500€ em campanha).

A partir de setembro, o Mazda CX-5 Evolution 2.2 Skyactiv-D 150 cv 6AT, e de outubro, o Jeep Compass Longitude 2.0 Multijet 4X4, também são propostas a ter em conta. Mas ainda teremos de esperar.

 Balanço Final

Colocando a razão à frente do coração, o Kia Sportage é um modelo que deve ser seriamente tomado em linha de conta. Não é exuberante, mas elegante, não é super performante, mas oferece um rol de argumentos pensados tanto para o dia a dia como para longas viagens, sozinho ou em família, com igual comodidade. Está devidamente equipado à luz das exigências e necessidades atuais e garante satisfação a todos os passageiros. A condução é muito intuitiva e agradável, traduzindo-se num compromisso seguro e equilibrado no contacto com o asfalto. No final, se os 38.649€ nos podem fazer pensar, o facto de a atual campanha em vigor retirar 5.500€ à fatura, faz-nos encarar a relação preço/produto com outros olhos.

Mais: Espaço; Conforto; Comodidade em viagem

Menos: Consumos;

FICHA TÉCNICA

Motor

Tipo – 4 cilindros, injeção direta, turbo de geometría variável, intercooler

Cilindrada (cm3) – 1685

Diâmetro x curso (mm) – 77,2 x 90

Taxa de compressão – 15,7:1

Potência máxima (cv/rpm) – 141/4000

Binário máximo (Nm/rpm) – 340/1750-2500

Transmissão e direcção – dianteira, transmissão automática 7DCT; direção elétrica assistida

Suspensão (fr/tr) – McPherson com molas helicoidais/ Multillink com molas helicoidais

Prestações e consumos

Aceleração 0-100 km/h (s) – 11,5s

Velocidade máxima (km/h) – 185 km/h

Consumos Extra-urb./urbano/misto (l/100 km) – 4,7/5,4/4,9

Emissões de CO2 (g/km) – 129

Dimensões e pesos 

Comp./largura/altura (mm) –  4480/1855/1645

Distância entre eixos (mm) – 2670

Largura de vias (fr/tr) (mm) – 1609/1620

Travões (fr/tr) – Discos/Discos

Peso (kg) – 1545

Capacidade da bagageira (l) – 491

Depósito (l) – 62

Pneus (fr/tr) – 245/45 R19

(com a atual campanha em vigor de 5.500€ o preço cifra-se nos 33.149€)