Mazda 3 HB 2.0 Skyactiv-G 150 cv – Ensaio Teste

By on 17 Janeiro, 2021

Mazda 3 HB 2.0 Skyactiv-G 150 cv – Ensaio Teste

Texto: Guilherme André

Imagem desportiva com potência à altura

O Mazda 3 é um dos modelos fundamentais para a marca nipónica e encontra-se num segmento C tradicionalmente muito disputado. Neste ensaio fomos conhecer o Mazda 3 Hatchback com o motor 2.0 Skyactiv-G de 150 cavalos, a versão “do meio” nas opções a gasolina. De facto, é mais potente do que a mais acessível, mas é mais barato do que o inovador Skyactiv-X com 180 cavalos. Uma boa aposta?


Mais:

Motor, visual exterior, condução

Menos:

Espaço na segunda fila de bancos, volumetria da bagageira

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Exterior (9/10) Um dos principais pontos fortes do Mazda 3 é o visual. Com a filosofia de design Kodo a marca nipónica conseguiu criar um dos compactos mais irreverentes e bonitos da atualidade. Facilmente reconhecível pelas linhas simples, quase como se de um concept se tratasse, destaca-se pelas óticas dianteiras com carácter vincado e agressivo. De um modo geral, a Mazda fez um excelente trabalho ao garantir um visual não só moderno, mas também desportivo e com uma personalidade muito própria.

Interior

Interior (8/10) Em ensaio tivemos a versão com o nível de equipamento Evolve Pack i-Activsense, ou seja, o mais acessível com esta motorização. No entanto, isso não é sinónimo de um “desleixo” nos materiais utilizados, bem pelo contrário. Um dos pontos positivos do Mazda 3 é a qualidade de construção e a utilização de plásticos de boa qualidade numa junção entre rijos e macios ao toque.

Os bancos em tecido são confortáveis e têm um apoio lateral suficiente para uma utilização diária. Tudo isto é acompanhado por um tablier de visual simples em preto onde sobressai o ecrã central de 8,8 polegadas onde são transmitidas as informações do sistema de infotaintment. Os botões foram reduzidos ao mínimo necessário, porém, a Mazda decidiu manter e, a nosso ver, ainda bem, o comando rotativo que controla o sistema de infotainment. Esta medida permite mudar, por exemplo, entre menus sem tirar os olhos de onde realmente interessa, da estrada.

De referir ainda a boa posição de condução conseguida graças à boa amplitude de regulação tanto do volante como do banco. Atrás, o espaço é para pernas é suficiente para transportar dois adultos, porém, o espaço em largura e altura não é dos melhores do segmento e, por isso, pode tornar-se algo desconfortável em viagens longas para pessoas com cerca de 1,80 cm. Quanto à bagageira, o Mazda 3 garante 358 litros, um valor que fica aquém dos 380 litros do líder do segmento na Europa, a oitava geração do Volkswagen Golf.

Equipamento

Equipamento (7/10) Tendo em conta que esta versão tem um preço inicial inferior a 30 mil euros, o recheio de equipamento conseguido é agradável. De facto, o Mazda 3 2.0  Skyactiv-G de 150 cavalos com o nível Evolve Pack i-Activsense recebe de série ar condicionado automático, chave inteligente, travão de parque eletrónico com assistente de imobilização, sensores de estacionamento frontais, câmara traseira ou vidros traseiros escurecidos. Para além disso, destaque para faróis e farolins LED, luzes diurnas em halogénio, assistente de arranque em subida, travagem de emergência com detenção de peões, detetor de ângulo morto, reconhecimento de sinais de trânsito ou aviso de saída de faixa. Resumidamente, tem tudo o que é necessário para conduzir em conforto e segurança no dia a dia.

Consumos

Consumos (8/10) Quando se fala em motor 2.0 litros atmosférico a gasolina, pode “soar os alarmes” a algumas pessoas no que diz respeito a consumos. Porém, a motorização Skyactiv-G está equipada com um sistema mild-hybrid que acaba por atenuar os consumos mais elevados esperados de uma solução de cilindrada superior. A Mazda anuncia 6.3 l/100 km de consumo combinado, porém, aqui no AutoMais percebemos que é bastante fácil conseguirmos fazer exatamente a mesma média de 6.3 l/100 km, sem andar a “pisar ovos”. 

Ao volante

Ao Volante (9/10) Quando passamos para a condução, rapidamente percebemos que a dinâmica acompanha o visual desportivo. O Mazda 3 HB tem um chassis muito bem desenvolvido que, associado a uma direção leve e precisa e uma afinação de suspensão com um bom compromisso entre conforto e carácter desportivo, temos um resultado final assinalável. Sem reações imprevisíveis e uma traseira “certinha”, permite uma condução divertida em trajetos sinuosos mesmo quando “puxamos” pelos 150 cavalos. Já em cidade, mantém competência, mas no típico para-arranca, sendo uma versão com caixa manual, não é, naturalmente, tão confortável como uma caixa automática visto que somos obrigados a fazer vários pontos de embraiagem.

Concorrentes

Volkswagen Golf 1.5 eTSI DSG – Motor: quatro cilindros de 1.5 litros mild-hybrid; potência: 150 cavalos; transmissão: automática de sete vel.; preço base: 35 126€

Renault Megane TCe 140 FAP – Motor: quatro cilindros de 1.3 litros; potência: 140 cavalos; transmissão: manual de seis vel.; preço base: 27 000€

Seat Leon 1.5 eTSI DSG – Motor: quatro cilindros de 1.5 litros mild hybrid; potência: 150 cavalos; transmissão: automática de sete vel.; preço base: 33 733€

Opel Astra 1.4 Turbo – Motor: três cilindros de 1.4 litros turbo; potência: 145 cavalos; transmissão: automática de sete vel.; preço base: 29 310€

Motor

Motor (9/10) Nos tempos que correm é cada vez mais difícil encontrar um motor a gasolina atmosférico, mais ainda quando se fala de 2.0 litros de cilindrada. No entanto, a Mazda prova que isso é possível e, com a ajuda do sistema mild hybrid (Mazda M Hybrid), contamos ainda com tecnologias como motor de arranque elétrico do tipo gerador, acrescido de um sistema de desativação de cilindros – dois dos quatro existentes. São detalhes como este que tornam a utilização agradável e relativamente silenciosa, porém, quando exploramos as longas relações de caixa e pedimos o máximo dos 150 cavalos e 213 Nm de binário, o quatro cilindros mostra que está presente ao mostrar uma “voz mais grossa”. Tudo isto é acompanhado por uma caixa manual de seis velocidades, também ela, um primor na utilização. De facto, é uma das melhores, senão mesmo a melhor, caixa manual do segmento, um dos detalhes que ajuda a disfrutar ainda mais da condução do Mazda 3. 

Balanço final

Balanço Final (8/10) Em suma, o Mazda 3 é dos melhores concorrentes do Segmento C. Com um exterior apelativo, interior simples, mas bem construído, um motor 2.0 litros atmosférico a gasolina com 150 cavalos e uma dinâmica de condução satisfatória, tem argumentos mais do que suficientes para fazer frente aos líderes do segmento, principalmente quando vemos que é possível ter um por menos de 30 mil euros.

Ficha técnica

Motor

Tipo: quatro cilindros em linha a gasolina, DOHC,  injecção directa, com sistema híbrido Mazda M Hybrid

Cilindrada (cm3): 1998

Diâmetro x curso (mm): 83.5 x 91.2

Taxa compressão: 13.0

Potência máxima (cv/rpm): 150/6000

Binário máximo (Nm/rpm): 213/4000

Transmissão: Caixa manual de seis velocidades

Direcção: direção de pinhão e cremalheira, com assistência eléctrica

Suspensão (fr/tr): Independente tipo McPherson; Barra de torção

Travões (fr/tr): Discos ventilados/Discos sólidos

Prestações e consumos

Aceleração 0-100 km/h (s): 9.1 

Velocidade máxima (km/h): 206

Consumo médio (L/100km): 6.3

Emissões de CO2 WLTP (g/km): 142

Dimensões e pesos

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4460/2028/1435

Distância entre eixos (mm): 2725

Largura das vias (fr/tr) (mm): 1570/1580

Peso (kg): 1274

Capacidade da bagageira (l): 358/1026

Depósito de combustível (l): 51

Pneus (fr/tr): 215/45 R18 / 215/45 R18

Preço da versão ensaiada (Euros): 28458€
Preço da versão base (Euros): 28058€