Mazda CX-5 2.2 SKYACTIV-D 175 cv AWD – Ensaio

By on 27 Dezembro, 2017

Mazda CX-5 2.2 SKYACTIV-D 175 cv AWD

Texto: André Duarte

Aposta na qualidade

Em 2017 chegou ao mercado nacional a segunda geração do Mazda CX-5. Fomos conhecê-la na sua versão topo, com motor 2.2 SKYACTIV-D de 175 cv e tração integral e damos-lhe conta de todos os detalhes nas próximas linhas…

Exterior

Assente na filosofia de design KODO – A Alma do Movimento, o CX-5 apresenta-se com um elegante e imponente porte, com linhas discretas que ornam um conjunto que funciona de forma agradável no seu todo – 4550 mm de comprimento; 1840 mm de largura; 1.680 mm de altura; 2700 mm de distância entre eixos.

Além dos plásticos que envolvem as zonas interiores na dianteira, traseira, lateral e cavas das rodas, destaque para uma frente imponente, vigor atribuído pela grelha de expressivas dimensões que se une aos faróis – LED, posicionados mais abaixo que integram luzes de circulação diurna. Na lateral a silhueta é elegante, beneficiando agora de um a linha de cintura mais baixa, enquanto os retrovisores exteriores foram redesenhados e apresentam-se mais compactos. As jantes podem variar entre aço de 17” ou liga leve dark silver de 17” e gun metallic maquinado de 19”.  Na traseira as duas ponteiras de escape, spoiler e faróis constituem interessantes detalhes.

Há nove cores há escolha para a carroçaria, sendo o grande destaque o novo acabamento em Vermelho Soul Red Crystal. As demais opções são: Machine Grey, Sonic Silver, Titanium Flash, Eternal Blue, Azul Crystal, Preto, Branco Pérola e Branco.

Interior 

No interior somos prendados de imediato com materiais de agradável qualidade, com frisos cromados em diversas zonas – contornos das saídas de ventilação, puxadores, botões na consola central, contorno do seletor – a atribuírem charme no contraste que fazem com a tonalidade reinante em preto. No global o interior reveste-se da sensação de aconchegante espaço.

Nos lugares dianteiros os passageiros podem gozar de devida comodidade em viagem – as versões dotadas de bancos eléctricos com regulação em 10 posições e função de memória contam com dois novos modos de pré-selecção (permitem, aquando da mudança de condutor, ativar automaticamente a posição do banco e o ângulo do head-up display). Mas o conforto também se encontra atrás, podendo acomodar-se devidamente três passageiros, e ainda que o do meio conviva com um encosto para as costas mais rijo, não sai tão penalizado em termos de espaço como é apanágio em inúmeros modelos.

Os bancos traseiros contam com rebatimento assimétrico 40:20:40 e inclinação das costas dos bancos ao nível do tronco aumentada em 2 graus, para um total de 24 graus. O CX-5 conta também com um mecanismo de rebatimento de duas fases, fazendo com que as costas dos bancos possam ser inclinadas para trás até um ângulo de 28 graus. Um dos grandes destaques para quem circula atrás é o elevado espaço para a cabeça.

Um dos novos destaques é o portão da bagageira com acionamento elétrico – através dos botões no próprio portão ou junto do condutor – que faz descobrir um espaço com 506l – este conta com novos ganchos no piso para as redes de retenção, tornando mais prática a arrumação.

Só em termos de arrumação, e num modelo talhado para circular com a família,  os locais para o efeito nas portas não são de grandes dimensões – estes contam com acabamento especial anti-deslizante. Já na consola central, junto do seletor e entre os bancos dianteiros, podemos encontrar um bom espaço para colocação de objetos. As costas do lugar central traseiro podem ser puxadas, formando um apoio de braços com lugar para dois copos.

Em termos de conectividade e infoentretenimento, a maioria das funcionalidades estão centradas no ecrã central, sensível ao toque, de 7”, colocado no topo do tablier. O MZD Connect – sistema da Mazda de conectividade móvel 
- garante ligação Bluetooth, acesso ao  e-mail, SMS e navegação. O MZD Connect suporta também a reprodução a partir de outros dispositivos conectados, funcionando com 11 línguas em áudio e com 26 em texto.

Já através dos serviços conectados, em opção, desde que ligado a um hotspot WIFI, tal como um telemóvel, é possível aceder-se a novas funcionalidades em tempo real: atualizações de trânsito em direto, incluindo alteração de percurso em função das condições trânsito do momento; acesso a preços atualizados de combustíveis ao longo do percurso escolhido ou numa localidade específica; apresentação das mais recentes previsões meteorológicas para todos os pontos do percurso escolhido e pesquisa de destino na internet através do smartphone.  Destaque também para o sistema de som BOSE Premium surround com 10 altifalantes e processamento digital Centerpoint 2.

Sistemas de Assistência à Condução e Segurança

Neste capítulo destaque para a versão melhorada do Mazda Radar Cruise Control (MRCC) com função Stop &Go e Adaptive LED Headlights (ALH) com um leque de 12 LED.

A tecnologia i-ACTIVSENSE inclui: Lane Keep Assist System (LAS) e Lane Departure Warning System (LDWS), Advanced Blind Spot Monitoring com Rear Cross Traffic Alert (ABSM w/RCTA) e Driver Attention Alert (DAA).

O novo CX-5 dispõe também de ABS nas quarto rodas (4W-ABS) com Repartição Electrónica da Força de Travagem (EBD) e Assistência à Travagem de Emergência (Brake Assist), Controlo Dinâmico de Establidade (Dynamic Stability Control, DSC), Controlo de Tracção (Traction Control System, TCS), Sinalzação de Travagem de Emergência (Emergency Stop Signalling System, ESS) e Controlo de Arranque em Subida (Hill Launch Assist, HLA).

Ao volante

A forma como o CX-5 se move na abordagem em curva, num subtil adorno que quase faz esquecer as suas dimensões e fazer pensar que circularmos com um modelo mais pequeno é muito interessante.

A resposta, se, por exemplo, pisarmos a fundo num arranque parado, faz-se com um certo ‘esforço’ auditivo, não primando pela desenvoltura, com a caixa automática a transferir a potência mediante as suas possibilidades. Mas uma vez embalado, é difícil de o parar. O chassis permite-nos fazer às curvas com total confiança e a tração integral, um regalo, garante-nos que podemos ter sempre ‘chão’ para as necessidades, apoiados numa direção de bom tato e numa suspensão que prima pelo conforto, no asfalto e fora dele – onde mais se evidencia a sua capacidade.

Numa experiência off road, num piso plano mas algo degradado, é possível circular na casa dos 100 km/h com conforto, sem que este saia penalizado. Nota apenas para o surgimento de vibrações no volante e ruídos oriundos da carroçaria a partir dos 50/60 km/h.

Neste processo de condução, o Head Up Display projetado diretamente no vidro é um grande aliado, facilitando-nos em muito a consulta das informações essenciais à condução – encontra-se dividido em duas secções, uma superior e outra inferior. A informação respeitante à condução, incluindo indicações de navegação ou limites de velocidade são apresentadas na secção superior. As informações relacionadas com o veículo, como a velocidade instantânea e o estado dos equipamentos avançados de segurança, são apresentadas na secção inferior.

O painel de instrumentos é também muito completo na informação prestada e conta com um novo ecrã TFT LCD a cores, com 4,6”, surgindo a respetiva informação agrupada, facilitando a sua consulta. O volante conta com vários botões que facilitam ações como a de atender chamadas, regular o rádio ou mesmo selecionar sistemas de assistência à condução sem dele tirarmos as mãos.

Já junto do seletor há dois sticks rotativos: um para aceder às funcionalidades do ecrã de 7”, que se justificaria ser ligeiramente de maiores dimensões, para facilitar a consulta por parte de quem segue ao volante; outro exclusivamente para regular o volume do rádio. Junto destes contamos também com botões para acesso rápido ao menu principal, rádio ou navegação. Os botões para regular o sistema de climatização poderiam também estar colocados numa posição superior, já que obrigam o condutor a tirar os olhos da estrada para a sua regulação. Apesar disto, estes detalhes não mancham em nada o agrado de utilização de todo o conjunto.

Consumos

Interessante perceber que os consumos das versão de tração integral com 175 cv, 7l/100 km, não variam praticamente nada em relação à versão de tração dianteira e 150 cv, em que assinalámos registos médios de 6,9l/100 km.

Motorizações e versões disponíveis

 O único motor disponível é o bloco 2.2 SKYACTIV-D, com potências de 150 cv e 175 cv, ambas disponíveis com caixa automática e manual de 6 relações e tração dianteira. A versão de 175 cv está também disponível com tração integral e transmissão manual ou automática de 6 relações. Os níveis de equipamento disponíveis, que variam mediante a versão, são Essence, Evolve e Excellence. O modelo de entrada – com caixa manual de 6 velocidades, tração dianteira e 150 cv – tem um preço que se cifra nos 33.311€. Nas versões de tração integral, o modelo de entrada – com transmissão manual de 6 velocidades e 175 cv – tem um preço a começar nos 46.431€.

Equipamento Opcional

Neste ponto há vários packs a considerar:

Pack Leather (2270€): bancos em pele,bancos dianteiros eléctricos com memória do banco condutor, apoio lombar eléctrico, bancos dianteiros aquecidos (Pele Beije + €200);

Cruise Pack = € 1080: Mazda Radar Cruise Control SBS ADD-P- Projeção no para-brisas;

TAE (770€): tecto abrir eléctrico;

Pack High Safety (HS) (1745€): sensores estacionamento dianteiros e traseiros, BSM, LED e LED DLR, LED faróis nevoeiro, AFLS, Retrovisores exteriores com rebatimento automático;

Pack i-ACTIVSENSE Pack (875€): ADD a cores (Adaptive driving display), câmera traseira, DAA(Drver attention alert), SCBS-R, TSR*(só com Navi), HBC, LAS;

Concorrentes

Entre os rivais deste Mazda CX-5 2.2 SKYACTIV-D 175 cv AWD que tem um preço inicial que se cifra nos 48.399€, há alguns modelos a considerar, ainda que mais por equivalência que por confronto direto, à luz das características de cada um, que variam, seja em cilindrada ou em potência, algo que também justifica as variações de preços existentes: Alfa Romeo 2.2 Diesel com 180 cv e caixa automática de 8 velocidades por 54.150€; Audi Q3 Sport 2.0 TDI quattro com 184 cv e caixa automática S tronic por 54.296€; Ford Kuga 2.0 TDCI 4X4 com 180 cv e caixa automática de 6 velocidades por 44.919€; Peugeot 3008 SUV GT 2.0 BlueHDI com 180 cv e caixa automática de 6 velocidades por 44.520€; Volkswagen Tiguan 2.0 TDI SCR 4Motion com 190 cv e caixa automática DSG de 7 velocidades por 49.212€.

Balanço Final

A versão com tração integral e 175 cv garante-nos o melhor que o CX-5 tem para oferecer. Ao espaço, conforto e bem estar próprios do modelo, independentemente da versão, somos prendados por um sistema de tração integral que agrada, aliado a uma interessante disponibilidade de potência. No fundo, uma proposta para quem quiser um ‘plus’ nas qualidades que a versão de 150 cv e tração dianteira já oferece.

Mais: Prazer de condução / conforto / insonorização / chassis / suspensão / espaço

Menos: Locais de arrumação as portas / Resposta do motor

 

FICHA TÉCNICA

Motor

Tipo – diesel, 4 cil., injeção direta, turbo de geometria variável, intercooler

Cilindrada (cm3) – 2191

Diâmetro x curso (mm) – 86,0 x 94,3

Taxa de compressão – 14,0:1

Potência máxima (cv/rpm) – 175/4500

Binário máximo (Nm/rpm) – 420/2000

Transmissão, direcção, suspensão e travões

Transmissão e direcção – dianteira, transmissão automática de 6 velocidades; pinhão e cremalheira por assistência elétrica

Suspensão (fr/tr) – McPherson e Multi-link

Travões (fr/tr) – Discos ventilados/Discos

Prestações e consumos

Aceleração 0-100 km/h (s) – 9,5s

Velocidade máxima (km/h) – 206 km/h

Consumos Extra-urb./urbano/misto (l/100 km) – 5,3/6,7/5,8

Emissões de CO2 (g/km) – 152

Dimensões e pesos 

Comp./largura/altura (mm) –  4550/1840/1680

Distância entre eixos (mm) – 2700

Largura de vias (fr/tr) (mm) – ND/ND

Peso (kg) – 1535

Capacidade da bagageira (l) – 506

Capacidade do depósito (l) – 58

Pneus (fr/tr) – 225/65 R17 ou 225/55 R19

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!