Mercedes-Benz Classe A 200d – Ensaio

By on 6 Março, 2018

Mercedes-Benz Classe A 200d (linha de equipamento AMG)

Texto: Filipe Pinto Mesquita

 Última chamada para o Classe A (W176)!

Com o novo Classe A a chegar apenas em maio, a atual versão tem ainda um pequeno “sprint” pela frente rumo ao sucesso. A oferta da linha de equipamento AMG é agora um chamariz ainda mais apetecível e assenta que nem uma luva na versão 200d, que pode não ser a mais em conta, mas é a mais equilibrada da gama.

 A história da terceira geração do Classe A reverteu-se num estrondoso sucesso, desde o seu lançamento, em 2012, com a Mercedes-Benz a conquistar adeptos de um segmento onde não tinha expressão (devido à aproximação do preço aos produtos das marcas generalistas) e a diminuir drasticamente a idade média do comprador da marca, com largos benefícios, também aí, no refresco da imagem. Claro, que não foi com a versão 200d, que hoje levamos para a estrada, mas sim com a mais popular e mais económica 180d, que senão escapou a muitas críticas de ter montado o motor da Aliança Renault/Nissan, também permitiu “democratizar” mais o Classe A. Equipada com o motor Mercedes-Benz, a versão 200d é, todavia, bastante mais apelativa, em matéria dinâmica, oferecendo outras capacidades e colocando o Classe A na linha de um automóvel de qualidade superior e capaz de apelar aos verdadeiros amantes da marca. Tudo tem, claro, um preço e neste caso, não é barato, mas… já lá vamos.

Nota: Fotografias são da versão 250d, que apenas difere da ensaiada em termos de motorização.


Mais:

Dinâmica apurada/Motor/Caixa 7G-Tronic

 

Menos:

Preço/Modelo em “fim de linha”

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Exteriormente o Classe A sempre demonstrou proporções equilibradas e equipado com a linha AMG, o seu carácter desportivo sobressai, parecendo também mais nobre. As saídas de escape duplas e as jantes de liga-leve multiraios de 18’’ sublinham a atitude, mas a suspensão desportiva rebaixada, os travões dianteiros perfurados e a grelha dianteira Diamond fazem destacar ainda mais a raça do design exterior, que podem contar com óticas dianteiras com a tecnologia LED.

No conjunto, pode-se dizer que, visto de fora, o Classe A continua agradável à vista e que, apesar do novo Classe A apresentar, naturalmente, linhas mais estilizadas e modernas, a versão que agora respira o último fôlego teria ainda carisma para se manter à tona por mais algum tempo por força do seu bem-nascido desenho, quase intemporal.

Interior

No habitáculo, a empatia volta a marcar lugar, com a imagem interior a estar em consonância com a exterior. Também por dentro não falta personalidade ao A 200d, sobretudo, nesta configuração AMG com personalidade mais desportiva, desde logo pelo desenho e combinação de cores (preto e vermelho) dos estofos e com os interiores em look de carbono.

O principal “pecado” do Classe A dentro do habitáculo continua a superfície vidrada estreita, mas a verdade é que isso acaba por não afetar em demasia a visibilidade do condutor e passageiro, não sendo, contudo, tão benevolente para os passageiros traseiros. Também o “tablet” de 7’’ que serve de suporte ao sistema multimédia (gerido pelo eficiente COMAND Online) denota a passagem dos anos, mas, de resto, é difícil encontrar muitos mais apontamentos negativos nesta edição do Classe A.

Por exemplo, a adoção do sistema “Dynamic Select”, com os modos de condução diferenciados “’Comfort’, ‘Sport’, ‘Individual’ e ‘Eco’, sem ser uma novidade no segmento, acaba por ser bastante útil para adequar o carro às necessidades do utilizador e isso é feito com o simples toque num botão da consola central. Por outro lado, o espaço interior, tanto nos lugares dianteiros, como atrás, está dentro das quotas de habitabilidade esperadas para um veículo deste segmento, tal como a capacidade da bagageira que não desilude quer escolhe um compacto de cinco portas para seu habitual automóvel: 341 litros (e 1157 litros com os bancos traseiros rebatidos) servem perfeitamente para encaixar os sacos do supermercado das compras do mês ou uma ou duas malas desde que, claro, o objetivo não seja ir para dar a volta ao mundo!

Equipamento

A lista de equipamento que o A 200d AMG traz de série é bastante completa, mas alguns elementos como o Garmin MAP Pilot (GPS), câmara de marcha-atrás ou o sistema de estacionamento ativo (só para falar de alguns) contribuem para a imagem de que muitos das soluções apresentadas nos veículos das marcas Premium têm mesmo que ser pagas à parte.

Todavia, no essencial, nada falta a este A 200d, tanto em termos de segurança ativa como passiva, com destaque para o assistente de luzes com sensor de luminosidade, faróis de halogénio com luzes de condução diurnas integradas, retrovisores exteriores aquecidos e regulados eletronicamente, sete airbags (condutor e passageiro, windowbags, sidebags e de joelhos), sistema Attention Assist (alerta de cansaço do condutor), Brake Assist (reconhecimento de travagens de emergência e otimização da travagem), Collision Prevent Assist (alerta de colisão), travagem adaptativa (com função hold, secagem de travões e assistente de subidas), ASR (controlo de tração), ESP (programa de controlo de estabilidade), ABS (sistema de travagem anti-bloqueio), luzes de travão adaptativas, luzes de emergência em caso de acidente, sistema de monotorização de pressão dos pneus, sistema ISOFIX e TopTether e o habitual kit de primeiros socorros.

As soluções de conforto também marcam presença em grande número: sistema Keyless-Go start, apoio de braços dianteiro com compartimento porta-objetos, apoios de cabeça traseiros ajustáveis em altura, coluna de direção com regulação manual, altura e profundidade, volante em pele de três braços, multifunções, com 12 botões e ar condicionado manual. A telemática está em “força” também, contribuem igualmente para a maior versatilidade deste modelo. Pode contar com o Radio Audio 20 CD com duplo sintonizador se seis colunas, o display de 7’’, compatível com MP3/WMA/AAC/WAV com leitor de CD’s, duas portas USB, uma porta SD e o interface Bluetooth® (com possibilidade de integração de iPod® ou iPhone®).

Consumos

O facto de motor dispor de tecnologia capaz de permitir uma “condução à vela” (desligando-se quando o condutor não pisa o acelerador ou os travões), fazendo com que o veículo mantenha a sua velocidade rodando por inércia (por exemplo, nas descidas) contribui largamente para que os consumos deste Classe A sejam uma agradável surpresa. Se a média anunciada oficialmente se fica por uns inverosímeis 3.8 l/100 km, a realidade anuncia 5.7 l/100 km em condução despreocupada, valores que não se elevam exageradamente se o “pé” for mesmo “pesado”. Neste caso, pode esperar valores de 7.0 l/100 km, mas para isso terá que estar disposto a extrair tudo do “coração” deste Classe A.

Ao volante

O motor 2.1 litros turbodiesel, capaz de colocar debaixo do pé direito 136 cv e 300 Nm de binário, despertos muito cedo (logo às 1400 rpm), é o passaporte para a diversão em que este Classe A 200d nada se ensaia para presentear o seu condutor, que pode usufruir de uma excelente posição de condução. Com o programa Dynamic Select selecionado no modo “Sport”, as sensações sobem ainda mais de intensidade (maior reatividade do acelerador, direção mais direta e passagens de caixa mais rápidas), com a caixa automática 7G-Tronic, com patilhas no volante de desempenho rápido e funcional, a oferecer total compromisso com a estrada e proporcionar sensações ainda mais fortes, ao mesmo tempo que elevam o espírito desportivo deste Classe A.

A firmeza da suspensão (que neutraliza as oscilações exageradas da carroçaria em curva) é, aliás um aliado preciso na estabilidade, para obter um comportamento bastante neutro e seguro, mas com aquela pontinha de “desportividade”, que o chassis do Classe A tem para oferecer, mesmo numa versão que está longe de ser verdadeiramente desportiva! O que este A 200d, com a linha AMG, faz é proporcionar muito maior “feeling” de condução que o seu irmão 180d, ainda que, prejudicando, de algum modo, o conforto que, mesmo no modo “Comfort” e “Eco”, fica longe do arquétipo perfeito.

Concorrentes

Alfa Romeo Giulietta 2.0 JTDM-2 Super (2.0 litros, 150 Cv, 210 km/h, 8.8 s 0-100km/h, 4.0 l/100 km, 105 g/km, 32.950 €)

Audi A3 Sportback 2.0 TDI (2.0 litros, 150 Cv, 218 km/h, 8.6s 0-100km/h, 4.2 l/100 km, 109 g/km, 37.670 €)

BMW Série 1 118d  (2.0 litros, 150 Cv, 212 km/h, 8.3s 0-100km/h, 4.1 l/100 km, 104 g/km, 36.539 €)

DS4 2.0 BlueHDI 180 EAT6 Sport Chic  (2.0 litros, 180 Cv, 205 km/h, 8.6 s 0-100km/h, 4.4 l/100 km, 115 g/km, 39.623 €)

Ford Focus 5P 2.0 TDCi 150 Titanium (2.0 litros, 150 Cv, 210 km/h, 8.8 s 0-100km/h, 4.0 l/100 km, 105 g/km, 32.786 €)

Hyundai i30 1.6 CRDi Style (1.6 litros, 136 Cv, 200 km/h, 10.2 s 0-100km/h, 3.9 l/100 km, 102 g/km, 28.500 €)

Kia CEED 1.6 CRDi ISG GT Line (1.6 litros, 136 Cv, 200 km/h, 10.6 s 0-100km/h, 3.9 l/100 km, 102 g/km, 29.137 €)

Lexus CT 200h Business (1.8 litros, 136 Cv, 180 km/h, 10.3 s 0-100km/h, 3.6 l/100 km, 180 g/km, 30.120 €)

Opel Astra 1-6 CDTI 136 Innovation (1.6 litros, 136 Cv, 205 km/h, 9.6 s 0-100km/h, 3.9 l/100 km, 99 g/km, 30.160 €)

Peugeot 308 2.0 BlueHDI 150 cv GT Line CVM6 (2.0 litros, 150 Cv, 218 km/h, 8.6 s 0-100km/h, 3.9 l/100 km, 102 g/km, 38.210 €)

Renault Mégane 1.6 dCi Energy Bose Edition (1.6 litros, 130 Cv, 198 km/h, 10.0 s 0-100km/h, 4.0 l/100 km, 103 g/km, 31.560 €)

SEAT Leon 2.0 TDI FR (2.0 litros, 150 Cv, 215 km/h, 8.3 s 0-100km/h, 4.64l/100 km, 112 g/km, 34.851 €)

Volkswagen Golf 2.0 TDI 150cv Confortline (2.0 litros, 150 Cv, 216 km/h, 8.6 s 0-100km/h, 4.2 l/100 km, 109 g/km, 36.872 €)

Volvo V40 D3 Momentum (2.0 litros, 150 Cv, 210 km/h, 8.4 s 0-100km/h, 3.8 l/100 km, 101 g/km, 33.453 €)

Balanço final

Sem precisar de carta de apresentação e com os números de venda a falaram por si, o “bestseller” da Mercedes-Benz não perde compostura e apresenta-se à última chamada ainda cheio de energia. Equipado com a linha AMG, que até ao final de fevereiro é um bónus sem custos adicionais, a versão 200d é uma das mais apetecíveis pelo equilíbrio dinâmico que proporciona e pelo nível de equipamento oferecido, sem esquecer o estatuto superior que já apresenta face às versões de entrada de gama. O preço é que não é tão simpático, mas, quem disse que transportar uma estrela na grelha era barato?

Ficha técnica

Motor

Tipo: quatro cilindros em linha, injeção direta, turbo

Cilindrada (cm3): 2143

Diâmetro x curso (mm): 83 x 99

Taxa de Compressão: 16,2:1

Potência máxima (cv): 136/4000

Binário máximo (Nm/rpm): 300/1400-3000

 Transmissão, direção, suspensão e travões

Transmissão e direção: Dianteira, com caixa automática 7 G-Tronic; direção de pinhão e cremalheira, eletricamente assistida

Suspensão (fr/tr): McPherson Independente/Multilink

Travões (fr/tr): DV/D

 Prestações e Consumos

Aceleração: 0-100 km/h (s): 8,8

Velocidade máxima (km/h): 210

Consumos urbano/extra-urb./misto (l/100 km): 4,6/3,4/3,8

Emissões de CO2 (g/km): 99

Dimensões e pesos

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4299/1780/1433

Distância entre eixos (mm): 2699

Largura das vias (fr/tr) (mm): 1553/1552

Peso (kg): 1485

Capacidade da bagageira (l): 351 (1157 com segunda fila de bancos rebatida)

Depósito de combustível (l): 50

Pneus (fr/tr): 205/55 R16

 

Preço da versão ensaiada (Euros): 43885€
Preço da versão base (Euros): 37783€

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!