Mercedes-Benz GLA 200d – Ensaio Teste

By on 11 Outubro, 2020

Mercedes-Benz GLA 200d

Texto: Guilherme André

Mais musculado e tecnológico

Desde o lançamento em 2014, o Mercedes-Benz GLA já conta com mais de um milhão de unidades vendidas. Agora, chega a segunda geração, onde o GLA assume uma postura mais SUV e menos crossover. Tem argumentos suficientes para estar à altura dos rivais alemães?


Mais:

Design, espaço do habitáculo, tecnologia.

Menos:

Preço de alguns opcionais.

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Exterior (8/10) No exterior, o GLA está mais crescido e moderno. Na dianteira, a grelha lembra-nos que estamos perante um dos SUV da marca de Estugarda, ladeada pela nova assinatura de luz rasgada em LED. Por outro lado, o pilar traseiro do GLA tem uma descida mais gradual, garantindo um visual dinâmico, quando comparado com o “irmão” GLB, o mais familiar dos SUV compactos da Mercedes-Benz. Tudo isto é complementado por mais dez centímetros de altura, sendo igualmente três centímetros mais largo face ao antecessor, reforçando o carácter mais SUV e, ao mesmo tempo, melhorando o espaço do habitáculo.

Interior

Interior (9/10) Uma das boas surpresas deste novo GLA é o espaço no interior e um dos pontos que mais mudou é a posição de condução. De facto, o condutor senta-se agora numa posição 14 cm mais elevada face à primeira geração do GLA, o que ajuda a ter uma melhor visibilidade para a estrada, um dado pelo qual as pessoas preferem os SUV. Já na segunda fila, os bancos foram chegados mais para trás, o que ajudou a ganhar 11,5 cm de espaço para pernas. Ao abrir o portão da bagageira temos à disposição 435 litros de volume, valor esse que pode aumentar com o deslizar dos bancos traseiros, um dos opcionais que fazem parte desta unidade (367€). Já na tecnologia, de destacar o cada vez mais comum sistema de infotainment MBUX que coloca dois ecrãs digitais lado a lado. O painel de instrumentos tem várias possibilidades de personalização e o controlo pode ser feito pelo touchpad na consola central, toque no ecrã, através do volante ou por voz que responde ao chamamento “Olá Mercedes”.

Equipamento

Equipamento (7/10) O Mercedes-Benz GLA 200d tem de série vários equipamentos como é o caso de assistente ativo de faixa de rodagem, active brake assist, sensores de chuva, cruise control ou sistema de multimédia MBUX. Contudo, a unidade em ensaio está equipada com alguns opcionais que aumentam o preço para os 60 326€. Falamos do teto de abrir panorâmico (1179€), Pack Night (163€), Linha AMG que acrescenta ar condicionado automático, faróis LED High Performance e portão traseiro elétrico (4025€) ou do Pack Premium (3211€). Sem esquecer a realidade aumentada MBUX para sistema de navegação (407€) e a pintura metalizada preto Cosmos (650€).

Consumos

Consumos (9/10) No que diz respeito a consumos, o motor 2.0 litros demonstra que é uma motorização pouco gastadora. Passando para números, percebemos que a marca alemã anuncia valores entre os 4,6 e os 4,8 l/100km. Durante o ensaio conseguimos um consumo médio entre os 5,9 e 6,1 l/100 km, num trajeto misto. Quando chega a altura de espremer todos os 150 cavalos do SUV alemão os consumos sobem para valores superiores a 7 l/100km. Ainda assim, não deixam de ser valores interessantes tendo em conta a potência disponível e as dimensões do SUV.

Ao volante

Ao volante (8/10) Ao volante também sentimos uma clara evolução face ao antecessor. Se por um lado a posição de condução dá uma maior sensação de SUV e menos crossover, por outro não deixou de ser um carro equilibrado. A Mercedes conseguiu encontrar um bom compromisso entre conforto e dinamismo, auxiliado por uma direção precisa. Quando selecionamos o modo Sport, percebemos que o chassis tem uma boa afinação e, por isso, conseguimos ter uma considerável estabilidade em curva. Neste modo, a resposta ao acelerador fica mais rápida e a direção mais firme, uma característica visível nos restantes SUV da gama.

Concorrentes

BMW X1 sDrive18d; quatro cilindros 2.0 litros; 150 cavalos; 205 km/h de velocidade máxima; preço começa nos 48 060€.

Audi Q3 35 TDI S Tronic; quatro cilindros 2.0 litros; 150 cavalos; 207 km/h de velocidade máxima; preço começa nos 49 328€.

Motor

Motor (8/10) Sendo esta a versão 200 d, o GLA está equipado com o motor quatro cilindros 2.0 litros de 150 cavalos e 320 Nm de binário, associado à caixa automática de oito velocidades. Com estes valores, é possível acelerar dos 0 aos 100 km/h em 8,6 segundos e atingir uma velocidade máxima de 208 km/h. A resposta ao acelerador é pronta e a mudança de relação de caixa é suave, uma clara demonstração de que as transmissões automáticas são cada vez mais uma boa escolha para quem anda todos os dias no para-arranca da cidade.

Balanço final

Balanço Final (8/10) Esta segunda geração do Mercedes GLA está mais apelativa. Mais SUV do que anteriormente, fornece aos passageiros um maior espaço, conforto e versatilidade. De um modo geral, o SUV mais pequeno da marca, está pronto para fazer frente aos rivais alemães Audi Q3 ou BMW X1.

Ficha técnica

Motor Tipo: 4 cilindros em linha, injeção direta, turbo, Diesel; Cilindrada (cm3): 1950; Diâmetro x Curso (mm): 82 x 92,3; Taxa de Compressão: 15,5:1; Potência máxima (CV/rpm): 150/3400-4400; Binário máximo (Nm/rpm): 320/1400-3200; Transmissão: automática de 8 velocidades; Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente; Suspensão (ft/tr): independente tipo McPherson/independente; Travões (fr/tr): discos ventilados perfurados/discos ventilados Prestações e consumos Aceleração 0-100 km/h (s): 8,6; Velocidade máxima (km/h): 208; Consumos misto (l/100 km): 4,6-4,8; Emissões CO2 (gr/km): 121-126 Dimensões e pesos Comprimento/Largura/Altura (mm): 4410/1834/1611; Distância entre eixos (mm): 2729; Largura de vias (fr/tr mm): 1605/1606; Peso (kg): 1615; Capacidade da bagageira (l): 425; Deposito de combustível (l): 43; Pneus (fr/tr): 215/65 R17

Preço da versão ensaiada (Euros): 60326€
Preço da versão base (Euros): 47600€