Nissan Juke Enigma – Ensaio Teste

By on 8 Março, 2022

O verdadeiro enigma

A forma como a Nissan conseguiu transformar um modelo que nem sempre cativava os primeiros olhares, em algo com um visual muito mais moderno e apelativo, que até inclui uma imagem mais desportiva e original, é mesmo um verdadeiro enigma. A primeira geração do Nissan Juke tinha opiniões bastante divididas, que variavam entre o “detesto” e o “adoro”. No entanto, com a renovação deste modelo, a marca nipónica conseguiu um resultado final com uma imagem que se integra muito melhor com os restantes elementos da família e que até inclui um desenho mais sofisticado e tecnológico.

Texto: André Mendes


Mais:

– Motor
– Equipamento
– Espaço

Menos:

– Conforto com jantes de 19 polegadas

Exterior

6/10

Mantendo um formato bastante semelhante ao do seu antecessor e ao qual ainda chamam crossover, a mais recente geração do Nissan Juke está visualmente mais interessante, com traços mais vincados, uma grelha dianteira mais agressiva e grupos óticos de desenho mais arrojado, mas também mais consensuais. E com esta versão Enigma, este mesmo visual chega agora a patamares mais distintos, que são acompanhados de uma original pintura de duas cores e de jantes escuras de 19 polegadas, que contrastam com o Storm White escolhido para a carroçaria. Além disso, nesta versão Enigma, tanto as capas dos espelhos como algumas zonas da carroçaria, incluem um padrão exclusivo, que ainda lhe confere uma imagem mais distinta.

Interior

5/10

Uma das maiores diferenças do Nissan Juke face ao seu antecessor está relacionada com o espaço disponível a bordo, especialmente nos lugares traseiros. Com o novo modelo, não só há mais espaço, como o ambiente não tem uma imagem tão claustrofóbica. E nos lugares da frente, o espaço também é razoável, mas a posição de condução melhorou e os assentos de visual mais desportivo que fazem parte desta versão, oferecem um bom apoio lateral e deixa-nos bastante encaixados ao volante do Juke.

Na bagageira, a volumetria ascende aos 422 litros de capacidade, sendo que por baixo do piso, há um compartimento bastante útil para objetos de menores dimensões ou para coisas mais simples como um chapéu de chuva, um casaco ou toalhas de praia.

Equipamento

6/10

Com a versão Enigma, o maior destaque é o novo sistema de infotainment com a possibilidade de utilização da Alexa, da Amazon. Mas o que gostámos mesmo foi de utilizar os sistemas Apple CarPlay e Android Auto, ainda que numa versão em que é necessário ter o cabo ligado. Apesar disso, e por se tratar de uma opção no topo da oferta, o Juke inclui elementos como a chave que pode ficar sempre no bolso, o ar condicionado automático ou o cruise-control. E depois há ainda os que nos ajudam a sobreviver nos trajetos mais complicados, como a camara traseira de ajuda ao estacionamento, acompanhado dos sensores traseiros e dianteiros. Nos tempos que correm, a instrumentação com ponteiros analógicos já parece algo bastante antiquada, mas no Juke, o centro desta é um monitor de tamanho generoso que reúne um conjunto de informações relacionadas com o computador de bordo ou com os sistemas de assistência à condução.

Consumos

6/10

O motor de um litro com 114 cavalos de potência é a única escolha disponível para o Nissan Juke, pelo menos, para já. Nos dias em que andámos ao volante deste modelo, os trajetos foram essencialmente citadinos, com uma baixa percentagem de estrada e por vezes com mais trânsito do que poderíamos desejar. Mas mesmo assim, no momento em que voltámos a estacionar o Juke na garagem da Nissan, a média indicada pelo computador de bordo andava pelos 6,7 litros. Mas tal como acontece em todos os Nissan, a primeira informação que surge na instrumentação assim que desligamos o carro, é a média de consumo efetuada e o valor mais baixo já registado, com o objetivo de nos incentivar a fazer melhor. E o recorde que estava registado neste Juke, era bem melhor.

Ao Volante

6/10

A primeira impressão ao volante do Nissan Juke é que ficamos mesmo muito envolvidos no assento, quase como se fossemos descobrir o motor do GT-R na frente deste Juke. Mas não, este tem apenas metade dos cilindros e muito menos potência. Ainda assim, os 114 cavalos parecem ser mais e sempre que passamos de caixa depois de termos deixado o ponteiro do conta-rotações subir de uma forma mais enérgica, até somos presenteados com uma pequena descarga de ar vinda lá da frente.

O que fica excelente em termos estéticos, mas não no capítulo dinâmico são as jantes de 19 polegadas com pneus de perfil 45. É que a suspensão do Juke não foi pensada para jantes tão grandes e tem alguma dificuldade em suavizar irregularidades como lomba ou outras surpresas que podemos ir apanhando pelo caminho. Em contrapartida, a maior dimensão dos pneus faz com que o Juke tenha um bom desempenho em curva, explorando o motor de um litro da melhor forma possível.

Motor

6/10

Com o novo Nissan Juke, há apenas uma opção de motorização, o bloco de um litro, com três cilindros em linha e 114 cavalos de potência. Se ninguém nos disser nada antes de o começarmos a conduzir, a primeira aposta não vai para um bloco de três cilindros tão compacto, até porque este parece bastante enérgico e cheio de vontade de progredir em termos de regime. Os 114 cavalos de potência revelaram-se mais do que suficientes para manter um bom ritmo ao Juke, seja no meio da cidade ou mesmo numa pequena estrada mais sinuosa, ainda que o visual oferecido pelas jantes de 19 polegadas não seja suficiente para lhe poder chamar um desportivo. Para isso, ainda faltavam mais coisas.

Balanço Final

6/10

O desenho da nova geração do Nissan Juke abre a porta a novos clientes, que continuam a desejar um crossover de desenho mais original, mas que não querem abdicar de argumentos como um espaço razoável a bordo e um bom nível de equipamento. Com a versão Enigma, esta gama fica mais enriquecida, ainda que a Nissan tenha o dom de ter sempre disponíveis opções mais originais no topo da sua gama. O motor de apenas um litro é a única opção disponível, mas revelou ser mais do que suficiente para equipar o Juke. No entanto, para todos aqueles que estão mais desejosos de uma solução eletrificada nesta gama, ela acaba de ser apresentada há apenas uns dias e parece-nos ter um enorme potencial para o nosso mercado.

Concorrentes

Citroën C3 Aircross 1.2 Puretech C-Series – Motor: três cilindros, 1.2 litros, turbo; potência: 110 cavalos; consumo médio: 5,9 l/100km; preço: 19.527 €

Ford Puma 1.0 EcoBoost Hybrid – Motor: três cilindros, 1.0 litros, turbo; potência: 125 cavalos; consumo médio: 4,3 l/100km; preço base: 25.221 €

Ficha Técnica

Motor
Tipo: 3 cilindros em linha, injeção direta, gasolina, turbo
Cilindrada (cm3): 999
Potência máxima (CV/rpm): 114/5000
Binário máximo (Nm/rpm): 200/1750-3750
Tração: Dianteira
Transmissão: Manual de seis velocidades
Direção: Pinhão e cremalheira, assistida eletricamente
Suspensão (ft/tr): Independente, tipo McPherson/Eixo de torção
Travões (fr/tr): discos ventilados / discos ventilados

Prestações e consumos
Aceleração 0-100 km/h (s): 10,7
Velocidade máxima (km/h): 180
Consumos misto (l/100 km): 6,1
Emissões CO2 (gr/km): 136

Dimensões e pesos
Comprimento/Largura/Altura (mm): 4.210/1.827/1.595
Distância entre eixos (mm): 2.636
Largura de vias (fr/tr mm): 1.560/1.560
Peso (kg): 1.200
Capacidade da bagageira (l): 422
Depósito de combustível (l): 46
Pneus (fr/tr): 225/45 R19 96W

Preço da versão ensaiada (Euros): 23.820 €
Preço da versão base (Euros): 19.750 €

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Mantendo um formato bastante semelhante ao do seu antecessor e ao qual ainda chamam crossover, a mais recente geração do Nissan Juke está visualmente mais interessante, com traços mais vincados, uma grelha dianteira mais agressiva e grupos óticos de desenho mais arrojado, mas também mais consensuais. E com esta versão Enigma, este mesmo visual chega agora a patamares mais distintos, que são acompanhados de uma original pintura de duas cores e de jantes escuras de 19 polegadas, que contrastam com o Storm White escolhido para a carroçaria. Além disso, nesta versão Enigma, tanto as capas dos espelhos como algumas zonas da carroçaria, incluem um padrão exclusivo, que ainda lhe confere uma imagem mais distinta.

Interior

Uma das maiores diferenças do Nissan Juke face ao seu antecessor está relacionada com o espaço disponível a bordo, especialmente nos lugares traseiros. Com o novo modelo, não só há mais espaço, como o ambiente não tem uma imagem tão claustrofóbica. E nos lugares da frente, o espaço também é razoável, mas a posição de condução melhorou e os assentos de visual mais desportivo que fazem parte desta versão, oferecem um bom apoio lateral e deixa-nos bastante encaixados ao volante do Juke.

Na bagageira, a volumetria ascende aos 422 litros de capacidade, sendo que por baixo do piso, há um compartimento bastante útil para objetos de menores dimensões ou para coisas mais simples como um chapéu de chuva, um casaco ou toalhas de praia.

Equipamento

Com a versão Enigma, o maior destaque é o novo sistema de infotainment com a possibilidade de utilização da Alexa, da Amazon. Mas o que gostámos mesmo foi de utilizar os sistemas Apple CarPlay e Android Auto, ainda que numa versão em que é necessário ter o cabo ligado. Apesar disso, e por se tratar de uma opção no topo da oferta, o Juke inclui elementos como a chave que pode ficar sempre no bolso, o ar condicionado automático ou o cruise-control. E depois há ainda os que nos ajudam a sobreviver nos trajetos mais complicados, como a camara traseira de ajuda ao estacionamento, acompanhado dos sensores traseiros e dianteiros. Nos tempos que correm, a instrumentação com ponteiros analógicos já parece algo bastante antiquada, mas no Juke, o centro desta é um monitor de tamanho generoso que reúne um conjunto de informações relacionadas com o computador de bordo ou com os sistemas de assistência à condução.

Consumos

O motor de um litro com 114 cavalos de potência é a única escolha disponível para o Nissan Juke, pelo menos, para já. Nos dias em que andámos ao volante deste modelo, os trajetos foram essencialmente citadinos, com uma baixa percentagem de estrada e por vezes com mais trânsito do que poderíamos desejar. Mas mesmo assim, no momento em que voltámos a estacionar o Juke na garagem da Nissan, a média indicada pelo computador de bordo andava pelos 6,7 litros. Mas tal como acontece em todos os Nissan, a primeira informação que surge na instrumentação assim que desligamos o carro, é a média de consumo efetuada e o valor mais baixo já registado, com o objetivo de nos incentivar a fazer melhor. E o recorde que estava registado neste Juke, era bem melhor.

Ao volante

A primeira impressão ao volante do Nissan Juke é que ficamos mesmo muito envolvidos no assento, quase como se fossemos descobrir o motor do GT-R na frente deste Juke. Mas não, este tem apenas metade dos cilindros e muito menos potência. Ainda assim, os 114 cavalos parecem ser mais e sempre que passamos de caixa depois de termos deixado o ponteiro do conta-rotações subir de uma forma mais enérgica, até somos presenteados com uma pequena descarga de ar vinda lá da frente.

O que fica excelente em termos estéticos, mas não no capítulo dinâmico são as jantes de 19 polegadas com pneus de perfil 45. É que a suspensão do Juke não foi pensada para jantes tão grandes e tem alguma dificuldade em suavizar irregularidades como lomba ou outras surpresas que podemos ir apanhando pelo caminho. Em contrapartida, a maior dimensão dos pneus faz com que o Juke tenha um bom desempenho em curva, explorando o motor de um litro da melhor forma possível.

Concorrentes

Citroën C3 Aircross 1.2 Puretech C-Series – Motor: três cilindros, 1.2 litros, turbo; potência: 110 cavalos; consumo médio: 5,9 l/100km; preço: 19.527 €

Ford Puma 1.0 EcoBoost Hybrid – Motor: três cilindros, 1.0 litros, turbo; potência: 125 cavalos; consumo médio: 4,3 l/100km; preço base: 25.221 €

Motor

Com o novo Nissan Juke, há apenas uma opção de motorização, o bloco de um litro, com três cilindros em linha e 114 cavalos de potência. Se ninguém nos disser nada antes de o começarmos a conduzir, a primeira aposta não vai para um bloco de três cilindros tão compacto, até porque este parece bastante enérgico e cheio de vontade de progredir em termos de regime. Os 114 cavalos de potência revelaram-se mais do que suficientes para manter um bom ritmo ao Juke, seja no meio da cidade ou mesmo numa pequena estrada mais sinuosa, ainda que o visual oferecido pelas jantes de 19 polegadas não seja suficiente para lhe poder chamar um desportivo. Para isso, ainda faltavam mais coisas.

Balanço final

O desenho da nova geração do Nissan Juke abre a porta a novos clientes, que continuam a desejar um crossover de desenho mais original, mas que não querem abdicar de argumentos como um espaço razoável a bordo e um bom nível de equipamento. Com a versão Enigma, esta gama fica mais enriquecida, ainda que a Nissan tenha o dom de ter sempre disponíveis opções mais originais no topo da sua gama. O motor de apenas um litro é a única opção disponível, mas revelou ser mais do que suficiente para equipar o Juke. No entanto, para todos aqueles que estão mais desejosos de uma solução eletrificada nesta gama, ela acaba de ser apresentada há apenas uns dias e parece-nos ter um enorme potencial para o nosso mercado.

Ficha técnica

Motor
Tipo: 3 cilindros em linha, injeção direta, gasolina, turbo
Cilindrada (cm3): 999
Potência máxima (CV/rpm): 114/5000
Binário máximo (Nm/rpm): 200/1750-3750
Tração: Dianteira
Transmissão: Manual de seis velocidades
Direção: Pinhão e cremalheira, assistida eletricamente
Suspensão (ft/tr): Independente, tipo McPherson/Eixo de torção
Travões (fr/tr): discos ventilados / discos ventilados

Prestações e consumos
Aceleração 0-100 km/h (s): 10,7
Velocidade máxima (km/h): 180
Consumos misto (l/100 km): 6,1
Emissões CO2 (gr/km): 136

Dimensões e pesos
Comprimento/Largura/Altura (mm): 4.210/1.827/1.595
Distância entre eixos (mm): 2.636
Largura de vias (fr/tr mm): 1.560/1.560
Peso (kg): 1.200
Capacidade da bagageira (l): 422
Depósito de combustível (l): 46
Pneus (fr/tr): 225/45 R19 96W

Preço da versão ensaiada (Euros): 23.820 €
Preço da versão base (Euros): 19.750 €

Preço da versão ensaiada (Euros): 23.820€
Preço da versão base (Euros): 19.750€