Peugeot 508 SW PSE – Ensaio Teste

By on 17 Junho, 2021

Peugeot 508 SW PSE – Ensaio Teste

Texto: Guilherme André

O primeiro capítulo da “neo-performance” da Peugeot

A Peugeot decidiu “abraçar” a eletrificação aliada à performance com um novo começo. De facto, a marca gaulesa do agora Grupo Stellantis abandonou a mítica sigla GTI para começar uma nova história com o nome Peugeot Sport Egineered, também conhecida por PSE. Para tal, dedicaram começar “por cima” ao escolherem o modelo 508, o topo de gama da marca, como o primeiro capítulo da “neo-performance” da Peugeot, neste caso com uma motorização híbrida plug-in, que torna o 508 PSE no Peugeot mais potente de sempre.


Mais:

Imagem exterior; potência

Menos:

resposta da transmissão em condução desportiva

Exterior

9/10

Exterior (9/10) Começando pelo exterior, mantém as belas linhas já reconhecidas do 508, mas com um toque mais “picante”. A nova variante 508 PSE, que testámos na carroçaria mais familiar, SW, destaca-se, desde logo, por um carácter mais agressivo graças à inclusão de apêndices aerodinâmicos nas laterais inferiores dos para-choques e saias laterais. De referir que a sigla PSE é caracterizada pelas três “garras” na cor “Kryptonite”, detalhe esse que podemos encontrar em vários locais da carroçaria como é o caso das laterais, dianteira e tampa da mala. Esta mesma cor encontra-se em outros componentes da carroçaria, nomeadamente nas entradas de ar dianteiras ou pinças de travão. Isto é acompanhado por jantes de 20 polegadas com pneus Michelin Pilot Sport 4S, vias alargadas e uma nova afinação de suspensão que aproxima o modelo ao solo quando comparado com as versões GT.

Interior

8/10

Interior (8/10) O interior mantém a irreverência do exterior ao apresentar-se com um design moderno e já conhecido das restantes variantes do 508, contudo, com características exclusivas desta variante PSE. Assim, ao abrir da porta, somos presenteados por um volante tipicamente Peugeot, ou seja, recortado e com dimensões compactas e posicionado numa zona mais baixa e conta com as três garras em verde fluorescente. Atrás do mesmo, encontramos o painel de instrumentos digital (i-Cockpit) que é um dos mais completos do mercado ao incorporar de série, inclusive, uma câmara de visão noturna que emite avisos visuais e sonoros quando deteta pessoas ou animais nas imediações da estrada.

A cor que caracteriza a versão é ainda encontrada nas costuras de praticamente todos os componentes revestidos em couro ou alcantara. Falamos do tablier, portas, consola central ou bancos. Por falar em bancos, tanto os passageiros da primeira fila como da segunda contam com espaço avantajado para pernas, favorecendo assim o conforto em viagem. Ainda assim, atrás o espaço para cabeça é algo curto para pessoas com estatura mais elevada, muito por culpa da carroçaria SW mais dinâmica com a linha de tejadilho baixa. Já a bagageira chega aos 530 litros nesta carroçaria de cariz mais familiar.

Equipamento

9/10

Equipamento (9/10) A marca francesa decidiu dar a esta variante Peugeot 508 PSE um equipamento de série abundante. Deste modo, é possível encontrar coisas como a já referida visão noturna, cruise control adaptativo, aviso de transposição de faixa, travagem de emergência ou head-up display. Curiosamente, os únicos opcionais são mesmo as cores exteriores. para além do Cinzento Sellenium de série, os clientes podem optar pelo Preto Perla Nera (590€) ou Branco Nacré (790€).

Consumos

/10

Consumos (8/10) Relativamente a consumos, é possível realizar uma média de 3.3 litros nos primeiros 100 km, porém, quando a bateria acaba e se recorre maioritariamente ao motor a combustão, os consumos sobem para perto dos 8 l/100 km.

Ao Volante

8/10

Ao volante (8/10) Quando se fala de carros desportivos, nem sempre as palavras “performance” e “conforto” são possíveis de conjugar. Porém, a Peugeot 508 SW PSE mostrou que isso é possível muito por culpa da suspensão adotada pela marca francesa. Os amortecedores de dureza regulável em três níveis (Conforto, hybrid e desportivo), além dos cinco modos de condução onde se acrescentam os 4WD e EV, podemos ter o melhor de dois mundos. Numa utilização diária, em trajetos citadinos ou em estradas mais degradadas, o modo conforto garante, exatamente aquilo que promete: conforto. O amortecimento mais suave permite filtrar as irregularidades da estrada, um detalhe que o aproxima das variantes não desportivas do 508. Esta capacidade de se adaptar aos diferentes tipos de utilização é algo que nem todas as opções semelhantes são capazes de oferecer.

Já no modo desportivo, a afinação mais firme confere uma agilidade e dinâmica satisfatórios, apesar dos 1875 kg de peso. Os travões de disco de 380 mm com pinças fixas de 4 pistões deram “conta do recado” num ritmo mais acelerador e nem um longo período de uso abusivo fez com que a temperatura subisse de forma excessiva. É também na travagem que sentimos um tato diferente das variantes a combustão, uma vez que a primeira parte do pisar prende-se com a travagem regenerativa e, por isso, não é tão progressivo.

Motor

8/10

Motor (8/10) Debaixo do capot desta Peugeot 508 SW PSE encontramos o já conhecido motor a combustão quatro cilindros de 1.6 litros PureTech. Este é acompanhado por dois motores elétricos, um por eixo, que garantem uma potência combinada de 360 cv e 520 Nm de binário. A potência chega às quatro rodas motorizes através da transmissão automática EAT8 de oito velocidades e, ao nível de performance, é possível acelerar dos 0 aos 100 km/h em 5,2 segundos. Os motores elétricos são alimentados por uma bateria de 11,5 kWh que garante uma autonomia anunciada de 46 km com um único carregamento. Durante o nosso ensaio, conseguimos realizar 38 km em modo 100% elétrico, valor esse que pode subir para os 41 km em ambiente exclusivamente citadino.

Ao pisar do acelerador, esta motorização responde com mais “alma” do que seria de esperar de uma solução com 360 cv, muito por culpa da entrega de potência instantânea dos motores elétricos. A caixa apresentou uma boa afinação, principalmente na manutenção de ritmos mais acelerados, porém, não é tão rápida como outras soluções do mercado focadas na performance.

Balanço Final

8/10

Balanço Final (8/10) De um modo geral, o novo Peugeot 508 PSE é um bom “porta-estandarte” para uma nova era da “neo-performance” da Peugeot Sport. Todo o know-how adquirido de anos de experiência na competição foi utilizado para desenvolver um carro desportivo que é capaz de garantir uma utilização diária confortável e calma, mas que ao mesmo tempo, com o simples carregar de um botão, muda por completo o “chip” e tornar-se numa máquina focada na performance. Esta junção é a verdadeira filosofia da marca e, diga-se, é um bom presságio do que podemos esperar num futuro não muito distante. Certamente o fim da mítica sigla GTI deixou muitos fanáticos aborrecidos, mas a sigla PSE promete, igualmente, emoções fortes, performance, mas desta vez com um o apoio da eletrificação. Por fim, o novo Peugeot 508 PSE está disponível com preços a começar nos 68 795€ na carroçaria berlina, valor esse que sobe para os 70 295 € na variante SW.

Concorrentes

Volvo V60 T8 – Motor: quatro cilindros, turbo, gasolina + sistema híbrido plug-in; potência: 392 cv e 640 Nm de binário; tração: integral; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 4,9 segundos; consumos: 1,8 l/100 km; autonomia elétrica: 54 km; preço base: 60 020 €

Volkswagen Arteon Shooting Brake R – Motor: quatro cilindros, turbo, gasolina; potência: 320 cv e 420 Nm de binário; tração: integral; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 4,9 segundos; consumos: 9,2 l/100 km; preço base: n.d.

Ficha Técnica

Motor                                                                            

Tipo: 4 cilindros em linha, injeção direta, turbo, gasolina + sistema híbrido plug-in (2 motores elétricos)

Cilindrada (cm3): 1598

Diâmetro x Curso (mm): n.d.

Taxa de Compressão: n.d.

Bateria (kWh): 11,5

Potência máxima (CV/rpm): 360/n.d.

Binário máximo (Nm/rpm): 520/n.d.

Tração: Integral

Transmissão: Automática de 8 velocidades

Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente

Suspensão (ft/tr): independente tipo McPherson / multilink

Travões (fr/tr): discos ventilados / discos

Prestações e consumos 

Aceleração 0-100 km/h (s): 5,2

Velocidade máxima (km/h): 250

Consumos misto (l/100 km): 2,0

Autonomia elétrica: 46 km (WLTP)

Emissões CO2 (gr/km): 46 g/km 

Dimensões e pesos 

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4790/1860/1420

Distância entre eixos (mm): 2800

Largura de vias (fr/tr mm): 1600/1600

Peso (kg): 1875

Capacidade da bagageira (l): 530

Deposito de combustível (l): 43

Pneus (fr/tr): 245/35 R20

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Exterior (9/10) Começando pelo exterior, mantém as belas linhas já reconhecidas do 508, mas com um toque mais “picante”. A nova variante 508 PSE, que testámos na carroçaria mais familiar, SW, destaca-se, desde logo, por um carácter mais agressivo graças à inclusão de apêndices aerodinâmicos nas laterais inferiores dos para-choques e saias laterais. De referir que a sigla PSE é caracterizada pelas três “garras” na cor “Kryptonite”, detalhe esse que podemos encontrar em vários locais da carroçaria como é o caso das laterais, dianteira e tampa da mala. Esta mesma cor encontra-se em outros componentes da carroçaria, nomeadamente nas entradas de ar dianteiras ou pinças de travão. Isto é acompanhado por jantes de 20 polegadas com pneus Michelin Pilot Sport 4S, vias alargadas e uma nova afinação de suspensão que aproxima o modelo ao solo quando comparado com as versões GT.

Interior

Interior (8/10) O interior mantém a irreverência do exterior ao apresentar-se com um design moderno e já conhecido das restantes variantes do 508, contudo, com características exclusivas desta variante PSE. Assim, ao abrir da porta, somos presenteados por um volante tipicamente Peugeot, ou seja, recortado e com dimensões compactas e posicionado numa zona mais baixa e conta com as três garras em verde fluorescente. Atrás do mesmo, encontramos o painel de instrumentos digital (i-Cockpit) que é um dos mais completos do mercado ao incorporar de série, inclusive, uma câmara de visão noturna que emite avisos visuais e sonoros quando deteta pessoas ou animais nas imediações da estrada.

A cor que caracteriza a versão é ainda encontrada nas costuras de praticamente todos os componentes revestidos em couro ou alcantara. Falamos do tablier, portas, consola central ou bancos. Por falar em bancos, tanto os passageiros da primeira fila como da segunda contam com espaço avantajado para pernas, favorecendo assim o conforto em viagem. Ainda assim, atrás o espaço para cabeça é algo curto para pessoas com estatura mais elevada, muito por culpa da carroçaria SW mais dinâmica com a linha de tejadilho baixa. Já a bagageira chega aos 530 litros nesta carroçaria de cariz mais familiar.

Equipamento

Equipamento (9/10) A marca francesa decidiu dar a esta variante Peugeot 508 PSE um equipamento de série abundante. Deste modo, é possível encontrar coisas como a já referida visão noturna, cruise control adaptativo, aviso de transposição de faixa, travagem de emergência ou head-up display. Curiosamente, os únicos opcionais são mesmo as cores exteriores. para além do Cinzento Sellenium de série, os clientes podem optar pelo Preto Perla Nera (590€) ou Branco Nacré (790€).

Consumos

Consumos (8/10) Relativamente a consumos, é possível realizar uma média de 3.3 litros nos primeiros 100 km, porém, quando a bateria acaba e se recorre maioritariamente ao motor a combustão, os consumos sobem para perto dos 8 l/100 km.

Ao volante

Ao volante (8/10) Quando se fala de carros desportivos, nem sempre as palavras “performance” e “conforto” são possíveis de conjugar. Porém, a Peugeot 508 SW PSE mostrou que isso é possível muito por culpa da suspensão adotada pela marca francesa. Os amortecedores de dureza regulável em três níveis (Conforto, hybrid e desportivo), além dos cinco modos de condução onde se acrescentam os 4WD e EV, podemos ter o melhor de dois mundos. Numa utilização diária, em trajetos citadinos ou em estradas mais degradadas, o modo conforto garante, exatamente aquilo que promete: conforto. O amortecimento mais suave permite filtrar as irregularidades da estrada, um detalhe que o aproxima das variantes não desportivas do 508. Esta capacidade de se adaptar aos diferentes tipos de utilização é algo que nem todas as opções semelhantes são capazes de oferecer.

Já no modo desportivo, a afinação mais firme confere uma agilidade e dinâmica satisfatórios, apesar dos 1875 kg de peso. Os travões de disco de 380 mm com pinças fixas de 4 pistões deram “conta do recado” num ritmo mais acelerador e nem um longo período de uso abusivo fez com que a temperatura subisse de forma excessiva. É também na travagem que sentimos um tato diferente das variantes a combustão, uma vez que a primeira parte do pisar prende-se com a travagem regenerativa e, por isso, não é tão progressivo.

Concorrentes

Volvo V60 T8 – Motor: quatro cilindros, turbo, gasolina + sistema híbrido plug-in; potência: 392 cv e 640 Nm de binário; tração: integral; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 4,9 segundos; consumos: 1,8 l/100 km; autonomia elétrica: 54 km; preço base: 60 020 €

Volkswagen Arteon Shooting Brake R – Motor: quatro cilindros, turbo, gasolina; potência: 320 cv e 420 Nm de binário; tração: integral; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 4,9 segundos; consumos: 9,2 l/100 km; preço base: n.d.

Motor

Motor (8/10) Debaixo do capot desta Peugeot 508 SW PSE encontramos o já conhecido motor a combustão quatro cilindros de 1.6 litros PureTech. Este é acompanhado por dois motores elétricos, um por eixo, que garantem uma potência combinada de 360 cv e 520 Nm de binário. A potência chega às quatro rodas motorizes através da transmissão automática EAT8 de oito velocidades e, ao nível de performance, é possível acelerar dos 0 aos 100 km/h em 5,2 segundos. Os motores elétricos são alimentados por uma bateria de 11,5 kWh que garante uma autonomia anunciada de 46 km com um único carregamento. Durante o nosso ensaio, conseguimos realizar 38 km em modo 100% elétrico, valor esse que pode subir para os 41 km em ambiente exclusivamente citadino.

Ao pisar do acelerador, esta motorização responde com mais “alma” do que seria de esperar de uma solução com 360 cv, muito por culpa da entrega de potência instantânea dos motores elétricos. A caixa apresentou uma boa afinação, principalmente na manutenção de ritmos mais acelerados, porém, não é tão rápida como outras soluções do mercado focadas na performance.

Balanço final

Balanço Final (8/10) De um modo geral, o novo Peugeot 508 PSE é um bom “porta-estandarte” para uma nova era da “neo-performance” da Peugeot Sport. Todo o know-how adquirido de anos de experiência na competição foi utilizado para desenvolver um carro desportivo que é capaz de garantir uma utilização diária confortável e calma, mas que ao mesmo tempo, com o simples carregar de um botão, muda por completo o “chip” e tornar-se numa máquina focada na performance. Esta junção é a verdadeira filosofia da marca e, diga-se, é um bom presságio do que podemos esperar num futuro não muito distante. Certamente o fim da mítica sigla GTI deixou muitos fanáticos aborrecidos, mas a sigla PSE promete, igualmente, emoções fortes, performance, mas desta vez com um o apoio da eletrificação. Por fim, o novo Peugeot 508 PSE está disponível com preços a começar nos 68 795€ na carroçaria berlina, valor esse que sobe para os 70 295 € na variante SW.

Ficha técnica

Motor                                                                            

Tipo: 4 cilindros em linha, injeção direta, turbo, gasolina + sistema híbrido plug-in (2 motores elétricos)

Cilindrada (cm3): 1598

Diâmetro x Curso (mm): n.d.

Taxa de Compressão: n.d.

Bateria (kWh): 11,5

Potência máxima (CV/rpm): 360/n.d.

Binário máximo (Nm/rpm): 520/n.d.

Tração: Integral

Transmissão: Automática de 8 velocidades

Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente

Suspensão (ft/tr): independente tipo McPherson / multilink

Travões (fr/tr): discos ventilados / discos

Prestações e consumos 

Aceleração 0-100 km/h (s): 5,2

Velocidade máxima (km/h): 250

Consumos misto (l/100 km): 2,0

Autonomia elétrica: 46 km (WLTP)

Emissões CO2 (gr/km): 46 g/km 

Dimensões e pesos 

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4790/1860/1420

Distância entre eixos (mm): 2800

Largura de vias (fr/tr mm): 1600/1600

Peso (kg): 1875

Capacidade da bagageira (l): 530

Deposito de combustível (l): 43

Pneus (fr/tr): 245/35 R20

Preço da versão ensaiada (Euros): 70295€
Preço da versão base (Euros): 70295€