Renault Captur TCE 155 Initiale Paris – Ensaio Teste

By on 9 Junho, 2020

Renault Captur TCE 155 Initiale Paris

Texto: José Manuel Costa ([email protected])

Desportivo ou apenas espigadote?

Este é o topo de gama do Captur o “best seller” da casa francesa e do mercado nacional, com o motor 1.3 litros feito em parceria com a Mercedes e o nível de equipamento máximo, o Initiale Paris. A questão, perante os 155 CV, é simples: este é um SUV desportivo ou um SUV espigado?

Veja o Video do nosso ensaio ao Renault Captur TCE 155

Conheça todas as versões e motorizações AQUI.


Mais:

Comportamento, Estilo, Qualidade      

Menos:

Consumos, Alguns ruídos aerodinâmicos

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Pontuação 8/10 A Renault encontrou a fórmula perfeita para o Captur que, mais virtudes não tivesse, tem um estilo que faz qualquer um desequilibrar-se para o seu lado. O músculo das cavas das rodas, a frente grande e que parece muito mais larga a possibilidade de ter o carro bicolor, os detalhes cromados, enfim, a nova forma dos faróis, tudo faz do Captur um carro desejável. Por baixo está a plataforma CMF-B, pronta a receber blocos eletrificados, híbridos ou híbridos plug-in (PHEV), e sendo maior que o anterior modelo, há mais espaço interior no habitáculo. Enfim, o Captur é, certamente, dos SUV mais bonitos do mercado.

Interior

Pontuação 8/10 Em primeiro lugar dizer que a Renault aceitou as críticas feitas à péssima qualidade dos interiores de Clio e Captur. E temos de aplaudir o esforço feito, pois o Captur (tal como já sucede com o Clio) passou a ter um dos mais refinados habitáculos e com a melhor qualidade do segmento. Aplauso forte, também, para a aplicação de muito daquilo que é usado no excelente Clio, nomeadamente, o ecrã vertical de 9,3 polegadas com os botões colocados na linha inferior do mesmo para uma operação intuitiva e fácil. Os bancos envolventes permitem encontrar rapidamente a melhor posição de condução mas também o conforto para os demais passageiros, nomeadamente aqueles que viajam atrás num banco que pode deslizar 16 cm, permitindo com isso dar mais espaço no momento em que é necessário ter mais bagageira. Que tem um máximo de 536 litros, mais 81 litros do anteriormente.

Equipamento

Pontuação 7/10 A partir do interior do novo Renault Captur é possível ter acesso a tudo o que se passa à sua volta, isto porque é possível tirar partido da câmara 360 graus. A isto podemos juntar o comutador automático das luzes, o sistema de travagem ativa de emergência, o alerta de ângulo morto e o reconhecimento dos painéis de sinalização com alerta de excesso de velocidade, bem assim como o alerta de saída involuntária de faixa e o sistema de ajuda ao estacionamento com o recurso à tecnologia Easy Park Assist (estacionamento mãos livres). O regulador de velocidade adaptativo associado à função Stop & Go, também é de série neste completo nível Initiale Paris.

Consumos

Pontuação 5/10 Caia automática de dupla embraiagem, potência de 155 CV, enfim, o motor 1.3 litros convida a explorar outro dinamismo e quando damos por nós, o computador de bordo “assusta-nos” com valores pouco económicos. Os 5,6 litros que a Renault reclama são impossíveis de alcançar. A média do ensaio ficou nuns menos agradáveis 7,2 l/100 km e algumas vezes o computador de bordo namorou com os dois dígitos, mas nunca lá chegou.

Ao volante

Pontuação 7/10 Bem sentados e com tudo à mão, a posição de condução é excelente e rapidamente se percebe que o motor gosta de ser exercitado, sendo rápido a subir de rotação. Rapidamente coloca o Captur em velocidades fora da lei e com uma facilidade e um requinte desconcertante. O comportamento é muito melhor que o do anterior modelo, fruto da plataforma e das suspensões. No modo Sport, a dureza dos amortecedores percebe-se através da maior agilidade de inserção em curva, mesmo que se perceba que o Captur é um carro alto e haja algum rolamento da carroçaria. No modo Normal do Renault Sense, o carro continua ágil e fácil de conduzir, mas o conforto continua a ser algo esponjoso, mesmo que seja agradável conduzir o Captur em qualquer situação. O motor com 155 CV não faz do Captur um SUV desportivo é a conclusão a que chegamos após muitos quilómetros de utilização.

Concorrentes

Nissan Juke 1.0 DIG-T DCT 999 c.c. turbo gasolina; 117 CV; 180 Nm; 0-100 km/h em 11,1 seg,; 180 km/h; 5,4 l/100 km, 115 gr/km de CO2; 26.700 euros (c/campanha de 2.750 euros) (Conheça todas as versões e motorizações AQUI)   Peugeot 2008 1.2 Puretech Aut 1199 c.c. turbo gasolina; 150 CV; 250 Nm; 0-100 km/h em 8,2 seg,; 208 km/h; 5,0 l/100 km, 114 gr/km de CO2; nd (Veja o ensaio AQUI e conheça todas as versões e motorizações AQUI)   Seat Arona 1.5 TSI 150 1999 c.c. turbo diesel; 150 CV; 380 Nm; 0-100 km/h em 8,0 seg,; 205 km/h; 5,1 l/100 km, 115 gr/km de CO2; 27.843 euros (Conheça todas as versões e motorizações AQUI)

Motor

Pontuação 7/10 O motor de 1,3 litros feito em parceria com a Mercedes é uma unidade moderna com 1.3 litros e sobrealimentação com injeção direta. Com 155 CV e 270 Nm de binário, move com desenvoltura o Captur, mostrando-se rápido na subida de rotação, com a ajuda da caixa de dupla embraiagem EDC que está mais veloz e menos hesitante.

Balanço final

Pontuação 8/10 Para mim, o Captur será, porventura, o melhor SUV do segmento B e se este TCe 155 com nível de equipamento não é, propriamente, barato, fica abaixo dos 30 mil euros com muito equipamento e um motor que é emocionante. Os olhos também comem e o estilo do Renault Captur é altamente sedutor. Depois, está muito mais refinado, tem mais qualidade e apesar de não ser um SUV desportivo, é um carro agradável de se viver… depressa!

Ficha técnica

Motor Tipo: 4 cilindros em linha, injeção direta, turbo, gasolina Cilindrada (cm3): 1333 Diâmetro x Curso (mm): 72,2 x 81,3 Taxa de Compressão: nd Potência máxima (CV/rpm): 154/5500 Binário máximo (Nm/rpm): 270/1800 Transmissão: dianteira com caixa automática de 7 velocidades Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente Suspensão (ft/tr): independente tipo McPherson/braço de torção Travões (fr/tr): discos ventilados/tambores Prestações e consumos Aceleração 0-100 km/h (s): 8,6 Velocidade máxima (km/h): 202 Consumos misto (l/100 km): 5,4 – 5,6 Emissões CO2 (gr/km): 122 – 127 Dimensões e pesos Comprimento/Largura/Altura (mm): 4227/1797/1585 Distância entre eixos (mm): 2639 Largura de vias (fr/tr mm): 1560/1544 Peso (kg): 1266 Capacidade da bagageira (l): 536/1275 Deposito de combustível (l): 48 Pneus (fr/tr): 215/55 R18 Preço da versão base (Euros): 29.400 Preço da versão Ensaiada (Euros): 29.400

Preço da versão ensaiada (Euros): 29400€
Preço da versão base (Euros): 29400€