Skoda Octavia Break RS 245 2.0 TSI – Ensaio

By on 18 Janeiro, 2018

Skoda Octavia Break RS 245 2.0 TSI

Texto: André Duarte ([email protected])

Competição familiar

Juntar o melhor de dois mundos é o que nos oferece a versão RS da Skoda Octavia Break, apresentada no último Salão de Genebra. Ao espaço e comodidade habituais juntam-se doses de adrenalina de nos deixar em êxtase, oferecidas pelos 245 cv do bloco 2.0 TSI que fazem desta Octavia a mais potente de sempre.

Exterior

Ter uma Skoda Octavia Break é algo bom para a família. Ter a sua versão RS é um sonho tornado realidade para o seu condutor. No exterior o modelo destaca-se por vários apontamentos alusivos à versão: faróis, luzes de circulação diurna e faróis de nevoeiro em LED; lâminas na grelha do radiador em preto brilhante; secção dianteira com grelha do radiador e entradas de ar em favos de mel, ambas alargadas; pára-choques específico; retrovisores e saídas de escape trapezoidais, ambos em preto; spoiler traseiro em preto; inserção RS no pára-choques e portão da bagageira; uma tira refletora para sinalizar o modelo no escuro na traseira; jantes específicas e pinças de travão em vermelho. No geral, um modelo com detalhes exteriores suficientes para se perceber que trás com ele algo de diferente e muito especial.

Interior

No interior a habitabilidade é a já conhecida da Skoda Octavia Break, com espaço à frente e atrás a rigor para garantir viagens com conforto e à vontade a todos os ocupantes. Face à versão normal, a veia RS encontra-se em vários pormenores, à semelhança do exterior. Num interior em que predomina a tonalidade em preto, a qual cria um belo contraste com vários apontamentos em cromado, o destaque vai naturalmente para os bancos desportivos em Alcantara com bom apoio lombar; pespontos em cinza ou vermelho a percorrer todo o habitáculo; volante -multifunções com pele perfurada – seletor, bancos e soleiras da porta com inserção RS; pedais em alumínio e iluminação ambiente (10 cores à escolha), oriunda do tlabier, portas, e zonas dos pés.

À parte destas especificidades da versão, temos o habitáculo ‘normal’ que caracteriza o modelo, tanto em termos de espaço para os ocupantes como zonas de arrumação. Um interior pensado para a utilização familiar sem descurar o conforto. Tanto na consola central como na zona das portas, as zonas de arrumação cumprem os desígnios. A bagageira é gigante, com os seus 610l, dimensão alargada para os 1740 litros com os bancos rebatidos.

Em termos de infoentretenimento e conectividade o Skoda Connect, através do pacote Infotainment Online, garante serviços como estado do trânsito, serviços da Google, notícias, previsões meteorológicas, preços dos combustíveis e lugares de estacionamento. Nota também para o serviço de chamada de emergência, Smartlink+, com ligação através de Apple CarPlay, Android Auto, MirrorLink e SmartGate. Por último, destaque também para a app MySKODA, disponível para IOS e Android. Esta app permite aceder a todo o tipo de situações e, se necessário, permite aceder-se ao assistente interativo PAUL, que presta auxílio na ‘navegação’ pela app.

PUB

 

Através da Skoda Connect app pode aceder-se remotamente ao veículo, regulando, por exemplo, a iluminação, verificar o nível de combustível, ou o sítio onde está estacionado o veículo. Há ainda a possibilidade de efetuar chamadas de emergência.

Sistemas de Assistência à Condução e Segurança

Neste capítulo destaque para: front assist com sistema de proteção de peões; sensor de ângulo morto; sistema de aviso de trânsito na retaguarda; assistente de permanência na faixa de trânsito; sistema de deteção de fadiga; cruise control adaptativo; assistente automático de luzes; sistema de reconhecimento de sinais de trânsito.

Ao volante

 A Skoda Octavia Break RS 245 é o verdadeiro modelo para agradar a todos. Família e condutor. E apesar de espaço e todas as comodidades com que nos prenda, é quando estamos ao volante que conhecemos o seu eu. E não queremos quebrar a relação.

Nota-se que o bloco 2.0 TSI tem alma, mesmo no modo Eco, num pisar calmo e dentro da legalidade. Quando mudamos para o Normal, a resposta torna-se mais solícita. O barulho também. Mas é no Sport que ganha outro encanto – há ainda o Individual. A sonoridade adensa o prazer. O bloco acede às solicitações do acelerador, transforma-se, e sobe um patamar. A resposta torna-se muito viva e pronta, sempre com um acompanhamento melódico que a partir das 4000 rpm nos faz desfrutar da harmonia interior ideal, como que filtrando tudo o mais e deixando espaço apenas para nos chegar ao coração o seu vibrante e envolvente rugir. Não excessivo, mas também não deficitário. Equilibrado como se pede a uma versão RS de índole familiar.

A entrega de potência ao eixo dianteiro é feita com grande imediatez, muito graças aos 370 Nm de binário disponíveis desde as 1600 rpm. É muito fácil colocarmos a frente onde queremos e sairmos das curvas com garantia de tração, cortesia do diferencial autoblocante. No limite, ‘uma ou duas abaixo’ resolvem a questão. Algo muito fácil através das patilhas de volante da caixa automática DSG de 7 velocidades, que nos proporciona passagens sem darmos conta.

A suspensão tem um bom compromisso, revelando-se confortável, e até surpreendendo, dado estarmos a falar de uma versão desportiva, proporcionando uma grande agradabilidade na supressão da maioria das irregularidades do piso. O chassis desportivo, caracterizado por uma distância ao solo menor em 14 mm, é também um grande aliado da performance. Os travões são de uma eficácia de nota, e estão sempre prontos para ‘a próxima urgência’.

Apenas a direção, no modo Sport, poderia ser ligeiramente mais direta. Nota apenas para quando nos entusiasmamos e rodamos na casa das 4000 a 6000 rpm e travamos com maior ímpeto. Aí, por vezes, queremos voltar a pisar novamente a fundo, mas o motor não nos proporciona aquela recuperação imediata, havendo uma fração de segundo em que não nos corresponde da maneira que desejávamos, mas nada que comprometa. Falamos aqui em situações em que as velocidades e o ritmo já passaram ‘ligeiramente’ o nível da legalidade.

A insonorização e bem estar interior são de um nível que nos fazem por vezes não ter a consciência real das velocidade a que seguimos, sendo esta bem mais elevada do que parece. A forma com que se galga o conta-quilómetros e conta-rotações é fantástica. Faz-nos esquecer inclusive que estamos ao volante de uma proposta com 4689 mm de comprimento.

Consumos

 Os consumos, se formos muito ligeiros no pisar do acelerador, no modo Eco, conseguem-se na casa dos 7,8l, se trabalharmos para eles. Mas o mais normal é registos na casa dos 8/9l. Já se quisermos tirar partido de todo o potencial do modelo, conte-se com registos que podem ascender, por exemplo, aos 16l.

Motorizações e versões disponíveis

A Skoda Octavia Break está disponível na versão ‘normal’, Break, e nas versões Break RS e Break Scout. A gasolina os níveis de equipamento são três: Ambition, Style e RS 245. Em termos de motorizações, está disponível o bloco TSI em três vertentes – 1.0 (115 cv), 1.4 (150 cv) e 2.0 (245 cv). A diesel, os níveis de equipamento são: Ambition, Style, RS e Scout. As motorizações TDI dividem-se entre 1.6 (115 cv) e 2.0 (150 ou 184 cv).

Em termos de preços, o modelo de entrada é a Skoda Octavia Break com bloco 1.0 TSI com 115 cv e nível de equipamento Ambition, com um preço de 24.581€. Já na oferta diesel, as propostas começam nos 30.175€ para o motor 1.6 TDI de 115 cv e nível de equipamento Ambition. A versão topo de potência é a Skoda Octavia Break RS 245, com 245 cv, por um preço inicial de 44.212. Ainda assim, não é esta a proposta mais cara, protagonismo assumido pela Skoda Octavia Break 2.0 TDI com tração integral, 184 cv, caixa automática DSG e nível de equipamento Scout, com um preço de 46.819€.

Equipamento Opcional

  • Entre o equipamento opcional destaque para:
  • Sistema de infotainment com navegação Columbus (inclui Mapas Europa e ecrã Maxi Dot a cores) (1030€);
  • Bluetooth, com voice control e WI-FI, ligação wireless à antena (275€);
  • Tomada 230 V + 2 USB atrás ( a partir 22/17 sem USB ) (95€);
  • Chassi adaptativo DCC incl.”PERFORMANCE MODE SELECT” seleção do perfil de condução + personaliz. incl. 3 chaves (1045€);
  • Tejadilho panorâmico (1020€);
  • Traveller Assistant 2 – reconhecimento dos sinais de trânsito, Lane Assistant, Intelligent Light Assist e sistema de navegação Columbus (com mapas da Europa) (1460€);
  • Alarme com monitorização interior e sensor de inclinação (230€);

Concorrentes

Em termos de concorrência direta, olhando para as carrinhas existentes no mercado nacional que se equiparam, temos a BMW 330i Touring, com 252 cv e caixa automática, com um preço a começar nos 54.951€.

Balanço final

A Skoda Octavia Break RS 245 é um gosto. O ideal para agradar a toda a família, garantido as necessidades utilitárias que esta precise, com conforto e espaço para todos os ocupantes, e um coração cheio e pronto a aumentar o ritmo cardíaco daqueles que se sentarem ao volante. Um mimo.

Mais: Prazer de condução / Resposta do motor / Comportamento Dinâmico / Travões / Caixa DSG

Menos: Direção

 

FICHA TÉCNICA

Motor

Tipo – gasolina, 4 cil., injeção mista, direta/indireta, turbo, intercooler

Cilindrada (cm3) – 1984

Diâmetro x curso (mm) – 82,5 x 92,8

Taxa de compressão – 9,6:1

Potência máxima (cv/rpm) – 245/4700-6200

Binário máximo (Nm/rpm) – 370/1600-4300

Transmissão, direcção, suspensão e travões

Transmissão e direcção – dianteira, transmissão automática DSG de 7 velocidades; direção elétrica

Suspensão (fr/tr) – Tipo McPherson e Multilink

Travões (fr/tr) – Discos ventilados/Discos ventilados

Prestações e consumos

Aceleração 0-100 km/h (s) – 6,7s

Velocidade máxima (km/h) – 250 km/h

Consumos Extra-urb./urbano/misto (l/100 km) – 5,3/8,3/6,4

Emissões de CO2 (g/km) – 146

Dimensões e pesos 

Comp./largura/altura (mm) –  4689/1814/1452

Distância entre eixos (mm) – 2680

Largura de vias (fr/tr) (mm) – 1535/1544

Peso (kg) – 1487

Capacidade da bagageira (l) – 610

Capacidade do depósito (l) – 50

Pneus (fr/tr) – 225/35 R19

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!