Škoda Octavia RS 2.0 TSI DSG – Ensaio Teste

By on 25 Novembro, 2022

Uma questão de equilíbrio

A opção mais desportiva da gama Octavia inclui o visual mais desportivo e uma dinâmica afinada nesse sentido, mas o seu tamanho, o espaço no habitáculo e na bagageira ou mesmo o conforto, fazem com que este RS também possa ser um verdadeiro familiar. É quase impossível começar a falar no Škoda Octavia RS sem mencionar o Volkswagen Golf GTI. Afinal, estes dois são uma espécie de gémeos falsos em que um é o solteirão que continua a gostar de se divertir e o outro é o mais tranquilo e ponderado pai de família.

Texto: André Mendes
[email protected]


Mais:

– Equipamento;
– Espaço a bordo;
– Conforto;

Menos:

– Comandos da caixa automática;
– Controlos do ar condicionado;
– Som artificial do motor;

Exterior

7/10

Um comprimento de 4,7 metros com uma imagem que nos é muito familiar e que ela própria tem um visual de um familiar. Mas num olhar mais atento, há também jantes de 19 polegadas (que são uma opção), pára-choques mais desportivos, alguns apontamentos em vermelho, mas também outros em negro brilhante, um pequeno defletor de ar na tampa da bagageira e um visual mais encorpado, proporcionado pela suspensão com uma ligeira descida na distância ao solo, mas que é suficiente para fazer a diferença. O Škoda Octavia RS parece um modelo que frequentou algumas das aulas do curso onde estava o Golf GTI, ainda que se tenha formado na opção mais dedicada à família. Ainda assim, com um excelente resultado visual e, muito provavelmente, a opção mais apelativa de toda a gama Octavia com este formato.

Interior

8/10

A presença do nível de equipamento RS traz também diversos benefícios no habitáculo, especialmente nos lugares da frente, onde estão presentes assentos desportivos com um apoio lateral mais evidenciado e que contribuem para uma posição de condução muito boa. O volante forrado em pele dá continuidade ao visual mais desportivo, tal como as costuras vermelhas presentes em diversos locais, o conjunto de pedais e apoio para o pé esquerdo em metal e todo o ambiente mais escuro, típico das opções mais dinâmicas das marcas deste grupo.

Em paralelo, no entanto, este desportivo é também um Škoda Octavia, o que se traduz num amplo espaço a bordo, especialmente para quem viaja nos lugares traseiros e também na bagageira, que oferece uns incríveis 600 litros de capacidade e um bom acesso através de uma quinta porta com uma abertura muito ampla. E depois, há ainda as curiosas e originais soluções ‘Simply Clever’ da Škoda que, neste caso, além dos ganchos para pequenos objetos e espaços de arrumação com um tamanho maior que o habitual, até inclui uma tomada de 230V na consola central, junto dos assentos traseiros, onde se pode ligar um convencional carregador como se estivéssemos em casa.

Equipamento

7/10

Na gama Octavia, o patamar RS está no topo da oferta em termos de equipamento, e isso faz com que os assentos desportivos de que já lhe falámos já estejam incluídos, bem como o painel de instrumentos digital e com diversos modos de visualização, ou mesmo a maioria dos elementos que ajudam a criar o visual mais desportivo desta versão. Ainda assim, continuam a existir alguns itens que só encontramos na tabela de opcionais e que já gostaríamos de ver na coluna do equipamento de série. Entre eles, estão os espelhos retrovisores exteriores elétricos, retráteis com anti encadeamento, sensor de luz e de chuva com memória, que requerem a adição de 465 euros ao valor final, ou mesmo o ‘Park Assist’, que inclui os sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, e que custam 325 euros.

No caso da unidade ensaiada, ainda existiam outros extras, mas estes já fazem mais sentido que sejam apenas disponibilizados em opção. Referimo-nos, por exemplo, ao comando elétrico dos assentos dianteiros com memória (975 €) e o seu sistema de aquecimento com controlos individuais (230 €). As jantes de liga leve Altair com 19 polegadas de diâmetro (630 €) são um extra quase obrigatório e o sistema de Bluetooth com LTE e carregamento por indução (285 €) é uma daquelas coisas que dá sempre jeito nos dias que correm.

Consumos

5/10

Nesta fase do “campeonato”, a ausência de qualquer ajuda eletrificada já se faz notar. E no caso deste bloco de dois litros com turbo, não poderíamos esperar médias de consumo tão atrativas com a de alguns modelos híbridos que nos têm passado pelas mãos e que também estão disponíveis na gama Octavia RS. Ou seja, ficámos muito longe de conseguir registar os 6,7 litros declarados pela marca para este modelo. O mínimo que conseguimos foi um valor de 7,5 litros numa deslocação feita essencialmente em autoestrada e praticamente o dobro quando andámos pelas estradas mais sinuosas de montanha, o que, depois de feitas as contas pelo computador de bordo, acabou por deixar a média de consumo no final do ensaio com um valor de nove litros.

Ao Volante

7/10

A excelente posição de condução é um ponto de partida para qualquer viagem, seja ela curta ou mais longa. Mas sempre que nos quisermos concentrar um pouco mais na condução, vamos acabar por embirrar com os comandos da caixa de velocidades. O seletor existente na consola central é minúsculo e os comandos existentes atrás do volante destinados à troca manual de relações, também podiam aumentar de tamanho e ser produzidos num material de maior qualidade. Mas aquilo que nos faz mesmo torcer o nariz a bordo do Octavia RS, é o som artificial que sai pelos altifalantes e que tenta convencer-nos de que estamos ao volante de um modelo ainda mais desportivo, chegando a ser incómodo de tão falso que soa.

A caixa de velocidades DSG é rápida, tanto nas acelerações como nas reduções, fazendo uma excelente parceria com o motor nos momentos de percorrer as estradas mais sinuosas. A direção é suficientemente direta e os movimentos da carroçaria são controlados e muito previsíveis, mesmo quando os tentamos provocar excessivamente. Não sendo tão preciso como um Golf GTI, o Octavia RS não despacha nada mal algumas das nossas estradas preferidas.

Motor

6/10

O bloco de dois litros a gasolina, com quatro litros e um sistema de sobrealimentação já tem uma longa história nos modelos do Grupo Volkswagen. Tem vindo a ser melhorado e refinado ao longo dos últimos anos, sendo por isso uma aposta já ganha mesmo antes de arrancarmos. Os seus 245 cavalos de potência podem não impressionar no papel, mas são perfeitamente adequados aos cerca de 1.500 quilos deste Škoda Octavia RS, tal como também chegam para um Volkswagen Golf GTI, um Cupra Formentor VZ ou qualquer outro modelo do grupo com apetências de desportivo.

Balanço Final

7/10

O Škoda Octavia RS é uma opção perfeitamente equilibrada para quem já tem de contar com a família a bordo, mas que ainda gosta de sentir um pouco de emoção na condução. O motor 2.0 TSI continua a ser um excelente trunfo e a dinâmica deste conjunto é suficientemente apurada para não nos desiludir nas nossas estradas preferidas, seja com ou sem a família a bordo. Se achar que já não é o momento certo para investir num automóvel que apenas se alimenta de gasolina, a Škoda tem um outro Octavia RS com as letras iV na sua designação. O motor térmico passa a ser um 1.4 TSI, mas conta com a ajuda de um segundo motor elétrico para conseguir os mesmos 245 cavalos de potência desta opção que lhe apresentamos hoje.

Concorrentes

Cupra Formentor VZ 2.0 TSI DSG
Motor: quatro cilindros, 2.0 litros, turbo; potência: 245 cavalos; aceleração 0-100 km/h: 6,8 seg.; consumo médio: 7,6 l/100km; preço base: 46.234 €

Volkswagen Golf GTI 2.0 TSI DSG
Motor: quatro cilindros, 2.0 litros, turbo; potência: 245 cavalos; aceleração 0-100 km/h: 6,2 seg.; consumo médio: 7,3 l/100km; preço base: 49.282 €

Ficha Técnica

Motor
Tipo: 4 cilindros em linha, turbo, a gasolina
Cilindrada (cm3): 1.984
Potência máxima (CV/rpm): 245/5.250-6.500
Binário máximo (Nm/rpm): 370/1.600-4.300
Tração: Dianteira
Transmissão: Automática DSG de 7 velocidades
Direção: Assistida eletricamente
Suspensão (ft/tr): Independente, tipo McPherson / Multibraços
Travões (fr/tr): discos ventilados / discos

Prestações e consumos
Aceleração 0-100 km/h (s): 6,7
Velocidade máxima (km/h): 250
Consumos misto (l/100 km): 6,7
Emissões CO2 (g/km): 153

Dimensões e pesos
Comprimento/Largura/Altura (mm): 4.702/1.829/1.457
Distância entre eixos (mm): 2.681
Largura de vias (fr/tr mm): 1.541/1.550
Peso (kg): 1.520
Capacidade da bagageira (l): 600
Depósito (l): 50
Pneus (fr/tr): 225/40 R19

Preço da versão ensaiada (Euros): 49.549 €
Preço da versão base (Euros): 45.749 €

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Um comprimento de 4,7 metros com uma imagem que nos é muito familiar e que ela própria tem um visual de um familiar. Mas num olhar mais atento, há também jantes de 19 polegadas (que são uma opção), pára-choques mais desportivos, alguns apontamentos em vermelho, mas também outros em negro brilhante, um pequeno defletor de ar na tampa da bagageira e um visual mais encorpado, proporcionado pela suspensão com uma ligeira descida na distância ao solo, mas que é suficiente para fazer a diferença. O Škoda Octavia RS parece um modelo que frequentou algumas das aulas do curso onde estava o Golf GTI, ainda que se tenha formado na opção mais dedicada à família. Ainda assim, com um excelente resultado visual e, muito provavelmente, a opção mais apelativa de toda a gama Octavia com este formato.

Interior

A presença do nível de equipamento RS traz também diversos benefícios no habitáculo, especialmente nos lugares da frente, onde estão presentes assentos desportivos com um apoio lateral mais evidenciado e que contribuem para uma posição de condução muito boa. O volante forrado em pele dá continuidade ao visual mais desportivo, tal como as costuras vermelhas presentes em diversos locais, o conjunto de pedais e apoio para o pé esquerdo em metal e todo o ambiente mais escuro, típico das opções mais dinâmicas das marcas deste grupo.

Em paralelo, no entanto, este desportivo é também um Škoda Octavia, o que se traduz num amplo espaço a bordo, especialmente para quem viaja nos lugares traseiros e também na bagageira, que oferece uns incríveis 600 litros de capacidade e um bom acesso através de uma quinta porta com uma abertura muito ampla. E depois, há ainda as curiosas e originais soluções ‘Simply Clever’ da Škoda que, neste caso, além dos ganchos para pequenos objetos e espaços de arrumação com um tamanho maior que o habitual, até inclui uma tomada de 230V na consola central, junto dos assentos traseiros, onde se pode ligar um convencional carregador como se estivéssemos em casa.

Equipamento

Na gama Octavia, o patamar RS está no topo da oferta em termos de equipamento, e isso faz com que os assentos desportivos de que já lhe falámos já estejam incluídos, bem como o painel de instrumentos digital e com diversos modos de visualização, ou mesmo a maioria dos elementos que ajudam a criar o visual mais desportivo desta versão. Ainda assim, continuam a existir alguns itens que só encontramos na tabela de opcionais e que já gostaríamos de ver na coluna do equipamento de série. Entre eles, estão os espelhos retrovisores exteriores elétricos, retráteis com anti encadeamento, sensor de luz e de chuva com memória, que requerem a adição de 465 euros ao valor final, ou mesmo o ‘Park Assist’, que inclui os sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, e que custam 325 euros.

No caso da unidade ensaiada, ainda existiam outros extras, mas estes já fazem mais sentido que sejam apenas disponibilizados em opção. Referimo-nos, por exemplo, ao comando elétrico dos assentos dianteiros com memória (975 €) e o seu sistema de aquecimento com controlos individuais (230 €). As jantes de liga leve Altair com 19 polegadas de diâmetro (630 €) são um extra quase obrigatório e o sistema de Bluetooth com LTE e carregamento por indução (285 €) é uma daquelas coisas que dá sempre jeito nos dias que correm.

Consumos

Nesta fase do “campeonato”, a ausência de qualquer ajuda eletrificada já se faz notar. E no caso deste bloco de dois litros com turbo, não poderíamos esperar médias de consumo tão atrativas com a de alguns modelos híbridos que nos têm passado pelas mãos e que também estão disponíveis na gama Octavia RS. Ou seja, ficámos muito longe de conseguir registar os 6,7 litros declarados pela marca para este modelo. O mínimo que conseguimos foi um valor de 7,5 litros numa deslocação feita essencialmente em autoestrada e praticamente o dobro quando andámos pelas estradas mais sinuosas de montanha, o que, depois de feitas as contas pelo computador de bordo, acabou por deixar a média de consumo no final do ensaio com um valor de nove litros.

Ao volante

A excelente posição de condução é um ponto de partida para qualquer viagem, seja ela curta ou mais longa. Mas sempre que nos quisermos concentrar um pouco mais na condução, vamos acabar por embirrar com os comandos da caixa de velocidades. O seletor existente na consola central é minúsculo e os comandos existentes atrás do volante destinados à troca manual de relações, também podiam aumentar de tamanho e ser produzidos num material de maior qualidade. Mas aquilo que nos faz mesmo torcer o nariz a bordo do Octavia RS, é o som artificial que sai pelos altifalantes e que tenta convencer-nos de que estamos ao volante de um modelo ainda mais desportivo, chegando a ser incómodo de tão falso que soa.

A caixa de velocidades DSG é rápida, tanto nas acelerações como nas reduções, fazendo uma excelente parceria com o motor nos momentos de percorrer as estradas mais sinuosas. A direção é suficientemente direta e os movimentos da carroçaria são controlados e muito previsíveis, mesmo quando os tentamos provocar excessivamente. Não sendo tão preciso como um Golf GTI, o Octavia RS não despacha nada mal algumas das nossas estradas preferidas.

Concorrentes

Cupra Formentor VZ 2.0 TSI DSG
Motor: quatro cilindros, 2.0 litros, turbo; potência: 245 cavalos; aceleração 0-100 km/h: 6,8 seg.; consumo médio: 7,6 l/100km; preço base: 46.234 €

Volkswagen Golf GTI 2.0 TSI DSG
Motor: quatro cilindros, 2.0 litros, turbo; potência: 245 cavalos; aceleração 0-100 km/h: 6,2 seg.; consumo médio: 7,3 l/100km; preço base: 49.282 €

Motor

O bloco de dois litros a gasolina, com quatro litros e um sistema de sobrealimentação já tem uma longa história nos modelos do Grupo Volkswagen. Tem vindo a ser melhorado e refinado ao longo dos últimos anos, sendo por isso uma aposta já ganha mesmo antes de arrancarmos. Os seus 245 cavalos de potência podem não impressionar no papel, mas são perfeitamente adequados aos cerca de 1.500 quilos deste Škoda Octavia RS, tal como também chegam para um Volkswagen Golf GTI, um Cupra Formentor VZ ou qualquer outro modelo do grupo com apetências de desportivo.

Balanço final

O Škoda Octavia RS é uma opção perfeitamente equilibrada para quem já tem de contar com a família a bordo, mas que ainda gosta de sentir um pouco de emoção na condução. O motor 2.0 TSI continua a ser um excelente trunfo e a dinâmica deste conjunto é suficientemente apurada para não nos desiludir nas nossas estradas preferidas, seja com ou sem a família a bordo. Se achar que já não é o momento certo para investir num automóvel que apenas se alimenta de gasolina, a Škoda tem um outro Octavia RS com as letras iV na sua designação. O motor térmico passa a ser um 1.4 TSI, mas conta com a ajuda de um segundo motor elétrico para conseguir os mesmos 245 cavalos de potência desta opção que lhe apresentamos hoje.

Ficha técnica

Motor
Tipo: 4 cilindros em linha, turbo, a gasolina
Cilindrada (cm3): 1.984
Potência máxima (CV/rpm): 245/5.250-6.500
Binário máximo (Nm/rpm): 370/1.600-4.300
Tração: Dianteira
Transmissão: Automática DSG de 7 velocidades
Direção: Assistida eletricamente
Suspensão (ft/tr): Independente, tipo McPherson / Multibraços
Travões (fr/tr): discos ventilados / discos

Prestações e consumos
Aceleração 0-100 km/h (s): 6,7
Velocidade máxima (km/h): 250
Consumos misto (l/100 km): 6,7
Emissões CO2 (g/km): 153

Dimensões e pesos
Comprimento/Largura/Altura (mm): 4.702/1.829/1.457
Distância entre eixos (mm): 2.681
Largura de vias (fr/tr mm): 1.541/1.550
Peso (kg): 1.520
Capacidade da bagageira (l): 600
Depósito (l): 50
Pneus (fr/tr): 225/40 R19

Preço da versão ensaiada (Euros): 49.549 €
Preço da versão base (Euros): 45.749 €

Preço da versão ensaiada (Euros): 49549€
Preço da versão base (Euros): 45749€