Volvo XC90 T8 PHEV AWD – Ensaio Teste

By on 9 Junho, 2018

Volvo XC90 T8 PHEV AWD Geartronic Excellence

Texto: Francisco Cruz

Simplesmente… arrebatador!

Num segmento há muito de sotaque apenas alemão, a sueca Volvo mostra que também é possível falar outras línguas, especialmente quando confrontado com um interlocutor como o XC90 T8 Plug-In AWD Geartronic Excellence. É que se o sueco é uma língua difícil de compreender, este SUV, decididamente, tem “lábia” para arrebatar qualquer condutor!


Mais:

Conforto / Prestações / Tecnologia

 

 

Menos:

Preço / Consumos / Lotação limitada a quatro

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Primeiro ponto preparatório: trata-se da proposta mais exclusiva e luxuosa alguma vez fabricada pela Volvo Cars, nos seus 89 anos de história, com base no seu SUV porta-estandarte. Mas também e equipada com a motorização mais diferenciadora, actualmente à disposição na marca — um sistema propulsor híbrido, a gasolina.

Mantendo em mente estes pressupostos, torna-se mais fácil encarar um Volvo XC90 que exala presença, distinção e estatuto por todos os poros (caso os tivesse!…), embora de forma distinta dos rivais alemães. Não só fruto da adopção de uma plataforma que é também a mais moderna à disposição no construtor de Gotemburgo (SPA – Scalable Product Architecture), mas também de pormenores diferenciadores como a grelha Inscription e ópticas em LED High, as jantes exclusivas de 21″, os vidros laterais laminados e escurecidos, rails de tejadilho, portão da bagageira elétrico e ponteira de escape dupla.

Imponente mas também cativante, a verdade é que nem sequer nos chocou por aí além o facto do enigmático Onyx Black, a cor exterior do “nosso” carro, custar 1.027€ (de série, apenas o Branco Gelo). Afinal, o que é isso numa proposta com um preço de partida de 128 mil euros?!…

Interior

Segundo ponto preparatório: esqueça a família, esqueça as necessidades para o transporte de grandes cargas, esqueça ainda e se possível, a condução. Principalmente, quando tal não lhe apetecer, altura perfeita para gozar um dos apenas dois bancos traseiros, verdadeiros locais de sonho da indústria automóvel!

A contribuir para esta certeza, um habitáculo verdadeiramente luxuoso, sólido e repleto de revestimentos escolhidos criteriosamente a dedo (couro, madeira, cristal…), para aplicação num ambiente de linhas em tudo idênticas às das restantes versões XC90. Embora e neste caso em concreto, elevadas a um patamar verdadeiramente excepcional, fruto de pormenores que até poderão ser algo discutíveis, como a pequena manche da caixa de velocidades em cristal Orrefors ou os cálices também em cristal, com encaixe próprio (também ele em cristal!) no generoso encosto de braço traseiro.

Ou ainda das soluções tecnológicas distintivas, como é o caso dos dois tablets individuais através dos quais os “senhores do navio” podem aceder a todo o sistema de infotainment do XC90, e até consultar as médias dos consumos ou o tipo de condução que está a ser realizado (atenção, Monsieur Chauffeur!…). Já para não falar na possibilidade de regular o sistema de ar condicionado de 4 zonas, através de um pequeno tablet, do tamanho de um smartphone, que está integrado na parte frontal do mesmo encosto de braço, mas que, uma vez pressionado, mostra-se aos passageiros traseiros, podendo mesmo andar de mão em mão, ou até ser retirado do carro!

Num interior arrebatador e com uma ergonomia excelente, onde a única coisa a lamentar é mesmo a pouco vocação familiar (atrás, são dois, e acabou!…), apesar dos vários espaços de arrumação e da forma luminosa como o tecto em vidro deixa o sol inundar todo o espaço, fantástico é, sem dúvida, o conforto proporcionado não apenas nos lugares da frente, mas, em especial, nas duas poltronas individuais revestidas a um requintado couro Excellence Blond. E com todo o tipo de ajustes elétricos, sistema de massagens, aquecimento e refrigeração – mais uma vez, tudo regulável através do “smartphone” integrado no encosto de braço central traseiro, que é uma verdadeira mochila do Sport Billy (se não conhece, “google it”!…), integrando ainda umas luxuosas mesas amovíveis tipo avião, além de um pequeno frigorífico, para que possamos manter gelada a garrafa de Dom Pérignon. Enfim, tudo, para nos sentirmos autêntica realeza!

Finalmente e porque, por vezes, também é necessário levar connosco algumas bagagens, uma bagageira em tudo idêntica à dos restantes “irmãos”, com portão de accionamento elétrico, amplo e prático acesso (graças também à suspensão traseira rebaixável através de botão na lateral da mala), e uma capacidade de carga anunciada de 580 litros… mas é só! Isto, porque, devido à colocação das baterias do sistema híbrido junto às costas das poltronas traseiras, assim como ao facto destas não rebaterem, mais arrumação, só mesmo num espaço, não muito fundo, por baixo do piso falso. Ao qual se pode somar ainda ganchos porta-sacos, dois pontos de luz, tomada de 12V e, naturalmente, excelentes materiais – algo que é possível notar até mesmo na moldura do vidro, revestida a Alcantara (!), que, acima das costas dos bancos, impede a entrada de qualquer objecto no habitáculo.

Equipamento

Ora aqui está um item em que seria, no mínimo, fastidioso enumerar tudo aquilo que contempla, tal é a lista de equipamento de série que este Volvo XC90 T8 PHEV Excellence exibe!

Ainda assim e a acrescentar tudo aquilo que já foi referido, pouco do qual tem de ser pago à parte, referência especial para o fecho centralizado com comando remoto Exclusive, alarme, Homelink, , limitador de velocidade, Cruise Control Adaptativo, Sistema de Mitigação na Colisão (à frente e atrás), Ajuda à Manutenção na Faixa de Rodagem, Aviso da Presença de Viaturas no Ângulo Morto, Aviso de Colisão Iminente, Câmara de 360 graus, Park Assist Pilot, Sistema de Modos de Condução, Assistência ao Arranque em Subidas, Ajuda em Descidas Íngremes, suspensão pneumática, chassis Four-C, indicador de pneu vazio e kit de reparação de pneus.

Lista extensa a que há que juntar ainda um painel de instrumentos digital de 12,3″, bancos dianteiros ventilados e com protecção Whiplash, painel de bordo em couro, sensor de chuva, Head-Up Display, Premium Sound Audio by Bowers & Wilkins com comandos no volante, conexões USB (2), Bluetooth, sistema de navegação e Volvo On Call.

Será preciso pedir mais?…

Consumos

Única motorização híbrida disponível, para já, na marca sueca, este T8 PHEV é composto por um quatro cilindros 2,0 litros turbo a gasolina a debitar 320 cv e 400 Nm de binário, acrescido de um motor elétrico, a garantir mais 87 cv e 240 Nm no eixo traseiro. Sendo que, em conjunto, os dois motores garantem não apenas acelerações e uma velocidade de ponta idêntica à de um verdadeiro desportivo, como também consumos que, no papel e tendo permanentemente presente que se trata de um conjunto com mais de três toneladas (!), facilmente nos deixam impressionados!

Infelizmente – e por isso dizemos “no papel” -, a verdade é que, uma vez transpostos para a “dura e crua” realidade, as coisas acabam por não funcionar totalmente bem assim. Com os consumos a mostrarem-se substancialmente mais elevados do que os 2,1 l/100 km prometidos; mais concretamente, 9,6 l/100 km!

É muito, provoca respeito (até pelo facto do depósito de combustível não ir além dos 50 litros)… mas também não se pode esperar que um mastodonte deste tamanho ande a ar, pois não?!…

Ao volante

São mais de três toneladas de peso, um “bicho” com quase cinco metros de comprimento e perto de 2,0 m em altura, mas a verdade é que, assim que nos sentamos ao volante, numa posição alta e ainda assim confortável, fruto também da qualidade dos materiais em redor, basta uma aceleração a fundo, com o modo Power accionado, para ficarmos de queixo caído — i-m-p-r-e-s-s-i-o-n-a-n-t-e!

Sem quaisquer reacções intempestivas e evidenciando sempre uma excelente filtragem, amortecimento e insonorização, o Volvo XC90 T8 PHEV mais parece um atleta de fundo em total exuberância, acumulando quilómetros sem qualquer esforço ou dificuldade, e sempre extremamente estável. Culpa da muita tecnologia que congrega e, principalmente, do chassis C-Four, sinónimo de suspensão pneumática. A qual, mesmo não conseguindo garantir as mesmas sensações de um verdadeiro desportivo, até porque a direcção parece sempre um pouco vaga, não deixa de convencer na forma como ajuda às acelerações tipo canhão…

De resto, o que também convence é, sem dúvida, o sistema de propulsão, gerido de forma perfeita pela irrepreensível caixa automática Geartronic de oito velocidades, ainda que com a motorização híbrida a pecar, numa utilização exclusivamente elétrica (modo Pure), por não conseguir autonomias melhores que os 35 quilómetros registados— valor distante dos 50 km prometidos pelo construtor. Sendo que, depois, para recarregar as baterias, são precisas, numa tomada doméstica, cerca de seis horas!…

Optando por uma utilização conjunta dos dois motores, seja em modo Hybrid, em que funcionam de forma complementar, ou em Off-Road, opção naturalmente vocacionada para o fora-de-estrada, com a suspensão a elevar-se alguns centímetros e o SUV sueco a aproveitar na plenitude a fórmula dos dois motores repartidos por cada um dos eixos (motor de combustão a puxar à frente, elétrico a operar atrás) para assegurando uma tracção integral, excelente, igualmente, a versatilidade que o modelo garante. Reagindo a todo e qualquer momento ao acelerador (sempre são 407 cv em conjunto, capazes de atingir os 100 km/h em apenas 5,6s!…), para em seguida rolar de forma tranquila e imperturbável. Podendo sempre optar pelo modo “Save”, accionável através do enorme ecrã do sistema de info-entretenimento Sensus, como forma de guardar a energia ainda existente na bateria de 9,2 kWh, para utilização posterior.

Embora o arranque tenha de ser sempre feito em modo elétrico…

Concorrentes

Porsche Cayenne E-Hybrid Tiptronic S 4×4 Activa, seis cilindros 3.0 litros, 462 cv, 700 Nm, 5,0s 0-100 km/h, 253 km/h, 3,2 l/100 Km, 72 g/km, 106.780,75€

Balanço final

É o modelo mais luxuoso alguma vez construído pela Volvo e a verdade é que isso nota-se, nos mais ínfimos pormenores - a começar pela própria forma de estar do Volvo XC90 T8 PHEV AWD Geatronic Excellence, que, simplesmente, sabe ser diferente dos rivais alemães. Não somente na interpretação tecnológica, da qual faz parte um sistema de propulsão híbrido, a gasolina, como também na forma como interpreta o luxo, o requinte, a qualidade. Sendo, por isso, de lamentar, que não procure essa mesma diferenciação (positiva), também no preço e, já agora, nos consumos…

Ficha técnica

Motor

Tipo: quatro cilindros em linha, com injecção directa Common-Rail, turbocompressor de geometria variável e intercooler

Cilindrada (cm3): 1.969

Diâmetro x curso (mm): 82×93,2

Taxa compressão: 10,3:1

Potência máxima (cv/rpm): 320/6.000

Binário máximo (Nm/rpm): 400/2.200-4.800

Motor elétrico

Finalidade: Impulsionar o veículo/gerar corrente elétrica

Potência máxima (cv/rpm): 88/7.000

Binário máximo (Nm/rpm): 240/3.000

Bateria (tipo/capacidade): Iões de lítio/10,4 kWh

Autonomia elétrica: +43 km

Transmissão e direcção: tracção integral permanente, com caixa automática Geartronic de 8 velocidades; direção de pinhão e cremalheira, com assistência eléctrica

Suspensão (fr/tr): Tipo duplo braço triangular/Eixo traseiro transversal

Travões (fr/tr): Discos ventilados/Discos

Prestações e consumos 

Aceleração: 0-100 km/h (s): 5,6

Velocidade máxima (km/h): 230

Consumos urbano/extra-urb./misto (l/100 km): -/-/2,1

Emissões de CO2 (g/km): 49

Dimensões e pesos

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4,950/2,140/1,776

Distância entre eixos (mm): 2,984

Largura das vias (fr/tr) (mm): 1.668/1.671

Peso (kg): 3.010

Capacidade da bagageira (l): 580/1.600 (com 2.ª fila de bancos rebatida)

Depósito de combustível (l): 50

Pneus (fr/tr): 275/40 R21 / 275/40 R21

Preço da versão ensaiada (Euros): 128602€
Preço da versão base (Euros): 125115€

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!