Abarth 595 Competizione – Ensaio

By on 25 Junho, 2017

José Manuel Costa

Abarth 595 Competizione

Para lá da já conhecida renovação estética, esta versão mais radical do 500 – o nível antes do 695 Biposto – exibe novos amortecedores Koni e um diferencial autoblocante que deveriam fazer toda a diferença. Será que conseguem?

Os Abarth feitos com base nos 500 conhecem sucesso em Portugal, não só porque o 500 é um carro giro e divertido, mas porque a marca fundada por Carlo Abarth continua a fazer sonhar muitos. O escorpião continua a picar e no 500 são ferradelas mais ou menos violentas, dependendo daquilo que escolhe no cardápio proposto pela Abarth. Já lhe dei a conhecer o mais radical, o 695 Biposto (impossível de viver com ele quotidianamente, mas uma diversão sem igual) agora trago-lhe a versão imediatamente abaixo, o 595 Competizione. E para ambientar que tal uns bancos Sabelt em carbono e o motor 1.4 TJet com 180 CV, além de uma pintura amarela que ofusca tudo o que está em redor?

Este 595 Competizione está equipado com tudo aquilo que a Abarth sabe que pode melhorar o comportamento do pequeno 500. Além do motor e da caixa manual de cinco velocidades, finalmente foi aplicado um diferencial autoblocante mecânico. Para completar existe um pacote Performance que junta à festa amortecedores Koni FSD e um sistema de travagem Brembo mais potente.

Vou saltar por cima das alterações estéticas pois já aqui falei várias vezes delas, vamos antes ao que interessa, deixando só uma nota para o interior. Que graças a uma entrada de ar dianteira maior está agora mais fresco (o ar condicionado consegue processar mais ar) e as aplicações em alcantara oferecem um ar de maior refinamento ao interior. Não esquecendo que o 595 Competizione está equipado com o UConnect, o sistema de info entretenimento da Fiat com todas as funções. Quando mudamos do modo normal para o modo Sport (acontece apenas uma vez, asseguro-vos) o painel de instrumentos do 595 Competizione muda de grafismo.

Infelizmente, o ensaio a esta Abarth poderia ficar por aqui. Primeiro porque o carácter do 595 Competizione pouco se alterou, ou seja, um carro compacto que é terrivelmente ágil, tem um comportamento brusco devido à curta distância entre eixos e uma aceleração feroz, mas que leva algum tempo a produzir velocidade. Que acaba por ser elevada para um carro tão pequeno e leve.

Há diferenças, sim, que se podem resumir no conforto mais aceitável que no anterior (os amortecedores da Koni são excelentes beste particular) modelo, no controlo dos movimentos da carroçaria e um ligeiro contributo para acentuar a agilidade do carro e permitir mudanças de direção ainda mais velozes. Já o diferencial autoblocante não entra muito em jogo, pois a Abarth decidiu ser conservadora e não mexeu nas rampas do diferencial nem “apertou” muito o bloqueio e por isso a natural tendência para o 595 Competizione vergar-se à subviragem manteve-se (afinal são 180 CV às rodas da frente e um comportamento a pedi-las!!!) e, inexplicavelmente, o diferencial não reage quando levantamos o pé do acelerador para resgatar a frente.

Não sei qual é a percentagem de bloqueio, mas senhores da Abarth, que tal oferecerem um nadinha mais para que o carro fique soberbo em curva? Não se preocupem com o efeito nas rodas, pois aqui o pessoal que compra um brinquedo destes sabe o que anda a fazer. Digo eu! Mais um detalhe, já agora. Que tal a caixa de cinco velocidade manual ser mais curtinha? Eu sei que os consumos são preocupação, mas depois de pagar 30 mil euros por esta “bomba” quero lá saber dos consumos. Fica a dica, hum?!

Veredicto

Nem vou falar do preço, porque seria uma injustiça tremenda para o 595 Competizione estar aqui preocupado com o preço superior aos 30 mil euros (se estiver curto de fundos há versões de 140 e 165 CV sem o Performance Pack que ficam entre os 21.500 e os 29 mil euros… não têm é tanta piada!). O 595 Competizione é um carro divertido, rápido e desenhado por quem gosta de automóveis, ou melhor, para quem gosta de carros de competição. Um autoblocante mais agressivo e uma afinação dos Koni menos confortável, daria ao 595 Competizione um grau de excelência superlativo. Mas para isso está lá o 695 Biposto com 190 CV e uma afinação absolutamente virada para a competição e um preço de 46 mil euros. Portanto, apesar das criticas que faço ao autoblocante e aos amortecedores e até à caixa um nadinha longa, a verdade é que este 595 Competizione é um Abarth de boa cepa que adoraria ter aqui na minha garagem. Foram dias felizes ao seu volante que acabaram quando o devolvi após uma semana de companhia e enorme paródia ao volante. Para quem deseja ter um Abarth 500, este é o carro a escolher. 

FICHA TÉCNICA

Motor

Tipo – 4 cilindros em linha, injeção multiponto, turbo

Cilindrada (cm3) – 1368

Diâmetro x curso (mm) – 72×84

Taxa de compressão – nd

Potência máxima (cv/rpm) – 180/5500

Binário máximo (Nm/rpm) – 250/3000

Transmissão e direcção – Tração dianteira, caixa manual de 5 vel.; direção de pinhão e cremalheira, com assistência elétrica

Suspensão (fr/tr) – Independente tipo McPherson; eixo de torção

Prestações e consumos

Aceleração 0-100 km/h (s) – 6,7

Velocidade máxima (km/h) – 225

Consumos Extra-urb./urbano/misto (l/100 km) – 4,9/7,9/6,0

Consumo real (5/100 km) – 8,2

Emissões de CO2 (g/km) – 139

Dimensões e pesos 

Comp./largura/altura (mm) – 3660/1627/1485

Distância entre eixos (mm) – 2300

Largura de vias (fr/tr) (mm) – 1415/1408

Travões (fr/tr) – Discos ventilados/discos ventilados

Peso (kg) – 1045

Capacidade da bagageira (l) – 185

Depósito de combustível (l) – 35

Pneus – 205/40 R17