BMW X3 M Competition – Ensaio Teste

By on 7 Janeiro, 2020

BMW X3 M Competition

Texto: José Manuel Costa ([email protected])

M3 em formato SUV

Rooawww, ptumb, tchissssss, Rooawwwwww, ptumb, brop brop, roaawwwwwwwmm” e quando damos por nós estamos obscenamente para lá de tudo o que é limite de velocidade. Sim já sei que voltou atrás para confirmar se estava a ler um ensaio ou uma aula de como escrever ruídos e se este é mesmo o ensaio ao X3 ou ao M3. É aos dois, pois o X3 M Competition com 510 CV é um BMW M3 em formato SUV, obscenamente rápido e que me leva a perguntar: mas, para que tudo isto? Só consigo vislumbrar uma resposta: porque a Mercedes, a Porsche e até a Alfa Romeo têm SUV com mais de 500 CV e a divisão M da BMW nunca fez um SUV médio com tamanha potência. Pronto, agora já e vou-lhe dar a conhecer um carrinho que até é bem-apessoado e custa qualquer coisa como 134 mil euros.

Conheça todas as versões e motorizações AQUI.


Mais:

Performances, Tecnologia, Estilo

 

 

 

Menos:

Preço, Conforto

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Pontuação 8/10

Pode parecer estranho, mas o X3 continua a ser um dos melhores exercícios de estilo da BMW que nesta versão desportiva, muito musculada, acaba por não ficar estragado. Os detalhes são corretos, as jantes de liga leve generosas rimam com o resto da postura e a verdade é que este X3 M acaba por seduzir através do estilo. Não há cá “nem funfuns nem gaitinhas”, este é um SUV desportivo e pronto! Gosto! Só um detalhe: acho muita piada aos espelhos exterior típicos M e do M3, mas no X3 acabam por não fazer muito sentido, pois provocam imensa turbulência e, naturalmente, ruído indesejável.

Interior

Pontuação 8/10

Graças a Deus que o X3 tem um interior que faz parte do passado da BMW no que toca aos habitáculos e não desta nova geração que, na minha opinião, enfraqueceu uma das melhores coisas que a casa bávara tinha: a familiaridade com todos os BMW. Os instrumentos são digitais, mas são redondos e alinhados como sempre a BMW fez desde há muitas décadas. Quem diz que estão fora de moda não sabe o que está a dizer. A posição de condução é excelente, pois o banco é envolvente com amplo suporte para pernas e costas, muitas regulações e nas mãos temos um volante “à BMW”. A consola central não é das mais belas, mas pelo menos o X3 tem uma excelente visibilidade (muito melhor que a do X4), uma boa habitabilidade traseira e uma bagageira entre 550 a 1600 litros. Valores mais que suficientes para um SUV como o X3.A qualidade de construção é muito boa e os materiais são de elevada qualidade e a verdade é que a BMW consegue no X3 aproximar-se da Audi e dos interiores brilhantes que sempre realiza.

Equipamento

Pontuação 6/10

As versões M da BMW são bem equipadas, mas como também é hábito na BMW, a lista de opcionais é, igualmente, excelente e, sobretudo, longa. De série é oferecido o sistema de navegação, leitor de CD, tele serviços, serviços Connected Drive, conectividade com aparelhos móveis, USB, Bluetooth e carregamento wireless, ar condicionado automático, vidros elétricos sensores de chuva e luz, fecho central com alarme e acesso e arranque mãos livres e mais algumas coisas que fazem parte do equipamento de série. A partir daqui e para ter um X3M Competition, terá de alargar os cordões à bolsa.  Face ao modelo ensaiado, a pintura metalizada custa 813 euros, o sistema de acesso Comfort fica por 512 euros, chave BMW com ecrã custa 300 euros. As barras no tejadilho custam 293 euros, os vidros com proteção solar ficam por 382 euros e o ajuste elétrico dos bancos custa 138 euros. Seguem-se os frisos em fibra de carbono (715 euros), luzes adaptativas LED (422 euros), assistente de condução Plus (1.967 euros), assistente de estacionamento Plus (902 euros), Head Up Display (934 euros), sistema de som Surround Harmann Kardon (594 euros), informação de trânsito em tempo real (135 euros), Pacote M Driver’s (2.065 euros) e pacote M Competition que custa 7.037 euros e inclui sistema de esvape M, jantes de liga leve de 21 polegadas, apoio lombar nos bancos dianteiros, cintos de segurança M, proteção ativa, bancos desportivos BMW M e pacote Competition. Tudo isto leva o preço deste X3 M para lá dos 143 mil euros.

Consumos

Pontuação 3/10

O seis cilindros com 510 CV não é, propriamente, um pisco no que toca a sorver gasolina de 98 octanas. A BMW anuncia um valor de 10.5 l/100 km, mas se conseguir baixar dos 14 litros, diga-me alguma coisa que lhe dou um abraço. A mediado ensaio ficou nos 15,2 l/100 km, nada de preocupante quando temos debaixo do pé direito mais de 500 CV, ainda por cima num SUV nada leve. E quando decidi tentar explorar tudo o que há no X3 M Competition, os valores subiram assustadoramente para perto dos 20 litros, com picos bem acima. Mas, criticar isso num carro desses? Por amor de Deus!

Ao volante

Pontuação 8/10

Confesso que adoro o X3 M Competition, mas o carro não é perfeito e a BMW voltou aos velhos tempos da divisão M com endurecimento forte da suspensão. Lembram dos primeiros Mini Cooper S e JCW? O X3 M Competition, mesmo no modo de condução normal ou Comfort, é duríssimo e roça, neste modo, o desconfortável para quem segue no banco da frente, pois atrás é mesmo desconfortável. A BMW justifica esta insana dureza das suspensões, porque o carro é um M3 X e não um X3 M, ou seja, a casa bávara quis satisfazer os clientes SUV-dependentes com um M3 com cara de X3. A ideia era dar ao X3 M um comportamento á altura do M3, mas alguém dentro da divisão de suspensões deve ter pensado que um carro duro como pedra, à imagem do carro dos Flinstones, seria a única possibilidade de fazer isso. Juntam-se a isso as jantes de 21 polegadas e o recrudescimento da dureza nos modos Sport e Sport Plus, tornam tudo ainda mais complicado no que toca ao conforto. Acreditem que entre os modos Comfort, Sport e Sport Plus, a diferença é pequena, mas sempre no sentido de endurecer mais a suspensão. E tudo isto não consegue que o X3 M Competition seja um SUV com um comportamento à imagem do M3. Ao invés, continua a ser um carro pesado e alto, que luta para manter os movimentos da carroçaria controlados – é tão duro que consegue sem grandes dificuldades – tem uma direção rápida, precisa, mas muito assistida e sem sensibilidade e de nada vale deitar mão aos modos de condução, pois fica tudo quase na mesma.

Tenho de ser honesto e dizer que em curva o X3 M Competition controla bem os movimentos da carroçaria num percurso de “pif paf” (curvas sucessivas para um lado e para o outro), percebe-se que o sistema de tração integral privilegia o eixo traseiro, ajudando as pequenas derivas a levar muita velocidade para dentro da curva. Mas o Alfa Romeo Stelvio Quadifoglio também faz isso, mas curva ainda mais depressa, sem ser tão desconfortável. Até o Mercedes GLC AMG é mais confortável. Seja como for, com 510 CV, o X3 M Competition é super veloz.

Concorrentes

Alfa Romeo Stelvio Quadrifoglio

2891 c.c. biturbo a gasolina; 510 CV; 600 Nm; 0-100 km/h em 3,8 seg,; 283 km/h; 9,8 l/100 km, 227 gr/km de CO2; 129.669 euros

(Conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

Mercedes GLC 63S AMG

3984 c.c. biturbo a gasolina; 510 CV; 700 Nm; 0-100 km/h em 3,8 seg,; 280 km/h; 12,4 l/100 km, 283 gr/km de CO2; 136.250 euros

(Conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

Porsche Macan Turbo

2894 c.c. turbo a gasolina; 440 CV; 550 Nm; 0-100 km/h em 4,5 seg,; 270 km/h; 9,8 l/100 km, 224 gr/km de CO2; 125.336 euros

(Conheça todas as versões e motorizações AQUI)

Motor

Pontuação 8/10

Sabia que a BMW esteve a trabalhar quatro anos e meio para fazer este X3 M? Não que seja relevante, mas é a realidade. O motor demorou ainda mais, cinco anos, para ser colocado nas versões M da BMW, sendo um bloco de seis cilindros com 3.0 litros que, curiosamente, pouco ou nada tem a ver com o seis cilindros de 3.0 litros do Z4, do Supra, enfim, de outros BMW. É um bloco mais leve, com melhor resposta, medidas para reduzir o tempo de resposta do turbo e detalhes deliciosos: cabeça do motor é impressa em 3D, alguns dos acessórios também e a eficiência térmica é muito maior e por isso é capaz, nesta versão do X3 M Competition, chegar aos 510 CV. O encaixe de potência e binário é semelhante ao do M5 e por isso mesmo a M decidiu trazer daquele modelo a caixa de oito velocidades automática, uma unidade excelente no funcionamento… manual. Ou seja, quando optamos pelo comando manual, a caixa é fantástica, quando seguimos em modo automático, tem vida própria pouco esclarecida com passagens de caixa aleatórias e com situações desconfortáveis. Já agora, senhores da BMW, que tal uma alavanca da caixa com piada? E também gostava de perguntar quando é que a BMW volta a oferecer motores com sonoridade entusiasmante como no passado: é que o sintetizador que faz o fogo de artificio de que falo na introdução, acaba por siar muito a artificial quando abrimos o capô motor. É que de nada vale chegar às 7200 rpm se o ruído é pouco simpático. Ah e já agora, dizer que o V6 da Alfa Romeo continua a ser melhor que este seis cilindros da BMW, com muito mais chama e excitação. O motor BMW é muito bom e isso diz muito do trabalho feito pelos italianos da Ferrari no bloco do Stelvio.

Balanço final

Pontuação 7/10

Como já disse, gosto do X3 M Competition pelo estilo, pelo que oferece, pela qualidade, pela performance espetacular, enfim, por ser um SUV do M3. Mas a verdade é que o carro é exageradamente desconfortável sem gerar um comportamento melhor que o do Alfa Romeo Stelvio Quadrifoglio, sendo o carro italiano muito mais confortável. Depois, o motor tem um ruido que é salvo pelo sintetizador de som. Sim, é verdade, o X3 M Competition é um verdadeiro foguete, tem prestações de topo, mas… o X3 M40i é mais barato, mais confortável, mais económico e com muita coisa M, sendo quase tão rápido como este X3 M Competition. Continua a ser giro, tem uma carroçaria musculada, está bem equipado e pode sempre encomendá-lo junto da BMW.

Ficha técnica

Motor

Tipo: 6 cilindros em linha com injeção direta e duplo turbo de geometria variável com intercooler

Cilindrada (cm3): 2993

Diâmetro x Curso (mm): 84 x 90

Taxa de Compressão: 9,3

Potência máxima (CV/rpm): 510/6250

Binário máximo (Nm/rpm): 600/2600 – 5950

Transmissão: Integral permanente com caixa automática Steptronic de 8 velocidades

Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente

Suspensão (ft/tr): Duplo triângulo sobreposto/eixo multibraços

Travões (fr/tr): Discos ventilados

Prestações e consumos

Aceleração 0-100 km/h (s): 4,1

Velocidade máxima (km/h): 250

Consumos extra-urb./urbano/misto (l/100 km): 8,8/12,8/10,5

Emissões CO2 (gr/km): 239

Dimensões e pesos

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4726/1897/1669

Distância entre eixos (mm): 2864

Largura de vias (fr/tr mm): 1617/1602

Peso (kg): 1970

Capacidade da bagageira (l): 550/1600

Deposito de combustível (l): 65

Pneus (fr/tr): 255/40 ZR21 fr./265/40 ZR21 tr.

Preço da versão ensaiada (Euros): 143434€
Preço da versão base (Euros): 121200€