KIA PROCEED 1.6 T-GDI GT – Ensaio Teste

By on 1 Março, 2019

Kia Proceed 1.6 T-GDI GT

Texto: José Manuel Costa ([email protected])

Desportivo com estilo

Após o ensaio à versão turbodiesel do Proceeed, é chegada a hora de vos contar tudo sobre a variante que, na minha opinião, mais se coaduna com o espírito desta carrinha estilosa e cheia de personalidade. Falo da versão GT equipada com o motor 1.6 litros turbo a gasolina com 204 CV. Para mim, este é “o” Proceed que, ainda por cima, com a campanha que a marca tem em vigor, deixa este carro carregado de equipamento e com uma mecânica vibrante, abaixo dos 35 mil euros. Se ainda é daqueles que, enjoado, torce o nariz às marcas coreanas, vá lá experimentar este Proceed e verá que anda enganado já há algum tempo…


Mais:

Estilo / Personalidade / Chassis / performances      

Menos:

Insonorização / Visibilidade traseira / Interior sem mudanças / Caixa DCT

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Pontuação 9/10 Como já referi, o Kia Proceed é uma carrinha Ceed alongada (tem 4,61 metros) bem mais baixa (menos 43 mm) com um tejadilho arredondado que cai para um óculo traseiro muito mais inclinado. O exercício de estilo feito no Proceed é brilhante e o aspeto do carro é muito bom. Curiosamente, para fazer este Proceed, a Kia teve de fazer o carro praticamente desde a raiz. A “shooting brake” partilha com o Ceed os guarda lamas dianteiros e o capô, sendo tudo o resto diferente. Depois há os detalhes de estilo que fazem a diferença: o para choques dianteiro foi redesenhado, tal como o traseiro, para conferir maior agressividade e a dupla saída de escape ajuda nesse particular. Depois temos aquilo que a Kia denomina como “coast to coast line” ou seja, a barra luminosa que liga os dois farolins traseiros surgindo por baixo o símbolo da Kia e a designação do modelo. As jantes de 18 polegadas dão um aspeto tremendo ao carro, num conjunto muito agradável á vista. Rebaixado, o Proceed tem mesmo muito bom aspecto.

Interior

Pontuação 8/10 Tentar entrar no Proceed deixa claro que o acesso é mais acanhado, o mesmo se passando para quem segue no banco traseiro. Ultrapassando essa dificuldade, sentamo-nos num banco confortável e muito envolvente. Forrado a pele e alcantara, tem amplo suporte lombar e das ancas, dando o pesponto vermelho um toque desportivo. A posição de condução é facilmente encontrada, estando à nossa frente um volante com a parte inferior cortada. Tudo o resto é igual ao que encontramos num Kia Ceed SW. Pela forma do tejadilho, o espaço para a cabeça diminuiu de forma evidente e atrás, mais ainda, apesar de continuar a acolher gabaritos generosos. Não houve alterações no que toca ao espaço para as pernas, continua a ser generoso. Já na bagageira não há queixas: 594 litros, apenas 31 litros menos que na carrinha, oferecendo um sistema de barras que permite organizar a bagagem e prendê-la no seu lugar, mantendo o rebatimento 60/40. A visibilidade traseira é uma desgraça, pois a forma da carroçaria impede que se veja muita coisa. Fica o pequeno amargo de boca da Kia não ter ido mais longe com o interior do Proceed, pois não há nenhuma distinção entre este e um comum Ceed. Era preciso manter uma ligação á gama Ceed, ficou a frente e o interior.

Equipamento

Pontuação 8/10 Disponível apenas como GT, o Kia Proceed 1.6 T-GDI 204 CV, tem no equipamento outra das mais valias. Olhando para a lista de equipamento, não falta quase nada, desde alarme, cruise control, sistema de alerta de condutor, controlo de estabilidade, faróis de nevoeiro, alerta de colisão frontal, ajuda ao arranque em inclinação, máximos automáticos, assistente de manutenção de faixa de rodagem, ar condicionado automático, banco do condutor e passageiros com regulação em altura, Bluetooth, fichas USB e AUX, tomada de energia, computador de bordo, sensores de luz e chuva, chave inteligente, acesso e arranque mãos livres, sistema de navegação com ecrã de 8 polegadas e câmara de estacionamento traseiro, vidros elétricos nas quatro portas, abertura elétrica do portão traseiro, travão de mão elétrico, volante e alavanca da caixa de velocidades forrada a couro, carregador sem fios para o smartphone, jantes de liga leve de 17 polegadas (as de 18 polegadas custam 400 euros), sensores de estacionamento traseiro. Como opcionais estão a pintura metalizada (430 euros), o teto de abrir panorâmico, sistema de som JBL com 8 colunas (amplificador de 800 watts, 500 euros) e os pacotes ADAS (alerta de colisão frontal peões, detetor de ângulo morto, alerta de tráfego na retaguarda, 800 euros) e ADAS Plus (alerta de colisão frontal peões, detetor de ângulo morto, alerta de tráfego na retaguarda, cruise control adaptativo, estacionamento automático e assistente de fila de trânsito, 1.600 euros). Fica, também, a nota que a Kia continua a oferecer 7 anos de garantia.

Consumos

Pontuação 6/10 Com 204 CV, se espera um consumo baixinho, pode esquecer. Com capacidade de chagar dos 0-100 km/h em 7,2 segundos, o Proceed GT necessita de gasolina para funcionar. A Kia reclama 6,2 l/100 km, mas ao longo do ensaio só lá cheguei em autoestrada e abaixo dos 140 km/h. Assim, consegui 6,8 l/100 km. A média final do ensaio ficou nos 8,1 l/100 km, nada que seja ultrajante olhando às capacidades do motor e a diversão que proporciona.

Ao volante

Pontuação 8/10 As suspensões foram endurecidas com amortecedores e molas mais duras, barras estabilizadoras suavizadas, carro rebaixado 5 mm, movimentos da carroçaria mais controlados e a utilização de pneus Michelin Pilot Sport 4. Claramente mais firme que outro Ceed que já conduzi, o Proceed não endurece de forma a prejudicar o conforto, até porque as evoluídas suspensões independentes nos dois eixos, absorvem de forma competente as maiores irregularidades. A direção também foi mexida e revela-se precisa e consistente, mais natural e com alguma sensibilidade. Não é muita, mas ainda assim saúda-se. O motor de 204 CV não coloca em perigo a excelência das suspensões, mas o peso do GT rouba alguma agilidade ao carro, nomeadamente, nas trocas de direção. Ainda assim, a frente tem aderência suficiente para resistir à debandada quando em pressão, com a direção a oferecer-nos a informação necessária para manter a trajetória escolhida. Graças à vectorização de binário, não há muitos problemas de tração – mesmo que ainda exista alguma tendência para as rodas patinarem num arranque mais violento – e se porventura tiver de levantar o pé a meio de uma curva quando já está totalmente comprometido com ela, não se preocupe que o chassis não chicoteia e o ESP consegue controlar tudo sem grandes dificuldades. A velocidade maior que este motor mais potente permite não deixa dúvidas sobre a boa qualidade do comportamento. E, acima de tudo, o Proceed GT com 204 CV é um carro muito divertido de conduzir.

Concorrentes

Mercedes CLA 250 Shooting Brake 1991 c.c.; 211 CV; 350 Nm; 0-100 km/h em 6,6 seg,; 240 km/h; 6,0 l/100 km, 153 gr/km de CO2; nd (Conheça todas as versões e motorizações AQUI)

Motor

Pontuação 7/10 O motor a gasolina com 1.6 litros tem uma força impressionante e com um som que é real, mas que no interior é aumentado. Sem necessidade, digo eu. Seja como for, tem impulso suficiente para mexer os mais de 1400 quilogramas do Proceed GT. A resposta ao acelerador é forte e se há por aqui um elo mais fraco, será a caixa de dupla embraiagem. Não usando as patilhas do volante, há algumas hesitações e o software da caixa fica, algumas vezes, baralhado. Carregamos a fundo, estilo “kick down” e umas vezes a reação é progressiva, outras vezes levamos um pontapé nas costas, o que em curva não dá muito jeito. Se optarmos pelo comando manual, não é a caixa maios rápida do mundo e algumas vezes o comando dado não foi aceite pela caixa ou simplesmente ignorado.

Balanço final

Pontuação 8/10 Com uma habitabilidade mais que suficiente (mesmo que ligeiramente apertada em termos de altura), uma bela bagageira e uma qualidade de construção muito interessante, tudo embrulhado numa carroçaria muito atraente que encerra dentro de si um inusitado e excelente equilíbrio entre prazer de condução e conforto, o Kia Proceed é um automóvel a ter em conta. É verdade que o motor de 204 CV não é tão divertido como na berlina, muito por culpa do peso extra, mas ainda assim é um carro muito agradável. Prefiro o Proceed com outra motorização que o deixe mais leve. O estilo do Proceed é mesmo um enorme argumento, o equipamento e os preços também, mas não se esqueça da garantia de 7 anos. Com estilo, com 7 anos de garantia e este equipamento, o Kia Proceed não tem rivais.

Ficha técnica

Motor Tipo: 4 cilindros em linha com injeção direta e turbo com intercooler Cilindrada (cm3): 1591 Diâmetro x Curso (mm): 77 x 85,4 Taxa de Compressão: 10,0 Potência máxima (CV/rpm): 204/6000 Binário máximo (Nm/rpm): 265/1500 – 4500 Transmissão: dianteira com caixa automática de dupla embraiagem com 7 vel. Direção: Pinhão e cremalheira assistida eletricamente Suspensão (ft/tr): Duplo triângulo sobreposto/independente multibraços Travões (fr/tr): Discos ventilados/Discos Prestações e consumos Aceleração 0-100 km/h (s): 7,2 Velocidade máxima (km/h): 225 Consumos extra-urb./urbano/misto (l/100 km): 6,3 Emissões CO2 (gr/km): 142 Dimensões e pesos Comprimento/Largura/Altura (mm): 4605/1800/1422 Distância entre eixos (mm): 2650 Largura de vias (fr/tr mm): 1559/1567 Peso (kg): 1465 Capacidade da bagageira (l): 594 Deposito de combustível (l): 50 Pneus (fr/tr): 225/40 R18

Preço da versão ensaiada (Euros): 34790€
Preço da versão base (Euros): 34790€