Seat Ibiza 1.0 TGI Xcellence – Ensaio Teste

By on 21 Outubro, 2019

Seat Ibiza 1.0 TGI Xcellence

Texto: Francisco Cruz

Ser diferente

Interveniente num segmento onde não falta escolha, a começar dentro da própria marca e, até mesmo, no seio da gama a que pertence, este Seat Ibiza quis-se diferente. Razão pela qual resolveu adoptar um pequeno motor a gasolina, que também pode circular a gás natural comprimido, ou GNC. Só que, infelizmente, nem sempre ser diferente, significa ser melhor…

Conheça todas as versões e motorizações AQUI.


Mais:

Custos de aquisição e utilização; Comportamento; Habitabilidade

 

 

 

Menos:

Impossibilidade de seleccionar o tipo de combustível pretendido; Rede de abastecimento quase inexistente; Resposta do motor em baixas

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Pontuação: 8/10

Basicamente… é um Ibiza! Sem alterações significativas naquelas que são as linhas gerais do pequeno utilitário espanhol, este Ibiza 1.0 TGI pouco ou nada se diferencia, visualmente, da restante família, a não ser pela pequena sigla que exibe no portão da mala: TGI.

Assim, mais importante ao olhar, que o facto de se tratar de uma versão que pode circular a gás natural, é, sem dúvida, o nível de equipamento Xcellence que o embeleza. E que, exteriormente, se afirma, basicamente, pelos faróis de dupla óptica com luzes diurnas LED, faróis de nevoeiro dianteiros com função cornering e jantes em liga leve de 15″.

Interior

Pontuação: 8/10

Tal como no exterior, também no interior do habitáculo, o Ibiza TGI poucas alterações apresenta, face aos restantes “irmãos”, sejam eles exclusivamente a gasolina ou diesel.

Assim, a denunciar a propulsão mais… limpa, só mesmo os indicadores, no painel de instrumentos, relacionados com a quantidade de combustível nos depósitos de gás e gasolina, ambos perfeitamente integrados naquelas que são as linhas gerais do habitáculo. Não existindo, sequer e por exemplo, qualquer botão ou comando, que permita ao condutor optar entre combustíveis…

Quanto ao restante, trata-se de um Ibiza como outro qualquer, a revelar uma construção agradavelmente sólida, mesmo com muito plástico a revestir o ambiente, que no caso em concreto da versão Xcellence, acresce ainda pormenores destinados a transmitir maior qualidade e desportividade. É o caso, por exemplo, do volante, multiregulável e de boa pega, e do frontal do tablier, ambos revestidos a couro cinza com pespontos amarelos, as mesmas cores dos bancos em tecido.

De resto, num habitáculo de acesso um pouco mais baixo, sobressai igualmente uma posição de condução agradavelmente desportiva, fruto de um banco com bons apoios laterais e multireguláveis, a garantir boa visibilidade dos vários ecrãs, mas também um fácil e correcto acesso à generalidade dos comandos.

Um pouco mais difícil, a visibilidade traseira, mas nada que a presença de sensores e câmara – opcional, por 460€  – não resolva…

Quanto aos restantes passageiros, têm garantida uma boa habitabilidade, especialmente se não forem mais de dois atrás. Ainda que um terceiro, ao meio, também consiga acomodar-se, uma vez resignado à presença de um túnel de transmissão saliente e assento mais estreito.

Finalmente e lá mais atrás, uma bagageira com capacidade ligeiramente abaixo daquilo que os “irmãos” movidos exclusivamente a gasolina oferecem, na ordem dos 272 litros, mas a que depois acresce não só um amplo acesso, como também a possibilidade de aumentar o espaço para carga, mediante o fácil rebatimento, praticamente na horizontal, 60/40 das costas do banco traseiro. Impossível é, no entanto, dispor de qualquer alçapão por baixo do piso falso, ou até mesmo de um pneu sobressalente, já que o espaço é ocupado pelas ferramentas e kit de reparação de pneus… além dos depósitos do gás natural.

Equipamento

Pontuação: 8/10

Mais do que o facto de se tratar de uma variante GNC – ou TGI, como a SEAT lhe prefere chamar… -, é a presença do pack Xcellence, que mais peso acaba tendo, no que ao equipamento deste Ibiza diz respeito. Garantindo-lhe, desde logo, soluções como os pára-choques e pegas das portas na cor da carroçaria, luzes diurnas dianteiras e farolins traseiros ambos em LED, moldura cromada nas janelas laterais, além de jantes em liga leve Enjoy de 15″; que, no caso do nosso Ibiza, tinham, contudo, sido “aumentadas” para 17″, com pneus Pirelli Cinturato 215/45…mas com um preço de 615€.

No entanto e mais importante do que estes equipamentos, a garantia da presença de tecnologias como sistema Keyless sem função SAFE, sistema Hill Hold, controlo de pressão dos pneus, Cruise Control com limitador de velocidade, Front Assist com assistente de travagem em cidade, sistema detecção de fadiga, sensores de estacionamento traseiros, sensor de luz e de chuva, ativação automática das luzes e função Coming Home e espelho interior antiencandeamento automático.

Igualmente presentes, o sistema de som Media Cor com Ecrã táctil 6,5″, conexões Aux-In e USB, Bluetooth, computador de bordo “Medium” com display multifunções, Climatronic e volante multifunções em pele com logo Xcellence.

Consumos

Pontuação: 8/10

Ora aqui está um argumento para este 1.0 TGI – os consumos! Isto porque, não só os 6,1 kg/100 km obtidos por nós, como média, no final deste ensaio, têm de ser considerados um bom valor, mesmo sendo consideravelmente mais altos que os 3,3 kg/100 km NEDC anunciados como média oficial, como o próprio preço do GNC é, logo à partida, uma vantagem, ao ser mais baixo que o da gasolina – ronda os 1,06€ por kilo.

Única desvantagem, neste capítulo, e num carro que possui ainda um pequeno depósito de gasolina (9 litros), para que ninguém fique apeado: a escassez de pontos de abastecimento. Pois, mesmo na capital portuguesa, apenas existe… um posto assinalado: nas instalações da Carris, em Cabo Ruivo.

O qual, no entanto e para ser utilizado pelo público em geral, exige que a empresa esteja disponível para celebrar um contrato com o utilizador.

Ao volante

Pontuação: 9/10

Mais uma vez e correndo o risco de nos repetirmos, também no capítulo da condução, este SEAT Ibiza 1.0 TGI Xcellence é, também aqui e basicamente… um Ibiza.

Embora envergando três depósitos de gás natural por baixo da bagageira, onde transporta 13,8 kg de gás natural, a verdade é que o comportamento do pequeno utilitário espanhol pouco ou nada muda; culpa, também e é certo, do modesto desempenho do 1,0 litros, invariavelmente ultrapassado por uma plataforma que, claramente, tem capacidade para isto e muito mais.

Assim, funcionando sempre e preferencialmente a gás natural – esqueça a hipótese de seleccionar o tipo de combustível com que quer circular!… -, desempenho agradável, estável e seguro, a sobressair principalmente em cidade, mercê também do seu pisar agradavelmente firme e informativo. Com o conjunto a revelar uma agilidade natural para se mexer entre o trânsito, mas que, depois, nem mesmo o conhecido sistema de modos de condução, com quatro opções – Eco, Comfort, Normal e Sport -, consegue apimentar.

Desta forma, o melhor é mesmo é aproveitar as óptimas bases do conjunto, garantir um abastecimento de GNC regular… e disfrutar a diferença!

Concorrentes

Opel Corsa 1.4 GPL FlexFuel 120 Anos, 90cv, 13,9s 0-100 km/h, 175 km/h, 6,7-6,8 l/100 km, 151-154 g/km CO2, 17.640€

(Conheça todas as versões e motorizações AQUI)

Motor

Pontuação: 7/10

Podendo funcionar, tanto a gás natural comprimido, como a gasolina, o Ibiza TGI tem na base o já bem conhecido e pequeno tricilíndrico de 999cc. Neste caso, a debitar 90cv a partir das 4500 rpm e 160 Nm de binário máximo às 1900 rpm.

Infelizmente e mesmo dando preferência, invariavelmente, à utilização do gás natural, este Ibiza TGI acaba revelando prestações piores (12,1s nos 0-100 km/h) que a variante com o mesmo motor, mas a funcionar exclusivamente a gasolina, além de exigir uma utilização mais “cuidada” – mais lento até perto das 2.500 rpm, é a partir daí que a potência verdadeiramente começa a aparecer. Só que e para depois, voltar a perder eficácia, já perto da ponta final…

De resto e a ajudar a esta personalidade mais… “complexa”, uma maior sonoridade e rudeza no funcionamento, em particular, nos momentos em que procuramos puxar pelo conjunto. Pretensão para a qual, nem mesmo a utilização agradável da caixa manual de cinco velocidades, consegue ajudar…

Balanço final

Pontuação: 7/10

Aplicado num modelo de qualidades confirmadas, nomeadamente ao nível do desempenho e da condução, a solução do Gás Natural Comprimido (GNC) assume-se, mesmo quando complementada com a gasolina, como algo diferente, menos poluente, além de mais acessível – inclusive, que um eléctrico! Só que, infelizmente e no caso específico deste SEAT Ibiza 1.0 TGI Xcellence, não só as prestações e condução resultam “modestas”, como a quase inexistência de postos de abastecimento de GNC, acaba penalizando ainda mais esta solução…

Ficha técnica

Motor

Tipo: três cilindros em linha, com injecção directa, turbocompressor e intercooler

Cilindrada (cm3): 999

Diâmetro x curso (mm): 74.5 x 76.4

Taxa compressão: 10.5:1

Potência máxima (cv/rpm): 90/4.500 – 5.800

Binário máximo (Nm/rpm): 160/1.900 – 3.500

Transmissão e direcção: Dianteira, com caixa manual de 5 velocidades; direção de pinhão e cremalheira, com assistência eléctrica

Suspensão (fr/tr): Independente do tipo McPherson; Eixo de torção

Travões (fr/tr): Discos ventilados/Tambor

Prestações e consumos 

Aceleração: 0-100 km/h (s): 12,1

Velocidade máxima (km/h): 180

Consumo misto (l/100 km NEDC): 3,3

Emissões de CO2 (g/km): 106

Dimensões e pesos

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4,059/1,780/1,444

Distância entre eixos (mm): 2,564

Largura das vias (fr/tr) (mm): 1.525/1.505

Peso máximo (kg): 1.257

Capacidade da bagageira (l): 262/1.072

Depósito de combustível a gasolina (l): 9

Depósito de combustível a gás natural (l): 13,8 kg

Pneus (fr/tr): 185/65 R15 / 185/65 R15

Preço da versão ensaiada (Euros): 24557€
Preço da versão base (Euros): 20478€