Toyota C-HR 1.8 Hybrid – Ensaio

By on 16 Março, 2018

Toyota C-HR 1.8 Hybrid Lounge  

Texto: Francisco Mendes ([email protected])

A pensar na cidade com estilo

A Toyota em Portugal está a comemorar os seus 50 anos de vida e é certo que nestas cinco décadas, muitas foram as gerações que conviveram de perto com a marca que um dia criou a celebre frase. “A Toyota veio para ficar!”A verdade é que com o passar do tempo a marca nipónica tem sabido agradar aos consumidores e inovar nos veículos que comercializa. É o caso do C-HR, o crossover da marca construído a pensar na vida citadina, com um design que não deixa ninguém indiferente de forma a mostrar que a Toyota continua na vanguarda. Mas este C-HR é um carro que nos obriga a olhar com detalhe para se gostar dele, revelando que as grandes paixões não se concretizam apenas no primeiro olhar.

Conheça todas as versões e motorizações AQUI.

 


Mais:

Consumo /Conforto / Design

 

 

Menos:

Caixa de velocidades

Exterior
Interior
Equipamento
Ao volante
Concorrentes
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Revelando uma frente agressiva, o Toyota C-HR apresenta uma grelha de aspecto fino que molda os grupos ópticos dianteiros, que se apresentam rasgados e de tecnologia LED.O pára-choques assume a sua postura dinâmica, e revela que estamos perante um carro mais pensado para a cidade do que propriamente para incursões fora de estrada.

O desenho lateral apresenta uma silhueta vincada e as cavas das rodas aparecem bem definidas. Já o tecto em contraste é de série e valoriza ainda mais este crossover npónico.

Quando olhamos para a traseira, temos de parar por alguns instantes e fazer um esforço para perceber o que os engenheiros da Toyota pretenderam fazer com este design. Mas a verdade é que depois do primeiro olhar, percebemos claramente que os grupos ópticos e a bagageira acabam por se enquadrar na perfeição com o spoiler superior de grandes dimensões, acabando por transmitir um ar desportivo e robusto ao C-HR

Interior

Quando entramos no C-HR, percebemos que nada foi deixado ao acaso e que o crossover da Toyota é suficientemente espaçoso na parte traseira do habitáculo para dois adultos, viajarem confortavelmente. Apenas a pequena dimensão das janelas traseiras parece estranha aos ocupantes, mas mesmo assim no teste que realizamos, com amigos e familiares, houve quem se mostrasse adepto deste tipo de janelas.

Já os lugares da frente são de um conforto acima da média com bancos de bom nível de apoio lombar, permitindo ao condutor sentir-se mais confortável e confiante ao volante do C-HR

Por seu lado a bagageira apresenta 377 litros de capacidade e pode contar com o rebatimento assimétrico dos bancos em 60:40, tornando um piso praticamente plano.

Equipamento

Quanto a equipamento, nada falta nada ao C-HR, desde o cruise-control adaptativo com assistente de trânsito, que controla a velocidade no pára-arranca imobilizando o veículo se necessário. Bancos aquecidos, ar-condicionado automático, GPS, este C-HR conta com tudo, sendo certo que o seu preço vai acompanhando o recheio que decidirmos colocar no seu interior.

Mas o elemento que se destaca no habitáculo do C-HR é mesmo o ecrã tátil de grandes dimensões situado na consola central, e onde dispomos de todas as funções de informação, navegação, entretenimento e gestão da energia eléctrica das baterias.

Para além disso, o ecrã táctil, e em alguns casos, o painel de instrumentos, funcionam em simultâneo com vários sistemas de segurança passiva, transmitindo informação para o habitáculo de modo a que esta seja bem visível por parte do condutor.

Mas neste C-HR podemos ainda contar com o sistema de assistência de parqueamento que nos ajuda a compensar a reduzida visibilidade traseira, em virtude da dimensão do pilar C. Já o reconhecimento de sinais e o alerta de mudança de faixa, facilitam igualmente a utilização no tráfego mais intenso das cidades.

Ao volante

Ao assumir os comandos deste crossover da Toyota percebemos de imediato que a posição de condução é ideal, estamos mais baixos mas com enorme sensação de visibilidade.

É na cidade onde o C-HR se sente um Rei. É confortável e fácil de conduzir. O seu motor 1.8 VVT-I Hybrid que trabalha em conjunto com um motor eléctrico mexe-se bem, inclusive quando no interior das cidades circulamos apenas em modo eléctrico no pára-arranca.

Fora da cidade, a caixa (CVT) é competente mas necessita de ser trabalhada de forma suave já que é algo lenta. É que apesar do aspecto desportivo deste C-HR a verdade é que a Toyota acabou por privilegiar neste crossover o baixo consumo de combustível, já que se consegue em cidade consumos de cerca de 5 litros aos 100 quilómetros, beneficiando da resposta das baterias, que fazem com que o C-HR se mexa muito tempo sem gastar uma gota de combustível, ao conseguir carregar as baterias facilmente nas travagens ou nas desacelerações.

O certo é que no teste que realizamos, para além de impressionar no ritmo da cidade, o C-HR, mostrou-se ainda divertido quando apertamos com ele em estradas mais sinuosas, onde a direcção mostra a sua sensibilidade e o crossover da Toyota revela então o seu lado mais desportivo, beneficiando ainda dos amortecedores que revelam bom nível ao garantir conforto no habitáculo, especialmente quando nos deparamos com algumas estradas mais degradadas.

Concorrentes

Honda HR-V

(Conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

Nissan Murano Hybrid

 

Kia Niro

(Veja o ensaio AQUI e conheça todas as versões e motorizações AQUI)

Balanço final

Num segmento bastante competitivo, o Toyota C-HR mostra que não vale só pelo seu design arrojado. A versão que testamos, C-HR 1.8 Hybrid Lounge, revelou-se muito bem equipada e verdadeiramente confortável, e a verdade é que este crossover consegue mexer com quem está ao volante ou viaja no seu interior..

As linhas diferenciadoras deste modelo fazem-nos querer sair de casa e mostrar o seu visual aos amigos e rodar sem parar para revelar o seu excelente comportamento.

Ficha técnica

Motor

Tipo – 4 cilindros em linha, injecção directa,  bateria de hidretos de níquel

Cilindrada –  1.798 cm3

Potência máxima (cv/rpm) – 122/5200 – motor eléctrico 72 CV

Binário máximo (Nm/rpm) – 142/3600 – motor eléctrico 163 Nm

Transmissão – Dianteira

CX Vel – Automática, variação contínua

Suspensão (fr/tr) –McPherson / Multilink

Travões (fr/tr) – Discos ventilados / Discos

Prestações e consumos

Vel. Máx – 170 Km/H

Aceleração – 11 s (0-100 km/h)

Consumo – Médio 3,9 l/100 km, AutoSport 4,6 l/100 km

Emissões – 87 g/km CO2

Dimensões e pesos

Peso (kg) – 1535

Mala – 377 litros

Deposito – 43 L

 

Preço da versão ensaiada (Euros): 35370€