Alpine A110 R apresenta-se como a mais radical interpretação deste modelo

By on 5 Outubro, 2022

Atualmente no Japão para assistir ao Grand Prémio de Fórmula 1 do próximo fim-de-semana, o novo Alpine A110 R não poderia ter encontrado melhor cenário para uma sessão fotográfica.

Muitos dos fiéis seguidores da saga de Fast & Furious têm no Tokyo Drift o seu filme de eleição. A cultura automobilista é uma das mais incríveis do planeta, mas também uma das que dá origem aos projetos mais loucos e arrojados em termos de modificações e melhorias. O novo Alpine A110 R parece ter sido um desses projetos, e é por isso que fica perfeito nas luzes de uma cidade nipónica.

Esta versão, no entanto, não foi pensada para ficar mais apelativa do ponto de vista estético, nem tem a exclusiva missão de ficar apenas diferente. Com o A110 R, os engenheiros da Alpine tiveram como objetivo conseguir a melhor eficácia dinâmica e a melhor forma de explorar o já de si fantástico chassis do A110.

Como todos sabemos, um dos principais trunfos de um modelo desportivo é o peso mais reduzido. E por isso, o A110 R ficou ainda mais leve do que o A110 S já existente em cerca de 34 quilos, chegando agora aos 1.082 quilos. Além disso, a aerodinâmica foi também bastante melhorada com a ajuda de algumas ferramentas e do túnel de vento usado para desenvolver componentes para a equipa de Fórmula 1. E pela primeira vez num A110, foram mesmo criados componentes específicos para uma nova versão, tais como o capot dianteiro, a cobertura que está no lugar da janela traseira e o difusor de ar traseiro.

Para completar o conjunto, a Alpine adicionou ainda uma nova asa traseira, saias laterais e um novo conjunto de jantes de 18 polegadas em fibra de carbono, também com o objetivo de descer o peso do conjunto, alterações que oferecem quase 30 quilos a mais de força descendente a alta velocidade, enquanto melhoram a aerodinâmica, pela redução de atrito. E para calçar as originais jantes, está presente um conjunto de Michelin Pilot Sport Cup 2.

Uma vez a bordo, o ambiente é também o de um carro de corrida, com assentos desportivos da Sabelt produzidos em fibra de carbono e forrados com um tecido de microfibras, tal como a maioria do habitáculo, mas apenas o assento do condutor oferece algumas regulações, o do passageiro é fixo. No centro do tablier está um monitor através do qual podemos aceder a informações diversas de telemetria tais como os tempos por volta para os dias passados em pista, mas também outras informações em tempo real como a pressão do turbo, a potência, o binário, o ângulo da direção e nem sequer falta um acelerómetro para verificarmos as forças G.

Do lado mais mecânico está presente o habitual bloco de 1,8 litros, mas com uma potência máxima de 300 cavalos e um binário de 340 Nm, constantes entre as 2,400rpm e as 6.000rpm. A velocidade máxima declarada é de 285 km/h. O sistema de travagem tem a assinatura da Brembo e inclui discos compósitos de 320mm à frente e atrás. E para terminar, nem sequer falta um sistema de escape mais elaborado, mas com o som tradicional dos modelos mais desportivos da Alpine.

Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)