Diferença entre modelos híbridos e híbridos plug-in?

By on 31 Maio, 2018

Hoje em dia os carros híbridos são cada vez mais uma realidade. Porém, eles não são todos iguais, apesar de ostentarem a mesma definição. Mas falar de um modelo híbrido ou de um modelo híbrido plug-in é ligeiramente diferente. Porquê? A resposta fica em seguida.

André Duarte

Funcionamento modelos híbridos: têm dois motores, um de combustão e um elétrico, sendo que este último funciona como apoio ao primeiro. Ambos podem trabalhar em sintonia, ou de forma independente, sendo essa gestão feita de forma autónoma pelo sistema. Nos modelos híbridos, por regra, o motor elétrico entra em funcionamento no arranque, em marcha-atrás e sempre que em roda livre ou na travagem. Nas demais situações de aceleração, o sistema gere ambos os motores, e tanto pode utilizar apenas o motor de combustão, como ambos;

Autonomia híbridos: as baterias são de curta autonomia e podem permitir uma condução em modo totalmente elétrico até um máximo, por norma, de 2 km, mediante o nosso estilo de condução, como no tipo de aceleração e velocidade de circulação;

Consumo híbridos: os modelos híbridos permitem-nos fazer uma condução mais eficiente, fruto do auxílio do motor elétrico na maioria dos momentos de condução, residindo aí o seu grande contributo em matéria de consumos;

Funcionamento modelos híbridos plug-in: os modelos híbridos plug-in têm também um motor de combustão e um motor elétrico. A diferença em relação aos modelos somente híbridos é que as baterias proporcionam maior autonomia. Por outro lado, a gestão do sistema, por regra, já pode ser feita pelo condutor, optando este por circular unicamente com o motor de combustão, com o motor elétrico, ou selecionando a opção auto, que deixa ao critério do sistema híbrido a gestão dos dois motores;

Autonomia híbridos plug-in: os modelos híbridos plug-in têm baterias com maior capacidade, as quais, por esse mesmo motivo, permitem já circular-se distâncias significativas de forma totalmente elétrica. Obviamente que tal depende de marca para marca e varia também consoante os modelos, mas, por exemplo, já há veículos que anunciam uma autonomia elétrica de 25/30 km, chegando mesmo alguns aos 50/60 km. Neste caso, os veículos têm já tomada de carregamento para as baterias, à semelhança dos modelos totalmente elétricos;

Poupança híbridos plug-in: a grande vantagem dos modelos híbridos plug-in está no facto de podermos ter um modelo que, em ‘part-time’, é totalmente elétrico, e garante-nos as mais valias de modelos com essas características, mas que, ao mesmo tempo, caso não tenhamos bateria, nunca nos deixa a pé, e nos permite abastecer de comsbustível em qualquer posto. Neste sentido, os de maior autonomia elétrica permitem-nos reduzir em muito os consumos, ou até anulá-los, mediante as distâncias percorridas. Se um condutor fizer apenas 30/40 km diários, há modelos que já o permitem em modo totalmente elétrico, fruto da capacidade das baterias. Por outro lado, mesmo para distâncias maiores, a gestão do sistema faz com que a utilização do motor de combustão seja em muito reduzida, desde que obviamente com as baterias totalmente carregadas. Algo que tem reflexos diretos nos consumos;

 

 

 

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!