Ferrari Purosangue marca a estreia da marca italiana no mundo dos SUV

By on 13 Setembro, 2022

Finalmente, aconteceu. A Ferrari aderiu à moda dos SUV com a chegada do seu Purosangue. Mas este SUV, além de quatro lugares, inclui um motor V12 com 725 cavalos.

A Ferrari foi uma das resistentes, afirmando até há pouco tempo que um SUV não estaria certamente nos seus planos. No entanto, os tempos mudam, e tal como a Porsche, a Lamborghini ou a Aston Martin, também a marca de Maranello conta agora com um SUV na sua gama. Chama-se Purosangue e acaba de ser apresentado com um visual bastante musculado e uma configuração de quatro portas em que mal damos pelas traseiras.

O novo Ferrari Purosangue é um verdadeiro desportivo produzido em Maranello, a marca fez questão de o afirmar com o desenho da carroçaria, mesmo antes de o vermos de perto. A primeira grande diferença está mesmo nas proporções. É que, enquanto os cinco metros de comprimento e dois de largura não são totalmente estranhos, os quase 1,6 metros de altura já não são assim tão frequentes nos modelos que ostentam o Cavallino.

A imagem de família consegue ser um pouco mais visível se olharmos para as linhas do Ferrari Roma, ainda que este SUV ostente uma imagem muito própria e poderosa, que esconde as suas dimensões da melhor forma. O tamanho das jantes, por exemplo, é de 22 polegadas de diâmetro nas rodas da frente e de 23 nas rodas traseiras, além estarem “emolduradas” em arcos laterais produzidos em fibra de carbono, que lhe conferem um visual ainda mais agressivo.

A bordo, há quatro lugares, cada um deles com direito a um assento desportivo e com regulações elétricas e para aceder ao habitáculo estão disponíveis quatro portas, sendo que as traseiras abrem no sentido contrário às da frente e com um sistema de abertura e fecho automáticos. Nos lugares da frente, claro que o condutor tem o lugar de maior destaque, mas o tablier é perfeitamente simétrico e também inclui uma instrumentação para o passageiro, entre diversos outros luxos.

Lá na frente, e contrariando mais uma vez as tendências, está um motor V12 de 6,5 litros, a gasolina, que não recorre à sobrealimentação nem à eletrificação para conseguir uma potência máxima de 725 cavalos. Os 716 Nm de binário, estão disponíveis apenas a partir das 6250 rpm, sendo que a potência máxima é obtida 1500 rpm acima deste valor e o regime máximo do V12 anda pelas 8250 rpm. As duas bancadas de cilindros estão afastadas uma da outra num ângulo de 65 graus e tanto os sistemas de admissão e escape foram totalmente redesenhados para este modelo, sendo que um dos destaques e um dos pontos em que os engenheiros da marca gastaram algum tempo foi mesmo na sonoridade do sistema de escape que é totalmente simétrico desde o motor até às saídas traseiras, para que o V12 soe tão bem quanto possível.

A caixa de velocidades é uma atualização da automática F1, contando agora com dupla embraiagem e oito relações, com a última a assumir um papel mais estradista e descontraído para as viagens mais longas. A tração às quatro rodas é feita com um sistema inspirado no já usado no GT4 Lusso, mas com as configurações mais recentes usadas no SF90 Stradale e com o sistema de quatro rodas direcionais que está presente no 812 Competizione. Em termos de eficácia, o sistema de vectorização de binário integra uma combinação entre o eixo dianteiro e o diferencial eletrónico do eixo posterior, mas também com uma ajuda do sistema de quatro rodas direcionais, com o objetivo de ajustar da melhor forma as forças laterais.

Claro que a grande maioria do trabalho dos engenheiros da Ferrari só pode ser descoberto ao volante do Purosangue, numa estrada sinuosa de montanha e com um pouco da janela aberta para ir ouvindo o som do motor da melhor forma. Para já, limitamo-nos apenas a transmitir-lhe os números que conhecemos na ficha técnica deste modelo, tais como a velocidade máxima acima dos 310 km/h, a aceleração dos 0 aos 100 km/h em 3,3 segundos e dos 0 aos 200 km/h em 10,6 segundos, num modelo que pesa mais de duas toneladas. A eficácia do sistema de travagem traduz-se nos 32,8 metros necessários para o Purosangue se imobilizar quando circula 100 km/h e nos 129 que usa para passar dos 200 km/h para 0.

Como em todos os Ferrari, as hipóteses de personalização são diversas, permitindo que cada uma das unidades do Purosangue fique mais ao gosto de cada cliente. Há novas cores, especificas para este modelo e outros equipamentos em estreia, tais como o sistema de som Burmester 3D High-End ou as ligações a dispositivos externos, através de Apple CarPlay ou Android Auto.

Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)