Fomos conhecer o novo Opel Mokka com motores a combustão e 100% elétrico

By on 4 Março, 2021

A Opel realizou uma verdadeira revolução com o novo Opel Mokka. Num claro “rasgar” com o que existia, a segunda geração do SUV alemão do Grupo Stellantis está completamente diferente. Começando por fora, o principal destaque é dado à nova “cara” Opel Vizor. Esta filosofia de design vai ser utilizada na nova geração de produtos da Opel, como é o caso do já conhecido Opel Crossland.

A restante carroçaria adota linhas mais arrojadas que fogem aos arredondados usados na anterior geração. Durante este primeiro contacto, foi positivo perceber que o Mokka vira várias cabeças graças a uma imagem irreverente bastante necessária para vingar num segmento tão popular como o B-SUV.

Ao nível de dimensões, graças à adoção da plataforma CMP criada pelo Grupo PSA, a mesma utilizada, por exemplo, no Peugeot 2008, está bastante diferente. Assim, está 12,5 cm mais curto (4,15 m), 10 mm mais largo (1.79 m) e aumentou 2 mm na distância entre eixos. Isto contribui para um aspeto mais robusto.

Interior com reforço tecnológico

No interior, o Mokka recebe uma revolução tecnológica. O SUV é o primeiro a ter um cockpit totalmente digital, o denominado “Pure Panel”. Este reproduz o conceito Opel Vizor ao ser composto por dois ecrãs de 10 e 12 polegadas, sendo que o ecrã central está orientado para o condutor. De referir que as versões base vão ter ecrãs mais pequenos de 7 polegadas. O sistema de infotainment permite a conectividade ao smartphone através dos sistemas Apple CarPlay e Android Auto.

A Opel decidiu manter os comandos físicos, mas reduzidos apenas ao necessário. A climatização manteve-se fora do ecrã central, numa zona inferior da tablier. Relativamente a materiais utilizados, neste primeiro contacto percebemos que a Opel recorreu a um “mix” de plásticos duros e macios ao toque e a inclusão de painéis com efeito de fibra de carbono. Nos bancos traseiros o espaço para pernas é satisfatório, contudo, o espaço para cabeça é algo curto, o que prejudica o conforto em viagens mais longas. Já a bagageira, mantém a capacidade da anterior geração, ou seja, 350 litros.

Opel Mokka 1.2 Turbo GS Line

Durante o primeiro contacto, tivemos a oportunidade de conduzir duas versões. A combustão, conduzimos o Opel Mokka com motor 1.2 Turbo na variante mais potente, 130 cavalos, e caixa automática de oito velocidades. Ao volante, percebemos que a Opel escolheu uma afinação de suspensão mais firme que favorece uma condução mais dinâmica, sem que isso perturbe em demasia o conforto de todos os passageiros.

Esta solução a gasolina com 130 cavalos é mais do que suficiente para uma utilização diária e, segundo a Opel, apesar de mais potente, os consumos não são muito superiores à variante de 100 cavalos. Porém, este dado vamos ter de confirmar num ensaio mais exaustivo brevemente no Automais.  Apesar de um bom trabalho na insonorização do habitáculo, o bloco três cilindros é algo audível quando se explora as rotações do Opel Mokka.

Opel Mokka-e Ultimate

Numa segunda fase da apresentação nacional da nova geração do SUV alemão, conduzimos estreante variante 100% elétrica. O motor elétrico debita 136 cavalos e 260 Nm de binário, alimentado por uma bateria de 50 kWh que, segundo a Opel, garante até 324 km de autonomia. Durante o primeiro contacto, é percetível o aumento de sensivelmente 300 kg face às versões a combustão, principalmente em trajetos mais sinuosos em que sentimos um ligeiro adornar de carroçaria. Um dos pontos em que a Opel trabalhou foi nos arranques da variante elétrica. Ao contrário de outras soluções do mercado em que ao pisar do acelerador o arranque é, por vezes, demasiado brusco, no Opel Mokka-e sentimos uma entrega de potência ascendente, quase como se estivéssemos a conduzir um carro a combustão.

Gasolina, elétrico e Diesel

A gama do Opel Mokka apresenta um total de 20 soluções distintas. Para além das já mencionadas motorizações a gasolina (1.2 Turbo com 100 ou 130 cavalos) e 100% elétrico, a Opel mantém a aposta nas variantes Diesel. A oferta é feita pelo motor quatro cilindros de 1.5 Turbo D com 110 cavalos, sempre associado a uma transmissão manual de seis velocidades.

Por fim, é possível personalizar o veículo com um total de quatro nível de equipamento (Edition, elegance, GS Line e Ultimate), com os preços a começarem nos 21 100€ (Opel Mokka 1.2 Turbo Edition 100 cv). Quanto à versão elétrica, o preço base é de 36 100€ (Opel Mokka-e Edition).

Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)
Fichas Auto+: consulte as informações técnicas de todos os modelos à venda em Portugal (Clique AQUI)
Pesquisa: procure todos os modelos que pretende através do motor de Pesquisa Auto+ (Clique AQUI)