Mercedes-Benz fez testes de colisão com dois veículos elétricos

By on 16 Outubro, 2023

Existem vários fatores que contribuem para a ainda existente crença de que os carros elétricos são mais perigosos em caso de acidente do que os veículos a motor de combustão. Sabe-se por exemplo que as baterias são um componente inflamável e em caso de acidente, pode deflagrar um incêndio.
Por outro lado, os carros elétricos são mais pesados e mais peso significa que podem causar mais danos em caso de colisão. No entanto, estudos realizados por órgãos de segurança rodoviária mostram que os carros elétricos não são mais perigosos em caso de acidente do que os veículos a motor de combustão.


A Mercedes-Benz torna-se agora no primeiro fabricante de automóveis do mundo a realizar publicamente um teste de colisão frontal entre dois veículos elétricos. E fez mais, quis superar os requisitos legais e colocou um Mercedes EQA SUV face a um Mercedes EQS SUV, que colidiram frontalmente com uma sobreposição de 50 por cento num cenário de acidente real, cada um à velocidade de 56 kmh. O que significa baterem a 112 Kmh…
Resumidamente, a proteção dos ocupantes foi confirmada o habitáculo e a bateria de alta tensão de ambos os veículos permaneceram intactos como previsto, as portas puderam ser abertas e os sistemas de alta tensão desligaram-se automaticamente.
Agora o detalhe…
Com o primeiro teste de colisão público do mundo envolvendo dois veículos totalmente elétricos, a Mercedes-Benz está a superar não só os requisitos legais, mas também os dos organismos de classificação de segurança.
O Euro NCAP estipula um teste de impacto frontal utilizando um carrinho de 1400 kg com uma barreira alveolar de alumínio que replica a frente de outro veículo. De acordo com as especificações, o veículo de teste e o carrinho colidem com uma sobreposição e a uma velocidade de 50 kmh. No entanto, a Mercedes-Benz utilizou dois veículos reais, um EQA SUV e um EQS SUV, que são significativamente mais pesados, com cerca de 2,2 e 3 toneladas, respetivamente.
Além disso, ambos os modelos circulavam a uma maior velocidade, cada um a 56 kmh, o que significa que a energia total de colisão foi consideravelmente mais elevada do que a exigida por lei.
A extensa deformação dos veículos após a colisão pode parecer alarmante para quem não é especialista. No entanto, para os engenheiros da Mercedes-Benz isso mostra que os veículos foram capazes de absorver efetivamente a energia da colisão através da deformação.
Como resultado, o habitáculo de ambos os modelos elétricos permaneceu intacto e foi possível abrir as portas. Em caso de emergência, isto permitiria que os ocupantes saíssem do veículo por si próprios ou que fossem alcançados e assistidos pelas equipas de desencarceramento e de primeiros-socorros. O sistema elétrico de alta tensão do EQA SUV e do EQS SUV desligou-se automaticamente durante a colisão.

O teste de colisão no Centro de Tecnologia para a Segurança de Veículos do Grupo em Sindelfingen demonstra a filosofia de segurança da Mercedes Benz na vida real fabricar automóveis que resistam não só a cenários definidos de testes de colisão, mas também a acidentes na vida real. O cenário de teste que envolve uma velocidade de 56 kmh e 50 por cento de sobreposição frontal corresponde a um tipo de acidente comum em estradas rurais, por exemplo, durante uma manobra de ultrapassagem mal calculada. A velocidade selecionada para o teste tem em consideração que, num acidente real, os condutores ainda tentariam travar antes de uma colisão.

As leituras do manequim indicam o risco de lesões nos ocupantes
O EQA SUV e o EQS SUV transportavam cada um dois manequins adultos – um total de três mulheres e um homem. A análise dos 150 pontos de medição por manequim indica um baixo risco de lesões graves a fatais. Isto significa que as zonas de deformação programadas e os sistemas de retenção avançados em ambos os veículos oferecem um potencial de proteção muito bom para os ocupantes num acidente desta gravidade. Todos os equipamentos de segurança, como os airbags e os tensores dos cintos de segurança com limitadores de força, funcionaram como previsto. O teste de colisão confirmou assim os resultados que os engenheiros tinham previamente calculado em inúmeras simulações em computador. Os testes em veículos reais também servem sempre como comparação final com as simulações. Além disso, o teste de colisão mostra claramente que a compatibilidade (ou seja, a interação das estruturas de deformação de diferentes veículos envolvidos num acidente) faz parte dos requisitos de segurança dos veículos Mercedes-Benz.

Manequins femininos no lugar do condutor
Outro ponto de destaque do teste de colisão foi o tipo de manequim que os especialistas em segurança colocaram no lugar do condutor de ambos os veículos – o Hybrid III 5th Percentile Female, que é o manequim feminino atualmente utilizado na indústria automóvel para testes de colisão frontal. Corresponde a uma mulher com cerca de 1,5 metros de altura e um peso de cerca de 49 quilogramas.
De acordo com dados estatísticos, apenas cinco por cento das mulheres em todo o mundo são mais pequenas ou mais leves. Há muitos anos que a Mercedes-Benz realiza testes de colisão frontal com manequins do género feminino do quinto percentil no banco dianteiro, para conceber sistemas de proteção efetivos para o maior número possível de clientes. As classificações das associações de defesa do consumidor, bem como vários requisitos legais em todo o mundo, incluem agora especificações para testes com manequins femininos do quinto percentil. O outro manequim feminino do quinto percentil era um passageiro do EQA SUV. No banco do passageiro do EQS SUV estava um manequim Hybrid III 50th Percentile, representando um homem de 78 quilogramas de altura média.

Conceito especial de segurança de alta tensão
A Mercedes-Benz desenvolveu um conceito de proteção de alta tensão de vários níveis para os seus veículos elétricos. O sistema tem oito elementos-chave para garantir a segurança da bateria e de todos os componentes com uma tensão superior a 60 V. Entre os exemplos incluem-se cabos positivos e negativos separados e um sistema de alta tensão com autocontrolo que se desliga automaticamente em caso de colisão grave. Em muitos casos, os padrões de segurança internos da empresa excedem os requisitos legais ou os das organizações de proteção do consumidor. A Mercedes Benz demonstrou-o mais uma vez com o último teste de colisão.

Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)