Mercedes EQS pode ser assim

By on 13 Setembro, 2018

Pelo menos é assim que a revista inglesa Autocar vê o novo modelo da gama EQ, cujo primeiro modelo acaba de ser lançado, o SUV EQC.

O programa de eletrificação da Daimler, aprovado por Dieter Zetsche, vai custar 10 mil milhões de euros e será a base para o lançamento de 130 modelos eletrificados nos próximos sete anos. O EQS, será o navio almirante da gama e será equivalente ao Classe S.

Este programa da Daimler envolve a produção de pequenos híbridos, modelos com extensores de autonomia, híbridos PlugIn, elétricos puros e veículos a hidrogénio, é dos mais ambiciosos da industria automóvel mundial. Tem como objetivo oferecer à Mercedes uma gama inigualável de produtos eletrificados que vão ajudar a reduzir, de forma sensível, a média de emissões de CO2 da gama da casa alemã, respeitando os limites draconianos de CO2 que se vão instalar a partir de 2021.

O programa terá três ramos dentro da Mercedes EQ: EQ Range (modelos EV), EQ Boost (os pequenos híbridos) e EQ Power (híbridos Plug In). Estão já confirmados três modelos da EQ Range, o já apresentado EQC, seguindo-se o EQA, que foi revelado com o protótipo apresentado no Salão de Frankfurt, sendo que em 2020 será adicionado o EQS, modelo que já foi visto em testes perto da sede da Mercedes em Estugarda. O alvo deste carro será o Porsche Taycan e o Tesla Model S, estando aparentado ao Classe S.

Se o EQC e o EQA têm como base as plataformas modificadas do GLE e do Classe A (MEA1 e MEA 1.5, respetivamente) o EQS terá uma plataforma dedicada para um modelo elétrico, denominada MEA2. Esta plataforma permite que a Mercedes possa fazer modelos com dimensões entre o Classe E e o Classe S.

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!