Os “teimosos” da faixa do meio

By on 7 Abril, 2020

Estou a caminho de Elvas na A6 a 120km/h, muito pouco transito, e círculo como manda a lei, na faixa da direita. Durante 3 ou 4 quilómetros não alcancei nenhum outro carro, mas a dada altura começo a vislumbrar um ponto branco lá ao fundo e sei que vou aproximar-me de um outro veículo mais lento. Ao fim de mais um quilómetro estou já a 300m do tal carro que, reparo agora, circula na faixa do meio em velocidade mais lenta. Faço sinais de luz para o avisar da minha presença. Não reage, mantem-se na mesma faixa no meio da auto-estrada. Na prática não tenho qualquer obstáculo na minha frente, pois circulando na faixa da direita eu não tenho ninguém na minha frente, posso continuar calmamente na minha velocidade e ultrapassar pela direita, o “teimoso” que segue à minha frente a 20 km/h menos do que eu. Vou fazê-lo? Eu devia dar-lhe esta lição, pois ao ver-me a passar pelo lado errado, talvez este condutor irresponsável, consiga compreender que está na via errada, talvez ele aprenda alguma coisa com isto.

Mas o que a lei manda é que ultrapasse sempre pela esquerda, pelo que tenho de sair da faixa da direita, cruzar 2 faixas, ultrapassar o carro mais lento pela esquerda e voltar tudo para a direita para me situar novamente na faixa da direita.

300m mais à frente, a situação repete-se, pois, na verdade a grande maioria dos portugueses gosta de circular no meio das auto-estradas. De Lisboa a Elvas num sábado de manhã, a 120km/h ultrapassei 23 carros mais lentos, sendo que 15 deles circulavam na faixa do meio, 3 doutros seguiam pela faixa da esquerda (pasme-se!!!) e apenas 5 circulavam corretamente pela direita.

Tendo em conta esta estatística, que obviamente não é representativa da realidade portuguesa, mas anda lá perto, o caro leitor que neste momento me lê, muito provavelmente é um dos condutores que se sente melhor na faixa do meio!!!

Pois se esse é o caso, não vou certamente elogiá-lo pois esse é um hábito que não só não tem qualquer razão válida que o justifique, como é contra as regras do Código da Estrada.

As grandes questões que eu gostaria de ver respondidas, e talvez o estimado leitor possa usar a área de comentários no final do artigo para nos esclarecer, são as seguintes:

-Porque é que gosta tanto de circular no meio? Sente-se mais seguro, gosta de dificultar a vida dos outros que seguem mais depressa? Qual é a vantagem para si, uma vez que à velocidade em que circula, não vai certamente ultrapassar ninguém? E porque é que não se afasta para a direita quando repara ter um carro atrás que o deseja ultrapassar? Porque insiste sempre em manter-se na sua querida faixa do meio?

Sabe que é uma infração considerada “Muito Grave”, punível pela lei com uma multa que vai de 60 a 300€?

Alguém me pode responder?

Eu poderia basear-me na mesma estatística e traçar um perfil fiel do “condutor da faixa do meio”, pois tive o cuidado de tomar nota do sexo, desculpem do género, faixa etária, estilo do condutor e outros passageiros, além do tipo de veículo, incluindo marca e modelo, pois tive o cuidado de tomar nota de tudo. Mas não o vou fazer, poderia ser ofensivo.

Por mais que queiramos ser tolerantes, não há como aceitar a baixa aptidão para a condução que muitos condutores apresentam e que infelizmente está sempre patente em manobras perigosas a que assistimos a todo o momento nas ruas e estradas portuguesas. É uma verdade incontornável e que deveria ser bem resolvida pelas autoridades. Tanto o modelo de ensino, como o de exame prático de condução que se pratica em Portugal, não contempla a confrontação do novo condutor com situações adversas ou de perigo, ou mesmo com situações correntes. O aluno em exame, limita-se a ter que demonstrar que sabe operar (minimamente) o veículo, conhecer os sinais de transito e fazer a manobra de inversão de marcha e parquear o automóvel. Básico! Mas é insuficiente! O aluno em fase de aprendizagem não é confrontado com qualquer situação de perigo, mesmo que simulada, pelo que não é ensinado a reagir corretamente perante essas adversidades. Não aprende a travar de forma repentina face a uma emergência, ou guinar rapidamente face um peão que se atravessa, ou controlar o carro em situações de aferência precária…nada. Apenas o básico manuseamento do volante, acelerador, travão e comandos da caixa de velocidades. O aluno em aprendizagem na verdade não aprende a conduzir, apenas aprende a manusear o automóvel. Não chega!

Sente-se perfeitamente na estrada, que há muitos condutores que não estão a controlar os acontecimentos. Eles levam o seu carro penosamente e em pânico total, do ponto de partida ao ponto de chegada, com grande sacrifício e esforço. Cada pequena viagem é uma aventura, repleta de situações de perigo.

Outras pessoas sentem total descontração e naturalidade na condução, mas na realidade essa também pode ser uma grave ameaça aos restantes condutores, pois essas pessoas vão a pensar em tudo menos na estrada, conversam ao telefone, enviam mensagens, distraem-se com os sofisticados sistemas de infotainement, e correm riscos ainda maiores…

Conduzir um automóvel implica uma enorme concentração. Há que controlar tudo o que se passa à nossa frente, mas não só. Há que controlar as laterais e o que vem de trás. O retrovisor e os espelhos laterais são ajudas fundamentais à condução em segurança, mas muito pouco utilizadas…

E por isso lá seguem alegremente na faixa do meio em velocidade reduzida, obrigando os outros a um cansativo ziguezaguear da faixa da direita para a da esquerda e de volta à da direita, vezes sem fim ao longo de uma viagem.

Não é normal que as pessoas não consigam interiorizar esta regra, mas as forças de segurança não parecem estar muito preocupadas em forçar a sua aplicação, talvez porque não é geradora dos mais graves acidentes, ou porque os culpados não o praticam com má intenção…

Mas circular na faixa do meio é proibido! E seria bom que todos conseguissem entender as vantagens de aplicar esta simples regra do código da estrada, que tanto mais conforto e segurança traria a todos os outros condutores.

Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)
Fichas Auto+: consulte as informações técnicas de todos os modelos à venda em Portugal (Clique AQUI)
Pesquisa: procure todos os modelos que pretende através do motor de Pesquisa Auto+ (Clique AQUI)