Sistema de travagem de emergência autónoma reduz em 43% colisões traseiras

By on 15 Novembro, 2018

Uma das pedras de toque dos defensores da condução autónoma é a redução, significativa, dos acidentes rodoviários. Mas os atuais sistemas, já disponíveis, parece que avançam de forma decisiva rumo a esse objetivo de redução dos acidentes rodoviários. O sistema de travagem autónoma de emergência é uma dessas novas tecnologias que já está disponível. E um estudo recente mostra que reduz as colisões traseiras em 34%.

Quem fez o estudo foi o “Insurance Institute for Highway Safety” norte americano, dedicando-se a analisar como o alerta de colisão dianteira eminente e a travagem autónoma de emergência. E os resultados são impressionantes que deveriam levar os construtores a oferecer este sistema como equipamento de série em todos os veículos. E não esperar por setembro de 2022 para que este equipamento seja obrigatoriamente de série.

Contas feitas aos veículos produzidos pela General Motors (GM) entre 2013 e 2015 , os veículos equipados com este sistema reduziram em 43% as colisões traseiras do que em modelos sem este sistema. Acidentes com feridos, reduzem-se 64%!

Fica evidente que uma tecnologia simples consegue reduzir, significativamente, os acidentes e mais ainda os acidentes com feridos. Muitas vezes não é possível evitar os embates, mas os alertas permitem reduzir a velocidade de impacto.

A autora do estudo, Jessica Cicchino, refere que “é mais que evidente que o sistema ajuda a prevenir muitos acidentes e a mitigar os efeitos de muitos outros. E funciona ainda melhor quando tem capacidade autónoma de travagem, não dependendo só do condutor.”

Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)