Smart prepara-se para transformar-se num fabricante de veículos eléctricos

By on 30 Maio, 2018

A Daimler está a promover mudanças na estrutura executiva da Smart. Ao fim de 8 anos, Annette Winkler abandonará o cargo de CEO em finais de Setembro. Esta decisão faz parte de um plano que tem como objectivo impulsionar a marca dos pequenos citadinos para uma nova era.

A intenção passa por efectuar as alterações consideradas necessárias para transformar a Smart num fabricante de veículos eléctricos.

A Smart foi criada há 20 anos, o seu objectivo inicial passava por apelar aos consumidores urbanos através de pequenos modelos citadinos fáceis de estacionar. Desde então acumulou cerca de 4 mil milhões de euros em prejuízos (estimativa do banco Metzler). Para ganhar nova vida, a Smart será transformada numa espécie de versão urbana da Tesla Inc, abandonará o motor de combustão interna e dedicar-se-á a fabricar veículos eléctricos a partir de 2020.

“A Smart nunca obteve sucesso comercial,” afirmou Juergen Pieper, analista do banco Metzler, que estima que o actual prejuízo anual do construtor é cerca de 200 milhões de euros. “Faz sentido tornar-se numa das primeiras marcas eléctricas.”

Apesar dos prejuízos, a Smart tem sido útil para a Daimler. Os seus pequenos e eficientes modelos compensam os elevados níveis de emissões de CO2 de alguns modelos da Mercedes-Benz, como o Classe S ou o AMG GT, o que permite à gama da Daimler respeitar a média limite de emissão de CO2 imposta pelas autoridades reguladoras. Adicionalmente, a Smart facilita experimentações arriscadas com novos serviços, como mobilidade partilhada via smartphone, ou utilização do veículo como ponto de entrega para encomendas.

[Fonte: Automotive News Europe]

 

Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)