Volkswagen Amarok finalmente revelada, sem camuflagem e sem mais segredos

By on 7 Julho, 2022

A nova geração da pick-up da Volkswagen está finalmente apresentada. Representa um incrível avanço face à sua antecessora e promete conquistar diversos adeptos.

Desenvolvida em conjunto com a Ford, tendo a Ranger como uma espécie de irmã gémea, a nova Volkswagen Amarok foi literalmente separada à nascença, diretamente na fábrica onde é produzida, na África do Sul. Enquanto a Ford Ranger está destinada a mercados como o da América do Norte, a nova Amarok será o modelo que marcará presença em diversos países de África, mas também do Médio-Oriente e sim, também a vamos receber na Europa lá mais para o final do ano.

Mesmo antes de chegar ao mercado, no entanto, a segunda geração deste modelo tem já uma missão complicada para lidar. Afinal, a sua antecessora viu mais de 830 mil unidades comercializadas nos mais variados mercados a que chegou, um pouco por todo o mundo. Com o novo modelo, tudo muda. A parceria com a Ford traz diversos novos elementos e há até alguns comandos a bordo que se vão reconhecer de outros modelos da oval azul. Apesar disto, esta é uma oportunidade importante para a Volkswagen. Trata-se de um segmento em que provavelmente o Grupo não iria investir, caso tivesse de desenvolver um modelo de raiz. E assim, conseguem manter alguns clientes mais fiéis, com um produto que está longe de não ser interessante.

Depois dos inúmeros teasers que a marca nos foi oferecendo ao longo dos últimos meses, alguns deles ainda sob a forma de esboços, não há como não ficar um pouco desiludido com o formato menos corpulento do que estávamos a idealizar. Ainda assim, é uma pick-up robusta, com um visual final mais próximo do convencional, mas que recebe novos grupos óticos à frente e atrás, com algumas das mais recentes tecnologias em LED e com assinaturas visuais personalizadas, que lhe dão um pouco mais de estilo. Os nomes Amarok estão bem visíveis na secção dianteira e especialmente na traseira, com as enormes letras gravadas na tampa da caixa de carga, que pode ter uma cobertura metálica em alumínio, de forma a proteger o seu conteúdo de olhares mais curiosos. Em alternativa, estão também presentes barras para acessórios ou apenas estéticas, no meio de um enorme mundo de acessórios que estará disponível para este modelo.

Os níveis de equipamento Amarok, Life e Style são os mais comuns para este novo modelo, mas no topo da oferta, ainda poderemos encontrar as versões PanAmericana, com um estilo mais adaptado a uma condução fora-de-estrada, e a Aventura, com um desenho mais exclusivo. Estes cinco patamares, estarão divididos por dois formatos de cabine: a DoubleCab, de quatro portas e a SingleCab de duas portas. No primeiro caso, que será certamente a opção mais procurada e mais destinada a que gosta de aproveitar todos os seus tempos livres, o comprimento total da nova Amarok está agora nos 5,35 metros, mais dez do que a sua antecessora, e a distância entre eixos também aumentou mais de 17 centímetros, chegando agora aos 3,27 metros, o que beneficia o espaço disponível a bordo, especialmente para quem viaja nos lugares traseiros.

Além disso, estas modificações, fazem também com que o seu comportamento fora de estrada seja agora mais composto e eficaz, mesmo quando o tipo de piso em que circulamos esteja longe de ser o mais plano e bem conservado. O sistema de tração integral 4Motion será disponibilizado de série na grande maioria dos mercados em que a Amarok estiver disponível, pelo que esta será também uma excelente proposta para os mais apaixonados por todo-o-terreno. Entre outras vantagens, o novo modelo, conta agora com uma capacidade de passagem a vau de 80 centímetros, sendo que antes, eram apenas 50.

A gama prevista de motores para a nova Amarok inclui quatro motores turbodiesel e um turbo, a gasolina, todos eles afinados especificamente para este modelo. Disponíveis consoante o mercado a que estão destinados, a oferta começa com um 2.0 TDI de quatro cilindros e 150 cavalos de potência, seguindo para uma versão de 170 e outras duas biturbo de 204 ou 209 cavalos, mais uma vez, consoante o mercado. No topo da oferta está o bloco de três litros, com seis cilindros em V, a debitar 241 ou 250 cavalos, e para terminar, existirá ainda um muito exclusivo motor a gasolina de 2,3 litros, com cerca de 300 cavalos de potência. Em estreia, tal como na Ranger, está uma caixa de velocidades automática com dez relações (e-shifter), que fará parte do equipamento de série de todas as versões com mais de 210 cavalos de potência. E para a versão de 204 cavalos (ou 209), estará disponível em opção.

O lado mais moderno da nova Volkswagen Amarok, além dos sistemas de iluminação em LED e dos mais de 20 novos sistemas de assistência ao condutor que passam a estar disponíveis, é mais visível no habitáculo, onde as semelhanças com a sua irmã gémea também são facilmente identificáveis. Em grande destaque, está o enorme monitor vertical no centro da consola, que engloba a grande maioria dos comandos, configurações e do sistema multimédia e de navegação. E depois, temos ainda um painel de instrumentos totalmente digital e personalizável, além de diversos equipamentos que já são quase obrigatórios nos dias que correm. Nem sequer falta um sistema de som desenvolvido pela Harman Kardon.

Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)