O Automais esteve na apresentação nacional do novo Kia Stinger

By on 6 Outubro, 2017

Kia Stinger – Apresentação nacional

Texto: João Tomé 

Stinger: a face gran turismo da Kia

Tem nome de míssil terra-ar e a Kia quer que seja uma arma da marca para mostrar o que consegue fazer a nível de alta performance. Este Gran Turismo com ‘dedos’ de um ex-chefe da BMW, aponta baterias à marca bávara no seu terreno, o prazer de condução.

A Kia já conseguiu conquistar muitos clientes europeus ao longo das últimas décadas, mostrando qualidade e fiabilidade que muitos não viam nos primeiros tempos da marca coreana no Velho Continente. Agora que mostrar algo mais. O Stinger não é só o modelo de produção com melhores prestações da história da Kia, é também uma ostentação das futuras linhas de design para marca e um exemplo daquilo que pode fazer no lado desportivo, olhando apenas para o prazer de condução.

Fomos até ao Douro, num passeio (demasiado) breve, conhecer o modelo mais rebelde da marca e, não só no aspeto, como nas primeiras impressões, sentem-se as inspirações.

Para já pode ficar a saber que o Stinger surge em Portugal com três motorizações disponíveis, com preços compreendidos entre os 55 650€ (com o motor a gasolina 2.0 T-GDI com 255 cv, tração traseira e caixa automática de oito velocidades) e os 80 150€ (para o intenso V6 twin-turbo, 3.3 T-GDI com 370 cv, de tração integral). O motor 2.2 CRDI com 200 cv, tração traseira e caixa automática de oito velocidades custa 57.650€. Os valores incluem a campanha de lançamento promovida pela Kia Portugal no valor de 5500 euros. Os níveis de equipamento são dois: GT-Line e, no topo, o GT.

Design: Tiger Nose reforçado

Inspirado no concept car GT4 Stinger, revelado no Salão de Detroit de 2014, este é um modelo pensado e desenhado no estúdio de design europeu da Kia em Frankfurt. Peter Schreyer, diretor de design da Kia Motors, supervisionou o projecto que Gregory Guillaume, designer chefe da Kia Motors Europe, executou.

Guillaume, já admitiu que se inspirou nos modelos GT, Gran Turismo, exemplos de performance e elegância, que ele observava com admiração no sul de França – disso é exemplo o Maserati Ghibli. Mas o Stinger aponta baterias a competir no terreno do BMW Série 4 Gran Coupé, ou do Série 3.

Além do longo capot e um curto overhang dianteiro de 830 mm, o Stinger tem uma longa distância entre eixos (2905 mm), que proporciona um habitáculo espaçoso, tudo isto envolvido por uma linha de cintura possante e larga.

A forma em “garrafa de Coca-Cola” dos flancos destaca e reforça o poder visual da linha de cintura do Stinger, bem como a sua silhueta fastback, onde não faltam inspirações de desportivos com história. Outros elementos puramente funcionais do design exterior (p. ex. as entradas de ar do capot, os contornos dos arcos das rodas, fundo plano e o difusor traseiro integrado) contribuem para a sua eficiência aerodinâmica. Por seu turno, a saia traseira apresenta quatro saídas de escape ovais, enquanto a grelha “nariz de tigre” característica da Kia fica posicionada entre complexos faróis LED.

O visual externo gran turismo é complementado pela disposição e pelo ambiente do habitáculo, situado num plano baixo – típico da condução desportiva – com um pára-brisas muito inclinado e um painel de instrumentos elevado que percorre um plano horizontal.

O desafio inicial foi “tentar jogar a experiência dinâmica com a aparência emocional” do Stinger, explicou recentemente Guillaume. À primeira vista, temos de o reconhecer, o modelo respira agressividade no aspecto e nunca desilude na condução, embora só tenhamos conseguido fazer algumas curvas com ele – iremos testá-lo mais a sério em breve.

Com chegada aos concessionários portugueses no dia 21 de outubro, o Stinger já está à venda (já foram mesmo vendidas algumas unidades a clientes que nunca viram ao vivo o carro).

O motor que se prevê que venha a ser responsável pela maioria das vendas do Stinger em toda a Europa é um turbodiesel de 2,2 litros, capaz de debitar 200 cv às 3800 rpm. Os seus 441 Nm de binário máximo estão disponíveis numa ampla faixa entre as 1750 e as 2750 rpm, permitindo uma aceleração dos 0 aos 100 km/h em 7,7 segundos e uma velocidade máxima de 225 km/h. No primeiro contacto que tivemos com este motor, não ficámos impressionados com a resposta, mas ficámos deliciados pela proximidade com as características e nas sensações de condução do BMW Série 3, por exemplo.

A mais potente unidade propulsora do Stinger é o motor “Lambda II” V6 de 3,3 litros biturbo, a gasolina, com uma potência máxima de 370 cv às 6000 rpm e 510 Nm de binário, acessíveis entre as 1300 e as 4500 rpm. As versões GT equipadas com este motor conseguem acelerar dos 0 aos 100 km/h em apenas 4,9 segundos, tornando o Stinger no modelo de produção da Kia com a aceleração mais rápida de sempre. Com este motor, a Kia aponta para uma velocidade máxima de 270 km/h.

Esta versão de topo com motor V6 apresenta de origem sistema de travagem da Brembo com discos ventilados e pinças de quatro pistões na dianteira e dois pistões na retaguarda. É possível optar entre os modos de condução Personal, Sport, Eco, Comfort e Smart, modificando os parâmetros da direção, aceleração e transmissão.

O Stinger é o primeiro sedan da Kia a ser disponibilizado com tração traseira ou integral – oferecendo esta última uma maior capacidade dinâmica, mesmo nas condições mais difíceis. Com a tração traseira, a potência é distribuída pelo eixo traseiro através de um diferencial autoblocante mecânico opcional.

O sistema de tração integral que favorece o eixo traseiro e está equipado com o sistema Dynamic Torque Vectoring Control (controlo de distribuição dinâmica do binário), que monitoriza as solicitações do condutor e as condições da estrada, aplicando automaticamente a potência e a força de travagem às rodas adequadas para manter a trajetória em piso molhado ou seco

O espaço é uma das mais valias do Stinger. Partilha plataforma com o futuro Hyundai G70 – e é maior do que um Série 3 e pouco mais pequeno do que um Porsche Panamera. Como berlina para cinco ocupantes que é, distingue-se o estilo coupé (e silhueta Fast back) e os 4,83 metros de comprimento – a distância entre eixos de 2,91 metros ajuda a ter bastante espaço no interior e uma bagageira de bom nível, com 406 litros. A ajudar ao ramalhete de prazer de condução está a tração traseira.

Prometemos um teste digno desse nome para breve.

O equipamento

Todas versões do Stinger contam com dotações de equipamento alinhadas com o nível premium deste modelo, tendo sido privilegiada uma estratégia de maximização do equipamento de série. É assim que em todos os modelos se encontram elementos como bancos desportivos em pele com regulação elétrica, sistema de som Harman Kardon, navegação, faróis full LED com assistente de máximos, câmara de auxílio ao estacionamento 360º, chave inteligente, Drive Mode Select (que ajusta parâmetros dinâmicos da condução) e caixa automática de 8 velocidades com comandos no volante, entre muitos outros.

Ao nível do equipamento de segurança, o Stinger surge no nosso mercado com o leque completo das tecnologias mais recentes da Kia, entre os quais a Travagem Autónoma de Emergência e o sistema de alerta para a fadiga do condutor. Trata-se de uma filosofia de equipamento que coloca o Stinger num plano especialmente competitivo dentro do universo premium e lhe confere um elemento diferenciador adicional.

Dados técnicos

Grupo motopropulsor

2,2 litros / 202 cv “R” diesel

Tipo – Turbocomprimido, quatro cilindros em linha

Cilindrada – 2199 cc

Diâmetro e curso – 85,4 x 96,0

Taxa de compressão – 16.0:1

Potência máxima – 200 cv (147 kW) às 3800 rpm

Binário máximo – 440 Nm às 1750-2750 rpm

Válvulas – 16 (4 por cilindro)

Sistema de alimentação – CRDI (injeção direta common-rail)

2,0 litros / 255 cv ‘Theta II’ gasolina

Tipo – Turbocomprimido, quatro cilindros em linha

Cilindrada – 1998 cc

Diâmetro e curso – 86,0 x 86,0

Taxa de compressão – 10,0:1

Potência máxima – 255 cv (188 kW) às 6200 rpm

Binário máximo – 353 Nm às 1400-4000 rpm

Válvulas – 16 (4 por cilindro)

Sistema de combustível – GDI (injeção direta de gasolina)

3,3 litros / 370 cv ‘Lambda II’ V6 gasolina

Tipo – V6 biturbo

Cilindrada – 3342 cc

Diâmetro e curso – 92,0 x 83,8

Taxa de compressão – 10.0:1

Potência máxima – 370 cv (276 kW) às 6000 rpm

Binário máximo – 510 Nm às 1300-4500 rpm

Válvulas – 24 (4 por cilindro)

Sistema de alimentação – GDI (injeção direta de gasolina)

Sistema de transmissão

2.2D 2.0i 3.3i

Sist. de transmissão – Tração tras. Tração tras. Tração int.

Caixa de velocidades

Automática de oito velocidades (todos os modelos)

Performance

2.2D / 2.0i / 3.3i

Aceleração 0 aos 100 km/h – 7,6 / 6,0 / 4,9

80 aos 120 km/h – 5,9 / 4,4 / 3,3

Veloc. máxima (km/h) – 230 / 240 / 270

Sistema de suspensão

Dianteira Independente, com braços MacPherson montados na subestrutura, molas helicoidais, amortecedores a gás e barra estabilizadora.

Traseira Totalmente independente, com duplos braços triangulares montados na subestrutura, molas helicoidais, amortecedores a gás e barra estabilizadora.

Direção

Tipo Direção assistida elétrica acionada por motor, de pinhão e

cremalheira e relação variável

Voltas, extremo a extremo

2,2D – 2,4

2.0i – 2,4

3.3i – 2.1

Círculo de viragem – 11,2 m (tr. tras.), 11,7 m (tr. integral)

Travões

2.2D 2.0i 3.3i

Dimensões (fr/tr) (mm) – 320/315; 345/330; 350/340

À frente Discos ventilados Discos ventilados Discos ventilados Brembo (4 êmbolos)

Atrás Discos maciços Discos maciços Discos ventilados Brembo (2 êmbolos)

Jantes e pneus

2.2D Pneus – 225/45 R18, jantes de liga leve 8.0Jx18

2.0i Pneus – 225/45 R18, jantes de liga leve 8.0Jx18

3.3i Pneus – 225/40 R19, jantes de liga leve 8.0Jx19 (à frente)

Pneus 255/35 R19, jantes de liga leve 8.5Jx19 (atrás)

Sobresselente Kit de reparação de pneus ou pneu sobresselente temporário opcional

Dimensões (em mm)

Exterior

Comprimento total – 4830

Largura total – 1870*

Altura total – 1400

Distância entre eixos – 2905

Projeção dianteira – 830

Projeção traseira – 1095

*excluindo retrovisores exteriores

Interior

Espaço ao nível da cabeça (fr/tr) – 974/939

Espaço para as pernas (fr/tr) – 1083/925

Espaço ao nível dos ombros (fr/tr) – 1433/1391

Pesos (kg)

2.2D / 2.0i / 3.3i

Tara – 1703 / 1642 / 1834

Peso bruto – 2260 / 2185 / 2325

Peso bruto rebocável com travões – 1500 / 1500 / 1500

Peso bruto rebocável sem travões – 750 / 750 / 750

Capacidades

Depósito de combustível (l) – 60

Bagageira (l) – 406 (1114 com bancos traseiros rebatidos)

Emissões CO2 (g/km) e consumo de combustível (litros/100 km) 

Combinado / Urbano / Extra-urbano

2,2 litros diesel

Tração tras., jantes de 18” Combinado/Urbano/Extra-urbano – 5,6 / 6,6 / 4,9

Emissões CO2 – 147

2,0 litros gasolina

Tração tras., jantes de 19” Combinado/Urbano/Extra-urbano – 8,3 / 11,2 / 6,7

Emissões CO2 – 190

3,3 litros gasolina

Tração integ., jantes de 19” Combinado/Urbano/Extra-urbano – 10,6 / 14,2 / 8,5

Emissões CO2 – 244

 

 

Ensaios: consulte os testes aos novos carros feitos pelos jornalistas do Auto+ (Clique AQUI)
Fichas Auto+: consulte as informações técnicas de todos os modelos à venda em Portugal (Clique AQUI)
Pesquisa: procure todos os modelos que pretende através do motor de Pesquisa Auto+ (Clique AQUI)