BMW 725d – Ensaio Teste

By on 3 Maio, 2018

BMW 725d 

Texto: Filipe Pinto Mesquita

No arriscar é que está o ganho

A BMW desceu a parada. No segmento das berlinas de luxo é atualmente a única que oferece um motor de 4 cilindros, com que dotou o 725d. Mas será que porta-estandarte da marca bávara perdeu realmente argumentos na corrida dos “executivos”? Fomos descobrir…

Nota: A versão exibida nas fotografias difere da ensaiada, mas é esteticamente idêntica.

Mais:

Conforto/Tecnologia/Exclusividade

 

Menos:

Preço/Lista de opcionais elevada

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Por mais ou menos apelativo que seja o design dum veículo do segmento F, na classe dos automóveis executivos são sempre o tamanho e o porte que comandam as emoções. Com 5.098 mm de comprimento, o BMW Série 7 não é exceção e esse é o seu primeiro argumento para firmar posição na “corrida executiva”. Com linhas modernas, mas sem conseguir escapar ao epíteto de “um Série 5, mas maior”, o topo de gama da marca bávara encontra na sexta geração um equilíbrio de formas quase perfeito, mantendo um elevado grau de nobreza próprio de quem nasceu em berço de ouro e de quem sabe para que veio ao mundo.

O ar pesado é indisfarçável, mas, curiosamente, devido à integração de componentes de fibra de carbono na nova plataforma (CLAR) estreada pela BMW, o peso é maior na imagem do que na balança real já que o este BMW 725d acusa “apenas” 1725 kg. Na versão 725d, é talvez o cromado lateral inferior, o pormenor que mais lhe aguça esse estatuto aristocrata, ainda que não seja consensual em termos de gosto. Mas, com consenso ou sem ele, não há dúvida que o Série 7 impressiona por onde quer que passe, deixando um rasto de “inveja” e enchendo o ego de quem o conduz ou simplesmente viaja nos lugares traseiros… se não for distraído com preocupações profissionais, claro!

Interior

O tamanho e a imagem exterior importam, mas para quem adquiri um Série 7 é o habitáculo e todas as funcionalidades que ele proporciona ou com que está preparado para lidar que se poderão revelar decisivos na altura de “passar o cheque”. Mesmo na versão mais baixa do topo de gama da BMW, o ambiente a bordo é sempre “eloquente” e espaço é coisa que sempre prolifera.

Os bancos traseiros ganham prioridade como sempre acontece nas berlinas de luxo, e neste caso, é possível associar a excelência do conforto e alguns apetecíveis mimos. Por exemplo, os encostos de cabeça traseiros com almofadas são reguláveis eletronicamente, mas também há lugar para programa de massagens, que torna ainda mais relaxante qualquer viagem, independentemente do destino, até porque os bancos traseiros são sempre reclináveis e aquecidos. Também é possível contar com cortinas de privacidade (traseira e laterais atrás), para além de saída de ar condicionado independentes para os lugares traseiros.

Com qualidade de materiais e montagem acima de qualquer suspeita, “luxo” é a primeira palavra que salta à vista em todas as circunstâncias, mesmo para o condutor e passageiro (este sem direito a sistema de massagem) que podem também usufruir de bancos com revestimento de pele ultra-confortáveis. E nem o tamanho XL da bagageira (com 515 litros) destoa das orientações executivas do automóvel, onde a palavra “grande” está presente em quase tudo.

Equipamento

Seria um exercício exaustivo e demasiado fastidioso descrever, ao pormenor, a lista de equipamento completa que o 725d traz de série. No entanto, há sempre espaço para destacar alguns pormenores relacionados com a segurança e o conforto, como o sistema de ângulo morto, o assistente de faixa de rodagem (funciona acima dos 10 km/h), o sistema de aviso de aproximação, o sistema de travagem automática (entre os 10 e os 60 km/h), o sistema de deteção de peões (trava automaticamente se o condutor não reagir às advertências de perigo na aproximação a peão), o acesso mãos-livres, bem como ar condicionado automático quadri-zona, o sistema cruise control (adaptativo co Stop&Go custa mais 1.970 €), os sensores de chuva, luz e parqueamento, não ficando de fora o sistema de navegação profissional ou o Hotsport Wifi. Enfim, há um mundo de dispositivos para explorar dentro do 725d.

Equipamento Extra

São mais de 10.000 € em extras que contabiliza a unidade ensaiada. Entre os mais importantes destaque para a cor Cinza Artic metalizada com efeito brilhante (927 €), para a pele Nappa Preto/Preto (1.260€), para o volante desportivo em pele (130 €), para a transmissão automática Steptronic (244 €), para a função fecho suave de portas (577 €), para as cortinas de vidros laterais traseiros(1.049 €), para o Pack Fumadores (49 €), para o Pack Ambiente Air (276 €), para a função de massagem nos bancos traseiros (927 €), para o Surround View (626 €), para o Sistema Harmon Kardon (1.089 €), para a Conectividade de aparelhos móveis, Bluetooth e USB com carregamento wireless (585 €), para o forro de teto antracite BMW Individual (325 €) e para o Pack Serviços Connected Drive (que inclui Serviços Connected Drive, Informação de trânsito em tempo real, Serviços Concierge e Serviços Remote) (594 €).

Consumos

Quanto maior e mais pesado é o automóvel, maior parece ser a diferença entre os consumos reais e anunciados pela marca, pelo menos enquanto o ciclo NEDC servir de barómetro e não ainda a mais precisa normativa WLTP. No caso deste BMW 725d, os quatro cilindros revelam-se, naturalmente, menos gulosos que os seis que equipam a versões superiores, mas, em todo o caso, a diferença entre a realidade e a ficção, ainda se situa nuns pouco abonatórios 3,4 l/100 km. Na prática e em números redondos, isto significa que enquanto a marca anuncia 4.4 l/100 km, a realidade é mais dura, deixando registada no computador de bordo uma média de 7,8 l/100 km. Mas, verdade seja dita, para quem pode dar mais 100.000 € por um automóvel, esses continuam a ser números pouco assustadores.

Ao volante

Há duas maneiras de encarar o modelo que serve de base gama à Série 7 da BMW. É tão simples como… ou se viaja nos bancos da frente ou nos bancos de trás! Ambas oferecem experiências emocionais enriquecedoras, mas é nos lugares traseiros que os maiores privilégios de uma berlina de luxo ganham destaque. O conforto e a sensação de bem-estar proporcionada pelo espaço alargado disponível, com todo o arsenal de equipamento integrado (seja pelas massagens, seja pelo jogo de luzes ambiente, entre muitas outras coisas) é um deleite para os sentidos. Contudo, uma boa parte das sensações de conforto absoluto percecionadas ainda são comandadas a partir dos lugares da frente. Seja por voz, por toque no monitor central de 10,25’’, por gestos (a partir dos quais é possível aumentar ou diminuir o volume do sistema áudio e atender ou desligar chamadas) ou a partir do comando rotativo iDrive, o condutor pode interferir no conforto dos restantes ocupantes, da mesma forma que selecionar um dos quatro programas de condução disponíveis – EcoPro, Comfort, Sport e Adaptative (ajusta as configurações ao estilo de condução e à estrada) – é um privilégio igualmente seu.

Estradista por vocação e por excelência, o 725d apresenta credenciais dinâmicas mais do que suficientes para viagens sublimes e rápidas, se a pressa apertar. E não é o facto do motor ter apenas quatro cilindros que vai manchar o seu currículo dinâmico. Os 231 cv soltos pelo motor são suficientemente energéticos para impulsionar os 1725 kg de massa estática para ritmos elevados, como comprova a velocidade máxima anunciada de 245 km/h e o registo de 6,9s para atingir os primeiros 100 km/h. Mesmo se mais talhado para as viagens descansadas, o 725d também pode curvar depressa com enorme estabilidade e segurança, seja porque hoje apeteceu ao “Ambrósio” soltar os músculos, seja por que o patrão está atrasado para aquela reunião. Enfim, o melhor de dois mundos, está disponível de série!

Concorrentes

Audi A8 50 TDI 3.0 V6 TDI Tiptronic com 286 cv a partir de 119.180 €

Jaguar XJ 3.0D V6 300 cv Luxury com 300 cv a partir de 106.205 €

Lexus LS 500h Executive + com 359 cv a partir de 130.150 €

Maserati Quattroporte V6 Diesel 275 HP Essence com 275 cv a partir de 129.710 €

Mercedes-Benz S 350d com 286 cv a partir de 117.600 €

Porsche Panamera (gasolina) com 330 cv a partir de 109.396 €

Balanço final

Descendo a fasquia na motorização, o BMW 725d joga forte na exclusividade e esse é, por ventura, um dos seus maiores trunfos face à concorrência. Mas, apesar do que se possa pensar, isso não implicou fazer demasiados compromissos em termos dinâmicos e como, em tudo o resto (conforto, tecnologia e segurança) o mais modelo mais baixo da gama Série 7 mantém todas as suas qualidades, é bem provável que a aposta da marca germânica dê os seus frutos. Só o preço elevado de 105.113 € podem trair a jogada de mestre da BMW.

Ficha técnica

Motor

Tipo: 4 cilindros em linha, injeção direta, turbo

Cilindrada (cm3): 1995

Diâmetro x curso (mm): 90.0 x 84.0

Taxa de Compressão: 16,5: 1

Potência máxima (cv): 231/4400

Binário máximo (Nm/rpm): 500/2000

Transmissão, direção, suspensão e travões

Transmissão e direção: Traseira, com caixa automática 8 velocidades; direção elétrica, assistida

Suspensão (fr/tr): Independente multibraços / Independente multibraços

Travões (fr/tr): Discos ventilados/Discos ventilados

 Prestações e Consumos

Aceleração: 0-100 km/h (s): 6,9

Velocidade máxima (km/h): 245

Consumos urbano/extra-urb./misto (l/100 km): -/-/4,4

Emissões de CO2 (g/km): 116

Dimensões e pesos

Comprimento/Largura/Altura (mm): 5098/1902/1478

Distância entre eixos (mm): 3070

Largura das vias (fr/tr) (mm): 1618/1646

Peso (kg): 1725

Capacidade da bagageira (l): 515

Depósito de combustível (l): 78

Pneus (fr/tr): 245/50 R18 / 255/50 R18

Preço da versão ensaiada (Euros): 115930€
Preço da versão base (Euros): 105113€

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!