Hyundai i30 N 2.0 TGDi 8DCT Performance Pack – Ensaio Teste

By on 27 Agosto, 2021

Hyundai i30 N 2.0 TGDi 8DCT Performance Pack – Ensaio Teste

Texto: Guilherme André

Um dos mais emotivos do segmento

Apresentado em 2017, o Hyundai i30 N deu a conhecer a nova divisão desportiva da marca sul-coreana. Sensivelmente quatro anos depois, com a apresentação de várias novidades do segmento C desportivo, que já passaram pelo Automais, a Hyundai viu a necessidade de atualizar a fórmula para continuar apelativa num mercado aguerrido. Neste restyling, o Hyundai i30 N ganha novos argumentos estéticos, reforço tecnológico, um ligeiro incremento de potência e uma nova transmissão. Será este o modelo mais emotivo do segmento?


Mais:

som do escape, motor, dinâmica

Menos:

plásticos do interior

Exterior

8/10

Exterior (8/10) No exterior, o Hyundai i30 N continua igual a si mesmo, mas com ligeiras melhorias que garantem uma imagem mais moderna. De facto, apresenta-se com uma secção dianteira redesenhada, com um formato semelhante aos mais recentes modelos da marca, com destaque para os novos faróis LED. Os para-choques também sofreram retoques, bem como os farolins. O difusor traseiro conta agora com duas novas ponteiras de escape de maiores dimensões.

Interior

8/10

Interior (8/10) Se por fora a Hyundai foi conservadora, no interior não se pode dizer o mesmo. Ao abrirmos a porta do Hyundai i30 N, rapidamente percebemos que estamos perante uma unidade renovada graças ao novo ecrã central de 10,25 polegadas. Este apresenta as informações do mais recente sistema de infotainment da marca sul-coreana. Apesar de não ser tão intuitivo como o de outros rivais, por exemplo o Golf GTI, é talvez o que tem um menu dedicado à performance mais completo.

No denominado “modo N”, o ecrã central apresenta informações como pressão do turbo, entrega de binário, potência, força-G ou até mesmo um temporizador para o caso de querer cronometrar as suas voltas num track-day. Para além disso, é também aqui que se configura o modo de condução “custom” onde é possível alterar coisas como resposta do motor, som do escape, suspensão, entre outros.

O habitáculo conta ainda com novos bancos desportivos que, para além de mais leves do que os utilizados no pré-restyling, garantem um bom apoio lateral em andamentos mais acelerados, mas sem que isso perturbe o conforto numa utilização “normal” no dia-a-dia. O condutor tem à sua frente um volante multifunções com um botão específico N com destaque para a inclusão de patilhas de seleção de velocidade que acompanham a nova transmissão automática de 8 velocidades. De referir ainda que o Hyundai i30 N conta com uma bagageira de 395 litros de volumetria.

Equipamento

8/10

Equipamento (8/10) No que diz respeito a equipamento, o Hyundai i30 N que tivemos em ensaio conta com o Performance Pack. Assim, os clientes vão encontrar, de série, sistema de navegação, jantes de 19 polegadas, capas dos espelhos em preto, chave inteligente, ecrã central de 10,25 polegadas, conectividade ao smartphone (Apple CarPlay e Android Auto), diferencial (E-LSD), sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, câmara traseira, alerta de ângulo morto, modos de condução, faróis e farolins LED, sistema de escape ativo, bancos em pele e alcantara, pedais em alumínio e travagem automática de emergência. A unidade em questão tem somente um opcional, a pintura metalizada (430€).

Consumos

6/10

Consumos (6/10) Passando para os consumos, é aqui que encontramos o principal “calcanhar de Aquiles” do desportivo sul-coreano. A Hyundai anuncia um consumo combinado de 8,4 l/100 km, porém, durante o nosso ensaio, percebemos que esse valor é muito difícil de conseguir. Numa utilização cuidadosa e sem “abusar” do acelerador, conseguimos uma média de 9,6 l/100 km. Caso pretenda explorar todos os 280 cv do Hyundai i30 N pode esperar um aumento para valores superiores a 14 l/100 km.

Ao Volante

9/10

Ao volante (9/10) Ao iniciarmos marcha rapidamente percebemos que o Hyundai i30 N é um desportivo bastante firme, principalmente com o modo de condução N selecionado. É também neste modo que temos toda a “alma” do modelo sul-coreano que em trajetos sinuosos mostrou uma grande eficácia graças a um diferencial bem trabalhado. Convém ainda recordar que o chassis deste Hyundai i30 N foi criado por Albert Biermann, um homem que liderou a divisão M da BMW e, por isso, está mais do que habituado a construir carros feitos para os condutores mais exigentes. Sempre muito estável, não tão exuberante como o Type R ou o Mégane R.S., apontamos a dianteira à curva e apenas necessitamos de realizar ligeiras correções ao longo da mesma, sempre com uma traseira estável. Na saída basta pisar o acelerador e aproveitar toda a potência do quatro cilindros turbo, potência essa que é mantida no chão pelos pneus Pirelli P Zero.

Por outro lado, numa utilização diária, o Hyundai i30 N não é tão confortável como outras soluções do mercado, principalmente para os passageiros traseiros. As jantes de 19 polegadas, aliadas a um amortecimento rijo fazem com que todas as saliências da estrada sejam sentidas.

Motor

9/10

Motor (9/10) Debaixo do capot, o renovado Hyundai i30 N mantém o motor quatro cilindros de 2.0 litros turbo, contudo, esta solução foi melhorada. Nesta versão Performance Pack, a potência subiu para os 280 cv (mais 5 cv) e 392 Nm de binário (mais 39 Nm). Este é agora acompanhado por uma nova caixa automática de dupla embraiagem de oito velocidades (8DCT) que ajuda a melhorar os valores de performance: a aceleração dos 0 aos 100 km/h é agora feita em 5,9 segundos, enquanto a velocidade máxima mantém-se nos 250 km/h. A nova transmissão é ainda acompanhada por três novas funções dedicadas à performance: N Grin Shift, N Power Shift e N Track Sense Shift.

Uma das grandes mais valias do Hyundai i30 N é o seu sistema de escape. Num mercado em que os desportivos estão cada vez mais silenciosos, como é o caso do Honda Civic Type R, é uma verdadeira lufada de ar fresco ter nas nossas mãos um carro como o i30 N. No seu modo mais agressivo, o sistema de escape deixa os petrolheads maravilhados com um verdadeiro festival de “tiros” que parecem pedir cada vez mais ao condutor, garantindo uma condução extremamente emotiva.

Balanço Final

8/10

Balanço Final (8/10) Em suma o Hyundai i30 N é bem mais do que um mero “participante” no segmento C desportivo. Com uma potência próxima dos principais rivais, visual musculado e argumentos técnicos bastante apelativos, é sempre uma solução a ter em conta. Se o seu objetivo é ter um desportivo emotivo que “puxe por si”, talvez este seja a solução ideal, muito por culpa de um dos melhores, ou talvez o melhor, sistema de escape do segmento. De referir que pode ter tudo isto por menos de 50 mil euros. 

Concorrentes

Renault Mégane R.S. – Motor: Quatro cilindros, 1.8 litros, turbo, gasolina; potência: 300 cv e 420 Nm de binário; aceleração dos 0 aos 100 km/h:  5,7 segundos; preço base: 44 100€

Honda Civic Type R – Motor: quatro cilindros, 2.0 litros, turbo, gasolina; potência: 320 cv e 400 Nm de binário; tração: dianteira; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 5,8 segundos; preço base: 52 190€

Ford Focus ST – Motor: quatro cilindros de 2.3 litros, turbo, gasolina; potência: 280 cv e 420 Nm de binário; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 5,7 segundos; preço base: n.d.

Ficha Técnica

Motor                                                                            

Tipo: 4 cilindros em linha, turbo, gasolina

Cilindrada (cm3): 1998

Diâmetro x Curso (mm): 86 x 86

Taxa de Compressão: 9,5 a 1

Potência máxima (CV/rpm): 280/5500-6000

Binário máximo (Nm/rpm): 392/2100-4700

Tração: dianteira

Transmissão: Automática 8 velocidades

Direção: Pinhão e cremalheira, assistida eletricamente

Suspensão (ft/tr): independente tipo McPherson / independente multibraços

Travões (fr/tr): discos ventilados / discos ventilados

Prestações e consumos 

Aceleração 0-100 km/h (s): 5,4

Velocidade máxima (km/h): 250

Consumos misto (l/100 km): 8,4

Emissões CO2 (gr/km): 191

Dimensões e pesos 

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4340/1795/1444

Distância entre eixos (mm): 2650

Largura de vias (fr/tr mm): 1573/1564

Peso (kg): 1530

Capacidade da bagageira (l): 395

Deposito de combustível (l): 50

Pneus (fr/tr): 235/35 R19

Preço da versão ensaiada (Euros): 49 830€
Preço da versão base (Euros): 49 400€

 

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Exterior (8/10) No exterior, o Hyundai i30 N continua igual a si mesmo, mas com ligeiras melhorias que garantem uma imagem mais moderna. De facto, apresenta-se com uma secção dianteira redesenhada, com um formato semelhante aos mais recentes modelos da marca, com destaque para os novos faróis LED. Os para-choques também sofreram retoques, bem como os farolins. O difusor traseiro conta agora com duas novas ponteiras de escape de maiores dimensões.

Interior

Interior (8/10) Se por fora a Hyundai foi conservadora, no interior não se pode dizer o mesmo. Ao abrirmos a porta do Hyundai i30 N, rapidamente percebemos que estamos perante uma unidade renovada graças ao novo ecrã central de 10,25 polegadas. Este apresenta as informações do mais recente sistema de infotainment da marca sul-coreana. Apesar de não ser tão intuitivo como o de outros rivais, por exemplo o Golf GTI, é talvez o que tem um menu dedicado à performance mais completo.

No denominado “modo N”, o ecrã central apresenta informações como pressão do turbo, entrega de binário, potência, força-G ou até mesmo um temporizador para o caso de querer cronometrar as suas voltas num track-day. Para além disso, é também aqui que se configura o modo de condução “custom” onde é possível alterar coisas como resposta do motor, som do escape, suspensão, entre outros.

O habitáculo conta ainda com novos bancos desportivos que, para além de mais leves do que os utilizados no pré-restyling, garantem um bom apoio lateral em andamentos mais acelerados, mas sem que isso perturbe o conforto numa utilização “normal” no dia-a-dia. O condutor tem à sua frente um volante multifunções com um botão específico N com destaque para a inclusão de patilhas de seleção de velocidade que acompanham a nova transmissão automática de 8 velocidades. De referir ainda que o Hyundai i30 N conta com uma bagageira de 395 litros de volumetria.

Equipamento

Equipamento (8/10) No que diz respeito a equipamento, o Hyundai i30 N que tivemos em ensaio conta com o Performance Pack. Assim, os clientes vão encontrar, de série, sistema de navegação, jantes de 19 polegadas, capas dos espelhos em preto, chave inteligente, ecrã central de 10,25 polegadas, conectividade ao smartphone (Apple CarPlay e Android Auto), diferencial (E-LSD), sensores de estacionamento dianteiros e traseiros, câmara traseira, alerta de ângulo morto, modos de condução, faróis e farolins LED, sistema de escape ativo, bancos em pele e alcantara, pedais em alumínio e travagem automática de emergência. A unidade em questão tem somente um opcional, a pintura metalizada (430€).

Consumos

Consumos (6/10) Passando para os consumos, é aqui que encontramos o principal “calcanhar de Aquiles” do desportivo sul-coreano. A Hyundai anuncia um consumo combinado de 8,4 l/100 km, porém, durante o nosso ensaio, percebemos que esse valor é muito difícil de conseguir. Numa utilização cuidadosa e sem “abusar” do acelerador, conseguimos uma média de 9,6 l/100 km. Caso pretenda explorar todos os 280 cv do Hyundai i30 N pode esperar um aumento para valores superiores a 14 l/100 km.

Ao volante

Ao volante (9/10) Ao iniciarmos marcha rapidamente percebemos que o Hyundai i30 N é um desportivo bastante firme, principalmente com o modo de condução N selecionado. É também neste modo que temos toda a “alma” do modelo sul-coreano que em trajetos sinuosos mostrou uma grande eficácia graças a um diferencial bem trabalhado. Convém ainda recordar que o chassis deste Hyundai i30 N foi criado por Albert Biermann, um homem que liderou a divisão M da BMW e, por isso, está mais do que habituado a construir carros feitos para os condutores mais exigentes. Sempre muito estável, não tão exuberante como o Type R ou o Mégane R.S., apontamos a dianteira à curva e apenas necessitamos de realizar ligeiras correções ao longo da mesma, sempre com uma traseira estável. Na saída basta pisar o acelerador e aproveitar toda a potência do quatro cilindros turbo, potência essa que é mantida no chão pelos pneus Pirelli P Zero.

Por outro lado, numa utilização diária, o Hyundai i30 N não é tão confortável como outras soluções do mercado, principalmente para os passageiros traseiros. As jantes de 19 polegadas, aliadas a um amortecimento rijo fazem com que todas as saliências da estrada sejam sentidas.

Concorrentes

Renault Mégane R.S. – Motor: Quatro cilindros, 1.8 litros, turbo, gasolina; potência: 300 cv e 420 Nm de binário; aceleração dos 0 aos 100 km/h:  5,7 segundos; preço base: 44 100€

Honda Civic Type R – Motor: quatro cilindros, 2.0 litros, turbo, gasolina; potência: 320 cv e 400 Nm de binário; tração: dianteira; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 5,8 segundos; preço base: 52 190€

Ford Focus ST – Motor: quatro cilindros de 2.3 litros, turbo, gasolina; potência: 280 cv e 420 Nm de binário; aceleração dos 0 aos 100 km/h: 5,7 segundos; preço base: n.d.

Motor

Motor (9/10) Debaixo do capot, o renovado Hyundai i30 N mantém o motor quatro cilindros de 2.0 litros turbo, contudo, esta solução foi melhorada. Nesta versão Performance Pack, a potência subiu para os 280 cv (mais 5 cv) e 392 Nm de binário (mais 39 Nm). Este é agora acompanhado por uma nova caixa automática de dupla embraiagem de oito velocidades (8DCT) que ajuda a melhorar os valores de performance: a aceleração dos 0 aos 100 km/h é agora feita em 5,9 segundos, enquanto a velocidade máxima mantém-se nos 250 km/h. A nova transmissão é ainda acompanhada por três novas funções dedicadas à performance: N Grin Shift, N Power Shift e N Track Sense Shift.

Uma das grandes mais valias do Hyundai i30 N é o seu sistema de escape. Num mercado em que os desportivos estão cada vez mais silenciosos, como é o caso do Honda Civic Type R, é uma verdadeira lufada de ar fresco ter nas nossas mãos um carro como o i30 N. No seu modo mais agressivo, o sistema de escape deixa os petrolheads maravilhados com um verdadeiro festival de “tiros” que parecem pedir cada vez mais ao condutor, garantindo uma condução extremamente emotiva.

Balanço final

Balanço Final (8/10) Em suma o Hyundai i30 N é bem mais do que um mero “participante” no segmento C desportivo. Com uma potência próxima dos principais rivais, visual musculado e argumentos técnicos bastante apelativos, é sempre uma solução a ter em conta. Se o seu objetivo é ter um desportivo emotivo que “puxe por si”, talvez este seja a solução ideal, muito por culpa de um dos melhores, ou talvez o melhor, sistema de escape do segmento. De referir que pode ter tudo isto por menos de 50 mil euros. 

Ficha técnica

Motor                                                                            

Tipo: 4 cilindros em linha, turbo, gasolina

Cilindrada (cm3): 1998

Diâmetro x Curso (mm): 86 x 86

Taxa de Compressão: 9,5 a 1

Potência máxima (CV/rpm): 280/5500-6000

Binário máximo (Nm/rpm): 392/2100-4700

Tração: dianteira

Transmissão: Automática 8 velocidades

Direção: Pinhão e cremalheira, assistida eletricamente

Suspensão (ft/tr): independente tipo McPherson / independente multibraços

Travões (fr/tr): discos ventilados / discos ventilados

Prestações e consumos 

Aceleração 0-100 km/h (s): 5,4

Velocidade máxima (km/h): 250

Consumos misto (l/100 km): 8,4

Emissões CO2 (gr/km): 191

Dimensões e pesos 

Comprimento/Largura/Altura (mm): 4340/1795/1444

Distância entre eixos (mm): 2650

Largura de vias (fr/tr mm): 1573/1564

Peso (kg): 1530

Capacidade da bagageira (l): 395

Deposito de combustível (l): 50

Pneus (fr/tr): 235/35 R19

Preço da versão ensaiada (Euros): 49 830€
Preço da versão base (Euros): 49 400€

 

Preço da versão ensaiada (Euros): 49830€
Preço da versão base (Euros): 49400€