Skoda Superb 2.0 TDI 190 cv – Ensaio

By on 9 Março, 2018

Skoda Superb 2.0 TDI 190 cv Sportline

Texto: André Duarte

Cruzar Mundos

O Superb é a aposta de topo da Skoda. Lançado pela primeira vez em 2001, desde 2015 que caminha na sua terceira geração. Um modelo que proporciona sempre um franco prazer, sejamos condutores ou passageiros, em conformidade com o patamar em que se posiciona. Para todos aqueles que procuram algo mais, a versão Sportline reúne os ingredientes necessários, atribuindo-lhe toques desportivos, na estética e performance, sem perder a sua essência. Tendo sob o capot um motor 2.0 TDI com 190 cv associado a uma caixa automática DSG, premimos o Start & Stop e fomos descobri-lo…

Conheça todas as versões e motorizações AQUI.


Mais:

Motor / Caixa / Comportamento Dinâmico / Conforto / Habitabilidade

 

Menos:

Pormenores Sportline muito subtis

Exterior
Interior
Equipamento
Consumos
Ao volante
Concorrentes
Motor
Balanço final
Ficha técnica

Exterior

Dotar um veículo de topo com laivos de desportivo, sem geneticamente o ser, é sempre um desafio. No fundo, tentar um visual mais radical num modelo de ‘ares’ mais sóbrios. No caso do Skoda Superb, a versão Sportline confere-lhe pormenores que primeiro estranham-se, depois entranham. Primeiro parecem destoar do conjunto, mas depois percebemos-lhe o sentido. ‘Vestem’ bem.

No exterior falamos de vários elementos decorativos em preto: moldura da grelha do radiador, luzes de nevoeiro dianteiras, friso cromado em preto na grelha de ar inferior, spoiler traseiro, caixa dos espelhos retrovisores e jantes de liga leve de 18” Zenith. Pormenores subtis, mas ao mesmo tempo presentes o suficiente, para nos fazerem perceber que não estamos perante um Superb ‘normal’.

Interior

No interior os vários pormenores Sportline fazem-nos de imediato respirar um ambiente diferente do habitual no modelo ‘normal’, também mais desportivo. Falamos de: tablier e painéis das portas axadrezados, iluminação ambiente com 10 cores, bancos desportivos em alcantara preta e costuras prateadas, volante desportivo de três raios com patilhas, capas dos pedais em aço inoxidável e tapetes em tecido preto com bordado Sportline exclusivo. Tudo é bem vindo e proporciona-nos viagens de grande agrado. Sentimo-nos um ‘executivo’ a caminhar para a empresa que chefia com um ‘plus’ de diferença…

O interior é o já conhecido, muito espaçoso, tanto à frente como atrás. Os materiais dispensam apresentações, respirando-se qualidade. Depois, há vários pormenores que simplificam a utilização: suporte para garrafas no forro das portas; dois guarda-chuvas; porta-copos de abertura fácil; suporte para tablet nos bancos traseiros.

Já a bagageira, gigante por sinal, com os seus 625 litros extensíveis a 1760 litros (com os bancos rebatidos, na proporção 40:20:40), conta com vários elementos de fixação de carga, que facilitam o processo de transporte.

O ecrã tátil é muito intuitivo e permite-nos aceder às funcionalidades do veículo, assim como à navegação, rádio, contactos, permitindo-nos também a comutação com o telemóvel. Temos, de série, possibilidade de sintonização de TV, phone box, audiostreaming por bluetooth e sistema de som Canton. Apesar do preço, há sempre a ter em conta o sistema de navegação Infotainment “COLUMBUS” com mapas Europa integrado, Apple connect. e comando de voz, por 1345€.

Equipamento

Sistemas de Assistência à Condução e Segurança

Neste particular, há que ter em conta os seguintes opcionais: assistente de luzes automático, detetor de ângulo morto e assistente de manutenção na faixa de rodagem 980€; assistente dianteiro (incl. City ANB p/ ACC, ACC até 160km/h.) 365€; assistente dianteiro (incl. City ANB p/ ACC, ACC até 160km/h.) 365€; câmara traseira 365€; reconhecimento de sinais de trânsito com câmara multifuncional 70€; deteção de fadiga 45€; airbags para a cabeça inclusive airbags laterais à frente e atrás 295€.

Equipamento Opcional

Entre o equipamento disponível como opcional, destaque para: teto de abrir elétrico 1040€; chassis adaptativo DCC c/ seleção dos modos de condução 970€; pedal virtual 570€; bancos dianteiros aquecidos 240€; sistema de navegação Infotainment “COLUMBUS” com mapas Europa integrado, Apple connect., comando de voz 1345€; jantes de liga leve “VEGA” 8Jx19” 1335€.

Consumos

Em matéria de consumos, no modo Eco conseguimos registos na casa dos 6,3 litros. Se colocarmos no modo Sport e puxarmos pelo conjunto, médias de 10/11 litros serão mais reais.

Ao volante

Ao volante o Skoda Superb versão Sportline com motor 2.0 TDI de 190 cv é um franco agrado. Falamos de um modelo que nos permite chegar aos 100 km/h em 7,7s e nos oferece 400 Nm de binário desde as 1750 rpm. Registos que sem olharmos a ficha técnica, transparecem desde o primeiro pisar do acelerador, mesmo que iniciemos a marcha no modo Eco – a este juntam-se os Individual, Normal e Sport. Este último o que naturalmente nos permite estar em total em sintonia com a versão em causa.

No caso da versão ensaiada, há a destacar a caixa automática DSG, sempre um prazer, que nos permite fazer as passagens através das patilhas (fixas e bem posicionadas) no volante ou do seletor. Esta é uma boa opção para um modelo com estas características, já que nos garante passagens a rigor, mas também nos permite tirar prazer ao recorrermos às patilhas sempre que o entendermos. Nota distintiva da versão Sportline, é o chassis desportivo, rebaixado em 15 mm face à versão normal, entregando-nos em mãos um modelo mais ‘agarrado’ ao asfalto, algo que transparece em condução.

Ao volante transmite-nos de forma muito clarividente a perceção da estrada, colando-se bem a esta. Permite-nos viajar depressa, com uma abordagem em curva muito permissiva e segura, sem nunca assustar, mas com uma ampla faixa de utilização. Podemos encarar traçados mais sinuosos gozando de um comportamento dinâmico de verdadeiro agrado, situações em que a troca de relações através das patilhas de volante, associado à seleção das várias parametrizações no modo Sport, nos permite fazer aumentar a pulsação. Claro que falamos aqui de um registo ‘sport line’, quando o Superb, apesar da distinção da versão, mantém as suas características genéticas, convidativas a relaxar em viagens a ritmos mais moderados.

Ao mesmo tempo, a suspensão absorve com grande rigor as irregularidades, ausentando o corpo de qualquer desconforto, mesmo com um chassis rebaixado e pneus 235/45 R18 de baixo perfil. Os travões e direção atuam também a preceito, num modelo que se revela equilibrado e prazeroso.

Em suma, apesar de estarmos perante uma versão Sportline, esta nunca se distancia verdadeiramente da sua génese original. O que nos permite, na verdade, é termos um Superb ‘normal’, com apontamentos desportivos que podem subtilmente preencher os nossos desejos mais radicais. Ainda assim, no capítulo estético, seriam bem vindos mais alguns pormenores, de modo a demarcar ainda mais esta versão da ‘normal’.

Concorrentes

Entre os concorrentes, destaque para:

BMW 320d Berlina com 190 cv e caixa automática de 8 velocidades por 51.827€

(Conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

Opel Insignia 2.0 Turbo D com 170 cv e caixa automática de 8 velocidades por 49.080€

(Veja o ensaio AQUI e conheça todas as versões e motorizações AQUI)

 

Volkswagen Arteon 2.0 TDI com 190 cv e caixa automática DSG de 7 velocidades por 50.318€.

(Veja o ensaio AQUI e conheça todas as versões e motorizações AQUI)

Motor

O Skoda Superb está disponível em quatro versões: Superb Break; Superb Break Sportline; Superb; Superb Sportline. Os níveis de equipamento são três para as versão ‘normais’: Ambition; Style; L&K. Ao passo que as Sportline têm um nível de equipamento específico, condizente com a referida distinção.

O Skoda Superb Sportline está disponível com motores a gasolina e a diesel. A gasolina a única proposta é o bloco 1.4 TSI com 150 cv e caixa manual de 6 velocidades ou automática DSG de 7. A entrada é feita com a primeira, por 40.290€. A diesel o bloco 2.0 TDI está disponível com 150 cv ou 190 cv, ambas com opção de caixa manual de 6 velocidades ou automática DSG de 7.

Balanço final

O Skoda Superb é um modelo que proporciona um grande prazer em viagem, onde o conforto e segurança são notas dominantes, envolvendo os ocupantes num clima de satisfação a cada quilómetro. Desde o primeiro contacto estamos em sintonia com o seu eu. O motor 2.0 TDI com 190 cv oferece-nos a potência ideal, seja qual for a toada escolhida, sem os consumos serem de forma alguma excessivos. No caso específico, a versão Sportline vem preencher os requisitos de todos os que pretendem conciliar um visual elegante, com toques mais desportivos, sem nunca de facto nos desligarmos da essência Superb. Resultado: um gosto.

Ficha técnica

Motor

Tipo – gasóleo, 4 cil. em linha, injeção direta, admisão variável, turbo de geometria variável, intercooler

Cilindrada (cm3) – 1968

Diâmetro x curso (mm) – 81,0 x 95,5

Taxa de compressão – 15,8:1

Potência máxima (cv/rpm) – 190/3500-4000

Binário máximo (Nm/rpm) – 400/1750-3250

Transmissão e direcção – dianteira, caixa automática DSG; pinhão cremalheira com assistência elétrica

Suspensão (fr/tr) – Tipo McPerson com molas helicoidais à frente e eixo multibraços com molas helicoidais atrás

Prestações e consumos

Aceleração 0-100 km/h (s) – 7,7s

Velocidade máxima (km/h) – 234 km/h

Consumos Extra-urb./urbano/misto (l/100 km) – 4,3/5,3/4,7

Emissões de CO2 (g/km) – 123

Dimensões e pesos 

Comp./largura/altura (mm) –  4861/1864/1453

Distância entre eixos (mm) – 2841

Largura de vias (fr/tr) (mm) – 1584/1572

Travões (fr/tr) – Discos ventilados/Discos

Peso (kg) – 1555

Capacidade da bagageira (l) – 625 (1760 c/ bancos traseiros rebatidos)

Capacidade do depósito (l) – 66

Pneus (fr/tr) – 235/45 R18

Preço da versão ensaiada (Euros): 45609€

Deixe um comentário

Please Login to comment